O pacto secreto de 25 anos entre o Irã e a China: contra os EUA e com a bênção da Rússia

O pacto de 25 anos proposto há 4 anos por Pequim à Teerã, com a velada benção militar da Rússia, abalará a geopolítica da Eurásia. Envolve intercâmbios estratégicos com suas moedas: hidrocarbonetos do Irã para investimentos chineses de US $ 400 bilhões em infraestrutura que são uma derrota para Trump e seu aliado Netanyahu.

Desde a ressurreição da Rússia do cemitério geopolítico e a irresistível ascensão da China, tanto o democrata Obama quanto o republicano Trump cometeram dois graves erros geoestratégicos na Eurásia, em meio ao declínio global e doméstico dos Estados Unidos que está passando por uma guerra civil clandestina e igualada a uma guerra de classes e/ou guerra cultural.

O grave erro de Obama foi ter jogado a Rússia nos braços da China, países que formaram uma aliança estratégica cujo alcance e tamanho não são conhecidos pelo público em geral.

Hierarquicamente, o grande erro de Obama vai além do outro erro cometido por Trump, estimulado por seu grande aliado, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, co-religioso de seu genro talmúdico Jared Kushner.

Netanyahu pressionou Trump a romper um produtivo acordo nuclear com o Irã – forjado por Obama, do 5P + 1: os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança mais a Alemanha – para aplicar a “pressão máxima” de sanções econômicas sufocantes e forçá-lo a um novo tratado, favorável a Tel Aviv, o que forçou Teerã a se jogar nos braços de Pequim.

O pior erro estratégico de Trump, além de romper o acordo que Obama havia concluído sobre a disputa nuclear iraniana, foi ordenar o assassinato, por meio de um drone, do icônico General Soleimani e seu companheiro iraquiano Abu Mahdi al Mohandes, que talvez não tenham deixado outra opção à teocracia xiita iraniana a não ser acelerar os últimos detalhes de seu pacto estratégico com a China por um quarto de século.

Os erros de Obama e Trump fazem rolar no túmulo o geopolítico inglês Halford MacKinder, a quem teve despedaçado os seus axiomas eurasianos nos quais o domínio anglo-saxão dos Estados Unidos e do Reino Unido se baseou para controlar o mundo. Curiosamente, a aproximação entre o Irã e duas superpotências, a Rússia – a superpotência nuclear máxima, na era de suas armas hipersônicas – e a China, a máxima superpotência geoeconômica – quando seu PIB é medido pelo poder de compra e/ou poder de paridade de compra -, expõe o orfanato eurasiano dos EUA que sofreu sérios reveses em todo o Grande Oriente Médio e que só tem o salva-vidas aleatório da Índia, que, aliás, mantém excelentes relações com a Rússia.

Simon Watkins, da Oil Price, relata que há um ano o ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Zarif, visitou seu colega chinês Wang Li para apresentar a ele um plano de uma “parceria estratégica abrangente” de 25 anos entre a China e o Irã, adicionado ao prévio contrato de 2016.

Aparentemente, existem itens secretos aos quais “fora agregado um novo elemento militar” com a benção tácita da Rússia, que trará “enormes implicações para a segurança global”.

Entre os supostos elementos secretos do pacto assinado há um ano, “a China investirá US$ 280.000 milhões para o desenvolvimento nos setores de petróleo, gás e petroquímico do Irã”, que serão acumulados no primeiro período de cinco anos do total de 25.

No primeiro período de cinco anos, a China também investirá US$ 120 bilhões na melhoria do transporte – trens-bala e metrôs – e a infraestrutura de fabricação no Irã, em troca de descontos garantidos de 12% para empresas chinesas na compra de petróleo/gás/produtos petroquímicos e outros tipos de formulações econômicas que favorecem a China.

Ressalta-se que a China terá o direito de adiar até 2 anos o pagamento de suas compras que serão feitas em sua moeda renminbi/yuan. Este item tem a virtude de contornar o sistema swift de pagamentos controlado pelo Ocidente.

Os iranianos são lendários comerciantes e já encontraram meios criativos para trocar a moeda chinesa do Catar até Istambul e receber moeda forte, enquanto o renminbi/yuan se fortalece e se internacionaliza. A infraestrutura do Irã estará alinhada com o “projeto geopolítico multigeracional” da Rota da Seda.

Importante frisar que o Irã possui 15 fronteiras: sete fronteiras terrestres – Afeganistão, Armênia, Azerbaijão, Iraque, Paquistão, Turquia e Turcomenistão; duas no mar Cáspio: Rússia e Cazaquistão; e seus limites marítimos no Golfo Pérsico com as seis petromonarquias árabes – Kuwait, Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Catar e Omã – o que resulta em um total de 15 fronteiras iranianas que compartilharão um espaço comum com as 15 fronteiras da China.

O problema do Irã não é sua conectividade geopolítica, mas a asfixia geofinanceira que levou a uma desvalorização brutal de sua moeda, o rial, e as duras sanções de Trump para a exportação de seus hidrocarbonetos.

O acordo secreto de um quarto de século não apenas dilui a guerra multidimensional de Trump contra o Irã, mas o coloca como um pivô de primeira ordem no espaço compartilhado das fronteiras de 30 países que compartilham Teerã e Pequim.

A China se vê hoje com a capacidade de contornar as sanções de Trump e até mesmo fugir da segunda fase das negociações comerciais com os Estados Unidos.

O pacto deixou os EUA e Israel nervosos, a ponto de o secretário de Estado, o evangelista sionista e ex-diretor da CIA, Mike Pompeo, ter pressionado Netanyahu a abandonar todos os planos de investimentos chineses em Israel.

Trump se concentrou, por razões eleitorais, em entregar um tsunami de sanções contra a China, sob mil pretextos, em particular, contra o Huawei 5G.

Trump provocou tensões ao colocar dois porta-aviões no Mar da China Meridional, e ao estimular a venda de armas da Lockheed Martin a Taiwan, enquanto os EUA exortam a Índia contra a China e agitam remotamente os uigures na autonomia da região chinesa islâmica Xinjian, para não mencionar a pressão de Trump na anglosfera em geral – do Reino Unido à Austrália – para abandonar a presença da Huawei, sob a justificativa da nova lei de segurança de Hong Kong.

The Duran julga que o acordo da China com o Irã constitui “um grande golpe para as intenções dos EUA na Ásia Central”.

Depois de um ano, na verdade quatro, o New York Times – ainda mais questionado do que nunca por seus próprios colunistas que criticam como se baseia mais em tweets do que em análise e investigação, que lhe deram a glória de antigamente e se diluiu com mentiras de destruição em massa no Iraque – publica um documento vazado temperado com o sal do Departamento de Estado, mas exibindo a angústia de Trump.

Entre os aromas e adoçantes ao gosto do The New York Times, estão as instalações portuárias que o Irã concederá à China, em que dois portos ao longo da costa do Mar de Omã se destacam, em particular em Jask, fora do Estreito de Hormuz, entrada no Golfo Pérsico “, que daria à China um ponto estratégico de vantagem, onde transita grande parte do petróleo do mundo”.

Outra preocupação do The New York Times é o exercício naval conjunto entre o Irã e a Rússia, em dezembro passado, no Golfo de Omã, a que se juntou o destróier de mísseis chinês Xining.

Os futuros anais da história do Ocidente perguntarão: “Quem perdeu o Irã?” É certo que a Rússia e a China ganharam o Irã.

Fonte: Sputnik News

Deixe uma resposta