Uma Revisão da Teoria Crítica

Em meio à desordem social do final da década de 1960, o estudante comunista alemão Rudi Dutschke pediu uma “longa marcha pelas instituições” como a estratégia preferida para garantir a vitória da revolução marxista global. O sucesso dessa iniciativa não é mais proeminente no Ocidente do que na academia de hoje, onde a Teoria Crítica da Escola de Frankfurt e sua respectiva tendência, o pós-modernismo, mantêm com mão de ferro o controle sobre a atmosfera intelectual, enraizando violentamente todas as formas de dissidência por meio da exclusão, de acusações ultrajantes, humilhação pública, demissão e, com muita frequência, a consequência trágica de destruir permanentemente o futuro da pessoa. Se algum acadêmico fizer oposição à “desconstrução” sistêmica do Ocidente heteronormativo, cisnormativo, patriarcal, etnocêntrico, elitista, religioso, sua resistência vil à tolerância e ao progresso será justamente silenciada.

Naturalmente, tais práticas quase stalinistas (removeremos o “quase” depois que o encarceramento, e não a perda do sustento de alguém, se tornar a penalidade normal da oposição) causam uma má impressão naqueles ainda não convencidos dos méritos dessas tradições intelectuais. Figuras populares como Jordan Peterson e Pat Buchanan são bem conhecidas por sua oposição à Teoria Crítica, com a consequência infeliz de que a obstinação deles em realmente se engajarem contra a escola resultou em mais do que algumas poucas piadas e a veemente recusa da maioria dos homens à direita de ver qualquer valor nas críticas e desconstruções inabaláveis do inimigo às várias vacas sagradas do Ocidente moderno. Peterson é frequentemente ridicularizado pelos intelectuais de esquerda e seus seguidores por seu discurso contra o “neo-marxismo pós-moderno”, apressando-se para ver o movimento como nada além de um culto niilista e epistemologicamente cético, sem nenhuma convicção real por algo além da revolução frenética. Pat Buchanan, em “A Morte do Ocidente”, [1] reconhece o sucesso da Escola de Frankfurt em minar as várias instituições de nossa civilização, mas consegue apenas anatematizar pateticamente a Teoria Crítica como “qualquer coisa, exceto benigna” [2] à maneira típica de um “conservador” americano paranoico e impotente, que é cronicamente incapaz de perceber as inevitáveis consequências em espiral descendente do projeto iluminista e teme pela destruição de seu estilo de vida confortável e consumidor. Acusando os marxistas culturais de preferir o condicionamento psicológico ao argumento filosófico, [3] Buchanan falha em ver a ironia quando continua meramente reafirmando as posições antiocidentais dos teóricos críticos, a fim de gerar pânico em seus leitores sem produzir nenhum real entendimento ou alternativa, ressaltando abertamente algumas páginas depois que “os tradicionalistas ainda precisam descobrir contramedidas eficazes”. [4]

Mas eles descobriram. Se os “tradicionalistas” ainda não descobriram métodos eficazes para defender os valores tradicionais do Ocidente, é apenas porque Buchanan confunde o tradicionalismo – mais especificamente, Tradicionalismo – com seu próprio “paleoconservadorismo” e o culto aos princípios liberais clássicos americanos. É indiscutível que republicanos, libertários de direita e outros conservadores estão mais preocupados com o desempenho do mercado de ações e com uma vaga noção de “liberdade” do que com as questões muito mais tangíveis e profundas da mudança demográfica, a família, bem-estar espiritual e outros assuntos que levem em consideração a questão de saber se a proverbial “busca pela felicidade” significa ou não algo além da satisfação vazia oferecida pelo ganho monetário; consequentemente, eles não estão de modo algum dispostos a se envolver ativamente com inimigos professos da civilização ocidental por meio de algo que não seja o ocasional lixo pseudo-intelectual (de que “A morte do Ocidente” é um exemplo um pouco acima da média) regurgitado por “pensadores” como Dinesh D’Souza ou Ben Shapiro.

