A Construção de Greta Thunberg: A Verdade Mais Inconveniente: “O Capitalismo corre o risco de desmoronar” [Ato III]

Por Cory Morningstar

Malena Ernman: Heroína Ambiental do Ano da WWF, 2017

A mãe e o pai de Greta Thunberg. A cantora de ópera Malena Ernman com o seu marido, o ator Svante Thunberg no Polar Music Prize, 2012. Ernman representou a Suécia na competição musical Eurovision em 2009.

Em outubro de 2018, Miljö e Utveckling reconheceram o fundador da We Don’t Have Time, Ingmar Rentzhog, com o influenciador ambiental nº1 do ano. [Fonte: https://medium.com/wedonthavetime/the-secret-sauce-of-a-global-climate-movement-6336f01da2d]

Greta Thunberg, assessora especial para a juventude e filiada à startup tecnológica em rápido crescimento, We Don’t Have Time, foi reconhecida como a influenciadora nº2 do ano.

No mês anterior, em 1º de setembro de 2018, o Dagens Nyheter, o jornal mais proeminente da Suécia, publicou um artigo do Global Challenge intitulado “A crise climática aguda requer uma ampla reunião política”:

“Embora grande parte da mudança necessária seja possível e lucrativa, campanhas políticas vigorosas são essenciais para ajustar preços, impostos e regulamentos para que a transição para uma sociedade sustentável se torne atraente, lucrativa e rápida.”[Carta completa em inglês: https://medium.com/wedonthavetime/a-broad-political-consensus-is-needed-to-achieve-a-sustainable-future-ffecad1e58f7]

“Os signatários estão prontos para ajudar no processo, em apoio à transformação de nossa sociedade e do mundo em uma economia de baixo carbono: Mats Andersson, vice-presidente da Global Challenges Foundation; Erik Brandsma, CEO da Jämtkraft; Malena Ernman, cantora de ópera; Antje Jackelén, arcebispo; Staffan Laestadius, professor emérito da KTH; Kristina Persson, ex-Ministra do Futuro; Ingmar Rentzhog, Presidente do Global Development Challenge; Johan Rockström, professor de ciências ambientais da SU; Daniel Sachs, CEO da Proventus; e Anders Wijkman, presidente do Clube de Roma.”

Anders Wijkman, citado nos signatários acima, é um ex-membro do parlamento, presidente do Conselho Sueco do Meio Ambiente e ex-copresidente do Clube de Roma. Ele também é membro da Global Utmaning, com um compromisso especial com questões climáticas e finanças circulares.

Também citada nos signatários acima está Malena Ernman, mãe de Greta Thunberg.

Em uma entrevista publicada em 15 de outubro de 2018, reconhecendo Rentzhog como o “influenciador ambiental nº1 do ano”, Miljö & Utveckling pergunta a Rentzhog quais são suas maiores influências. Ele cita Greta Thunberg, mas não menciona a assistência prestada por sua empresa a Thunberg (atual assessora especial para a juventude da We Don’t Have Time) que resultaria em sua campanha se tornar internacional. Ele também não identifica seu relacionamento com a mãe de Thunberg, Marlena Ernman, citada brevemente no mesmo artigo.

No início do ano, em 4 de maio de 2018, Rentzhog e Ernman foram convidados na gala de abertura da conferência climática de sexta-feira (“dia da mudança climática”), realizada de 4 a 6 de maio em Estocolmo, Suécia. A irmã de Greta Thunberg, Beata Ernman-Thunberg também foi destaque no programa. Este foi um evento modesto, discreto.

Thunberg nasceu em privilégio e riqueza.

Sua mãe é a cantora de ópera e celebridade sueca Malena Ernman. Seu pai é o ator Svante Thunberg, enquanto seu avô é o ator e diretor Olof Thunberg. “Seu ancestral por parte do pai é o vencedor do Prêmio Nobel, Svante Arrhenius. Arrhenius era um físico e químico sueco que recebeu o Prêmio Nobel de Química em 1903. Ele é conhecido por inúmeras contribuições científicas, mas foi sua a descoberta de que um aumento no dióxido de carbono atmosférico aumenta a temperatura da superfície da Terra. Essa descoberta levou à conclusão de que as emissões de dióxido de carbono produzidas pelo homem causam aquecimento global.”[Fonte: https://heavy.com/news/2018/12/greta-thunberg/] [Sobre a influência do ácido carbônico no ar sobre a temperatura do solo, Svante Arrhenius, 1896]

O jornal Svenska Dagbladet (SvD) é o terceiro maior em circulação na Suécia. Tem sido generoso em sua cobertura tanto de Thunberg quanto de sua mãe, Ernman.

Em 30 de maio de 2018, a SvD selecionou Thunberg como um de seus vencedores no concurso de redação juvenil do SvD para o clima.

Antes disso, em 21 de abril de 2018, o SvD dava cobertura ao livro familiar que estava em sendo produzido. O livro “Scener ur Hjärtat” (traduzido como para “Cenas do Coração”), sobre os desafios de saúde mental em sua família, juntamente com as ansiedades diante das mudanças climáticas, seria lançado em 24 de agosto de 2018, quatro dias após o primeiro dia da greve escolar de Thunberg (20 de agosto de 2018).

O World Wildlife Fund (WWF), talvez a ONG mais corporativa e famosa do mundo, e um Greenpeace totalmente corporativizado, foram fundamentais para impulsionar Thunberg com o apoio de outras ONGs internacionais, como a 350.org. Em 11 de outubro de 2017, a WWF Suécia concedeu a Ernman o prêmio de heroína ambiental.

Artista Malena Ernman e bióloga Rebecka Le Moine indicadas Miljöhälter do Ano pela WWF [Fonte: https://www.wwf.se/pressmeddelande/artisten-malena-ernman-och-biologen-rebecka-le-moine-utsedda-till-arets-miljohjaltar-av-wwf-2689982/]

Em 17 de setembro de 2018, a WWF Suécia nomeou Thunberg como uma de suas três indicadas para o prêmio Jovem Heroi Ambientalista do Ano.

