Alain de Benoist: Um Marx Atual?

Um dos principais pensadores do mundo contemporâneo é, indubitavelmente, o francês Alain de Benoist, um pensador enciclopédico e de invejável profundidade que permite tecer algumas comparações com Karl Marx, apesar das distâncias ideológicas.

Alain de Benoist é multifacetado. Às vezes, ele surpreende, mas confunde principalmente os sem imaginação (que são muitos). Em uma sala, ele pode dar as costas a quatro paredes ao mesmo tempo. Mas ele também é capaz de estar em sintonia com pessoas de direita, esquerda, cristãos, anticristãos e assim por diante. Para ele, a maneira como você é é mais importante do que o que você é. O pressuposto da abordagem de Benoist é ver, em primeiro lugar e acima de tudo, a qualidade humana que é a condição para o pensamento correto. A visão de Alain de Benoist é panorâmica. Sua curiosidade é imensa. Benoist é um buscador de verdades. De onde viemos? Preocupação genealógica. Como viver (em vez de “por que viver”: “a rosa não tem por que”). Ele também é um enciclopedista. O trabalho de Benoist é como a Souda, a enciclopédia grega do século X. Nós nos perguntamos se esse trabalho era individual ou coletivo. Voltaremos a esse assunto, pois é uma questão importante.

Todo intelectual é um compilador

Alguns resmungões criticaram Benoist por ser, antes de tudo, um compilador. Um colecionador de ideias, citações e análises. Mas por que não? Se é uma questão de organizar uma vasta coleção e transformá-la em algo coerente, que intelectual não é também esse compilador apaixonado, exigente e inquieto? Ele busca o ouro do significado. Ele quer encontrar o barco sagrado no qual embarcar. Que intelectual não é um colecionador do que já foi dito antes? O que ele faz? Ele molda, coloca em ordem, dá significado e um novo significado ao que encontrou, e o que encontrou, encontrou porque tinha um método e uma ideia de onde encontrar. Um conhecimento prévio. Nesse sentido, quem é Jesus? Quem são os evangelistas? Compiladores também. Quem é Marx? Um compilador. Inicialmente, é claro. Porque depois vem o imenso trabalho de organizar as ideias, e esse é o trabalho de colocá-las em ordem, de colocá-las em forma – eu disse isso antes, mas precisa ser dito novamente. E é também o trabalho de elucidar e inventar uma forma original a partir do que foi compilado. Então, sim, essa reprovação é estúpida: ela consiste em dizer que qualquer intelectual honesto aceita ser dependente de pensadores que o precederam. Ele os cita – e isso é melhor do que copiá-los sem citá-los. Estamos sempre a jusante de pensadores e pensamentos que vieram antes de nós. E isso é muito bom: Benoist acredita na transmissão, ele foi transmitido e transmite. É lógico.

Nossa referência à Souda levanta a questão: Benoist é um intelectual único ou um coletivo? Não é suficiente dizer ambos. É preciso dizer como. Ele é coletivo no sentido de que atualiza um patrimônio intelectual que revisita e interpreta – como um músico faz com uma partitura. Mas Benoist é coletivo em um sentido mais profundo e raro: ele estava (e ainda está) preocupado em fundar um movimento de pensamento. Era o GRECE, era o Eléments, e ainda é – mas também é um “movimento”, que permeia até mesmo pessoas fora do meio institucional oficialmente ligado à ND (a Nova Direita, uma denominação, para não dizer um rótulo, que Benoist nunca apreciou muito).

Portanto, Alain de Benoist é um intelectual coletivo: no sentido de que ele quer estar no centro ou, pelo menos, presente nos corações – e nas cabeças! – daqueles que pensam junto com ele. Mas Benoist também é um intelectual único: não existe uma cópia carbono. Ele é um original e ele é o original. O que significa que ele tem seus afetos, que pertencem somente a ele, suas amizades, que transcendem as ideias, e seus paradoxos (que não são insignificantes). Você consegue imaginar Emil Cioran ou Clément Rosset sem paradoxos? É por isso que os amamos.

Um intelectual único e coletivo, dizemos. Isso significa que a comunidade (ou comunidades) de pensamento impregnada pelo trabalho de Benoist pode se afastar do Benoist do momento e retornar a outro Benoist, mais original. Nosso ser humano é uma esfera, e não podemos ocupar todos os pontos da esfera de uma só vez e ao mesmo tempo. O essencial é entender que essa esfera, ao contrário do céu da perfeição supralunar de Platão, não é imóvel. Benoist não busca a perfeição, mas o aperfeiçoamento e o esforço. Ele não acredita em um mundo ideal, mas acredita que, para viver com dignidade no mundo, precisamos ter um ideal. Não é que esse ideal será alcançado (raramente é: basta olhar para a efêmera Comuna de Paris), mas é que esse ideal nos permitirá alcançar a nós mesmos. “Marquem um encontro com vocês mesmos”, diz Henri Michaux.

