Biopolítica do Coronavírus (Parte XII) – A Conjugalidade em Tempos de Confinamento

Escrito por François Bousquet
Em uma sociedade na qual os casais mal se viam, marido e mulher foram finalmente forçados a conviver pelo covid. Baby boom? Violência doméstica? Divórcios? Quais são as consequências da pandemia e do confinamento para as relações conjugais? O que dizem as estatísticas?

1348-2020. De um confinamento ao outro. Em 1348, a peste bubônica penetrou nos subúrbios da capital toscana, dando-lhe o nome de Peste de Florença. Quase setecentos anos depois, o Covid-19 desembarcou na Europa via Lombardia. Nada de comparável em termos de número de mortos; tudo, se apenas lembrarmos das palavras. De uma ponta à outra da ampulheta, são os mesmos destinos individuais, os mesmos jogos de amor e de azar. Boccaccio lançou uma centena de novelas, mais trêmulas do que nunca, reunidas em buquê no fogo de artifício que é o Decameron (1349-1353), a pintura mais rica da sociedade medieval no alvorecer da Renascença. Não é um contemporâneo, não é um quadro do Trecento que não iguala sua variedade, vitalidade e verdade. Sob as cenas sedosas, engraçadas, cômicas, profundas, mágicas, os romances de Balzac e os contos de Chekhov já estão se desdobrando. A humanidade aglomerante e inquieta, amável e detestável. Sobre o amor em tempos de confinamento, Boccaccio disse tudo. Ele nos deixa uma ode eterna a Eros enquanto Tânatos (a morte) escurece os céus dos homens.

Boccaccio, o Bocuse do amor

As feministas deveriam relê-lo para ver como seu estreito revisionismo tem todas as características de uma lenda negra. Espancadas, estupradas, humilhadas, faz com que a história da mulher pareça um martírio sem fim. Em resumo, é um insulto à memória de nossas mães e avós. Quem poderia acreditar que eles eram tão tolas, tão dóceis, tão servis? Não, senhoras, as idiotas são vocês!

Reler a “fábula dos gansos” que abre o Decameron. Um pai e seu filho vivem longe de Florença, sem companhia a não ser eles mesmos, sem mulher no horizonte. Quando o filho vem pela primeira vez ao mercado em Florença, seu pai o adverte contra as mulheres: elas são gansos! Mas galinholas ou não, o poder da natureza é mais forte que todas as artimanhas da mente, adverte Boccaccio. “Meu pai”, interrompe o filho “por favor, certifique-se de que eu tenha um desses gansos. »

As feministas são como o velho desgastado da fábula; acompanhantes murchas, elas não falam coisas muito diferentes em relação aos homens. Fuja deles, menina, elas são bodes! Denuncie-as, eles são porcos! Não, peles de cachorro velhas, sacos velhos de ossos secos! O poder da natureza também aqui é mais poderoso do que todos os truques que vocês possam tomar emprestado de seu ressentimento com relação aos caçadores de bruxas, de sua ganância de Górgonas do feminismo, essas criaturas maléficas da mitologia grega com seus cabelos entrelaçados com serpentes ameaçadoras. Tudo o que vocês precisam agora é uma “Mama Doc”, como no Haiti, para se parecer com sua caricatura, vós que já tem as Tatas Macoutes. Chop-chop!

Marlene Schiappa, a filha oculta de Maïté, matrona dos fogões

Graças a Deus, as mulheres ouviram Boccaccio, que apenas ouvia o impulso vital que o habitava, não as feministas, que só ouviram seus ventres estéreis. Confinadas, elas não se transformaram em reclusas do sexo, elas relançaram a máquina de amar, de envolver, de reproduzir. O homem na mulher, a mulher no homem.

Então, baby boom ou nada de baby boom? Saberemos depois de nove meses, mas já sabemos que as vendas de testes de gravidez aumentaram na França: +6% na primeira semana de internação, +18% na segunda, +28% na terceira, +32% na quarta, +37% na quinta. Depois disso, ninguém se dignou a nos comunicar estas figuras por medo de ofender a dignidade ferida do feminismo. Só se continuou a falar da violência contra as mulheres, erigida em grande causa nacional por Marlène Schiappa, a filha oculta de Maïté, a matriarca e decana das emissões culinárias com físico de caminhoneira.

Entre dois comunicados governamentais sobre os gestos sanitários, Marlène Schiappa conseguiu deslizar seu dispositivo de Alerta de Mulheres Espancadas. Só ouvimos falar disso. Uma arengueira nas ondas de rádio, nossa Secretaria de Estado para a Igualdade entre Mulheres e Homens e para a Luta contra a Discriminação. Ela atravessa as pilhas, arrombando portas confinadas e esmagando o resto. A bulldozer da causa das mulheres, ela que sonha em nocautear homens como Maïté nocauteava enguias vivas com um pilão de argamassa. Nós gostamos dela apesar de tudo. Antes de tudo, ela defende as mulheres, não apenas as lésbicas. Para pisar nos péus de seu pai trotskista, ela até quis vestir o uniforme da polícia aos vinte anos de idade. Nos policiar, é isso que ela faz melhor.

