O Que Está em Jogo na França Não É Uma Questão Política, Mas Uma Questão Existencial

Independentemente do resultado das eleições parlamentares franceses, o que se revela naquele país é a tendência de um colapso do macronismo diante do bloco popular do Reagrupamento Nacional.

Quem melhor que Alain de Benoist, bem conhecido por nossos leitores, para nos esclarecer sobre o atual panorama político da França, às vésperas do que poderia ser algo parecido ao início de uma mudança de regime?

O que você pensa sobre a decisão do presidente Macron de dissolver a Assembleia Nacional? Você considera uma medida necessária ou um sinal de instabilidade política?

Antes de tudo, era uma medida inevitável. Após um desastre eleitoral como aquele [nas eleições europeias], como Macron poderia ter permanecido em silêncio? Não vejo isso como um sinal de instabilidade política, mas sim como o resultado lógico de um processo de recomposição que começou há mais de quinze anos. Em qualquer caso, seria um grande erro considerar o resultado das eleições europeias como uma simples onda passageira de cólera. O diagnóstico foi feito há muito tempo. Desde a revolta dos Coletes Amarelos, nem mais nem menos, Emmanuel Macron cristalizou em sua pessoa um desafio e uma hostilidade em uma escala sem precedentes. Com uma indústria que agora representa apenas 10% do produto interno bruto, uma dívida de 3 trilhões, um serviço da dívida que ultrapassa os 55 bilhões por ano, 5 milhões de desempregados e 9 milhões de pobres, sem mencionar uma imigração maciça desejada pelo grande capital que é percebida em todos os lugares como sinônimo de insegurança, as pessoas comuns percebem que o sistema entrou em uma fase terminal. O processo só se acelerou, graças a um efeito de catraca que levou a um “salto qualitativo repentino” que colocou as placas tectônicas em movimento. Por isso, o voto europeu pode ser considerado histórico.

O RN [Reagrupamento Nacional] obteve recentemente um grande sucesso nas eleições. Quais fatores você acredita que contribuíram para esse aumento de apoio à RN?

Acabei de mencioná-lo. A causa principal do sucesso da RN, além do descrédito geral da classe política dominante, é o verdadeiro cisma que opõe um número cada vez maior de cidadãos ao “mundo de cima”. As fraturas sociais e políticas que estão ocorrendo em toda a Europa, mas ainda mais na França, fazem com que a maioria dos cidadãos não fale mais a mesma língua que as classes integradas ou superiores. O que está em jogo nessa situação é existencial. O “bloco central” perdeu toda credibilidade por sua incapacidade de cumprir suas promessas e enfrentar a realidade. O principal motor do voto é um profundo sentimento de decadência social que Christophe Guilluy descreveu há muito tempo.

Jordan Bardella obteve o dobro de votos que a “maioria presidencial”, que agora representa apenas 15% dos votos (e apenas 8% dos eleitores registrados!). Ele se impôs em todas as regiões, em 94% dos municípios e em todos os grupos etários, incluindo os jovens e os aposentados. Podemos falar, portanto, de uma generalização sociológica. Diante de tal equilíbrio de forças, afirmar, como faz Emmanuel Macron, que todos os que não compartilham seus pontos de vista pertencem aos “extremistas” é simplesmente pouco crível. “Extremizar” as reivindicações de mais de 50% dos franceses é, na verdade, legitimar a extrema direita!

Como você acha que as próximas eleições legislativas reconfigurarão o panorama político francês?

Logicamente, os resultados das eleições legislativas deveriam confirmar e até amplificar os das europeias. Certamente, há grandes diferenças entre uma eleição de turno único e 577 com dois turnos de votação e um sistema majoritário, mas está igualmente claro que todas as eleições, sejam quais forem, estão se tornando imediatamente referendos a favor ou contra Emmanuel Macron. A competição agora é entre três blocos. Mas o bloco majoritário, neste caso o bloco popular liderado pelo Reagrupamento Nacional, está muito unido, enquanto os outros dois são minoritários e estão divididos. Em muitos aspectos, estamos testemunhando em primeira mão o fim do macronismo.

Alguns parecem pensar que a união da direita que reivindicam está ocorrendo. Eu não penso assim. A RN não está unindo a direita, mas absorvendo seus concorrentes. O movimento Reconquête! já explodiu como resultado da rivalidade entre Zemmour e Marion, o que era previsível, enquanto os Republicanos continuam sua descida ao inferno: alguns estão condenados a unir forças com a RN, outros a se tornarem auxiliares de Macron, enquanto aqueles que não querem nem uma coisa nem outra acabarão no lixo da história. A propósito, estou profundamente convencido de que o futuro da RN não está na união da direita, mas no colapso do centro.

Ao mesmo tempo que o aumento da RN, assistimos a um aumento do apoio às facções de extrema-esquerda. O que você acha que está impulsionando esse desenvolvimento paralelo?

