O Século Eurasiano já começou

Por Scott Foster

A obsessão da América com a estratégia global resultou em negligência interna e a primeira baixa será o dólar

Em 1997, Zbigniew Brzezinski escreveu: “A Eurásia é o supercontinente axial … É imperativo que não surja nenhum desafiador, capaz de dominar a Eurásia e, portanto, também de desafiar a América”.

Os geoestrategistas americanos continuam obcecados com essa ideia, assim como os oponentes e proponentes da ascensão da China.

Mas e se não houver um único desafiante eurasiano? E se o comércio e os investimentos entre os vários centros de poder localizados entre a costa atlântica da Europa e o oeste do Pacífico simplesmente crescerem até serem significativamente maiores do que a atividade econômica total dos Estados Unidos?

Na verdade, eles já fizeram isso.

Existem variações nos dados fornecidos pelo FMI, Banco Mundial e outras fontes, mas em 2019 os EUA representavam cerca de 25% do PIB global em uma base nominal (dólar americano), mas apenas 15% com base na paridade do poder de compra (PPC).

A Eurásia respondeu por pouco mais de 55% do PIB global em uma base nominal e quase 60% em uma base PPC. Em uma base nominal, os maiores componentes da economia da Eurásia foram a UE 21%, a China 16%, o Japão 6%, a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) 4% e a Índia 3%. Japão, Coréia do Sul, Taiwan e ASEAN combinados representaram 12%.

Numa base PPC, os valores correspondentes foram a UE 13%, a China 20%, o Japão 4%, a ASEAN 6% e a Índia 8%. As economias combinadas do Leste e do Sudeste Asiático responderam por 13%.

Isso sugere que Índia, China e ASEAN são as maiores oportunidades de mercado, com o maior potencial de crescimento em termos nominais se o dólar cair.

China, Índia e ASEAN também respondem por cerca de 45% da população global contra menos de 5% dos EUA. Toda a Eurásia é responsável por mais de 60%.

As economias turca e russa também são notavelmente maiores em uma base PPC do que em uma base nominal. Em 2019, a economia da Rússia era cerca de dois quintos do tamanho da Alemanha em uma base nominal, mas o mesmo tamanho em uma base de PPC.

A economia da Turquia era menos de um quinto do tamanho da Alemanha em uma base nominal, mas mais da metade em uma base de PPC.

Claro, os Estados Unidos também fazem parte de um mercado maior – o USMCA (Acordo EUA-México-Canadá), antes conhecido como NAFTA (Acordo de Livre Comércio da América do Norte). Mas isso não muda o desequilíbrio fundamental com a Eurásia.

As três nações da América do Norte respondem por cerca de 28% do PIB global em uma base nominal, 20% em uma base PPC e 6,5% da população global.

A outra grande economia latino-americana, o Brasil, faz cerca de 2,5 vezes mais comércio com a Eurásia do que com o USMCA.

Eurásia se conecta internamente

No início de junho 2020, o primeiro trem de carga com destino a Tiburg, na Holanda, partiu de Hefei, capital da província chinesa de Anhui, que fica a oeste de Nanjing. Existem agora 20 rotas ferroviárias de carga conectando Hefei e a Europa.

Mais de 200 trens partiram de Hefei nessas rotas até agora neste ano, de acordo com a agência de notícias chinesa Xinhua.

Desde que a rota para Duisburg, na Alemanha, foi estabelecida em 2011, trens de carga conectaram cerca de 60 cidades na China com 50 cidades em 15 países da Europa, chegando a Londres e Madrid.

Em maio do mesmo ano, mais de 1.000 trens de carga viajaram entre a China e a Europa – um aumento de mais de 40% ano a ano. O volume de cargas cresceu quase 50%. A Eurásia está sendo conectada internamente, sem a participação americana.

Os trens de carga substituíram o transporte aéreo, marítimo e rodoviário interrompidos pela Covid-19, mas isso apenas acelerou uma tendência de longo prazo.