“Tea for two, two for tea”

Marlène Schiappa pensou em tudo. Telefones gratuitos, psicólogos, brigadas policiais dedicadas, departamentos do choro, fábricas de gás lacrimogêneo. Para aqueles que pensam que ainda não estamos fazendo o suficiente, há até mesmo um “aplicativo” (App-Elles). Para aquelas que perderiam os pontos de ônibus sob demanda à noite, há até Uber – que tem muito a compensar (milhares de casos de violência sexual em seu VTC) – que oferece caronas gratuitas para ir e apresentar uma queixa – contra os Uber?

Avaliação da violência após um mês e meio de confinamento: menos “feminicídios”, mas cinco vezes mais denúncias, 36% mais queixas suplementares e 48% mais intervenções a domicílio.

Mas isto não é nada comparado com a “obra-prima” de Marlene. Palavra de código: “Máscara 19”. Esta é a senha que as mulheres espancadas tiveram que soprar nos ouvidos de seus farmacêuticos que haviam sido transformados em auxiliares da polícia e receptores de queixas.

– Máscara 19…

– Hein, que tipo de molécula é, senhora?

Pobres farmacêuticos, que tiveram que decifrar, entre um reabastecimento de gel hidroalcoólico e uma ordem de grânulos anti-constipação, os pedidos de ajuda de suas clientes. “Máscara 19” evoca as mensagens codificadas da Rádio Londres ou o sinal de reconhecimento em La Grande Vadrouille quando Louis de Funès e Bourvil devem encontrar nos vapores de um banho turco o próprio “Big Moustache” da Royal Air Force assobiando o ar de “Tea for two”. Você pode vê-lo a partir daqui.

– É você?

– Você é ?

Você pode imaginar que os farmacêuticos não registraram nenhum relatório.

“Elas costuram, eles batem”

Um pouco mais eficazes são os pontos de acompanhamento efêmeros instalados nos centros comerciais. Durante o confinamento, eles receberam 316 queixas de mulheres vítimas de violência doméstica, 60 de homens e 25 de crianças. Homens, bem, bem! Não se fala muito sobre isso. Para cada 121 mulheres mortas pelo cônjuge ou seu “ex” em 2018, há 28 homens mortos pela cônjuge ou sua “ex”. Os homens espancados, o novo flagelo do casal?

Você sabia que todo 82 mil homens sofrem espancamentos, tratamentos degradantes e outros abusos sexuais nas mãos de suas namoradas? Este número é largamente subestimado, já que se estima que apenas 2% dos homens vítimas de violência doméstica apresentam uma queixa (em comparação com 15% das mulheres).

É difícil ser menino? Não acredite nisso, você que imaginou que o coronavírus atingiu principalmente os homens (o que, aliás, deveria ter resolvido definitivamente a questão da teoria do gênero. Ao matar 2,4 mais homens que mulheres na China, isso não lhes lembrou que a diferenciação sexual não era uma estratégia masculina ou uma construção social, mas uma terrível fatalidade fisiológica?) Bem, não! O coronavírus também atingiu fortemente as mulheres, mandando-as de volta para a cozinha, a costura e a criação das crianças, para o grande desespero das primas Bette e das tias Danielle do feminismo. “Elas costuram, eles batem”, lamentam. Meu Deus! O bordado não é uma prerrogativa das mulheres desde Penélope? Horror! Machista, sexista, feminicida!

Você verá: em breve as duas “Carol”, a de Haas e a Fourest, trarão à tona o perigo germânico dos “três Ks”, “Kinder, Küche, Kirche”, “crianças, cozinha, igreja”. O sinal da cruz na igreja e a Via Crucis em todos os outros lugares. Brrr!

Divórcio à Chinesa

Muito tem sido falado sobre a onda de divórcios na China, dadas as filas, não apenas nas casas funerárias de Wuhan, mas nos cartórios de registro civil onde o procedimento de registro de divórcio é uma formalidade, com pouco mais de meia hora de duração. Mas não há nada nas estatísticas chinesas que apóie esta informação. Além disso, o fim do confinamento coincidiu este ano com o fim do Ano Novo chinês, tradicionalmente marcado por um pico no divórcio. As autoridades chinesas até vazaram informações que colocam os primeiros números em perspectiva. “Recebemos pedidos de divórcio de pessoas que mais tarde se arrependeram”, diz um escrivão civil chinês. É o “Eu te amo um pouco, muito, apaixonadamente, loucamente, nada” no estilo pequinês. Em qualquer caso, o divórcio acontecerá. Ela não é também parte do processo de obsolescência programada? Na França, quase 45% dos casamentos terminam desta forma.

