Tolkien é acusado de ser supremacista por sua saga “O Senhor dos Anéis”

Por Alex V.

O novo debate do “politicamente correto” sobre o sexismo nas obras artísticas está na ordem do dia, e esta semana foi a vez de J.R.R. Tolkien, o criador da saga “O Senhor dos Anéis”, que foi objeto de polêmica acalorada no twitter, depois que uma colunista colombiana voltou a ver os filmes sobre esse mundo de fantasia dirigidos por Peter Jackson.

“Voltei a assistir os filmes do Senhor dos Anéis e não aguentei a overdose de testosterona. 90% dos personagens são homens brancos e as mulheres só aparecem quando o herói está em perigo para sussurrar-lhe no ouvido: “você consegue!”, foi a primeira crítica de María A. García de la Torre, colunista do jornal “El Tiempo”.

“Nem sequer aborda a questão racial, o que é muito pior. Nenhum afro-americano ou mestiço ou qualquer outro em um planeta multiétnico”, continuou de la Torre.

Os usuários do Twitter se posicionaram a favor e contra com milhares de tuítes acerca das tendências políticas do autor da famosa trilogia da Terra Média, J.R.R. Tolkien, tirando os detratores, os clichês e típicos insultos de “nazista, fascista, etc.

1 Comment

  1. Existe “diversidade de gênero” ou “diversidade racial” na obra de J.R.R. Tolkien? Não. Mas isso não prejudica a qualidade dos livros. Lembrando que “O Hobbit” foi publicado em 1937, e a trilogia “O Senhor dos Anéis” em 1955. Que sejam lidos até os dias de hoje É uma prova de que é boa literatura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *