“Tecno-Otimismo” não é algo em que devemos acreditar

O tecno-otimismo é uma filosofia perigosa cujos adeptos defendem a fé cega de que o capitalismo de mercado e a tecnologia resolverão os problemas do mundo. Na realidade, este tipo de otimismo simplesmente justifica o poder da elite e promove a indiferença ao sofrimento humano.

O investidor em tecnologia bilionário Marc Andreessen publicou recentemente um manifesto a favor do “otimismo tecnológico”, uma cosmovisão que afirma que a tecnologia resolverá todos os problemas da humanidade e criará um mundo de abundância infinita para todos. O manifesto de Andreessen é tão extremo que tem sido fortemente criticado até mesmo no setor tecnológico. Acusa qualquer pessoa que se oponha ao desenvolvimento irrestrito da IA ​​de ter sangue nas mãos (uma vez que a IA salvará vidas, o que significa quem retarda o seu desenvolvimento é essencialmente um assassino). Cita favoravelmente o fascista italiano Filippo Tommaso Marinetti ao imaginar uma raça de “super-homens” e “conquistadores” tecnologicamente melhorados. Condena o “socialismo” em favor do “mérito e realização” e trata a “responsabilidade social”, a “confiança e segurança”, a “gestão de riscos” e até os “objetivos de desenvolvimento sustentável” como ideias “inimigas”.

O manifesto de Andreessen parece desequilibrado e maníaco. Na verdade, é mais um catecismo religioso do que um “manifesto”. Está repleto de afirmações “acreditamos” que expõem o núcleo da fé tecno-otimista. Por exemplo: 

  • “Acreditamos no aceleracionismo – a propulsão consciente e deliberada do desenvolvimento tecnológico – para garantir o cumprimento da Lei dos Retornos Acelerados. Para garantir que a espiral ascendente do tecno-capital continue para sempre.”
  • “Acreditamos que a máquina tecno-capital não é anti-humana – na verdade, pode ser a coisa mais pró-humana que existe. Isso nos serve. A máquina tecno-capital trabalha para nós. Todas as máquinas trabalham para nós.”
  • “Acreditamos que a Inteligência Artificial é a nossa alquimia, a nossa Pedra Filosofal – estamos literalmente fazendo a areia pensar.”
  • “Acreditamos que qualquer desaceleração da IA ​​custará vidas. As mortes que poderiam ser evitadas pela IA e que foram impedidas de existir são uma forma de assassinato.”
  • “Acreditamos que não existe nenhum problema material – seja ele criado pela natureza ou pela tecnologia – que não possa ser resolvido com mais tecnologia.”
  • “Acreditamos que o planeamento central é um ciclo de destruição; os mercados estão em uma espiral ascendente.”
  • “Acreditamos na observação de Milton Friedman de que os desejos e necessidades humanas são infinitos.”
  • “Acreditamos que a população global pode facilmente expandir-se para 50 bilhões de pessoas ou mais, e muito além disso, à medida que colonizarmos outros planetas.”
  • “Acreditamos que os mercados tiram as pessoas da pobreza – na verdade, os mercados são de longe a forma mais eficaz de tirar um grande número de pessoas da pobreza, e sempre foram.”
  • “Acreditamos na ambição, na agressividade, na persistência, na implacabilidade – na força.”

Alguma dessas crenças é fundamentada por evidências reais? Obtemos provas convincentes , ou mesmo argumentos substantivos, de que “os desejos e necessidades humanas são infinitos” ou que todos os problemas materiais podem ser resolvidos pela tecnologia? Não. Tudo o que obtemos são afirmações, mesmo em torno de afirmações altamente duvidosas sobre a natureza humana e o funcionamento do livre mercado. Por exemplo, Andreessen afirma que o livre mercado é a única forma sensata de organizar a sociedade, em parte porque os humanos são motivados pela busca egoísta por dinheiro:

“David Friedman ressalta que as pessoas só fazem coisas para outras pessoas por três razões – amor, dinheiro ou força. O amor não cresce, então a economia só pode funcionar com dinheiro ou força. O experimento da força foi executado e considerado insuficiente. Fiquemos com o dinheiro.”

Mas independente de “David Friedman dizer” ou não que as pessoas só fazem coisas para outras pessoas por três razões, a evidência empírica sugere que as pessoas, na verdade, muitas vezes fazem coisas para outras pessoas por um sentimento de justiça percebida. Os cientistas que estudam amostras estatisticamente válidas de seres humanos reais, em vez de projetarem a partir das suas próprias inclinações ou observações dos seus pares anormalmente motivados pela ganância, descobrem que os humanos evoluíram para serem – como observou Frans de Waal – “seres morais até ao âmago”. Andreessen, no entanto, não está interessado em evidências. Ele deixa isso claro no final de seu manifesto, que diz que “em vez de notas finais e citações detalhadas, leia o trabalho dessas pessoas, e você também se tornará um tecno-otimista”, antes de listar uma série de figuras que vão desde contas anônimas no Twitter (por exemplo, @BasedBeffJezos, @bayeslord) até economistas de direita (Ludwig von Mises, Thomas Sowell).

Seria fácil descartar o manifesto de Andreessen como o discurso frenético de outro homem rico que pensa que a profundidade e a correcção das opiniões de alguém sobre questões políticas e sociais existem em proporção ao seu património líquido. Mas o “otimismo tecnológico” de Andreessen não é nada novo, único ou persuasivo. (O otimismo sempre foi uma ferramenta usada pelos poderosos para promover os seus interesses.) Nesta filosofia específica, o “crescimento” e a “tecnologia” têm capacidades mágicas de resolução de problemas e, se os perseguirmos incansavelmente, eliminaremos a necessidade de perguntar quaisquer questões mais profundas (tais como “crescimento em direção a quê?” ou “tecnologia que faz o quê?” ou, principalmente, como os benefícios são alocados, ou seja, “crescimento e tecnologia para quem?”). O “otimismo” no “tecno-otimismo” é a ideia de que podemos estar confiantes de que o futuro será de uma determinada maneira, sem ter que fazer muito trabalho para garantir que assim seja. O canto da palavra divina “tecnologia”, semelhante a um culto, é tipicamente uma tentativa de fugir ao trabalho político (ou seja, ético) de decidir como distribuir de forma justa os danos e os benefícios . Andreessen não tem vergonha disto: rejeita explicitamente a necessidade de tecnologia “socialmente responsável” e do “princípio da precaução”. Ele não perde um momento lidando com os muitos perigos sérios que as pessoas têm destacado em torno da atual tecnologia de inteligência artificial (como a sua capacidade de propagar preconceitos raciais ou fabricar boatos e mentiras a velocidades estonteantes). Para Andreessen, não precisamos pensar em quais tecnologias desenvolver ou como desenvolvê-las de forma responsável. A mão invisível do livre mercado sabe o que é melhor.

Fé é, de fato, a palavra apropriada para este tipo de otimismo, que é uma confiança totalmente injustificada na capacidade de saber como o futuro se desenrolará. Será que todos os nossos problemas podem ser resolvidos pela tecnologia? Essa questão nunca é considerada, porque num catecismo não precisa ser assim. Afinal, acreditamos que todos os problemas podem ser resolvidos pela tecnologia. Para Andreessen, basta acreditar. (Da mesma forma, ele acredita que não há problema em a população global atingir os 50 bilhões, portanto não há necessidade de provar que a Terra pode sustentar esta população.)

O que acontece quando as crenças confiantes de Andreessen são realmente postas à prova? Ele está certo ao dizer que os mercados capitalistas e a tecnologia geram “abundância” para todos? Para avaliar a credibilidade dessa afirmação, podemos examinar como a abundância no mundo real tem sido atribuída na prática pelos mercados impulsionados pela ganância. Tomemos, por exemplo, o nosso sistema alimentar global. Produzimos calorias mais do que suficientes para alimentar todos os seres humanos – o que significa que o nosso abastecimento alimentar total é adequado – mas 77% das terras agrícolas globais engordam o gado para produzir carne para os ricos, e os animais de estimação dos países ricos parecem ter melhor segurança alimentar do que 2,37 bilhões de pessoas (quase um em cada três seres humanos não tem acesso a alimentação adequada, segundo a ONU). Entretanto, 150 milhões de crianças sofrem de atraso no crescimento devido à subnutrição e desperdiçamos cereais suficientes para alimentar “1,9 mil milhões de pessoas anualmente ” na produção de biocombustíveis ambientalmente desastrosos. E sob o pretexto de melhorar a eficiência do mercado, algumas das pessoas e instituições mais ricas do mundo investem (ou seja, apostam) nos mercados de produtos alimentares. Podemos ver claramente – sem eufemismos económicos elaborados – que o mercado garante que os ghouls gananciosos estão a lucrar ao retirar calorias da boca das crianças mais pobres e vulneráveis ​​do planeta.

O gráfico à esquerda mostra a oferta global constante de calorias por pessoa, o que não tem qualquer relação com a montanha-russa dos preços dos produtos alimentares à direita.

Fonte: Current Affairs.

Imagem padrão
Jag Bhalla
Artigos: 53

Um comentário

Deixar uma resposta