Isso se deve, em grande parte, à antiga tradição americana de anti-intelectualismo e ao fato de que qualquer ação real lhes custaria seus próprios ideais modernistas, ligeiramente mais antigos. No entanto, uma vez que alguém está disposto a reconhecer que um verdadeiro conservadorismo implica uma rejeição de todas as tendências revolucionárias e, assim, começa a olhar para fora do campo daqueles que estão satisfeitos com os princípios americanos autodestrutivos, vê-se que a própria direita tem acesso a toda uma tradição crítica própria, mais antiga que a da Escola de Frankfurt, que só precisa ser revivida para combater o esquerdismo acadêmico com seus próprios métodos: uma desilusão radical com a narrativa burguesa de progresso combinada com um esforço sistemático para estabelecer uma elite intelectual de teóricos, assegurando maior influência possível, trabalhando abertamente para desconstruir todos os mitos modernos.

Ou seja, se a Direita conseguir olhar para além das conclusões desagradáveis e específicas de teóricos críticos e pós-modernistas e, em vez disso, se inspirar em seus métodos como um todo, essa tradição poderá ser recuperada. Mas, mais uma vez, o que se entende por “direita” não é um conservadorismo americano, nem mesmo o etnonacionalismo iliberal do “alt-right”, que são ambos essencialmente modernistas. Em vez disso, o que se poderia chamar de “teoria crítica da direita” é completa e fundamentalmente contra-revolucionário, na linha intelectual dos tradicionalistas René Guénon e Julius Evola. Na medida em que o “Ocidente” é identificado com o paradigma individualista e secularista da sociedade europeia após o Iluminismo e a Revolução Francesa, a teoria crítica da direita pode até ser denominada antiocidental. Opondo-se ao progresso material e moral, a invenção burguesa do Estado-nação, a dicotomia artificial do capitalismo e do comunismo, o racionalismo secular do Iluminismo e sua arrogante rejeição de outras tradições culturais, moralismo cristão obsoleto, racismo biológico, a opressão injusta dos povos colonizados por impérios europeus mercantilistas, a primazia da ciência e uma infinidade de outras ideias específicas ao Ocidente moderno, Evola e Guénon frequentemente soam como acadêmicos pós-modernos ou outros intelectuais “marxistas culturais”. Se a direita tradicional pretende esmagar – ou “desconstruir” – as ideologias e instituições que levaram à gênese da modernidade decadente, seria bom imitar os teóricos críticos, observando nossa própria tradição crítica, desenvolvida por esses pensadores seminais e, assim, pegar o inimigo desprevenido, usando suas próprias armas. A seguir, listarei cinco trechos (embora possa listar muitos, muitos mais) que demonstram a habilidade misteriosa de Guénon e Evola em desafiar a Weltanschauung distorcida e pueril da civilização burguesa ocidental.

Comecemos com o mito central da modernidade. Em relação à idéia de progresso, Evola, em “Revolta contra o mundo moderno”, afirma:

Nenhuma idéia é tão absurda quanto a idéia de progresso, que juntamente com sua noção corolária de superioridade da civilização moderna, criou seus próprios álibis “positivos”, falsificando a história, insinuando mitos prejudiciais na mente das pessoas e proclamando-se soberana na encruzilhada da ideologia plebéia da qual se originou. . . . Nossos contemporâneos devem realmente ter ficado cegos, se realmente pensaram que podiam medir tudo pelos seus padrões e considerar sua própria civilização privilegiada, como aquela à qual a história do mundo foi predestinada e fora da qual não há nada além de barbárie, escuridão e superstição. [5]

Escrito durante a crise existencial de fé vivida pelos defensores do liberalismo após a Segunda Guerra Mundial, Guénon avalia a ideia de progresso material:

No entanto, vamos considerar as coisas por um momento do ponto de vista daqueles cujo ideal é o “bem-estar” material e, portanto, regozijam-se com todas as melhorias da vida proporcionadas pelo “progresso” moderno; têm eles certeza de que não estão sendo enganados? É verdade que, por dispor de meios de comunicação mais rápidos e outras coisas do gênero, e por causa de sua maneira de vida mais agitada e complicada, os homens estão mais felizes hoje do que eram antes? O oposto parece-nos verdadeiro: o desequilíbrio não pode ser uma condição de verdadeira felicidade. Além disso, quanto mais necessidades um homem tem, maior a probabilidade de que ele não tenha algo e, portanto, seja infeliz; a civilização moderna visa criar mais e mais necessidades artificiais e, como já dissemos, sempre criará mais necessidades do que pode satisfazer, pois, uma vez que se entra neste caminho, é muito difícil parar e, de fato, não há razão para parar em um ponto específico. [6]

A seguir, para aqueles que conhecem muito bem o discurso da esquerda de como tudo é meramente uma “construção social”, vejamos as opiniões de Evola sobre o estado-nação moderno, retiradas da mesma obra, em que “nação” é apenas um resultado da degeneração do ideal superior do Imperium, ou Império:

O nacionalismo moderno não se baseia em uma unidade natural, mas em uma unidade artificial e centralizadora. . . Independentemente de seus mitos, a substância do nacionalismo moderno não é um ethnos [ênfase original], mas um demos, e seu protótipo permanece sempre o plebeu produzido pela revolução francesa. . . É sabido que na Europa durante o século XIX, o nacionalismo era sinônimo de revolução. . . O que emerge no nacionalismo é um aspecto oposto, a saber, o elemento cumulativo e coletivizador. [7]

O que é mais surpreendente é a semelhança entre a crítica guenoniana-evoliana do colonialismo europeu e a crítica liberal-acadêmica moderna do mesmo. Longe de elogiar o espírito conquistador do povo europeu, Guénon e Evola condenam estritamente a disseminação cruel do materialismo e do “progresso” para outras partes do globo, a exploração econômica subsequente, as risíveis insinuações de superioridade ocidental e as diferenças intransponíveis percebidas entre Oriente e Ocidente. Qualquer leitor que tenha feito um ou dois cursos universitários em uma cultura oriental provavelmente já deve ter ouvido falar do escritor marxista e pós-modernista gramsciano Edward Said, que em 1978 publicou “Orientalismo” (um livro sagrado nas universidades de hoje), acusando a civilização ocidental, que supostamente se vê como masculino, ativo, racionalista e progressivo, de caricaturar o Oriente – fundamentalmente o Outro – como feminino, passivo, supersticioso e regressivo, e usando esta representação para justificar o colonialismo. Muito antes de Said redigir “Orientalismo”, Guénon, em 1927, já havia descartado a arrogância de estudiosos ocidentais modernistas que não compreenderam o Oriente, pondo a culpa da suposta divisão entre Ocidente e Oriente na anormalidade do Ocidente:

Não há oposição essencial entre [civilizações tradicionais]. . . Por outro lado, uma civilização que não reconhece princípios superiores, mas na realidade é baseada em uma negação de princípios, é por este fato excluída de todo entendimento mútuo com outras civilizações. . . Não havia motivo para oposição entre o Oriente e o Ocidente, desde que houvesse civilizações tradicionais no Ocidente e no Oriente; a oposição tem significado apenas no que diz respeito ao Ocidente moderno, pois é muito mais uma oposição entre duas mentalidades do que entre duas entidades geográficas mais ou menos claramente definidas. [8]

Com frequência representado falsamente como um fascista sádico e militarista, Evola, em “Reconhecimentos: Estudos sobre Homens e Problemas da Perspectiva da Direita”, critica o imperialismo ocidental:

. . . mas especialmente no que diz respeito ao Oriente, a idéia de “superioridade da civilização” era uma mera presunção das raças brancas, assim como a convicção de que o cristianismo fez do Ocidente o portador da verdadeira fé, autorizando-o a um desligamento soberbo do resto da humanidade, considerada “pagã” e bárbara. . . O mito da superioridade, que no fim justificava todo tipo de abuso e opressão, repousava na superstição progressivista – que é a ideia de que a ciência e a civilização tecnológica constituem a última palavra na história do mundo e garantem aos europeus o direito global a uma obra “civilizadora” geral. [9]

