Coronavírus: “A pandemia acelerará a história em vez de reformulá-la”

Richard Haass

Passamos pelo que, em todas as medidas, é uma grande crise, por isso é natural supor que será um ponto de inflexão na história moderna. Nos meses desde o aparecimento do COVID-19, a doença causada pelo novo coronavírus, os analistas diferiram em relação ao tipo de mundo que a pandemia deixará em seu rastro, mas a maioria argumenta que o mundo em que estamos entrando será fundamentalmente diferente do que existia antes. Alguns preveem que a pandemia trará uma nova ordem mundial liderada pela China; outros acreditam que isso desencadeará o fim da liderança da China. Alguns dizem que isso acabará com a globalização; outros esperam que isso inaugure uma nova era de cooperação global. E outros ainda projetam que isso sobrecarregará o nacionalismo, minará o livre comércio e levará a mudanças de regime em vários países – ou todos os itens acima.

Todavia, é improvável que o mundo que virá após a pandemia seja radicalmente diferente daquele que a precedeu. O COVID-19 não mudará tanto a direção básica da história mundial, como a acelerará. A pandemia e a resposta a ela revelaram e reforçaram as características fundamentais da geopolítica de hoje. Como resultado, essa crise promete ser menos um ponto de inflexão do que uma parada ao longo da estrada que o mundo vem percorrendo nas últimas décadas.

É muito cedo para prever quando a crise terminará. Seja em seis, doze ou dezoito meses, o tempo dependerá do grau com que as pessoas seguirão as diretrizes de distanciamento social e a higiene recomendada; da disponibilidade de testes rápidos, precisos e acessíveis, de medicamentos antivirais e uma vacina; e da extensão do alívio econômico concedido a indivíduos e empresas.

No entanto, o mundo que emergirá da crise será reconhecível. Liderança americana em declínio, cooperação global vacilante, discórdia entre grandes potências: tudo isso caracterizava o ambiente internacional antes do aparecimento do COVID-19, e a pandemia os levou isso a um relevo mais do que nítido. É provável que sejam características ainda mais proeminentes do mundo a seguir.

MUNDO PÓS-AMERICANO

Uma característica da crise atual tem sido a acentuada falta de liderança dos EUA. Os Estados Unidos não reuniram o mundo em um esforço coletivo para enfrentar o vírus ou seus efeitos econômicos. Os Estados Unidos também não reuniram o mundo para seguir sua liderança na abordagem do problema em casa. Outros países estão se cuidando da melhor maneira possível ou se voltando para aqueles que passaram pelo pico de infecção, como a China, para obter assistência.

Mas se o mundo que segue essa crise será aquele em que os Estados Unidos dominam cada vez menos – é quase impossível imaginar alguém escrevendo hoje sobre um “momento unipolar” – essa tendência não é nova. Foi aparente por pelo menos uma década.

Até certo ponto, isso é resultado do que Fareed Zakaria descreveu como “a ascensão do resto” (e da China em particular), que trouxe um declínio na vantagem relativa dos Estados Unidos, embora sua força econômica e militar absoluta continuasse a crescer. Mas, mais do que isso, é resultado de uma vontade americana vacilante, em vez de um declínio da capacidade americana. O presidente Barack Obama supervisionou uma retração do Afeganistão e do Oriente Médio. O presidente Donald Trump empregou principalmente o poder econômico para enfrentar inimigos, mas ele basicamente encerrou a presença dos EUA na Síria e procura fazer o mesmo no Afeganistão, e, talvez mais significativo, demonstrou pouco interesse em alianças ou em manter o papel de liderança tradicional dos Estados Unidos na abordagem de grandes questões transnacionais.

Muito antes de o COVID-19 devastar a Terra, já havia um declínio precipitado no apelo do modelo americano.

A perspectiva dessa mudança foi uma grande parte do apelo da mensagem de Trump “America first”, que prometeu que os Estados Unidos seriam mais fortes e mais prósperos se fizessem menos no exterior e concentrassem suas energias em questões domésticas. Implícita nessa visão estava a suposição de que grande parte do que os Estados Unidos fizeram no mundo foi um desperdício, desnecessário e desconectado do bem-estar doméstico. Para muitos americanos, a pandemia provavelmente reforçará essa visão, apesar do fato de que, em vez disso, deve destacar como o bem-estar doméstico é afetado pelo resto do mundo. Os Estados Unidos, eles dirão, terão que se concentrar em se endireitar e dedicar recursos às necessidades domésticas e não ao exterior, à manteiga e não às armas. Essa é uma escolha falsa, pois o país precisa e pode pagar pelos dois, mas é provável isso que seja, ainda assim, contestado.