Não acredito no «perigo vermelho» mais do que acreditava no «teto de vidro» ou no «cordão sanitário» no passado. A Nova Frente Popular não passa de um avatar medíocre dos Nupes, e a pressa em elaborar um «programa» que supostamente agrade tanto a Glucksmann quanto a Raphaël Arnault, a Hollande quanto a Philippe Poutou, é simplesmente grotesca. As procissões de convulsionários que atualmente saem às ruas fazem parte da estratégia do castor («bloquear» a extrema-direita), que acima de tudo os faz parecer dinossauros. Para essas pessoas, que só conseguem ver o caminho a seguir olhando pelo retrovisor, resta apenas uivar sobre o «retorno do fascismo» em um momento em que a maioria das pessoas está mais preocupada, não com um «fascismo» inexistente, mas com as próprias realidades do aumento da insegurança, a queda do poder de compra, a exclusão social e a precariedade laboral generalizada.

A Nova Frente Popular só pode esperar uma coisa: impedir que o Reagrupamento Nacional alcance a maioria absoluta no segundo turno. Isso apenas acelerará a marcha rumo ao caos.

Como você acha que essas mudanças políticas afetarão a sociedade francesa em termos de coesão social e de política pública?

Tudo depende de como se desenrolará a coabitação, se houver, e do que Jordan Bardella quiser fazer e, sobretudo, for capaz de fazer. O cálculo de Emmanuel Macron baseia-se na ideia de que sempre é muito difícil para o primeiro-ministro de um regime de coabitação aplicar a política que pretende seguir. Por isso ele acredita que, diante dos prazos, o Reagrupamento Nacional falhará repetidamente, demonstrando sua incompetência e se desacreditando progressivamente. Seu eventual sucesso nas eleições legislativas seria assim a paradoxal garantia de sua derrota nas presidenciais. A hipótese não pode ser descartada: Bardella terá contra ele o chefe de Estado, o Conselho Constitucional, a União Europeia, o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, o governo dos juízes e os mercados financeiros, o que é muito. No entanto, acredito que há maneiras de contornar a situação. A decisão de Macron de dissolver a Assembleia Nacional continua sendo, no mínimo, uma aposta ou, se preferir, uma aposta arriscada.

Que impacto você acha que essas mudanças políticas terão na França em suas relações com a União Europeia?

A União Europeia saiu bastante enfraquecida das eleições europeias. As incertezas que enfrenta vão aumentar. Mas não acredito que o equilíbrio de forças se altere substancialmente num futuro imediato. Seria diferente se o que acaba de acontecer na França acontecesse também em outros grandes países europeus.

Como você descreveria a opinião pública atual na França em relação às suas instituições e dirigentes políticos? Devemos temer um retorno à violência política de alto nível nas próximas semanas?

De fato, uma intensificação da violência é muito possível. Mas de que tipo de violência estamos falando e onde exatamente começa? Sobre esse tema, releia as Réflexions sur la violence de Georges Sorel. Ou Essais sur la violence, de Michel Maffesoli, que demonstra que a violência pode ser tanto destrutiva quanto criativa (Marx a considerava a grande «parteira» da história). O medo da violência muitas vezes nos leva a aceitar ou legitimar coisas que são muito piores do que a violência. É mais realista admitir que, em determinadas circunstâncias, o confronto é inevitável.

Por fim, como você vê a fratura, a secessão de fato que se registrou e validou, entre as metrópoles e as zonas rurais, entre várias populações que claramente não conseguem nem conseguirão continuar vivendo juntas?

Estamos vivendo novas formas de tribalização e de «arquipelagização» (Jérôme Fourquet). A principal razão é que as formas orgânicas de vida comunitária foram sistematicamente destruídas pela modernidade. A sociedade agora se sobrepõe à comunidade, e essa sociedade é uma sociedade de indivíduos. Para os liberais, qualquer análise da vida social é uma questão de individualismo sociológico. A ideologia dos direitos humanos, que é a religião civil do nosso tempo, professa igualmente que os poderes públicos devem satisfazer todas as reivindicações individuais, o que leva necessariamente a uma guerra de todos contra todos.

Além de todas essas divisões, podemos, no entanto, identificar entidades relativamente estáveis, entre as quais eu situaria a oposição entre a França periférica e as grandes metrópoles globalizadas, entre o somewhere e o anywhere, entre aqueles que ainda conservam um modo de vida enraizado e aqueles que querem ser «cidadãos do mundo». Essa oposição é fruto da secessão das elites, à qual respondeu a «secessão da plebe» (secessio plebis). Também neste caso, o processo vem de longe. Será fascinante ver como evolui.

Fonte: El Manifiesto

Imagem padrão
Alain de Benoist and Yann Vallerie
Artigos: 52

Deixar uma resposta