Tumultos em Washington: Golpe Anticonstitucional ou Movimento de Segurança Democrática?

A mídia hegemônica estadunidense, que há 4 anos empreende uma campanha sem precedentes e sem trégua contra o presidente de seu país, afirma que os tumultos em Washington foram uma “tentativa de golpe”, ao mesmo tempo que dizia que a orgia de mortes e destruição da Antifa e do Black Lives Matter, que durou meses, era uma “pacífica reivindicação de direitos”. O que houve em Washington foi mesmo uma tentativa de golpe? Qual foi o papel das técnicas de revolução colorida, tão usadas contra outros países, nesses eventos?

A invasão sem precedentes do Capitólio dos EUA na quarta-feira, após a Marcha “Salve a América” do Trump, é uma tática clássica das revoluções coloridas, embora ela tenha dividido os americanos como nunca antes sobre se isso se tratou de uma tentativa de golpe anticonstitucional por parte dos partidários do atual detentor do poder, a fim de ajudá-lo a se agarrar ao poder em vez de abdicar dentro de duas semanas, ou um movimento legítimo de “Segurança Democrática” por pessoas patrióticamente inclinadas que querem desesperadamente parar o roubo e impedir que um personagem ilegítimo tome o poder.

Revolução Colorida na Capital Americana

O mundo inteiro ficou chocado com o assalto sem precedentes ao Capitólio dos EUA na quarta-feira. No início daquele dia, Trump fez um discurso estimulante que durou mais de uma hora, argumentando poderosamente que a eleição foi roubada dele, mas que políticos corruptos e membros fracos de seu próprio partido estavam deixando os culpados se safarem. Seus apoiadores então lideraram a Marcha “Salve a América”, após a qual invadiram o prédio à maneira clássica das revoluções coloridas. Os americanos estão agora divididos como nunca antes sobre se este espantoso desenvolvimento é uma tentativa de golpe anticonstitucional por parte dos partidários do atual presidente, a fim de ajudá-lo a se agarrar ao poder em vez de abdicar dentro de duas semanas, ou um movimento legítimo de “Segurança Democrática” por pessoas patrioticamente inclinadas que querem desesperadamente impedir o roubo e impedir que um personagem ilegítimo tome o poder. Para melhor compreender o que está acontecendo, é necessário rever a terminologia relevante, após o que estes novos conceitos serão discutidos em profundidade com o objetivo de ajudar cada um a tirar suas próprias conclusões sobre esta situação em rápido desenvolvimento.

O Que é uma Revolução Colorida?

As Revoluções Coloridas, em sua forma teoricamente mais pura, referem-se à armamentização política de movimentos de protesto populares, na maioria das vezes em busca de mudanças de regime, mas também com o propósito de ajuste de regime (concessões) e reinício do regime (reforma constitucional de longo alcance), assim como para reforço do regime, como é discutido nos eventos de quarta-feira. Na prática, porém, este termo geralmente se refere à provocação, gestão e orientação externas deste processo, cuja mecânica central expliquei longamente em uma análise para o Centro de Estudos Sincréticos em dezembro de 2014, que deveria ser revista por aqueles que desejam obter um entendimento mais profundo deste conceito. O que está acontecendo nos EUA neste momento, tanto no último semestre com a Antifa e o Black Lives Matter (BLM) como também no momento em Washington DC, não tem nenhuma mão externa por trás, embora a análise linkada acima mencionada ainda seja muito relevante para explicar o conceito organizacional básico envolvido.

O Que São Guerras Híbridas?