Greenpeace Suécia: “Malena Ernman é uma ativista incrível na luta para preservar nossa floresta para as gerações futuras. Graças ao apoio dela e de todas as outras pessoas incríveis que nos apoiam, podemos continuar a proteger nosso excelente planeta. Você também quer doar um presente de Natal que faça uma diferença real?” [Fonte: https://www.facebook.com/greenpeace.sverige/photos/a.142619071890/10154962379996891/?type=1&theater]

O Greenpeace também utiliza Ernman e Thunberg para promover sua poderosa marca. Poucos sabem que, em 1997, o Greenpeace acreditava que a política climática devia refletir o entendimento de que o mundo não devia exceder um aumento de temperatura de 1ºC. No entanto, pouco tempo depois, em 2009, com uma crise ecológica plena envolvendo o planeta, o Greenpeace liderou a demanda (na Conferência das Partes das Nações Unidas em Copenhague), por um acordo vinculativo que permitisse que a Terra esquentasse ainda mais 2ºC. A demanda de 2ºC, sob o grupo guarda-chuva TckTckTck, cofundado pelo Greenpeace, prejudicaria a Bolívia, o G77 e outros pequenos países insulares que haviam lutado por um acordo vinculativo para impedir que as temperaturas globais ultrapassassem 1ºC. No ano seguinte, o 350.org – outro cofundador do TckTckTck – prejudicaria os povos indígenas da Bolívia mais uma vez na Conferência Popular Mundial sobre Mudanças Climáticas e os Direitos da Mãe Terra, realizada em Cochabamba, Bolívia.

“O Capitalismo corre o risco de desmoronar”

“Mas o fato mais importante permanece: o debate principal é sobre como praticar o capitalismo, não se devemos escolher entre o capitalismo e algum outro sistema.” – Generation Investment

“Estamos defendendo a ganância a longo prazo”. Al Gore e David Blood, no escritório da Generation em Nova York. 25 de agosto de 2015. [Fonte: https://www.theatlantic.com/magazine/archive/2015/11/the-planet-saving-capitalism-subverting-surprisingly-lucrative-investment-secrets-of-al-gore/407857/]

Utilizando o poder da celebridade (um fenômeno sem precedentes para a expansão do capital no Ocidente), os influenciadores globais de hoje, como Thunberg, são totalmente utilizados para criar um senso de urgência em relação à crise climática. A realidade tácita é que eles são a própria estratégia de marketing para salvar o capitalismo. Esta é uma “verdade inconveniente”.

The Financial Times, 27 de julho de 2014:

“Agora é um momento crucial para os investidores, ele continua. “Os próximos cinco a dez anos são o momento mais crítico para acelerar a transição para uma economia de baixo carbono. Pensamos que o capitalismo corre o risco de desmoronar. Como resultado, o negócio, que no passado era bastante reticente quanto à mecânica de investir de forma sustentável, planeja aumentar sua visibilidade. ‘Precisamos ir com tudo. Vamos ser mais agressivos porque precisamos ser.’” – Blood and Gore: “O capitalismo corre o risco de desmoronar”, Financial Times, 27 de julho de 2014

O artigo de 8 de setembro de 2015 “David Blood e Al Gore querem atingir a próxima geração”, publicado pela Institutional Investor, divulgou que “o Sistema de Aposentadoria para Professores do Estado da Califórnia [CalSTRS], o segundo maior fundo público de pensão dos EUA, com 191 bilhões de dólares em ativos, foi o primeiro investidor institucional americano a investir na geração”. Isso foi parte integrante da campanha de desinvestimento liderada pelo parceiro da Ceres, a 350.org em nome de Wall Street e da finança. Jack Ehnes, CEO da CalSTRS, também atua no conselho da Ceres.

O mesmo artigo lança luz sobre a força motriz por trás das ONGs ambientais que compõem o complexo industrial sem fins lucrativos e a rede de diretorias interligadas que funde o complexo industrial sem fins lucrativos (NPIC) com o mundo corporativo das finanças:

“Eu recomendo que as pessoas que desejam se livrar do carbono deem uma olhada na Generation”, diz Larry Schweiger, conservacionista de longa data e membro do conselho do Climate Reality Project, uma organização sem fins lucrativos fundada por Gore para promover educação e iniciativas sobre mudanças climáticas. Schweiger foi presidente e CEO da National Wildlife Federation de 2004 a 2014; sob sua orientação a NWF se tornou investidora com a Generation. ‘Foi um dos investimentos com melhor desempenho em nosso portfólio’, diz ele”. – 8 de setembro de 2015, “David Blood e Al Gore querem alcançar a próxima geração”.

Avançando para 29 de abril de 2018, o artigo “Al Gore: Sustentabilidade é a maior oportunidade de investimento da história”, publicado pelo Financial Times, revela que “a riqueza climática” não é para muitos, mas para poucos:

“A Generation lista grandes investidores do setor público entre seus clientes, como Calstrs, o plano de pensão de 223 bilhões de dólares para professores californianos, o plano de pensão de 192 bilhões de dólares do estado de Nova Iorque e o fundo de aposentadoria da Agência de Meio Ambiente do Reino Unido. Também administra dinheiro para pessoas ricas, mas não abriu para investidores de varejo. Quase todos os seus ativos são administrados em mandatos de capital, mas US 1 bilhão de dólares está investido em participações privadas”. [Fonte: https://www.ft.com/content/1757dc40-486f-11e8-8ee8-cae73aab7ccb]

“Liguei para a Generation Income e descobri que suas oportunidades de investimento são limitadas. Eles têm dois fundos de investimento – Global Equity e Asia Equity. O fundo Global Equity está fechado no momento – há uma lista de espera de vários anos que também está fechada no momento. O investimento mínimo é de 1 milhão de dólares e você precisa ser um crédito excepcional. O fundo parece ser direcionado a investidores institucionais – não a indivíduos. O fundo Asia Equity está aberto, mas os mesmos requisitos mínimos se aplicam (1 milhão de dólares no mínimo)”.[Fonte: https://aiofinancial.com/generation-investment-management/]

Os membros do conselho administrativo da Generation Investment incluem ecoluminares como Mary Robinson, ex-presidente da Irlanda e fundadora da organização sem fins lucrativos Mary Robinson Foundation. Robinson atua como presidente do B Team de Richard Branson, que é gerenciado pela Purpose – o braço de relações públicas do Avaaz.

