As Armas Biológicas do Pentágono (Parte V)

Escrito por Dilyana Gaytandzhieva
Encerrando nossa série sobre o programa de armas biológicas do Pentágono, abordamos as fábricas de armas biológicas localizadas nos EUA, o roubo de bactérias dos laboratórios de Saddam Hussein, as experiências com insetos geneticamente modificados e os indícios de que o Pentágono tem tentado produzir armas bioétnicas, ou seja, armas biológicas que afetam grupos étnicos específicos.

Fábrica de Armas Biológicas nos EUA

O Exército dos EUA produz e testa bio-agentes em uma instalação militar especial localizada em Dugway Proving Ground (Centro de Testes do Deserto Ocidental, Utah), como comprovado em um Relatório do Exército dos EUA de 2012. A instalação é supervisionada pelo Comando de Teste e Avaliação do Exército.

A Divisão de Ciências da Vida (LSD) do Campo de Testes de Dugway é responsável pela produção de bio-agentes. De acordo com o relatório do Exército, os cientistas desta divisão produzem e testam bio-agentes aerossolizados no Laboratório de Testes de Ciências da Vida Lothar Saloman (LSTF).

Laboratório de Testes de Ciências da Vida Lothar Saloman (LSTF), onde são produzidos e aerossolizados agentes de bioterrorismo.
Agentes Biológicos produzidos pelo Exército dos EUA em Dugway Proving Ground, Utah, EUA
Fonte: Relatório de Capacidades 2012, Centro de Testes do Deserto Ocidental

A Divisão de Ciências da Vida é composta por um ramo de Tecnologia de Aerossóis e um ramo de Microbiologia. A Ramo de Tecnologia de Aerossóis aerossol pulveriza agentes biológicos e simuladores. O ramo de Microbiologia produz toxinas, bactérias, vírus e organismos semelhantes a agentes que são utilizados em testes de câmara e de campo.

Os laboratórios de fermentação do Laboratório de Testes de Ciências da Vida cultivam bactérias em fermentadores que vão desde um pequeno sistema de 2 L até um grande sistema de 1500 L. Os fermentadores são adaptados especificamente aos requisitos do microorganismo que está sendo projetado – pH, temperatura, luz, pressão e concentrações de nutrientes que dão ao microorganismo taxas ótimas de crescimento.

Um grande fermentador de 1500 L
Um laboratório de pós-produção seca e mói os materiais de teste

Após os bio-agentes serem produzidos, os cientistas os põem a prova em câmaras de contenção.

Experiências em Aerossol com Neurotoxina Botulínica e Antraz

Documentos comprovam que o exército americano produz, possui e testa aerossóis da toxina mais letal do mundo – a neurotoxina botulínica. Em 2014 o Departamento do Exército comprou 100 mg de toxina botulínica da Metabiologics para testes no Campo de Provas de Dugway.

As experiências datam de 2007, quando uma quantidade não especificada da toxina foi fornecida ao Departamento do Exército pela mesma empresa – Metabiologics. De acordo com o Relatório do Centro de Testes do Deserto Ocidental de 2012, as instalações militares realizam testes com aerossol da neurotoxina bolulínica, bem como com o antraz aerossolizado, o yersinia pestis e o vírus da encefalite equina venezuelana (VEE).

Fonte: Relatório de Capacidades de 2012, Centro de Testes do Deserto Ocidental

Programas de Testes de Campo ao Ar Livre no Campo de Provas Dugway

Documentos e fotos do exército americano mostram que o Pentágono desenvolveu vários métodos de disseminação para ataques bioterroristas, inclusive por meio de explosivos.

Fonte: Relatório de Capacidades de 2012, Centro de Testes do Deserto Ocidental
Disseminação de contaminantes para testes biológicos/químicos
Disseminação de simulantes por explosivos
Disseminação de pós
Disseminação no campo de testes

O relatório do Exército dos EUA lista numerosas técnicas de disseminação, incluindo por pulverizadores de bioaerossóis. Tais pulverizadores chamados disseminadores Micronair já foram desenvolvidos pelo Exército dos EUA e testados no Campo de Provas de Dugway. De acordo com os documentos, eles podem ser montados em veículos, ou usados como mochila, com um sistema de bomba que pode ser instalado na unidade para aumentar a precisão da liberação. Os pulverizadores Micronair podem liberar 50 a 500 mL de simulador bio-líquido por minuto de tanques de 12 L.