A idéia de Guerra Não Convencional, entretanto, refere-se a atos de insurgência, rebelião, terrorismo e outras formas de violência irregular, exatamente do tipo que tem assolado a América desde o verão passado. Eu descrevo a transição de Revoluções Coloridas para Guerra Não Convencional como Guerra Híbrida, embora esse último termo também tenha muitas outras aplicações. De fato, até escrevi um livro sobre este processo em 2015, no que se refere à Síria e Ucrânia, intitulado “Guerras Híbridas: Das Revoluções Coloridas aos Golpes”, cuja versão digital pode ser adquirida na Amazon ou pode ser lida gratuitamente na Oriental Review para aqueles que não têm condições de patrocinar meu trabalho. Ele foi publicado pela Universidade da Amizade Popular da Rússia (RUDN) e revisado pela Academia Diplomática Russa. Além disso, meu trabalho foi até citado duas vezes pelo Colégio de Defesa da OTAN na página 2 de seu trabalho de pesquisa de novembro de 2015 sobre “O Pensamento Militar Renovado da Rússia: Guerra Não Linear e Controle Reflexivo” e página 10 de seu livro de dezembro de 2015 sobre “A Resposta da OTAN às Ameaças Híbridas“.

A Guerra Híbrida do Terror na América

Em outras palavras, humildemente falando, sou um especialista reconhecido globalmente neste campo, embora seja contra os chamados “argumentos de autoridade” no sentido de pressionar as pessoas a concordarem comigo apenas por causa de minhas credenciais profissionais. Só estou levantando esta questão para provar que sou uma fonte autorizada sobre o assunto e que minhas análises devem ser levadas a sério por todos, mesmo que algumas pessoas acabem discordando delas. Em junho passado, publiquei um artigo sobre como “A Guerra Híbrida do Terror na América Tem Sido Construída Há Décadas“, que explorou como a Antifa e o BLM estavam sendo instrumentalizados para este fim em toda a América. Desde então, todos viram quantas autoridades locais, estaduais e federais – sejam elas políticas ou de segurança – não levaram esta ameaça a sério. A Mídia Hegemônica e o Partido Democrata até mesmo legitimaram ativamente esta onda de criminalidade nacional, atacando agressivamente aqueles que a condenaram publicamente. Mas eis que isso acabou sendo contraproducente para sua causa depois do que aconteceu na quarta-feira em Washington DC.

O Que é “Segurança Democrática”?

Antes de discutir isso, é importante introduzir meu conceito de “Segurança Democrática”, o qual eu primeiro revelei ao analisar os eventos da Contrarrevolução Colorida na República da Macedônia em 2015, mas depois elaborei mais tarde, um ano depois, em uma análise prolongada sobre como a “Tecnologia da Revolução Colorida Não é Apenas Preto-e-Branca“. Observei que esta tecnologia proliferou tanto e tão amplamente desde que a Caixa de Pandora foi aberta pela primeira vez pelo falecido Gene Sharp há várias décadas, que é impróprio vê-la apenas como uma ameaça, já que ela também poderia ser utilizada como uma oportunidade se algumas de suas táticas populares de protesto fossem criativamente alavancadas para o propósito de reforço do regime (o oposto de mudança de regime). Em seguida, compartilhei a essência de minha pesquisa “Segurança Democrática” com o governo russo enquanto falava em uma mesa redonda da Duma em maio de 2016. O texto do meu discurso foi posteriormente publicado sob o título “Guerras Híbridas e Segurança Democrática“. Tudo isso é importante para que o leitor tenha em mente, já que agora fazemos a transição para discutir o assalto ao Capitólio dos EUA.

O que Realmente Aconteceu em Washington DC?

Os democratas e seus aliados da mídia hegemônica estão convencidos de que o que aconteceu na quarta-feira foi uma tentativa de golpe anticonstitucional, embora eu argumente que na verdade foi um exercício de “Segurança Democrática”. Trump atiçou seus partidários pouco antes daqueles fatídicos acontecimentos, lembrando-os de como a eleição foi roubada deles. Não está claro se ele pretendia “incitar” a tempestade subsequente como especulam seus oponentes, e mais tarde ele twitou que todos deveriam permanecer pacíficos, mas ele, no mínimo involuntariamente, contribuiu para o que aconteceu. Seus apoiadores empregaram claramente táticas de Revolução Colorida, tais como a invasão de edifícios e o uso estratégico da violência para gerar atenção imediata à sua agenda, mas o fizeram para fins de reforço do regime, não para mudar o regime. Isto, portanto, faz dela o exemplo mais proeminente do mundo até agora de “Segurança Democrática” na prática, exatamente como previ que aconteceria em meu apelo logo após a votação sobre como “É hora de empregar estratégias de ‘Segurança Democrática’ para #PararORoubo“.

