O Lado Escuro da “Energia Verde”

Escrito por Amy Joi O’Donoghue
A elite cosmopolita nos vende a narrativa de que o “capitalismo verde”, apoiado em tecnologias de energia solar e eólica, vai “salvar o meio ambiente”. No mundo real, porém, essas outras formas de captação de energia apresentam grandes problemas para o despejo de resíduos e para a reciclagem, representando simplesmente novas ameaças ao meio ambiente.
These old wind turbine hubs will be scrapped.

Parques eólicos e enormes matrizes de painéis solares estão surgindo em paisagens públicas e privadas tanto nos Estados Unidos quanto no exterior, à medida que os usuários se voltam cada vez mais para a “energia verde” como seu sabor preferido de eletricidade.

O Presidente Joe Biden, de fato, orientou o Departamento do Interior a identificar locais adequados para receber 20 gigawatts de nova energia proveniente do sol, do vento ou de recursos geotérmicos até 2024, como parte de um grande esforço para se afastar de uma economia e rede elétrica baseadas em carbono.

Mas quão verde é o verde?

Embora os países estejam procurando febrilmente instalar fazendas eólicas e solares para se desmamarem da energia baseada em carbono, a chamada energia “suja”, poucos países, operadores e a própria indústria ainda têm que enfrentar completamente as consequências a longo prazo de como se desfazer desses sistemas, que têm seus próprios riscos ambientais como metais tóxicos, petróleo, fibra de vidro e outros materiais.

Um relatório divulgado pela Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos prevê estes números globais surpreendentes para os países até 2050 apenas para os resíduos solares:

  • Estados Unidos, 10 milhões de toneladas.
  • Alemanha, 3 milhões de toneladas.
  • China, 20 milhões de toneladas.
  • Japão, 7,5 milhões de toneladas.
  • Índia, 7,5 milhões de toneladas.

As matrizes solares têm um ciclo de vida de cerca de 30 anos, mas a rápida adoção da solar nos Estados Unidos e em outros lugares tem o problema do descarte se esgueirando pelo espelho retrovisor – mais rápido do que nunca.

Crescimento de resíduos verdes

Em 2019, de acordo com a Associação das Indústrias de Energia Solar, os Estados Unidos superaram 2 milhões de instalações solares, apenas três anos após ter atingido a marca de 1 milhão de instalações.

O jornal aponta que o crescimento dos resíduos solares já está pressionando a capacidade de reciclagem e disposição, com alguns painéis indo parar indevidamente em aterros municipais ou empilhados em armazéns, enquanto a espera continua por rotas de reciclagem mais baratas.

Pesquisas ressaltam que há poucos incentivos para reciclar painéis solares, pois o custo de recuperação dos materiais supera os custos de extração do que pode ser reciclado – mesmo sem acréscimo das despesas de transporte.

A questão prevê o potencial para a criação de uma nova classe de locais de resíduos perigosos sob as designações do Superfundo EPA, já que os operadores de energia limpa simplesmente abandonam um grande volume de materiais que contaminam o solo e as águas subterrâneas.

“É previsível que o mesmo tipo de prática possa ocorrer com relação aos painéis (solares) na ausência de programas muito eficazes para a coleta e reciclagem dos painéis fotovoltaicos disponíveis onde os painéis fotovoltaicos são usados”, diz o artigo.

O problema não se limita a grandes fazendas de energia solar, mas também a residências e empresas individuais que ao longo dos anos optaram pela instalação de painéis solares no telhado.

“Mais proprietários estão instalando painéis solares à medida que se tornaram mais baratos, mas esses módulos têm menos potencial de reciclagem e recuperação de materiais devido ao seu menor tamanho e menor número de painéis em relação à instalação comercial”, observou o artigo.

A disposição de resíduos perigosos é regulamentada e monitorada sob a lei de Utah, e os operadores de aterros sanitários são treinados sobre quais materiais que representam perigos potenciais ao meio ambiente procurar, disse Brian Speer, gerente de resíduos sólidos do Departamento de Qualidade Ambiental de Utah.

“Certamente estes resíduos estão em nosso radar, mas atualmente não estamos vendo uma demanda para descartar estes resíduos em qualquer quantidade significativa”, disse ele.

Esse espectro de demanda está a apenas algumas décadas de distância, pois alguns dos primeiros módulos fotovoltaicos chegam ao fim de sua vida útil e os proprietários de casas, empresas e operadores em escala de utilização enfrentam a perspectiva de descarte seguro.

Speer disse que espera que a pesquisa que está sendo feita pelo Departamento de Energia dos EUA e pela EPA proporcione um caminho ambientalmente seguro para o descarte adequado.

“A questão da capacidade é uma questão que esperamos seja respondida antes que a necessidade chegue”, disse ele.

Kate Bowman, gerente do programa de energia renovável da Utah Clean Energy, disse que precisa haver mais pesquisas sobre como reciclar com segurança materiais de alto valor como o cobalto e o lítio.

A pesquisa, acrescentou ela, ajudará a resolver o problema dos resíduos.

Soluços de custos

A indústria solar está procurando utilizar menos metais preciosos e outros elementos no processo de fabricação, diminuindo a quantidade de prata nos painéis em 70% desde 2010.

Embora utilizar menos prata seja economicamente atraente no início da cadeia produtiva e menos intensivo em mão-de-obra, isso torna a reciclagem dos painéis solares menos atraente. A diminuição de custo nos próprios painéis tem o potencial de ser um tiro no pé, o artigo adverte, e alguns desses painéis mais novos são mais frágeis e com maior probabilidade de quebrar, acelerando a necessidade de seu descarte.