Tão importante quanto as escolhas políticas dos EUA é o poder do exemplo da América. Muito antes de o COVID-19 devastar a Terra, já havia um declínio precipitado no apelo do modelo americano. Graças ao persistente impasse político, à violência armada, à má administração que levou à crise financeira global de 2008, à epidemia de opióides e muito mais, o que os Estados Unidos representavam tornou-se cada vez menos atraente para muitos. A resposta lenta, incoerente e muitas vezes ineficaz do governo federal à pandemia reforçará a visão já difundida de que os Estados Unidos se perderam.

SOCIEDADE ANÁRQUICA

Uma pandemia que começa em um país e se espalha com grande velocidade pelo mundo é a definição de um desafio global. É também uma evidência adicional de que a globalização é uma realidade, não uma escolha. A pandemia devastou países abertos e fechados, ricos e pobres, leste e oeste. O que está faltando é qualquer sinal de uma resposta global significativa. (A lei de Newton – de que para cada ação há uma reação oposta e igual – aparentemente foi suspensa.) A quase irrelevância da Organização Mundial da Saúde, que deve ser central para enfrentar a ameaça em questão, diz muito sobre o mau estado da governança global.

Embora a pandemia tenha tornado essa realidade especialmente óbvia, as tendências subjacentes a precederam por muito tempo: o surgimento de desafios globais que nenhum país, por mais poderoso que seja, pode enfrentar sozinho – e o fracasso das organizações globais em acompanhar esses desafios. De fato, a diferença entre os problemas globais e a capacidade de enfrentá-los ajuda bastante a explicar a escala da pandemia. A triste, mas inevitável verdade, é que, embora a frase “comunidade internacional” seja usada como se já existisse, é principalmente aspiracional, aplicada a poucos aspectos da geopolítica atualmente. Isso não mudará tão cedo.

As principais respostas à pandemia foram nacionais ou mesmo subnacionais, não internacionais. E quando a crise passar, a ênfase mudará para a recuperação nacional. Nesse contexto, é difícil ver muito entusiasmo para, por exemplo, enfrentar a mudança climática, principalmente se ela continuar sendo vista – incorretamente – como um problema distante que pode ser arquivado em favor de abordar questões mais imediatas.

Uma razão para esse pessimismo é que a cooperação entre os dois países mais poderosos do mundo é necessária para enfrentar a maioria dos desafios globais, mas as relações EUA-China estão se deteriorando há anos. A pandemia está exacerbando o atrito entre os dois países. Em Washington, muitos responsabilizam o governo chinês, graças a suas semanas de encobrimento e inação, incluindo a falha imediata em bloquear Wuhan, a cidade onde o surto começou, e permitindo que milhares de pessoas infectadas deixem e espalhem o vírus ainda mais. A tentativa da China de se apresentar como um modelo de sucesso para lidar com a pandemia e de usar esse momento como uma oportunidade para expandir sua influência em todo o mundo só aumentará a hostilidade americana. Enquanto isso, nada sobre a crise atual mudará a visão da China de que a presença dos EUA na Ásia é uma anomalia histórica ou reduzirá o ressentimento da política dos EUA em uma série de questões, incluindo comércio, direitos humanos e Taiwan.

A ideia de “dissociar” as duas economias havia conquistado considerável tração antes da pandemia, motivada por temores nos Estados Unidos de que estava se tornando muito dependente de um potencial adversário para muitos bens essenciais e excessivamente suscetível à espionagem chinesa e roubo de propriedade intelectual. O ímpeto de dissociação crescerá como resultado da pandemia, e apenas em parte por causa de preocupações com a China. Haverá um foco renovado no potencial de interrupção das cadeias de suprimentos, juntamente com o desejo de estimular a fabricação doméstica. O comércio global se recuperará parcialmente, mas mais será administrado pelos governos, e não pelos mercados.

A pandemia provavelmente reforçará a recessão democrática que ficou evidente nos últimos 15 anos.

A resistência em grande parte do mundo desenvolvido em aceitar um grande número de imigrantes e refugiados, uma tendência que era visível pelo menos na última meia década, também será intensificada pela pandemia. Isso se deve em parte à preocupação com o risco de importar doenças infecciosas, em parte porque o alto desemprego tornará as sociedades cautelosas em aceitar pessoas de fora. Essa oposição aumentará mesmo que o número de pessoas deslocadas e refugiados – já em níveis históricos – continue a aumentar significativamente, já que as economias não podem mais apoiar suas populações.

O resultado será tanto um sofrimento humano generalizado quanto um ônus maior para os estados que mal podem pagar por eles. A fraqueza do Estado tem sido um problema global significativo há décadas, mas o número econômico da pandemia criará estados ainda mais fracos ou em colapso. Isso quase certamente será exacerbado por um crescente problema da dívida: a dívida pública e privada em grande parte do mundo já estava em níveis sem precedentes e a necessidade de gastos do governo para cobrir os custos com assistência médica e apoiar os desempregados fará com que a dívida dispare. O mundo em desenvolvimento, em particular, enfrentará enormes requisitos que não pode atender e resta saber se os países desenvolvidos estarão dispostos a fornecer ajuda em relação às demandas domésticas. Existe um potencial real de tremores secundários – na Índia, no Brasil e no México e em toda a África – que podem interferir na recuperação global.