“É o mesmo cheiro de ferro de passar, de pó de arroz e de remédio, os mesmos modeladores pela manhã, e as mesmas ilusões”. Ah, essa frase de Chekhov em O Duelo, uma vez lida, se imprime definitivamente. Você não pode se livrar dela. Há sempre um momento na vida de um casal em que sua musiquinha volta a visitar os rapazes. As mulheres certamente têm as suas próprias, talvez como Anna Karenina, um detalhe físico que antes passava despercebido e que de repente estabelece uma aversão definitiva pelo marido (as orelhas longas e feias de seu marido para Anna). Muitas vezes isso leva a conseqüências mais graves para as mulheres. A prova está no divórcio, ao estilo chinês ou não. Na maioria das vezes, a iniciativa vem da esposa (mais de duas vezes em três).

A Dona de Casa, uma Invenção Tardia

Em um de seus livros, Um refúgio em um mundo impiedoso. A família sitiada (1977), que evita a dupla armadilha do feminismo e do marechalismo, o grande historiador da moral Christopher Lasch – o mestre do pensamento de Michéa, defensor de um ideal de vida populista marcado pelo gosto pela independência, pelo amor aos valores familiares e pela defesa da pequena propriedade e das solidariedades concretas – demonstrou, ao contrário dos clichês usuais, que o modelo da “dona de casa” é uma invenção moderna tardia, muitas vezes uma escolha das mulheres, e que ele é apenas a conseqüência da disseminação do modelo de família nuclear. Este modelo se generalizou a partir dos anos 50 nos Estados Unidos, em paralelo com o desenvolvimento dos subúrbios urbanos. Foi neste novo habitat que as mulheres se tornaram, pela primeira vez, verdadeiras donas de casa. A vida familiar – e antes de tudo a vida da mulher – não estava mais organizada em torno da vida comunitária do bairro, mas em torno do vazio dos centros comerciais.

Em uso, este modelo suburbano, inicialmente favorecido pelas mulheres, percebido como um oásis e um refúgio de paz, provou ser semelhante a um “confortável campo de concentração”. Solidão e tédio. Tudo servirá para enganá-las: alcoolismo, aventuras sexuais, fixação obsessiva nas crianças, mimadas, exaustas, em breve cínicas e resignadas, que irão inchar as fileiras da superestimada Geração Beat. “O encorajamento típico dos beats (encorajamentos e elogios mútuos – ‘Isto é fantástico!’ ‘Vá em frente, cara!’ – não mostram grande convicção”, retifica o maravilhoso Lasch. A série Desperate Housewives será apenas a versão masterizada no gosto dos anos 2000. No século XIX, podia-se falar de um “império de caridade” sobre as mulheres americanas. Este império não era apenas prerrogativa das esposas da burguesia, livres de seu tempo pela graça de uma abundante equipe doméstica, mas também da pequena burguesia que podia contar com um rico tecido de ajuda mútua de vizinhança. A vida das mulheres americanas então se desenvolveu em torno de uma densa rede de organizações filantrópicas: igrejas, movimentos abolicionistas, ligas antialcoólicas, etc. Isto fez o polêmico e jornalista de sucesso Thomas Beer dizer: “As mulheres do Meio-Oeste tornaram-se uma data no calendário social americano, um terror para os editores, uma esperança para as sociedades missionárias, e uma presa para os oradores”. Esses dias se foram. O império feminista do mal encobriu tudo isso. O divórcio está, de fato, decretado.

Fonte: Revue Éléments

Artigos Precedentes

Biopolítica do Coronavírus (I) – A Lição de Michel Foucault
Biopolítica do Coronavírus (II) – O Paciente Zero é a Globalização
Biopolítica do Coronavírus (III) – Tempo Ruim para os “Sem Fronteiras”
Biopolítica do Coronavírus (IV) – A Imunodeficiência das Elites
Biopolítica do Coronavírus (V) – O Caso Griveaux: Paris vale uma Epidemia
Biopolítica do Coronavírus (VI) – Big Pharma e Normativismo Médico
Biopolítica do Coronavírus (VII) – Coletes Amarelos e Jalecos Brancos: Os “Empregos de Merda”
Biopolítica do Coronavírus (VIII) – O Homo Festivus e a Cultura Afeminada da Solicitude
Biopolítica do Coronavírus (IX) – A Farsa das Políticas de Inclusão
Biopolítica do Coronavírus (X) – O Geronticídio Silencioso nos Asilos
Biopolítica do Coronavírus (XI) – Globesidade: A Outra Pandemia

Deixe uma resposta