Reduzindo a exposição ao dólar

A única razão para conduzir o comércio ou investimento em dólares americanos dentro da Eurásia é a conveniência, e os líderes americanos inclinados às sanções têm tornado isso menos conveniente a cada ano.

Por uma razão ou outra, os EUA impuseram sanções econômicas a mais de 15 estados e territórios da Eurásia, incluindo cidadãos individuais e entidades corporativas. Seus alvos incluem China, Coréia do Norte, Mianmar, Irã, Paquistão, Síria, Turcomenistão, Quirguistão, Rússia, Ucrânia, Bielo-Rússia, Turquia e Alemanha.

A resposta foi gradual, mas previsível.

No início deste ano, os membros da Organização de Cooperação de Xangai – China, Rússia, Cazaquistão, Quirguistão, Tadjiquistão, Uzbequistão, Índia e Paquistão – decidiram transferir o comércio e os investimentos mútuos do dólar americano para suas moedas nacionais.

China e Rússia estão mais adiantadas nesse processo. Nos últimos cinco anos, a parcela do comércio entre os dois denominada em dólares caiu de cerca de 90% para menos de 50%.

De acordo com dados do banco central russo, o colapso no primeiro trimestre de 2020 foi em dólar, 46%; euro, 30%; e rublo e yuan, 24%.

O euro acompanhou o dólar no comércio entre a Rússia e a UE e parece provável que o supere em um futuro próximo. Índia e Rússia estão cada vez mais negociando em suas próprias moedas, assim como Índia e Irã e Turquia e Irã.

Desde setembro de 2019, a Rosneft, maior exportadora de petróleo da Rússia, tem precificado novos contratos em euros.

Motor de crescimento expirado

Até recentemente, os Estados Unidos representavam uma oportunidade de crescimento para o resto do mundo. Agora, tendo se tornado protecionista e interferido ativamente nas economias de aliados, inimigos e neutros, é uma ameaça ao crescimento de outras nações.

A Eurásia e o resto do mundo não precisam aceitar e não irão.

A Eurásia é sua própria oportunidade de crescimento. O comércio da UE com o resto da Eurásia – quase metade com a China – é mais do que o dobro do comércio com os EUA. O comércio da Índia com o resto da Eurásia – menos de um quarto do qual é com a China – é cinco vezes maior do que o comércio com os EUA.

O comércio do Japão com a China sozinho é 1,4 vezes seu comércio com os EUA. As exportações da Coreia do Sul para a China são mais de 80% maiores do que suas exportações para os EUA. A lista continua.

Os EUA têm déficits comerciais desde os anos 1970. E, com exceção de um pequeno superávit em 1991, registrou déficits em conta corrente desde o início dos anos 1980. Com milhões de empregos e grande parte de sua liderança industrial perdida para a terceirização, os americanos finalmente decidiram que já basta.

Trump e Biden – Republicanos e Democratas – concordam neste ponto.

Não importa quem ganhe as eleições em novembro, os EUA não estão voltando como o motor do crescimento econômico global. Em vez disso, estão adotando as políticas mercantilistas de substituição de importações que construíram as economias “milagrosas” do Leste Asiático.

Enquanto isso, Japão e Alemanha podem reivindicar o manto do livre comércio. No calor do momento, a ironia disso não é totalmente apreciada.

Esta não é uma aberração de curto prazo. Os EUA podem levar uma geração para retificar seus desequilíbrios econômicos e sociais, reconstruir sua base industrial e reformar seu sistema educacional.

Estudos recentes de fontes como o Pew Research Center e a Universidade de Washington classificaram os EUA do 24º ao 38º lugar no mundo em termos de saúde e educação, matemática e ciências. Este é um buraco profundo para se escapar.

A Eurásia não é monolítica e não constitui um bloco antiamericano, mas é muito maior economicamente, tem mais pessoas e melhor educação e está alcançando um número cada vez menor de tecnologias nas quais a América ainda detém a liderança.

Enquanto os Estados Unidos se voltam para a tarefa de colocar sua própria casa em ordem, o século da Eurásia já começou.

Fonte: Asian Times

Deixe uma resposta