Os EUA roubaram bactérias da fábrica de armas biológicas de Saddam Hussein.

Bacillus thuringiensis é um insecto patogênico que é amplamente utilizado como biopesticida. O B. thuringiensis (BT) Al Hakam foi coletado no Iraque pela Comissão Especial da ONU liderada pelos EUA em 2003. O seu nome vem de Al Hakam – a instalação de produção de bio-armas do Iraque. Além dos testes de campo do Pentágono, esta bactéria é também utilizada nos EUA para a produção de milho geneticamente modificado, resistente a pragas. Fotos postadas pela CIA provam que a bactéria foi coletada pelos EUA no Iraque. De acordo com a CIA, os frascos contendo bio-pesticida foram recuperados da casa de um cientista de Al Hakam.

Bacillus thuringiensis
Um total de 97 frascos – incluindo aqueles com rótulos consistentes com as narrativas de ocultação da al Hakam de proteínas unicelulares e biopesticidas, bem como cepas que poderiam ser usadas para agentes de guerra biológica foram recuperados da casa de um cientista no Iraque em 2003.

Informações do registro federal de contratos dos EUA mostram que o Pentágono realiza testes usando a bactéria roubada da fábrica de armas biológicas de Saddam Hussein no Iraque.

O projeto federal da Agência de Redução de Ameaças de Defesa para análises laboratoriais e campos de testes com bactéria.

Os testes são realizados na Base Aérea de Kirtland (Kirtland é o lar do Centro de Armas Nucleares do Comando de Material da Força Aérea). Aqui as armas estão sendo testadas, o que significa que os testes de campo com simuladores biológicos (bactérias) também se enquadram neste grupo.

O contratante do DTRA neste projeto – Lovelace Biomedical and Environmental Research Institute (LBERI), opera um laboratório de bio-segurança animal nível 3 (ABSL-3) que tem o status de Agente Seleto. A instalação é projetada para realizar estudos de bioaerossóis. A empresa recebeu um contrato de 5 anos para testes de campo com simuladores biológicos na Base da Força Aérea de Kirtland.

Alguns dos testes são realizados em um túnel de vento

Testes de Campo com Simulantes Biológicos (Bactérias)

O que o Pentágono está fazendo agora é exatamente o que fez no passado, o que significa que seu programa de bio-armas nunca foi encerrado. O exército americano realizou 27 testes de campo com tais simuladores biológicos, envolvendo o domínio público de 1949 a 1968, quando o presidente Nixon anunciou oficialmente o fim do programa.

Fonte: Nixon: US Army Activities in the US, Biological Warfare Programs, vol. II, 1977, p. 125-126

Testes de Campo na Chechênia

A Agência de Redução de Ameaças da Defesa (DTRA), que dirige o programa militar americano no Centro Lugar, na Geórgia, alegadamente já realizou testes de campo com uma substância desconhecida na Chechênia, Rússia. Na primavera de 2017, cidadãos locais relataram um drone disseminando pó branco perto da fronteira russa com a Geórgia. Nem a polícia de fronteira georgiana, nem o pessoal norte-americano que opera na fronteira entre a Geórgia e a Rússia comentaram sobre esta informação.

Projeto militar dos EUA na fronteira entre a Rússia e a Geórgia, no valor de 9,2 milhões de dólares

A DTRA tem pleno acesso à fronteira Rússia-Geórgia, concedido ao abrigo de um programa militar chamado “Projeto de Segurança da Fronteira Georgiana“. As atividades, relacionadas com o projecto foram subcontratadas a uma empresa privada americana – Parsons Government Services International. A DTRA contratou anteriormente a Parsons para projetos similares de segurança fronteiriça no Líbano, Jordânia, Líbia e Síria. A Parsons recebeu um contrato de 9,2 milhões de dólares no âmbito do projecto de segurança fronteiriça do Pentágono, na fronteira entre a Rússia e a Geórgia.