9 de fevereiro de 2007: Sir Richard Branson e o ex-vice-presidente dos EUA, Al gore posam no lançamento do Virgin Earth Challange em Londres. O desafio é por um fundo de 25 milhões de dólares para produtos viáveis com o objetivo de remover pelo menos 1 bilhão de toneladas de dióxido de carbono atmosférico por ano

Nesse momento, visto que somos levados a acreditar que “investimentos sustentáveis” são o caminho para resolver nossa crise planetária, talvez seja sensato perguntar em que empresas sustentáveis ​​a Generation Investment está investindo. A Generation Investment criou uma lista de cerca de 125 empresas em todo o mundo, nas quais investe, não com base no quão sustentável é o negócio, mas “na qualidade de seus negócios e gestão”. [Fonte: https://www.institutionalinvestor.com/article/b14z9wt9vk3ycy/david-blood-and-al-gore-want-to-reach-the-next-generation]

O portfólio e os investimentos da Generation Investment incluem empresas multinacionais com registros horríveis de má-fé, como Amazon, Nike, Colgate, MasterCard e a cadeia de restaurantes Chipotle, com pesados ​​investimentos em saúde e tecnologia. E como todas essas empresas são fortemente investidas e/ou dependem de combustíveis fósseis, como a Investment Investment pode justificar o investimento nessas empresas é uma incógnita.

“[Gore] e seus colegas visam uma pequena audiência no mundo financeiro que dirige o fluxo de capital e as autoridades políticas que estabelecem as regras para o sistema financeiro. “Acontece que no capitalismo, as pessoas com influência real são as que têm capital!”, disse-me Gore durante uma de nossas conversas este ano. A mensagem para a qual ele espera que o registro da Generation chame a atenção é algo que os investidores do mundo não podem ignorar: eles podem ganhar mais dinheiro se mudarem suas práticas de uma maneira que, ao mesmo tempo, também reduza os danos ambientais e sociais que o capitalismo moderno pode causar.”[Fonte: http://www.resilientinvestor.com/al-gore-sri/]

[Rastreando o portfólio da Generation Investment]

Acima, a Marcha Climática de 2017 em Washington DC: “O B Team, liderado por Sir Richard Branson, Sharan Burrow e pelo ex-vice-presidente Al Gore, reuniu centenas de milhares de trabalhadores, cientistas, empresários, estudantes, pais, avós, filhos e grupos indígenas demandando ação em relação às mudanças climáticas pela administração dos EUA.” [Fonte: https://bteam.org/plan-b/restore-nature/b-team-joins-peoples-climate-march-for-jobs-and-justice/]

“É sobre uma transformação industrial em uma escala nunca vista antes”. – Sharan Burrow, secretário geral, Confederação Sindical Internacional, líder do B Team [Vídeo: https://vimeo.com/219534514 ]

“Esta é a maior oportunidade econômica de nossa época. Este movimento deixou a estação e não vai parar mais”. – Jean Oelwang, presidente da Virgin Unite, parceiro sênior da B Team

Um Estudo de Caso Inconveniente: M-Kopa Solar, África

“Acreditamos que é possível construir um negócio sem compromissos. Nós podemos beneficiar o meio ambiente. Nossos clientes estarão em melhor situação. E nós ficaremos mais ricos. Todos nós podemos vencer.” O cofundador canadense da M-Kopa, Jesse Moore

Gore, com um patrimônio líquido de aprox. 350 milhões de dólares, presta muita atenção aos temas da desigualdade, disparidade de riqueza e pobreza. Portanto, é útil realmente dar uma olhada em como é a revolução da energia verde quando realizada na vida real e exatamente quem está sendo servido pela chamada “revolução verde”.

A M-Kopa Solar – “Energia para Todos” é uma fornecedora de energia solar paga por uso (na forma de kits solares) criada por capitalistas hiper-ricos para países africanos empobrecidos. Os países visados até agora incluem Quênia, Tanzânia e Uganda, majoritariamente rurais.

M-Kopa é uma criação de Jesse Moore (CEO), Chad Larson e Nick Hughes – que ajudou a desenvolver o M-Pesa, que tem mais de 19 milhões de usuários no Quênia. [1]

Desde o início, a empresa de Gore tem sido uma investidora líder em ações da M-Kopa. Incubada pela Signal Point Partners em 2011, a M-Kopa captou recursos de investidores como Richard Branson e a Generation Investment Management. Lançada no final de 2012, a meta inicial da empresa de vender 1.000 pacotes solares por semana em três anos foi atingida em 12 meses. Em 2 de dezembro de 2015, a M-Kopa, agora líder mundial no fornecimento de energia paga em residências fora da rede energética, anunciou o fechamento de uma rodada de financiamento de US $ 19 milhões liderada pela Generation Investment Management LLP. [Fonte: http://www.m-kopa.com/generation-investment-management-leads-19m-equity-round-in-m-kopa-solar/]

Integrando o conselho consultivo da M-Kopa está Colin Le Duc, sócio fundador da Generation Investment Management e co-CIO do Climate Solutions Funds.