A propagação do COVID-19 para e pela Europa também destacou a perda de impulso do projeto europeu. Os países responderam principalmente individualmente à pandemia e a seus efeitos econômicos. Mas o processo de integração européia havia esgotado muito antes da crise – como o Brexit demonstrou de maneira especialmente clara. A principal questão no mundo pós-pandemia é quanto o pêndulo continuará oscilando de Bruxelas para as capitais nacionais, já que os países questionam se o controle sobre suas próprias fronteiras poderia ter retardado a propagação do vírus.

A pandemia provavelmente reforçará a recessão democrática que ficou evidente nos últimos 15 anos. Haverá pedidos de um maior papel do governo na sociedade, seja para restringir o movimento de populações ou fornecer ajuda econômica. As liberdades civis serão tratadas por muitos como uma baixa de guerra, um luxo que não pode ser oferecido em uma crise. Enquanto isso, ameaças colocadas por países iliberais como Rússia, Coréia do Norte e Irã ainda existirão quando a pandemia não existir. De fato, elas podem ter aumentado, enquanto a atenção foi direcionada a outro lugar.

The pandemic is likely to reinforce the democratic recession that has been evident for the past 15 years. There will be calls for a larger government role in society, be it to constrain movement of populations or provide economic help. Civil liberties will be treated by many as a casualty of war, a luxury that cannot be afforded in a crisis. Meanwhile, threats posed by illiberal countries such as Russia, North Korea, and Iran will still exist once the pandemic does not; indeed, they may well have increased while attention was trained elsewhere.

UM MUNDO EM AINDA MAIOR DESORDEM

Mais de três anos atrás, publiquei um livro intitulado “A World in Disarray”, que descrevia um cenário global de crescente rivalidade entre grandes potências, proliferação nuclear, estados fracos, aumento dos fluxos de refugiados e crescente nacionalismo, juntamente com um papel reduzido dos EUA no mundo. O que mudará como resultado da pandemia não é o fato da desordem, mas sua extensão.

Idealmente, a crise traria um compromisso renovado à construção de uma ordem internacional mais robusta, assim como o cataclismo da Segunda Guerra Mundial levou a acordos que promoviam paz, prosperidade e democracia por quase três quartos de século. Essa ordem incluiria maior cooperação para monitorar surtos de doenças infecciosas e lidar com suas conseqüências, além de maior disposição para lidar com as mudanças climáticas, estabelecer regras para o ciberespaço, ajudar migrantes forçados e combater a proliferação e o terrorismo.

Há, porém, poucas razões para acreditar que o passado se repetirá após essa última calamidade global. O mundo hoje simplesmente não é propício para ser moldado. O poder é distribuído em mais mãos, estatais e não estatais, do que nunca. O consenso é quase inexistente. Novas tecnologias e desafios superaram a capacidade coletiva de lidar com eles. Nenhum país desfruta da condição em que os Estados Unidos se encontravam em 1945.

Além disso, atualmente os Estados Unidos não estão dispostos a assumir um papel de liderança internacional, resultado do cansaço causado por duas longas guerras no Afeganistão e no Iraque e do aumento das necessidades domésticas. Mesmo que um “tradicionalista” da política externa, como o ex-vice-presidente Joseph Biden, vença as eleições presidenciais de novembro, a resistência do Congresso e do público impedirá o retorno em larga escala de um papel expansivo dos EUA no mundo. E nenhum outro país, nem a China ou qualquer outra pessoa, tem tanto o desejo quanto a capacidade de preencher o vazio que os Estados Unidos criaram.

Após a Segunda Guerra Mundial, a necessidade de enfrentar a ameaça comunista iminente galvanizou o público americano para apoiar seu país a assumir um papel de liderança em todo o mundo. O ex-secretário de Estado Dean Acheson disse que o governo teve que apresentar argumentos “mais claros que a verdade” para convencer o povo americano e o Congresso a se esforçarem para conter a União Soviética. Alguns analistas sugerem que invocar a ameaça da China poderia galvanizar o apoio público hoje em dia, mas uma política externa baseada na oposição à China dificilmente é adequada para enfrentar os desafios globais que moldam o mundo de hoje. Enquanto isso, apelar ao povo americano para por o ataque a esses problemas globais no coração da política externa dos EUA continuará sendo uma tarefa difícil. Consequentemente, o precedente mais relevante a se considerar pode não ser o período seguinte à Segunda Guerra Mundial, mas o período seguinte à Primeira Guerra Mundial – uma era de declínio do envolvimento americano e de agitação internacional. O resto, como dizem, é história.

Fonte: Foreign Affairs

Deixe uma resposta