Cibertecnologias: Ameaças e Previsões para 2024

O âmbito cibernético tornou-se um dos mais importantes das relações de poder internacionais e dos conflitos contemporâneos. Analisemos algumas das principais tendências e riscos cibertecnológicos para o futuro próximo.

Inteligência artificial, vários dispositivos de TI, concorrência de provedores de serviços de Internet, especialmente em 5G – todas essas tendências estão ganhando ainda mais relevância ano após ano, e a crescente importância dos setores relacionados – desde a mineração de terras raras até a fabricação de semicondutores – vem ao mesmo tempo. A demanda, por sua vez, estimula a economia das empresas de TI (e os complexos militares-industriais de vários países, é claro) que buscam maneiras de criar e vender novos produtos e serviços. Por fim, o submundo vê seus benefícios e se adapta aos avanços tecnológicos. Tudo isso cria um ciclo de processos em que o Estado está no final do trem, enquanto as empresas de capital de risco e os grupos de hackers se tornam a locomotiva.

Tomemos como exemplo os EUA, a economia com os negócios de TI e a segurança cibernética mais avançados. A maioria das marcas globais associadas ao setor está sediada nos EUA.

E agora, de acordo com uma pesquisa da Arctic Wolf, menos de 4% dos estados dos EUA estão totalmente preparados para detectar e remediar incidentes de segurança cibernética relacionados às eleições. Quem as autoridades e os políticos culparão quando ocorrer um incidente antes ou logo antes das eleições? Serão novamente as míticas fábricas de trolls da Rússia? Enquanto isso, o problema está dentro dos Estados Unidos.

Apesar das notícias amplamente divulgadas sobre ataques cibernéticos de hackers chineses, norte-coreanos e russos, os principais problemas associados à segurança cibernética dos EUA são causados por grupos criminosos locais.

Por exemplo, especialistas dos EUA estimam que os extorsionários que operam em diferentes estados são os mais perigosos. O caso da Johnson Controls, uma empresa especializada em edifícios e espaços inteligentes e sustentáveis, está em primeiro lugar na lista dos ataques cibernéticos mais graves para 2023. Em setembro do ano passado, a Johnson Controls recebeu um pedido de US$ 51 milhões da equipe de hackers Dark Angles – como resgate pela descriptografia e exclusão dos dados roubados. Uma preocupação especial foi o fato de que o hack pode ter incluído dados confidenciais do Departamento de Segurança Interna, revelando informações de segurança de contratos de terceiros, bem como plantas físicas de determinadas instalações da empresa.

Quando se trata de infraestrutura, foi a Austrália que sofreu o maior ataque cibernético em 2023. Isso fez com que a DP World Australia suspendesse as operações em novembro de 2023, forçando a operadora portuária a fechar quatro grandes terminais em Sydney, Melbourne, Brisbane e Fremantle. É interessante notar que esse ataque ocorreu após um ataque cibernético ao Industrial and Commercial Bank of China Limited, mas ninguém pode culpar diretamente a China devido à falta de provas.

Obviamente, a guerra cibernética entre a Rússia e a Ucrânia também entrou no centro das atenções. Por exemplo, a Inteligência de Defesa do Ministério da Defesa da Ucrânia admitiu abertamente seus ataques regulares à infraestrutura civil russa e o roubo de vários dados. Artur Lyukmanov, Representante Especial do Presidente da Federação Russa para Cooperação Internacional em Segurança da Informação, Diretor do Departamento de Segurança da Informação Internacional do Ministério das Relações Exteriores da Federação Russa, confirmou que a infraestrutura de informações russa tornou-se alvo de ataques regulares de computador. A maioria deles é realizada a partir do território controlado pelo regime de Zelensky ou em benefício dele. Ele destacou na entrevista que as autoridades de Kiev – enquanto se fazem de vítimas da “agressão cibernética russa” diante do Ocidente – se vangloriam da sabotagem antirrussa usando tecnologias de informação e comunicação.

Os hackers russos desferiram um duro golpe no sistema de telecomunicações da operadora de telefonia móvel Kyivstar, destruindo a maioria de seus servidores e protocolos. Sabe-se que o sistema foi invadido em maio de 2023, mas o hack não foi detectado até o final do ano, quando toda a rede entrou em colapso. Ações semelhantes ocorrerão em 2024.