Outros investidores/credores/ parceiros incluem a Shell Foundation e a Bill and Melinda Gates Foundation.

Nesse momento, antes de continuarmos, é vital observar que, em 2015, a M-Kopa estimou que 80% de seus clientes viviam com menos de 2 dólares por dia.

Em 2015, a M-Kopa alcançou mais de 40 milhões de dólares em receita.

O artigo da Bloomberg de 2 de dezembro de 2015 “A empresa solar lucrando com os pobres africanos – a M-Kopa planeja ser uma empresa de 1 bilhão de dólares vendendo painéis solares para moradores do campo – e fornecendo crédito a eles” revela a realidade por trás do corporativismo predatório escondido abaixo um pergaminho de um pergaminho de salvadores brancos pintados de verde. Após o “sucesso” de hidrômetros pré-pagos para muitos países africanos, a M-Kopa cobra altas taxas de juros para os pobres, com dividendos astronomicamente mais altos retornando aos ricos:

“Os juros cobrados pela M-Kopa são altos para os padrões americanos ou europeus. O preço à vista de um de seus produtos é cerca de 20% menor que o preço da prestação. Mas nos mercados em que a empresa trabalha – até agora, Quênia, Tanzânia e Uganda – as taxas são competitivas. As empresas de microfinanças tradicionais normalmente cobram juros de cerca de 20% sobre seus empréstimos e, em outubro, o governo queniano emitiu títulos do tesouro que ofereciam aos investidores um retorno anual de 23%.”

À primeira vista, uma pessoa poderia supor que este negócio trata da venda de energia solar. Essa pressuposição estaria equivocada. O produto é financeiro: “Aproximadamente ¼ daqueles que quitam a sua primeira compra fazem outras, diz a companhia”. Isso é colonização em uma nova forma, típica do século XXI. Colonização por dívida tornada possível pela venda de valores ocidentais.

Outros abutres que exploram os pobres e vulneráveis ​​sob um disfarce verde e “energia limpa para todos” incluem organizações robustas famosas como a Gates Foundation e a Mastercard.

Diferentemente das finanças ocidentais, onde os empréstimos geralmente são pagos em prestações mensais, os africanos não recebem essa mesma medida de confiança. Em vez disso, além de um depósito, eles devem pagar por seu novo empréstimo (dívida) diariamente. Talvez isso possa ser registrado em “racismo energético verde”. Aqueles que não fizerem seus pagamentos serão punidos exemplarmente: “Nosso agente de empréstimo é o cartão SIM no dispositivo que pode desligá-lo remotamente”, diz Chad Larson, diretor financeiro da M-Kopa e seu terceiro cofundador. “Sabemos que é importante que eles mantenham as luzes acesas à noite, para que possamos contar que eles continuem pagando.” [Fonte: https://www.bloomberg.com/features/2015-mkopa-solar-in-africa/] [“O recurso de pagamento-conforme-o-uso é ativado pela tecnologia incorporada à máquina que permite à M-KOPA receber pagamentos através da plataforma de dinheiro móvel M-Pesa. A M-KOPA pode desligar o dispositivo remotamente se o cliente ficar atrasado nos pagamentos. Os reembolsos criam um histórico de crédito para os consumidores pobres, que podem dar a eles acesso a outros serviços financeiros.”] [Fonte: https://ssir.org/articles/entry/banking_on_the_poor]

“As lâmpadas solares são programadas de forma que se desligam automaticamente sempre que os clientes deixam de pagar os pagamentos diários. A start-up fornece um sistema de energia solar que consiste em um painel, três lâmpadas, rádio e kit de carregamento para telefone celular.”- O revendedor solar da M-Pesa colocará na lista negra os inadimplentes com agências de crédito, 18 de fevereiro de 2015

Os pagamentos diários da M-Kopa são realiados por meio do serviço M-Pesa, pelo qual a Safaricom, a maior empresa de telecomunicações do Quênia (e a empresa mais rentável das regiões da África Oriental e Central), recebe uma taxa secreta por cada transação. M-Kopa e Kenya Power, são os maiores clientes da Safricom. [Em 2015, o CEO da Safaricom no Quênia, Bob Collymore, foi o quarto africano a ingressar no B Team de Richard Branson.

“Não investimos em energia solar”, diz David Rossow, que ajuda a gerenciar o portfólio de 1,5 bilhão de dólares da Gates Foundation em investimentos relacionados a programas (PRIs). A fundação nem sequer tem um programa de energia limpa. Mas ela tem um programa chamado Serviços Financeiros para os Pobres. “Nós nos preocupamos com empréstimos garantidos por ativos para a última milha.” [Fonte: https://ssir.org/articles/entry/banking_on_the_poor]

De valor adicional para nossos empreendedores salvadores brancos são os valiosos metadados: ”O atual contrato de adesão da M-Kopa estipula que os dados que a empresa acumula podem ser usados ​​apenas para melhorar a experiência do consumidor, mas a empresa planeja coletar dados de ouvintes e de visualizações de seus rádios e televisões. ‘Há dados que podemos coletar que praticamente ninguém mais pode’, diz [Chad] Larson.”

E o que a revolução da energia verde, totalmente dependente da pilhagem da Terra, realmente traz para a África, onde mais de 600 milhões de pessoas têm zero acesso à eletricidade e mais de 300 milhões não têm saneamento básico? Um forno solar? Um banheiro? Filtração de água? Encanamento? Escolas? Clínicas de saúde? Hospitais? Resposta: a televisão.