Os Padrões Duplos dos Democratas

Cabe a cada pessoa decidir como se sente a respeito de cada exemplo de Revoluções Coloridas, Guerras Híbridas e exercícios de “Segurança Democrática”. Como foi mencionado anteriormente, os Democratas e a Mídia Hegemônica legitimaram o emprego de táticas de Revolução Colorida muito mais destrutivas e em escala muito maior durante o último semestre sob a bandeira da Antifa e do BLM, mas agora eles fizeram cara feia e querem que os americanos condenem a expressão comparativamente mais pacífica dessas táticas, tal como corporificada pelos apoiadores de Trump que estão realizando suas ações com o propósito de “Segurança Democrática”. Isso para não mencionar o apoio apaixonado deles à quase década de Guerra Híbrida do Terror na Síria, bem como a onda ultranacionalista de terrorismo urbano na Ucrânia há sete anos, que é hoje popularmente descrita como “EuroMaidan” (também conhecida como a chamada “Revolução da Dignidade”). Estes padrões duplos falam da politização inerente da tecnologia da Revolução da Cor.

Todo Mundo Está Usando Tecnologia de Revolução Colorida Hoje

O quadro geral em jogo é como esta mesma tecnologia voltou a entrar no coração americano depois de ter sido lançada e, posteriormente, aperfeiçoada no exterior durante as últimas décadas. Agora não são mais os democratas que estão empregando estas táticas, mas os conservadores, embora estes últimos estejam utilizando a variante mais avançada da “Segurança Democrática” para fins de reforço do regime. Esta dinâmica complica muito a situação e aumenta imensamente o risco de uma agitação civil mais profunda que pode explodir nos EUA nas próximas semanas. A reação dos serviços de segurança será reveladora a este respeito, pois sua supressão do exercício de “Segurança Democrática” dos partidários do Trump em Washington DC durante menos de um dia, em contraste com sua facilitação passiva por mais de seis meses do emprego de táticas similares para mudança de regime dá indícios de seu endosso tácito a esta última, acrescentando assim credibilidade às afirmações de que os inimigos de Trump no “Deep State” sempre estiveram realmente dispostos a destruí-lo.

Pensamentos Finais

Para encerrar tudo, cada um tem direito a sua própria opinião sobre o emprego por parte da Antifa-BLM e pelos apoiadores de Trump de táticas das Revoluções Coloridas para diferentes fins, mas todos os observadores honestos devem reconhecer que ambos estão utilizando esta tecnologia. Ignorar este fato indiscutível apenas por causa de julgamentos de valor presumido associados a este termo e outros relacionados, como Guerra Híbrida e “Segurança Democrática”, é a definição de desonestidade. É hora de os americanos discutirem abertamente a proliferação da tecnologia da Revolução Colorida em sua sociedade e sua crescente ubiqüidade durante o último semestre. Uma vez que o gênio proverbial está fora da garrafa, é extremamente difícil colocá-lo de volta, a menos que seja tomada a decisão de recorrer ao uso sem precedentes da força e impor restrições de longo alcance à sociedade que, muitas vezes, têm um toque de retrocesso, mesmo que leve algum tempo (daí o ponto de “combater fogo com fogo” através de métodos de “Segurança Democrática”). Independentemente da disposição partidária, todos devem concordar que a América está em crise.

Fonte: One World

Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro "Guerras Híbridas".

Deixe uma resposta