Ataques e vazamentos são iminentes se os governos e as empresas não tomarem as medidas adequadas. No entanto, as principais empresas ocidentais de TI são orientadas para o lucro e, como tal, seguirão essa trajetória.

O Instituto Reuters prevê que as principais plataformas de tecnologia também se concentrarão cada vez mais em modelos de negócios pagos, pois buscam reduzir sua dependência da publicidade. X, Meta e TikTok oferecerão mais serviços premium este ano, incluindo opções sem anúncios e com reconhecimento de privacidade. Os bots de inteligência artificial e os assistentes pessoais ganharão ampla adoção em 2024 devido a notícias de última hora e eventos esportivos. O debate entre os defensores da inteligência artificial e os aceleracionistas continuará em 2024. Os defensores da aceleração manterão o poder enquanto os governos lutam para entender e controlar a tecnologia.

Há também alguns projetos ambiciosos específicos. Por exemplo, o Google está prestes a instalar um novo cabo submarino conectando o Chile à Austrália via Polinésia Francesa – o primeiro cabo a conectar diretamente a América do Sul à Ásia-Pacífico.

O domínio da computação quântica também tem seu lado negativo, e os rápidos avanços nessa área podem ameaçar a criptografia para canais seguros. Os céticos atribuem qualquer avanço nos computadores quânticos como mais um passo em direção ao Armagedom cibernético.

A discussão sobre a criação de uma capacidade independente de fabricação de semicondutores continuará. Os EUA e a UE, preocupados com suas plataformas, são seguidos por outros países. Em 15 de janeiro, a Coreia do Sul revelou seu plano de estabelecer um “megacluster de semicondutores” no sul de Seul até 2047, levantando US$ 472 bilhões em investimentos com a Samsung Electronics Co. e a SK hynix Inc. O cluster projetado cobrirá uma área de 21 milhões de metros quadrados e deverá ter uma capacidade de produção mensal de 7,7 milhões de wafers de semicondutores até 2030.

De longe, a maior preocupação é a militarização da tecnologia cibernética e, em particular, da inteligência artificial. A escala ambiciosa da transformação digital tanto na OTAN quanto na UE também é digna de nota. Ela inclui estruturas tecnológicas, organizacionais, processuais e de recursos humanos para a transformação e prioriza dados, armazenamento e processamento em nuvem e uma abordagem renovada da segurança cibernética.

Em geral, o Ocidente está desenvolvendo métodos de guerra algorítmica que, de acordo com seus estrategistas e cientistas, podem ajudar em conflitos futuros. E eles apostam na inteligência artificial. Cada vez mais empresas de TI estão felizes em atender aos interesses dos militares e de outros serviços especiais.

Por exemplo, a OpenAI, uma empresa de inteligência artificial conhecida por criar o bot avançado ChatGPT em 2023, removeu de suas regras a proibição de aplicações militares de tais programas. Com isso, a empresa manteve várias proibições em suas regras. Como confirma a Bloomberg, a OpenAI coopera de fato com o Pentágono, especialmente com a agência DARPA. Outras empresas estão seguindo esse caminho, alterando as regras do jogo e as normas atuais.

Os riscos de emburrecimento devido à inteligência artificial e à robotização de processos que antes eram deixados para os humanos também existem. Vale a pena lembrar, a esse respeito, o caso do governo britânico, em que a inteligência artificial foi encarregada de ler documentos que os ministros deveriam tratar.

A aprovação pelo governo russo da Estratégia de Desenvolvimento do Setor de Comunicações até 2035, que contém várias iniciativas para aprimorar a segurança cibernética nas telecomunicações, é uma notícia bem-vinda diante desse cenário. Não menos significativas são as atividades internacionais, ou seja, a criação de instrumentos universais juridicamente vinculativos em segurança da informação. Este ano, a Rússia e um grupo de organizações com ideias semelhantes apresentaram um protótipo de um tratado internacional à ONU – um conceito de convenção internacional de segurança da informação da ONU. Também é de grande importância o fato de a maioria dos países do mundo concordar com a necessidade do referido tratado, apesar de os EUA e seus satélites tentarem manter brechas na lei internacional para continuar com suas atividades criminosas.

Fonte: Oriental Review

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 53

Deixar uma resposta