“Faça seus pagamentos na íntegra e no prazo, para que você possa se qualificar para atualizações de sistema e muito mais!” – site da M-Kopa

E só porque o negócio é realmente financeiro, mais do que fornecer produtos solares, [2] isso não significa que não há ampla oportunidade de roubar os africanos. O preço do kit solar básico para televisão de 24 polegadas [2-1] [2-2] quando financiado é de escandalosos 644,88 dólares. O preço à vista ainda é de 546,61 dólares, uma quantia exorbitante para pessoas que subsistem com 2 dólares por dia. Obviamente, esse preço permanecerá apenas se os pagamentos diários forem feitos regularmente, garantindo que não sejam acumulados juros ou multas adicionais sobre o valor do empréstimo original.

A exploração grosseira aqui está além dos limites. Considere que um pacote solar de 30 W comparável ao pacote M-Kopa acima pode ser comprado no varejo por 157,99 dólares na Amazon. Da mesma forma, o preço de uma televisão LED básica de 24 polegadas é frequentemente anunciado nos Estados Unidos e no Canadá por menos de 100 dólares. Muitos dos itens vendidos nas embalagens [2-3] podem ser encontrados em lojas “1,99” ocidentais por apenas 1 dólar.

Pode-se imaginar o que acontece quando os empréstimos sobrevivem aos produtos terceirizados com garantias de curto prazo – uma garantia de 2 anos pela TV de 24 polegadas e uma garantia de 1 ano para os acessórios.

Entre campanhas de bombardeio contra países africanos, o ex-presidente americano Barack Obama encontrava tempo para visitar a corporação M-Kopa. “O presidente americano Barack Obama conversa com June Muli, diretora de relações com o consumidor da M-Kopa, durante a Cúpula do Empreendedorismo Global em Nairobi em julho de 2015”] [Fonte: https://www.forbes.com/sites/tobyshapshak/2016/01/28/how-kenyas-m-kopa-brings-prepaid-solar-power-to-rural-africa/#3cd441a52dbf]

Em fevereiro de 2015, a M-Kopa anunciou seu plano de ter seus clientes, que não pagaram seus empréstimos, na lista negra das agências de crédito:

“O revendedor solar ligado à M-Pesa, M-Kopa, começará em abril a compartilhar informações sobre inadimplentes com agências de referência de crédito para deter o crescente número de inadimplementes. A empresa emitiu um aviso dizendo que planeja compartilhar informações sobre como os clientes pagam por seus kits solares M-Kopa, em uma ação que verá os infratores na lista negra dos credores. A M-Kopa agora se junta a outros prestadores de serviços públicos, como a Kenya Power e aos conselhos de serviços de água, que passaram a contar com agências de crédito para listar aqueles que não pagam suas contas.”[Fonte: https://www.businessdailyafrica.com/Corporate-News/M-Pesa-solar-dealer-to-blacklist-defaulters-with-credit-bureaus/539550-2628252-p0gnpfz/index.html]

O crédito e a dívida perpétua que se seguem não são o único aspecto do sonho americano que as corporações multinacionais estão trazendo para o Sul Global.

Para deixar claro, não são “economias sustentáveis” que nossos senhores corporativos buscam. Um capitalismo que está em apuros deve procurar – para se salvar, novos mercados:

“A equipe da Fundação Gates viu no M-KOPA uma oportunidade para demonstrar que os serviços financeiros móveis poderiam ajudar as empresas a colocar mais produtos valiosos nas mãos de um novo mercado de consumidores ávidos: pessoas pobres.” [Fonte: https://ssir.org/articles/entry/banking_on_the_poor]

“A chave estava em ajudar a M-KOPA a transformar suas carteiras de clientes em garantias bancárias. Outros investidores estavam assumindo posições acionárias na startup. A Fundação Gates fez um empréstimo de 5 milhões dólares, junto ao Banco Comercial da África. A tese: se o M-KOPA pudesse pagar com êxito o empréstimo, os bancos comerciais locais veriam os pagamentos dos esquemas de financiamento pré-pago como um fluxo de receita confiável. Isso criaria uma nova classe de ativos emprestáveis.”- “Banking on the Poor”, verão de 2016, Stanford Social Innovation Review

Aqui, devemos observar a realidade por trás dos “empregos verdes” – criados pela M-Kopa – um recurso essencial de propaganda da chamada “economia verde”, novo Green Deal, desenvolvimento sustentável/objetivos globais e uma infinidade de outras soluções de aparência mística que mascaram a realidade.

O que raramente é mencionado, se é que alguma vez é mencionado, é o fato de que os painéis solares, televisores, etc. da M-Kopa não são fabricados localmente; eles são “provenientes de mercados estrangeiros”(China). Embora a empresa tenha sugerido que os painéis solares podem ser feitos localmente nos próximos anos (provavelmente devido à crescente animosidade dos quenianos), as informações a seguir demonstrarão que isso só acontecerá se os quenianos puderem ser explorados mais do que os chineses.

Chad Larson, cofundador e diretor financeiro da M-Kopa Solar, posa para uma fotografia na sede da M-Kopa Solar em Nairobi, Quênia, na quarta-feira, 22 de julho de 2015. Os clientes concordam em pagar pelo painel solar com parcelas regulares que a M-Kopa, fornecedora de sistemas de iluminação solar com sede em Nairóbi, monitora para pagamentos feitos usando um serviço de transferência de dinheiro por telefone celular

No artigo de 19 de março de 2018, “A empresa solar M-Kopa demitiu 450 funcionários para cortar custos”, publicada pela Business Daily Africa, a razão para isso foi divulgada em termos inequívocos:

“O revendedor de kits solares para celular do Quênia, M-Kopa Solar demitiu 450 trabalhadores de suas subsidiárias em quatro países para facilitar os custos operacionais e aumentar a lucratividade.

O cofundador e CEO da M-Kopa, Jesee Moore, disse que a empresa estava em uma posição melhor para cumprir suas metas e expandir as conexões solares para o próximo milhão de clientes nos escritórios do Quênia, Uganda e Tanzânia.