O relatório observa que “não se tem feito muito nos Estados Unidos para resolver a questão dos resíduos fotovoltaicos”, e a maioria das novas políticas nesta área estão surgindo da Europa.

Em 2017, o estado de Washington tornou-se o primeiro no país a exigir reciclagem para estes sistemas e a ordenar um programa de “devolução” para os fabricantes sem custos para os donos de casa. Utah, neste momento, não tem tal mandato e resta saber até que ponto a lei será eficaz. A EPA observa que tal lei ainda não aborda a questão de onde os resíduos vão parar.

Se inclinando em moinhos de vento

A energia eólica também está decolando como recurso de energia limpa, mas a EPA observa que os moinhos de vento são os que menos produzem energia e os que mais dificultam fisicamente o fluxo de descarte de energia renovável a serem tratados.

O tamanho dos moinhos de vento e a dificuldade de descartá-los nas estações de reciclagem levaram a agência a concluir que cada novo parque eólico é uma “promessa gigantesca de futuros escombros”.

Embora exista um mercado para moinhos de vento usados na Europa Oriental, Ásia e América Latina, a tática de transferir componentes usados de moinhos de vento para outros países simplesmente atrasa o problema de disposição de resíduos e o coloca sobre os ombros de países menos equipados para lidar com o desafio, observou a agência.

Assim como a extração de carvão ou outros recursos naturais, certas entidades em Utah e em outros lugares abordaram as questões do pós-vida de parques eólicos e solares, exigindo a remediação ambiental ou o lançamento de um título de recuperação para garantir uma limpeza e eliminação adequadas.

“Isto é algo sobre o que temos pensado muito”, disse Keli Beard, conselheira geral da Utah School and Institutional Trust Land Administration.

O primeiro projeto eólico em Utah entrou online em Milford em 2009 e acabou se expandindo para uma instalação de 306 megawatts no condado de Beaver.

Nove dos moinhos de vento estão em terras de fideicomisso da escola, com cada um deles acompanhado por um título de recuperação exigido pela agência, disse Beard.

Para qualquer um dos projetos de energia renovável localizados nas terras de fideicomisso da escola, Beard disse que há uma exigência de que o plano de recuperação seja conduzido por um engenheiro independente para assegurar que ele repare adequadamente a paisagem.

O arranjo contratual prevê acordos operacionais que podem ser estendidos ao longo da vida do projeto, o que, segundo Beard, lhes dá como proprietário de terras uma forma de invocar novas exigências à medida que a tecnologia de disposição avance.

“Muitas vezes nesse período de operações há uma opção para renovar ou estender o acordo”, disse ela. “Estamos preocupados que no final da vida útil destes projetos, o custo de reciclagem e remoção dos mesmos será muito maior do que o valor do que resta no terreno”.

O Condado de Beaver promulgou requisitos de avaliação ambiental e de descarte para fazendas solares dentro de seus limites.

Kyle Blackner, administrador de zoneamento, disse que quando um projeto é desativado, os componentes da usina e a infraestrutura associada teriam que ser removidos a uma profundidade de 90 centrímetos do local.

“A Milford Solar (ou o atual proprietário) recuperaria materiais economicamente recuperáveis, e materiais não-salváveis seriam reciclados/eliminados em um local autorizado pelo Condado de Beaver”.

O Departamento de Adminsitração da Terra também exige títulos suficientes para recuperar a terra a seu estado original. Mas estas exigências de recuperação ainda não resolvem o iminente problema do que acontece com estes materiais no descarte, e não garantem que o operador não vai simplesmente descartar a obrigação e abandonar os resíduos mesmo assim.

Os veículos elétricos trazem desafios próprios

Como as frotas governamentais e o público em geral abraçam cada vez mais os veículos elétricos, essa mudança “limpa” vem com seus próprios desafios ambientais.

O valor dos materiais reciclados das baterias de íons de lítio é apenas cerca de um terço do custo da operação de reciclagem – e o custo da extração de lítio velho é cerca de cinco vezes o custo da mineração de lítio, de acordo com o Instituto de Pesquisa Energética.

Há alguma inovação acontecendo, no entanto, com a Nissan do Japão redirecionando as baterias para alimentar os postes de iluminação pública. Nos Estados Unidos, a General Motors está fazendo backup de seu centro de dados em Michigan com baterias Chevy Volt usadas.

A EPA observa, entretanto, que este tipo de “reutilização adaptativa” ainda só retarda o tempo para a disposição final das baterias e a necessidade de lidar com materiais nas baterias que podem causar incêndios ou lixiviar produtos químicos perigosos.

Na frente da energia eólica, a GE anunciou no ano passado que havia chegado a um acordo plurianual com a Veolia North America para lançar o primeiro programa de reciclagem de lâminas de turbinas eólicas dos Estados Unidos, de acordo com um artigo no Utility Dive.

Quase 90% do material das lâminas, consistindo de fibra de vidro, seria reaproveitado para a produção de cimento, reduzindo as emissões de dióxido de carbono daquela fonte em 27%.

Com o lançamento de seu artigo, a EPA está chamando pesquisadores, estados, indústria e outras agências federais para garantir que os resíduos verdes sejam sustentáveis de ponta a ponta e que as lacunas no gerenciamento de resíduos de energia renovável sejam resolvidas.

“Embora os consumidores possam adquirir energia renovável ou produtos baseados em energia renovável com boas intenções, isso não impede as consequências ambientais adversas não intencionais desses produtos”, disse.

Fonte: Deseret News

Deixe uma resposta