Cidadãos chechenos noticiaram um pulverizador UAV perto da fronteira russa com a Geórgia em 2017

Agência de Defesa dos EUA testa Insetos GM para transmitir Vírus GM

O Pentágono investiu pelo menos 65 milhões de dólares em edição de genes. A Agência de Projetos de Pesquisa Avançada dos EUA (DARPA) premiou 7 equipes de pesquisa para desenvolver ferramentas de engenharia de genoma em insetos, roedores e bactérias sob o programa Safe Gene da DARPA, usando uma nova tecnologia CRISPR-Cas9.

Sob outro programa militar – Insect Allies, os insetos geneticamente modificados são projetados para transferir genes modificados para as plantas. O projeto da DARPA, de 10,3 milhões de dólares, inclui tanto a edição de genes em insetos quanto nos vírus que eles transmitem. Engenharia de Preferência de Nicho Ecológico é um terceiro programa militar em andamento para a engenharia de genoma em insetos. O objetivo declarado do Pentágono é a engenharia de organismos geneticamente modificados para que eles possam resistir a certas temperaturas, mudar seu habitat e fontes de alimento.

Fonte: fbo.gov

Humanos Geneticamente Modificados

Além da edição de genes nos insetos e nos vírus que eles transmitem, o Pentágono também quer engendrar humanos. O Projeto Ferramentas Avançadas para Engenharia Genômica em Mamíferos da DARPA procura criar uma plataforma biológica dentro do corpo humano, usando-a para fornecer novas informações genéticas, e assim alterar os humanos no nível do DNA.

A DARPA quer inserir um 47º cromossomo artificial adicional em células humanas. Este cromossomo irá fornecer novos genes que serão usados para a engenharia do corpo humano. A SynPloid Biotek LLC recebeu dois contratos no âmbito do programa, totalizando US$ 1,1 milhão (2015-2016 – US$ 100.600 para a primeira fase da pesquisa; 2015-2017 – US$ 999.300 para trabalhos que não estão especificados no registro de contratos federais. A empresa tem apenas dois funcionários e nenhum registro anterior em bio-pesquisa.

Pesquisa Ultrassecreta sobre Vírus Sintéticos

Entre 2008 e 2014, os Estados Unidos investiram aproximadamente 820 milhões de dólares em pesquisa de biologia sintética, sendo a Defesa um dos principais contribuintes. Muitos dos projetos militares sobre biologia sintética são classificados, entre eles estão uma série de estudos classificados pelo secreto grupo JASON de conselheiros militares dos EUA – por exemplo, Vírus Emergentes e Edição de Genoma para o Pentágono, e Vírus Sintéticos para o Centro Nacional de Contraterrorismo.

A JASON é um grupo independente de consultoria científica que presta serviços de consultoria ao governo dos Estados Unidos em assuntos de ciência e tecnologia de defesa. Foi criado em 1960 e a maioria de seus relatórios resultantes são classificados. Para fins administrativos, os projetos da JASON são geridos pela Corporação MITRE, que tem contratos com o Departamento de Defesa, a CIA e o FBI. Desde 2014 a MITRE recebeu cerca de 27,4 milhões de dólares em contratos com o Departamento de Defesa.

Embora os Relatórios JASON sejam classificados, outro estudo da Força Aérea dos EUA intitulado Biotecnologia: Patógenos Geneticamente Engendrados, lança alguma luz sobre o que o grupo secreto JASON pesquisou – 5 grupos de patógenos geneticamente engendrados que podem ser usados como bio-armas. Estas são armas biológicas binárias (uma combinação letal de dois vírus), doenças de troca do hospedeiro (vírus animais que “saltam” para os humanos, como o vírus Ebola), vírus furtivos e doenças projetadas. Doenças projetadas podem ser engendradas para atacar um grupo étnico específico, o que quer dizer que elas podem ser usadas como bio-armas étnicas.

Bioarmas Étnicas

A arma biológica étnica (arma biogenética) é uma arma teórica que visa principalmente prejudicar pessoas de etnias ou genótipos específicos.