‘Isso foi feito para reduzir custos fixos e manter-nos no caminho da lucratividade, o que resultou em reduções de empregos em escritórios no Quênia, Uganda, Tanzânia e Reino Unido, reduzindo nosso quadro de funcionários global em 18%”, disse ele.’

Um artigo publicado pela Quartz Africa quatro dias antes, em 15 de março de 2018, foi ainda mais direto ao ponto:

‘A M-Kopa, fornecedora de energia solar pré-paga do Quênia, está encolhendo em uma aposta para melhorar sua competitividade, garantir sustentabilidade a longo prazo e aumentar o retorno para os investidores.’

Vale ressaltar isso. Para sermos claros – este é um aumento lucrativo para os investidores, com patrimônio líquido de milhões de dólares – feito às custas de demitir trabalhadores que ganham aprox. 2 dólares por dia.

15 de março de 2018: M-KOPA garante 100 milhões de shillings quenianos da CDC, FinDev Canadá/CIO África Oriental: CIO África Oriental, Jesse Moore, cofundador e CEO, M-KOPA e Paul Lamontagne, diretor da FinDev Canadá durante uma visita a Ngong

Imediatamente após a demissão de funcionários africanos da M-Kopa – junto com a terceirização – a Generation Investment investiu mais recursos. O artigo de 21 de março de 2018, “M-Kopa Solar recebe investimento de 10 milhões de dólares após demitir 150 funcionários”, publicado pelo Kenyan Wall Street, divulgou o seguinte:

“O investimento ocorre depois que a empresa concluiu um exercício de reestruturação que viu a contagem de funcionários reduzir em 18% de 1000 para 850 em toda a África Oriental. Como informamos na semana passada, cerca de 78 desenvolvedores foram demitidos e seu trabalho agora foi terceirizado para uma empresa estrangeira chamada Applicita, de propriedade do novo CTO da empresa.

Segundo o CEO Jesse Moore, o processo de reestruturação foi impulsionado pela necessidade de aumentar sua competitividade, aprimorar a sustentabilidade a longo prazo e aumentar o retorno dos investidores.

O investimento do FinDev foi liderado pelo CDC Group, um investidor que anteriormente investiu 7 milhões de dólares na empresa e inclui investimentos subsequentes da Generation Investment Management e da LGT Venture Philanthropy. As duas empresas são atuais acionistas da M-Kopa.”

A colonização estrangeira que continua a proliferar não foi ignorada no Kenyan Wall Street, que observou:

“…a empresa continua causando estranheza em relação a seu status de startup queniana, já que sua alta administração é composta majoritariamente por estrangeiros. Além disso, a questão da demissão de funcionários locais para terceirizar suas operações para uma empresa estrangeira não será esquecida.”

A Coleta & Cultivo do Pragmatismo Financiado por Fundações

Conforme divulgado no ATO I desta série, as primeiras pessoas marcadas no tweet inicial da greve escolar de Thunberg pelo fundador da We Don’t Have Time, Ingmar Rentzhog, foram os seguintes cinco usuários do twitter: Greta Thunberg, This Is Zero Hour, Jamie Margoli, a adolescente fundadora da This Is Zero Hour, o Climate Reality Project de Al Gore e a conta de twitter da People’s Climate Strike (em fonte e estética idênticas à 350.org).

Os primeiros tweets de qualquer conta de twitter de uma ONG são importantes, pois geralmente revelam exatamente para que finalidade/ação a conta foi criada. Nesse caso específico, o primeiro tweet da conta do People’s Climate Strike continha a hashtag #floodthesystem (24 de julho de 2015). Essa hashtag foi criada para promover a ação chamada Flood Wall Street, realizada em 28 de setembro de 2015, que antecedeu a segunda Marcha Popular do Clima em 29 de novembro de 2015. Em 2015, as primeiras ONGs a começar a usar a hashtag #floodthesystem foram This Changes Everything (ONG de Naomi Klein, membro do conselho da 350.org), 6 de maio de 2015; OccuWorld, 12 de maio de 2015 (“algo grande está chegando neste outono”, retuitado pela Rising Tide North America), Sharon Vardatira, Meridian Consulting, 13 de maio de 2015, e Occupy Wall Street, 20 de maio de 2015.

A estratégia por trás da criação de diferentes contas de mídia social afiliadas a hashtags, campanhas e movimentos fabricados por ONGs é que alguma pegará fogo. É o caso da conta do twitter do Climate Strike (Climate Strike! – Convergência Global do Clima) que foi largamente abandonada em 2017, e #EarthStrike, que praticamente não conseguiu pegar fogo (até agora), até essa recente greve climática – como hashtag – que atingiu o ouro com a psique pública.

O tweet de “uma garota de 15 anos” foi então retuitado por Paola Fiore, fundadora e CEO da ETICAMBIENTE® Sustainability Management & Communications Consulting. Fiore também é a coordenadora nacional da Itália para o Climate Reality Project Europe. [1] As afiliações, associações e parcerias da empresa de Fiore incluem (mas não estão limitadas a) a Association for Coaching, a Eco Community, a United Planet Faith & Science Initiative (Arcebispo Desmond Tutu é um membro fundador, assim como o Dr. Rajendra Pachauri), a 2degrees (financiada pela Comissão Europeia) e a International Coach Federation. A ETICAMBIENTE® é membro do Climate Reality Project e de seu cliente, a Sociedade Internacional de Profissionais de Sustentabilidade.

Os primeiros “follows” selecionados a partir de qualquer conta de Twitter de uma ONG também são importantes, pois geralmente revelam quem criou a conta – ou os afiliados mais próximos ao projeto. Nesse caso, os dois primeiros a seguir a conta do twitter do People’s Climate Strike (criada em junho de 2015) são Cheri Honkala e a Campanha de Direitos Humanos Econômicos das Pessoas Pobres fundada por Honkala. Honkala foi o candidato endossado pela “Nossa Revolução” a representante do estado da Pensilvânia (#WeAreThe197th) em 2017.

