A Conexão Entre os Ataques de Damasco e Moscou

Conforme avançam os conflitos na Ucrânia e em Israel, começam a surgir tensões e contradições entre os atlantistas apoiadores de Israel e os atlantistas apoiadores da Ucrânia.

O recente ataque israelense ao consulado iraniano em Damasco resultou na morte de vários líderes militares importantes da República Islâmica, incluindo, em particular, o General Zahedi, responsável pelos setores libanês e sírio da Força Pasdaran Quds, que é responsável pelas operações militares e paramilitares do Irã além das fronteiras do Estado persa. Isso exige uma ampla reflexão sobre o que está acontecendo na Eurásia.

Há basicamente dois pontos de vista sobre o motivo pelo qual Israel vem atacando a Síria há várias semanas para atingir alvos iranianos; nesse sentido, é importante observar que, desde 7 de outubro, 18 militares iranianos, principalmente de médio e alto escalão, morreram na Síria. Todos eles caíram sob fogo israelense, com exceção de um que foi morto pelos americanos em Deir az-Zour (leste da Síria), alguns dias antes do ataque ao complexo diplomático em Teerã.

A primeira teoria é que Israel considera o Irã responsável pelos eventos de 7 de outubro; de acordo com os governantes em Tel Aviv, sem o apoio iraniano ao Hamas – embora os iranianos afirmem não ter sido avisados pelos palestinos – os guerrilheiros do grupo islâmico palestino nunca teriam conseguido fazer o que fizeram. Portanto, os iranianos devem ser punidos.

Agora, como a Síria é o principal entroncamento logístico da República Islâmica no Mediterrâneo oriental para apoiar grupos como o Hezbollah, o Hamas e a Jihad Islâmica, Damasco seria o local ideal para atacar o Pasdaran iraniano e interromper os suprimentos para as milícias do eixo de resistência engajado contra Israel. Além disso – pelo menos de acordo com muitos comentaristas e também com base em declarações recentes de Gallant, ministro do gabinete de guerra de Israel – um confronto entre Israel e o Hezbollah, que vem resistindo ao Tzahal no norte do estado judeu desde 8 de outubro, estaria próximo. Trata-se de um conflito de baixa intensidade que, no entanto, causou centenas de vítimas entre os libaneses e forçou pelo menos várias dezenas de milhares de israelenses a emigrarem do norte para o centro de Israel (alguns até falam em 200.000 pessoas, mas sabe-se muito pouco sobre possíveis vítimas israelenses no norte, devido à censura da mídia sobre o assunto), o que dá aos israelenses mais um motivo para atacar as bases do Irã na Síria, uma espécie de interior para as milícias libanesas próximas ao Irã.

A segunda teoria é a da provocação israelense. Na prática, como o governo israelense veria a continuação da guerra e a ampliação do conflito como uma saída para a crise de Gaza e, principalmente, como um meio de envolver ainda mais os EUA no conflito, a melhor atitude possível seria provocar o Irã. A continuidade das incursões anti-iranianas na Síria seria uma forma de provocar o Irã para uma reação direta em larga escala, na esperança de que o Pasdaran decidisse atingir o território israelense com ataques de mísseis.

Isso seria um verdadeiro casus belli que, de acordo com os israelenses, forçaria os Estados Unidos a intervir diretamente no conflito: dessa vez não contra os iemenitas ou as milícias iraquianas pró-iranianas, mas contra o território da República Islâmica. Esse conflito teria várias vantagens para Israel. Em primeiro lugar, diminuiria consideravelmente a pressão da mídia sobre Gaza; em segundo lugar, Israel seria transformado de “carniceiro” em “vítima da agressão do regime dos aiatolás”. Além disso, a intervenção forçaria Washington, obtorto collo, a um novo reforço da presença militar dos EUA na região em benefício da segurança do Estado judeu, depois que Obama e Trump a diminuíram progressivamente. Hoje, os americanos têm formalmente cerca de 50.000 soldados no Oriente Médio, em comparação com uma presença muito maior no Leste Asiático e na Europa (sob a bandeira da OTAN).

Ambas as teorias, na opinião do autor, são válidas e, de certa forma, podem ser complementares, já que a primeira não exclui a segunda e vice-versa. Mas o que poucos enfatizam, especialmente em relação à segunda teoria, é a conexão entre o ataque em Moscou “reivindicado” pelo Isis e os ataques israelenses ao consulado iraniano em Damasco. Aceitando a versão de que o ataque foi realizado por supostos extremistas da Ásia Central e patrocinado por Kiev (não se deve esquecer que os ucranianos atacaram recentemente refinarias russas, algo muito raro nos três anos de conflito), podemos ver uma semelhança entre o modus operandi da Ucrânia e de Israel. Ambos estão travando uma guerra com o apoio do Ocidente contra potências emergentes no leste. E ambos precisam do apoio militar ocidental, sem o qual não poderiam resistir à batalha.