Embora oficialmente a pesquisa e o desenvolvimento de armas biológicas étnicas nunca tenham sido confirmados publicamente, documentos mostram que os EUA coletam material biológico de certos grupos étnicos – russos e chineses.

A Força Aérea dos EUA tem recolhido especificamente amostras de RNA e de tecido sinovial de russos, o que suscita receios em Moscou de um programa secreto de bio-armas étnicas dos EUA.

fbo.gov

Além dos russos, os EUA têm coletado material biológico tanto de pacientes saudáveis como de cancerígenos na China. O Instituto Nacional do Câncer coletou amostras biológicas de 300 indivíduos de Linxian, Zhengzhou, e Chengdu na China. Enquanto outro projeto federal, intitulado Estudo Inaugural de Biomarcadores Metabólicos do Carcinoma de Células Escamosas do Esôfago na China, inclui a análise de 349 amostras de soro que foram coletadas de pacientes chineses.

O Instituto Nacional do Câncer dos EUA tem coletado material biológico de pacientes do Hospital do Câncer de Pequim

O material biológico chinês tem sido coletado sob uma série de projetos federais, incluindo saliva e tecido cancerígeno. Entre eles, genotipagem de amostras de DNA de casos de linfoma e de controles (pacientes saudáveis), blocos de tecido de câncer de mama de pacientes com câncer de mama, amostras de saliva de 50 famílias que têm 3 ou mais casos de câncer UGI, Genótipo 50 SNPS para amostras de DNA do Hospital do Câncer de Pequim, Genótipos de 3000 casos de câncer gástrico e 3000 controles (pacientes saudáveis) em Pequim.

Vacinas Contra o Tabaco: Como o Pentágono ajudou as Empresas de Tabaco a Lucrar com o Ebola

A A Agência de Projetos de Pesquisa Avançada em Defesa (DARPA) investiu 100 milhões de dólares na produção de vacinas a partir de plantas de tabaco. As empresas, envolvidas no projeto, são de propriedade das maiores empresas de tabaco americanas – a Mediacago Inc. é co-propriedade da Philip Morris e a Kentucky BioProcessing, uma subsidiária da Reynolds American que é de propriedade da British American Tobacco. Atualmente elas estão produzindo vacinas contra a gripe e o ebola a partir de plantas de tabaco.

O programa Blue Angel, de 100 milhões de dólares, foi lançado como resposta à pandemia de H1N1 em 2009. A Medicago recebeu 21 milhões de dólares para produzir 100 milhões de doses de uma vacina contra a gripe no prazo de um mês.

O gerente do programa Blue Angel, Dr. John Julias, explica: “Embora existam múltiplas espécies de plantas e outros organismos a serem explorados como plataformas alternativas de produção de proteínas, o governo dos EUA continuou a fazer um investimento em produção baseada no tabaco.”

O método de produção de vacinas com base em plantas funciona através do isolamento de uma proteína antigênica específica que desencadeia uma resposta imunológica humana do vírus visado. Um gene da proteína é transferido para bactérias, as quais são usadas para infectar as plantas. As plantas começam então a produzir a proteína que será utilizada para as vacinas.

Não está claro porque o Pentágono escolhe investir em vacinas produzidas a partir de plantas de tabaco entre todas as outras espécies vegetais, que já exploraram. A Medicago, co-propriedade da Philip Morris, pagou 495 mil dólares para fazer lobby junto ao Departamento de Defesa, ao Congresso e ao Departamento de Saúde e Serviços Humanos para “financiamento de tecnologia avançada de apoio às aplicações de preparação para a saúde pública”. O Pentágono financiou empresas de tabaco para desenvolver novas tecnologias e para lucrar com as vacinas.

As Axperiências Biológicas são Crimes de Guerra

O Artigo 8 do Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional (TPI) define as experiências biológicas como crimes de guerra. Os EUA, porém, não são um Estado parte do tratado internacional e não podem ser responsabilizados por seus crimes de guerra.

Esta é a última parte de uma série de textos.

Fonte: Arms Watch

Deixe uma resposta