Com a formação do conselho anunciada em 29 de agosto de 2016, os candidatos vencedores do “Nossa Revolução” 2018 incluíram Bernie Sanders e Alexandria Ocasio-Cortez. Em 18 de setembro de 2018, Nossa Revolução e os Democratas Progressistas da América anunciaram uma parceria formal estabelecida pelos conselhos nacionais das duas organizações. “O DPA é um comitê de ação política de base, fundado em 2004 para transformar o Partido Democrata e a política dos EUA elegendo progressistas para cargos federais”. O Conselho Consultivo Nacional do DPA inclui membros do Congresso dos EUA, o documentarista Michael Moore, o comentarista Thom Hartmann, Medea Benjamin do Code Pink e outros de elevado status liberal. [5]

Recentemente, foi lançado um novo instituto, em parceria com a “Nossa Revolução”: O Sanders Institute (“Nossa Missão: Revitalizar a Democracia”). A conferência inaugural (The Sanders Institute Gathering) ocorreu em Burlington, Vermont (EUA), de 29 de novembro a 1 de dezembro de 2018. O evento apenas para convidados incluiu o crème de la crème do establishment político liberal, incluindo: Bernie Sanders, que proferiu a palestra, Naomi Klein, membro do conselho da 350.org e Bill McKibben (membro do Sanders Institute), ambos os quais falaram sobre o New Green Deal, Jeffrey Sachs (membro do Sanders Institute) e Cornel West (membro do Sanders Institute), o prefeito de Nova York, Bill de Blasio, Nina Turner (senadora do estado de Ohio, presidente da Nossa Revolução), Ben Cohen (Ben & Jerry’s) e a deputada dos EUA Tulsi Gabbard (membro do Sanders Institute). [Lista completa]

A burguesia verde esfregou os cotovelos com “ativistas-celebridades”, incluindo Susan Sarandon, John Cusack, Danny Glover e Harry Belafonte (Glover e Belafonte são membros do Instituto Sanders). O WCAX News informou que o único debate naquela noite foi se a mídia seria ou não permitida no evento. Por fim, a mídia teve acesso ao evento, mas teve que aderir às condições de quem eles tinham ou não tinham de gravar.

Os participantes falaram apaixonadamente sobre direitos indígenas, racismo etc. no evento apenas por convite de salvadores predominantemente brancos que são apresentados como líderes de nossa única chance de salvação. Na realidade, eles estão apenas tentando salvar um sistema (via reformas) no qual eles mesmos prosperam. Outra verdade inconveniente, contrastante com a reunião, são os vídeos promocionais produzidos para o instituto, que se esforçam deliberadamente para parecer a imagem de diversidade e inclusão politicamente corretas.

Jamie Margolin, do Zero Hour, está à esquerda de Bernie Sanders. Xiuhtezcatl Martinez está na fileira de trás. “Organizadores do Zero Hour se encontram com o senador Bernie Sanders durante sua quinta-feira de lobismo”.

Como destacado anteriormente, o Zero Hour é uma das cinco contas do twitter marcadas no primeiro tweet da greve escolar de Thunberg. Os parceiros desta Zero Hour incluem: We Don’t Have Time, 350.org, o Climate Reality Project, o Sierra Club, o Power Shift, o Sunrise Movement e muitas outras ONGs que acumulam muito poder e influência dentro do complexo industrial sem fins lucrativos.

“Obrigado vice-presidente @algore por seu apoio ao movimento #ThisIsZeroHour” [20 de setembro de 2018, Twitter]
4 de janeiro de 2019, Twitter
Outros parceiros do Zero Hour incluem Powershift,iMatterYouth, CareBoutClimate, ClimateSign, Sierra Club, 350.org e Citizens Climate
Nesse tweet de 10 de dezembro de 2018, dez contas do twitter foram taggeadas: 350.org, We Don’t Have Time, o Sunrise Movement, a Teen Vogue, o Sierra Club, o Greenpeace, a Marcha das Mulheres, o Our Children’s Trust, o Zero Hour e o March for Our Lives

Ativismo & Corporativismo trabalham juntos

O Climate Group, é um cofundador da We Mean Business – uma coalizão de organizações trabalhando com milhares das corporações e investidores mais poderosos do mundo

Talvez a troca on-line mais notável tenha sido as “palavras de encorajamento” estendidas via twitter pelo Climate Group [6] para a Zero Hour por liderar a Marcha do Clima para a Juventude em julho de 2018. Também foram significativas as hashtags usadas nos tweets do Climate Group: #WeDontHaveTime e #FrontlineYouth. Isso ilumina efetivamente a estratégia e os principais atores por trás do “movimento climático” – onde as ONGs, seus financiadores e as entidades corporativas estão todos na mesma equipe.

Isso não é bondade. Essa é uma estratégia requintada, embora insensível.

Incubado pelo Rockefeller Brothers Fund como um projeto interno que mais tarde evoluiu para uma instituição independente, o Climate Group é cofundador do We Mean Business – “uma coalizão de organizações que trabalham com milhares das empresas e investidores mais influentes do mundo”. Os parceiros fundadores da We Mean Business são: Business for Social Responsibility (BSR) (lista de membros e associados), CDP (anteriormente Projeto Carbon Disclosure), Ceres, B Team, o Climate Group, o Grupo de Líderes Corporativos do Príncipe de Gales (CLG) e Conselho Empresarial Mundial para Desenvolvimento Sustentável (WBCSD). Juntos, esses grupos representam as empresas mais poderosas – e cruéis – do planeta, salivando para liberar 100 trilhões de dólares para a quarta revolução industrial.