É óbvio que as semelhanças com os teóricos críticos se estendem apenas até o próprio ato de criticismo, apenas em reconhecer que há um problema crucial no mundo atual e a subsequente iniciação da militância intelectual-cultural contra ele. Assim, a Direita crítica deve, na verdade, agir como uma contra-crítica, combatendo as suposições perniciosas do mundo moderno, bem como dos próprios teóricos marxistas. Um exemplo claro é encontrado na doutrina de Evola da regressão das castas, vendo a sociedade burguesa como uma anomalia morfológica das civilizações, mas ainda mais severamente condenando os movimentos proletários liderados por marxistas que buscam substituí-la. [10] Nem poderia a formação de uma verdadeira teoria crítica de direita florescer sem um despertar espiritual concomitante; à medida que os acadêmicos subversivos de hoje são alimentados por uma culpa branca religiosa e uma compaixão burguesa pelas minorias “oprimidas”, a direita deve extrair força de uma fonte indescritivelmente superior.

Alguém poderia objetar que a formação de uma elite intelectual no ambiente cada vez mais distópico de hoje é fantasiosa na melhor das hipóteses e ilusória na pior. Afinal, Guénon, em “Crise do mundo moderno”, defendeu explicitamente a formação de uma elite intelectual para fazer contato com representantes espirituais do Oriente, a fim de direcionar o Ocidente de volta ao curso da normalidade, desistindo dessa possibilidade tarde na vida. Da mesma forma, a ideia de Evola sobre o Männerbund (embora isso fosse menos intelectual para ele) dificilmente se concretizou. Além disso, a oposição crítica aberta – isto é, não apenas exposições da própria ideologia, mas a desconstrução direta dos paradigmas dominantes da elite esquerdista – não é segura para um homem de família com emprego.

No entanto, à medida que o estado de vigilância tecnocrático tende cada vez mais à onipotência e onipresença práticas, e aqueles que preferem ficar nas sombras em algum canto remoto dos Estados Unidos se tornam cada vez mais incapazes de fazê-lo, é preciso se perguntar que alternativas restam. Ninguém deveria acreditar erroneamente que uma teoria crítica de direita desencorajaria ações complementares. Quando a geração dos anos 60 marchou nas ruas, seus intelectuais aliados publicaram fervorosamente em sua defesa. Também vale a pena considerar que os próprios revolucionários enfrentaram os mesmos perigos de perda de seus meios de subsistência, reputação ou até mesmo vidas por dissidência ativa. Se os verdadeiros homens de direita podem cavalgar o tigre, adotando as mesmas metodologias de desconstrução e desilusão que seus oponentes subversivos e usar sua popularidade crescente para obter posições cada vez mais proeminentes com a sociedade, desde que a contrarrevolução se atenha a princípios verdadeiramente tradicionais, talvez a maré possa ser virada. A Counter-Currents já reconhece que a guerra cultural é realmente crucial.

Se a modernidade é uma prisão, devemos examinar os movimentos de nossos guardas para aprender a escapar.

Fonte: Euro-Synergies

Notas

[1] Patrick J. Buchanan, “Four Who Made a Revolution,” in The Death of the West: How Dying Populations and Immigrant Invasions Imperil Our Country and Civilization. New York: St. Martin’s, 2002.
[2] Buchanan, 80.
[3] Buchanan, 83.
[4] Buchanan, 90.
[5] Julius Evola, Revolt Against the Modern World. Rochester, VT: Inner Traditions International, 1995. p. xxx.
[6] René Guénon, The Crisis of the Modern World. Hillsdale, NY: Sophia Perennis, 2004. p. 93.
[7] Evola, 339.
[8] Guénon, 21-22.
[9] Julius Evola, Recognitions: Studies on Men and Problems from the Perspective of the Right. London: Arktos Media, 2017. p. 90.
[10] The regression of castes permeates Evola’s work. For an overview, see “The Regression of the Castes” in Revolt. See also “The Historiography of the Right” in Recognitions for an example of the appropriation of Marxist methodologies for Right-wing purposes.

Deixe uma resposta