Como Elon Musk e o Starlink traíram o Exército Ucraniano

Há alguns meses influenciadores ligados à Ucrânia começaram a atacar, criticar e ameaçar Elon Musk, sem qualquer indicação prévia. Após algum tempo de perplexidade, a explicação: o Starlink teria sabotado o esforço de guerra ucraniano. Teria Elon Musk mudado de lado?

Viabilizado pelo sistema Starlink da SpaceX e de Elon Musk, o acesso à internet via satélite é crucial para os caças ucranianos. De acordo com uma investigação de Ronan Farrow, o bilionário quase cortou o acesso à rede por motivos financeiros e políticos.

Essa é uma das principais lições a serem aprendidas com o conflito na Ucrânia, que certamente está repleto delas: a guerra do futuro e a eficácia operacional de seus combatentes dependerão, em grande parte, do acesso fluido e constante à Internet, e os satélites podem garantir isso.

Nessa área, como o Le Monde explicou no final de 2022, Elon Musk e a SpaceX estão vários passos à frente: a primeira de seu tipo, sua constelação de satélites Starlink oferece conectividade a qualquer ponto do globo. Desde os primeiros dias da invasão em larga escala da Rússia na Ucrânia, o sistema rapidamente se tornou vital para a Rússia, para suas populações civis sob bombardeio e para suas tropas e seus drones onipresentes se conectarem.

No entanto, esse tênue fio quase foi rompido, como o Financial Times e a korii. já haviam explicado em outubro de 2022, e como a investigação aprofundada de Ronan Farrow para a New Yorker agora explora em detalhes.

Perda de conexão no meio de uma ofensiva

Desde os primeiros meses do conflito generalizado, a Starlink ofereceu à Ucrânia centenas de receptores de satélite, muitas vezes financiados por fundos públicos ou doações privadas, como Numerama explicou na época e ao contrário do que o chefe da SpaceX afirmou.

Depois que Elon Musk abriu voluntariamente o acesso à rede em território ucraniano, essas antenas forneceram uma garantia sólida de que o acesso do país à Internet, tanto para civis quanto para militares, não poderia ser facilmente cortado ou bloqueado pela Rússia. No entanto, essa organização tem uma falha enorme e óbvia: sem contrato com nenhum Estado e nessa forma frouxa, ela depende da boa vontade de um único homem, nesse caso Musk, cujas opiniões e humores são notoriamente instáveis.

Como Ronan Farrow explica em sua longa e fascinante investigação para a New Yorker, Elon Musk inicialmente assumiu a causa da Ucrânia sem reservas. “Inicialmente, Musk demonstrou apoio ilimitado à causa ucraniana, respondendo com encorajamento quando Mykhaïlo Albertovytch, o ministro da transformação digital do país, tuitou fotos do equipamento em campo”, escreve o jornalista.

Mas as coisas azedaram rapidamente. Musk deixou claro que não poderia fornecer equipamentos ou suporte técnico à Ucrânia por tempo indeterminado. Acima de tudo, o bilionário se sentia cada vez menos confortável com o uso militar que estava sendo feito de sua constelação de satélites.

Então, no outono de 2022, soldados ucranianos relataram cortes de rede na linha de frente e nas regiões de Kherson, Zaporijjia, Kharkiv, Donetsk e Luhansk. No meio de uma ofensiva de outono contra o exército russo, eles se viram subitamente mergulhados em um apagão de informações e, portanto, na escuridão mais perigosa: o pânico se instalou.

“As comunicações caíram, as unidades ficaram isoladas. Quando você está na ofensiva, e isso é particularmente verdadeiro para os oficiais, você precisa de um fluxo contínuo de informações dos batalhões. Os oficiais tinham que correr para a frente para ficar ao alcance do rádio, colocando-se em perigo”, explicou um soldado chamado Mikola a Farrow.