Como demonstrarei no próximo segmento desta série, a energia da “linha de frente da juventude” está sendo mobilizada estrategicamente por uma campanha climática altamente organizada e sofisticada. Essa mesma energia está sendo capturada, depois canalizada de volta para salvar, fortalecer e expandir o sistema capitalista hegemônico que promete destruir o futuro para esses mesmos jovens. Pode-se chamar isso de economia circular da morte. É preciso muita habilidade e coordenação para “arrebanhar gatos” [7] – para seu próprio abate.

Notas

[1] O M-Pesa é um serviço de transferência de dinheiro, financiamento e microfinanciamento baseado em telefonia celular. Foi lançado em 2007 pela Vodafone para a Safaricom e a Vodacom (as maiores operadoras de redes móveis no Quênia e na Tanzânia). Ele se expandiu para o Afeganistão, África do Sul, Índia, Romênia e Albânia. No Quênia, o M-Pesa está sendo utilizado para impor uma ideologia/familiaridade que reflete a ideologia ocidental da dívida.

[2] A empresa M-KOPA oferece os seguintes pacotes de produtos:

[2-1] O Sistema Solar M-KOPA 5 pode ser adquirido com um depósito de $2.999,00 Ksh. ($29,75 dólares), mais 420 pagamentos diários de $50,00 Ksh ($ 0,50 centavos). Esse pagamento total, incluindo o depósito, é de $23.999,00 Ksh. ($ 238,03 dólares). O preço de compra à vista sem financiamento é de $18.999,00 Ksh. ($188,44 dólares). [Acessado em 27 de janeiro de 2019]

O “Sistema Solar Solar M-KOPA 5” inclui um painel solar de 8W, um rádio recarregável, uma unidade de controle M-KOPA 5 com bateria de lítio, quatro lâmpadas LED de 1,2W, um cabo de carga de telefone 5 em 1, um cabo de carga personalizado e uma tocha LED recarregável.

[3-2] O M-KOPA 600 requer um depósito de $5.999,00 UGX. ($59,50 dólares), mais 590 pagamentos diários de $100,00 Ksh ($0,99 centavos). O pagamento total, incluindo o depósito, é de $64.999,00 Ksh. ($644,68 dólares). O preço de compra à vista, sem financiamento, é de $1.999.000,00 Ksh. ($546,61 dólares). ”[Acessado em 27 de janeiro de 2019]

O pacote “M-KOPA 600 (24? TV)” inclui uma unidade de controle M-KOPA 600, uma TV digital de tela plana de 24 polegadas, um painel solar de 30W, um controle remoto de TV, uma antena de TV, duas luzes solares, uma lanterna LED solar recarregável, um rádio solar recarregável e dois cabos de carregamento de telefone. “Antena parabólica e cartão CAM fornecidos separadamente”.

[3-3] O M-KOPA 600 c/ Zuku CAM requer um depósito de $6.999,00 UGX. ($69,42 dólares), mais 590 pagamentos diários de $135,00 Ksh ($1,34 dólares). O pagamento total, incluindo o depósito, é de $86.649,00 Ksh. ($859,42 dólares). O preço de compra à vista sem financiamento é de $69.999,00 Ksh. ($694,27 dólares).[Acessado em 27 de janeiro de 2019]

[4] Criamos e promovemos programas inovadores de sustentabilidade e iniciativas de responsabilidade social corporativa, e oferecemos serviços de consultoria estratégica sobre mudanças climáticas e os SDGs.

[5] O Conselho Consultivo Nacional do PDA inclui membros do Congresso dos EUA: Deputados Barbara Lee, Keith Ellison, Raul Grijalva e James McGovern; bem como o documentarista Michael Moore, a atriz/ativista Mimi Kennedy, o Rev. Dr. Rodney Sadler, o autor Jim Hightower, e os apresentadores de rádio/autores Lila Garrett e Thom Hartmann. Os ativistas Michael Lighty, Medea Benjamin, Steve Cobble, Kristin Cabral, Dr. Paul Song, MD, Belen Sisa e Professora Marjorie Cohn também atuam no Conselho Consultivo do PDA, que é presidido pela exemplar ativista Donna Smith. [Fonte] [Acesso em 10 de janeiro de 2019]

[6] O Climate Group: O Rockefeller Brothers Fund também atua como uma incubadora de projetos internos que depois evoluem para instituições independentes – um caso em questão é ‘Climate Group’, lançado em Londres em 2004. A coalizão do Climate Group inclui mais de 50 das maiores corporações e governos subnacionais do mundo, incluindo grandes poluidores, como as gigantes da energia BP e Duke Energy, além de várias organizações parceiras, uma das maiores sendo a ONG Avaaz. O Climate Group é um defensor da tecnologia não-comprovada de captura e armazenamento de carbono (CCS), da energia nuclear e da biomassa como tecnologias cruciais para uma economia de baixo carbono. O Climate Group trabalha em estreita colaboração com outros grupos de lobby empresarial, incluindo a International Emissions Trading Association (IETA), que trabalha de maneira consistente para sabotar as ações climáticas. O Climate Group também trabalha em outras iniciativas, uma delas a do ‘Voluntary Carbon Standard’, um novo padrão global para projetos voluntários de compensação. Uma empresa estrategista de marketing rotulou a campanha “Together” do Climate Group como “a melhor inoculação contra lavagem verde”. O Climate Group possui operações na Austrália, China, Europa, Índia e América do Norte. Foi um parceiro do “Conselho Climático de Copenhagen”.

[7] Forbes, 25 de setembro de 2014: Lições de liderança da Marcha Climática do Povo: “Com isso como modelo de liderança, talvez não seja surpresa que tantos gatos tenham sido pastoreados com tanto sucesso. Mas tem mais. A outra lição de liderança é colocar o projeto antes da pessoa.”[Fonte: http://www.theartofannihilation.com/under-one-bad-sky-tcktcktcks-2014-peoples-climate-march-this-changed-nothing/]

Deixe uma resposta