Tanto em Kiev quanto em Tel Aviv, há apelos constantes, oficiais e não oficiais, para que os EUA aumentem o apoio à causa contra a Rússia e o eixo de resistência liderado pelo Irã. Sem essa ajuda, a guerra poderia tomar um rumo indesejado para as vanguardas do Ocidente na Europa Oriental e no Levante. Mas o comportamento semelhante de Kiev e Tel Aviv significa que a concorrência entre os dois atores está fadada a surgir.

Parece que o Ocidente não consegue se manter firme em duas frentes: de um lado, temos um colosso militar e atômico com mais de cem milhões de habitantes e um território várias vezes maior que o da Europa Ocidental (Rússia), com uma frente de guerra de quase 2.000 km de extensão. Por outro lado, temos um espaço geográfico de cerca de 2,5 milhões de quilômetros quadrados (a soma dos territórios libanês, sírio, iraquiano, iraniano e iemenita) com mais de cem milhões de habitantes, uma capacidade de interconexão militar muito alta (desde 7 de outubro, o Eixo da Resistência tem enfrentado o Eixo Israelense-Americano em pelo menos seis frentes) e uma capacidade militar muito respeitável. Na verdade, a intervenção anglo-americana não resolveu a crise no Mar Vermelho (segundo a admissão israelense, o porto de Eilat quase faliu), de modo que, após séculos, o domínio das potências anglo-saxônicas sobre os mares foi questionado.

Lutar em duas frentes tão extensas e contra inimigos formidáveis é difícil, para dizer o mínimo, até mesmo para o Ocidente. Portanto, logicamente, se os conflitos durarem – e parece que durarão muito mais – o Ocidente terá de fazer uma escolha e congelar, pelo menos momentaneamente, uma das duas frentes. Se essa tática for implementada, a Ucrânia ou Israel terá que – repito, pelo menos momentaneamente – levantar a bandeira branca. Para a Ucrânia, isso significa aceitar que cerca de um quinto de seu território seja anexado de fato pela Rússia. O que seria uma humilhação sem precedentes. Para Israel, o fim das hostilidades no curto prazo significaria o fracasso da campanha de Gaza: os reféns ainda estão nas mãos do Hamas, que ainda tem uma forte presença na Faixa de Gaza; portanto, dois dos principais objetivos de Israel não seriam alcançados, o que equivaleria a uma derrota. Como Kissinger costumava dizer, o guerrilheiro ganha se não perder, o exército regular perde se não ganhar.

Ninguém em Kiev ou Tel Aviv quer aceitar esse cenário. Portanto, é óbvio que ambos os postos avançados do Ocidente provocam o inimigo, esperando uma reação descontrolada da parte dele. A esperança dos ucranianos é que, após os bombardeios e os ataques às refinarias, Moscou desencadeie um ataque “selvagem” e vingativo, para que a Ucrânia possa pedir mais apoio europeu e americano contra a repetida ofensiva de Putin, que seria descrito pela propaganda de guerra ocidental como desejoso de conquistar não apenas Kiev, mas também algumas outras capitais europeias. Espera-se uma reação semelhante por parte de Israel, que, no caso de uma reação iraniana robusta, poderia derrubar a narrativa sobre o conflito no Oriente Médio e recuperar o consenso até mesmo nos círculos pró-sionistas que, conforme demonstrado por algumas declarações de membros proeminentes do Partido Democrata, são forçados a vê-lo como o torturador do povo palestino; até mesmo um ultra-sionista como Donald Trump criticou recentemente o governo de Tel Aviv por sua conduta na guerra em Gaza.

Estamos, portanto, vivenciando uma guerra dentro das guerras: não apenas o Ocidente (Ucrânia) contra a Rússia e o Ocidente (Israel) contra o eixo de resistência liderado pelo Irã, mas um conflito mais sutil no campo ocidental entre Kiev e Tel Aviv, que não têm intenção de se deixar sacrificar no altar da realpolitik dos EUA. Está claro que os americanos, mais cedo ou mais tarde, terão de escolher se querem ir até o fim no Oriente Médio ou na Europa, caso contrário, correm o risco de sofrer uma reviravolta retumbante em ambas as frentes. A lógica ditaria um cessar-fogo na frente do Oriente Médio, dado o peso maior da “ameaça” russa ao equilíbrio e à hegemonia global de Washington. Por enquanto, no entanto, o poder do lobby de Israel parece prevalecer sobre a facção antirrussa do outro lado do Atlântico; a provável nova ascensão de Trump poderia acelerar o desmoronamento de Kiev e a ampliação do conflito no Oriente Médio.

Fonte: Eurasia Rivista

Imagem padrão
Ali Reza Jalali

Bacharel em Direito pela Universidade de Brescia, Doutor em Direito Constitucional pela Universidade de Verona. Professor de Direito Constitucional e Direito Internacional no Departamento de Direito na Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Islâmica de Shahrud.

Artigos: 49

Deixar uma resposta