Uma questão de (grandes) milhões

“As autoridades ucranianas explicam que o momento dessas falhas e sua resolução podem sugerir que os problemas não se devem a mau funcionamento técnico ou interferência das forças russas, mas são o resultado de restrições geográficas impostas pela SpaceX”, escreveu o Financial Times, que se referiu a “geofencing”, uma técnica que consiste em cortar o acesso em certas áreas, mas não em outras.

Musk respondeu que a questão era principalmente financeira e que ele não poderia fornecer um serviço gratuito para Kiev indefinidamente. Meses depois, conforme relatado pela Reuters, foi necessária a intervenção do Pentágono e a assinatura de um contrato de US$ 400 milhões para garantir que Elon Musk não cortaria o acesso à Ucrânia por capricho.

“Reportagem ruim do FT. Esse artigo afirma falsamente que os terminais e serviços Starlink foram pagos, quando apenas uma pequena porcentagem foi.

Essa operação custou à SpaceX US$ 80 milhões e ultrapassará os US$ 100 milhões até o final do ano.

Quanto ao que está acontecendo no campo de batalha, isso é confidencial”. – Elon Musk (@elonmusk) 7 de Outubro, 2022

Planos de paz, uma reunião com Vladimir Putin e medo da China

Foi apenas a questão financeira que abalou o apoio total inicial de Musk à Ucrânia? Provavelmente não. Ele se vangloriou publicamente disso antes de se retratar, mas parece que o bilionário nascido na África do Sul conseguiu ter uma conversa direta com Vladimir Putin, a quem propôs um combate individual.

Pouco depois dessa suposta discussão, o multimilionário propôs publicamente um “plano de paz” muito próximo do que poderia ser a linha do Kremlin ou de Donald Trump: a Ucrânia deveria concordar oficialmente em abrir mão dos territórios já conquistados por seu vizinho invasor, em particular a Crimeia, e os dois países poderiam começar a conversar.

Paz entre a Ucrânia e a Rússia:

– Refazer as eleições das regiões anexadas sob a supervisão da ONU. A Rússia sai se essa for a vontade do povo.
– A Crimeia é formalmente parte da Rússia, como tem sido desde 1783 (até o erro de Khrushchev).
– Fornecimento de água para a Crimeia garantido.
– A Ucrânia permanece neutra – Elon Musk (@elonmusk) 3 de outubro de 2022

Em suma, os cortes intermitentes nos serviços da Starlink em áreas onde a Ucrânia estava na ofensiva pareciam corresponder com bastante precisão a esse curioso novo alinhamento de Musk com uma determinada linha mais favorável à visão russa e à de Vladimir Putin.

Mas Farrow leva o raciocínio – e a investigação – um pouco mais longe. De acordo com Farrow, Musk começou a mudar de ideia ao pensar em seu relacionamento altamente dependente com a China. Pequim está preparando sua própria constelação de 13.000 satélites de órbita terrestre baixa, conforme relatado no Washington Post. Mas o motivo pelo qual está fazendo isso, como explica o The Economist, é que o Reino do Meio percebeu rapidamente os riscos militares (e até civis) que a existência de uma rede privada universal como a Starlink, de propriedade de uma empresa americana, poderia representar.

No entanto, Elon Musk é altamente dependente da China: é um mercado colossal para a Tesla, e as gigantescas instalações da marca em Xangai produzem metade dos veículos que ela vende em todo o mundo. E a China, uma discreta aliada da Rússia, deixou claro para Musk que não vê com bons olhos o apoio dele à Ucrânia, sem dúvida tendo em mente o que poderia acontecer em Taiwan se uma invasão fosse decidida.

Portanto, não é coincidência que o chefe da SpaceX e da Tesla tenha, como fez com a Ucrânia e conforme relatado no Le Monde, também apresentado sua própria visão de um “plano de paz” entre as duas Chinas: para Musk, também é uma questão de política, mudança de opiniões e muito, muito dinheiro.

Fonte: Geo

Imagem padrão
Thomas Burgel

Redator e jornalista.

Artigos: 52

Deixar uma resposta