A esfera e a espiral de Alain de Benoist

Uma esfera, o universo mental de Benoist? Talvez também uma espiral, porque a espiral é infinita e ascendente. E aqui estamos nós. Estamos diante de uma forma de pensar que visa à perfeição, e não à perfeição imóvel. Trata-se de movimento, não de fixidez. Isso é fácil de explicar: o pensamento de Benoist, seu método (methodos = caminho), seu “fascínio”, seu estilo, é a capacidade de autocrítica. Não se trata de autodepreciação, nem de negação (com exceção de alguns comentários juvenis que o autor rapidamente percebeu que não eram o caminho certo). Não devemos nos esquecer de que, a partir dos 24 anos, nosso homem abandonou todos os projetos e todos os escritos diretamente políticos). A autocrítica não significa desconstruir a si mesmo, muito menos negar a si mesmo, significa questionar tudo o que é fácil de analisar. O que é fácil é sempre fácil demais. O que poderia ser mais elevado na busca pelas condições do pensamento correto ou de uma hipótese frutífera? Que sala em uma caverna mais profunda não poderia ser explorada? Um ótimo programa (nietzscheano em grande parte!), o de qualquer intelectual sério.

Nem progressista nem reacionário, esse é Alain de Benoist. Quando nosso homem entra em uma sala, ele não consegue encontrar o lugar certo. Isso ocorre porque as posições originais são desconcertantes (e seu período mais inclassificável foi, de meados da década de 1980 a 2015, aquele em que ele frequentemente levava seus amigos supostamente próximos na direção errada). E, no entanto, entre os não conformistas dos anos 1930 e até mesmo dos anos 1940 (com o “Manifesto Comunitário” de 1943), os nacionalistas-revolucionários alemães, franceses, italianos, espanhóis e outros, os nacional-bolcheviques, os solidaristas franceses, os neobonapartistas, os gaullistas (verdadeiramente) de esquerda, os conservadores de esquerda, os tradicionalistas de esquerda (como Walter Benjamin) e o Cercle Proudhon, são os mais originais que são os mais interessantes.

Na década de 1970, quando Benoist e Louis Pauwels alternavam suas colunas no Figaro Dimanche (1977-1978, o precursor da revista Figaro), Louis Pauwels, então no auge de sua força pagã, politeísta e neoestóica, escreveu sobre Benoist: “Esse anti-Marx não é um Nietzsche atual?” Uma frase elegante e pertinente, como sempre acontece com Louis Pauwels, um romancista talentoso e grande jornalista, um dos melhores escritores da década de 1970, juntamente com Jean-Gilles Malliarakis, um polemista prodigioso e uma mente imensamente culta, Maurice Bardèche, rigor clássico a serviço do romantismo, e o próprio Alain de Benoist. Porém, menos de dez anos após as observações de Pauwels, as coisas haviam mudado. Será que ainda podemos manter a fórmula de Louis Pauwels?

A Nova Direita do início dos anos 80 se tornou claramente antiliberal e antiburguesa, e deixou de ter a menor esperança na reunião de personalidades de “direita”, como Michel Poniatowski ou Philippe Malaud. Ao mesmo tempo, o GRECE, mesmo antes de sua cobertura midiática em 1979 (a campanha da mídia sobre e contra a Nova Direita), rompeu com o Club de l’Horloge, com base em um desacordo sobre o liberalismo (para resumir, o Club de l’Horloge acredita que pode ser “nacional-liberal”, enquanto o GRECE defende – e Michel Thibault está muito ligado a isso – a causa do povo e, portanto, rejeita tanto o liberalismo sociatário – a questão ainda não surgiu, mas surgirá no futuro – quanto o liberalismo econômico e social). Um compromisso com o “espírito do povo” e contra a modernidade horizontal que é o “espírito dos tempos modernos”, um espírito que arrasta tudo para baixo.

Dando um passo para o lado

Foi também nesse ponto que a hierarquia dos perigos foi modificada (ou foi vista como modificada pela realidade) pela Alain de Benoist e pela ND. O “perigo” russo e comunista é o primeiro? É o principal? Não deveríamos lutar primeiro contra a americanização de nossa cultura, nossos costumes e nossa economia? Fazer a pergunta é respondê-la. E a ND a responde da mesma forma que Jean Cau: contra a América. Isso também significa ser contra a América dentro de nós (o que não deve nos impedir de admirar o cinema americano, tão bem popularizado por Nicolas e Tetyana Bonnal). Daí o antiliberalismo da ND e a desconexão entre defender a Europa e o Ocidente. A Europa e o Ocidente não são a mesma coisa. Amarrar-se ao Ocidente é, em última análise, matar a Europa em sua essência europeia. Que diagnóstico! Uma grande revolução nas ideias da “direita”! E aqui temos uma Nova Direita que cada vez mais quer ser uma Nova Esquerda (e eu ainda acho que ela está certa). “Nem mesmo Alain de Benoist dará um passo para o lado”, escreveu François Bousquet sobre a década de 1980 (que durará até 2015, aproximadamente, para esse “passo para o lado”). É claro que ele deu! Assim como o milonguero dá um passo para o lado para retomar a caminhada para frente com seu parceiro. Assim como um passo para trás às vezes é necessário para recuperar o ímpeto e voltar a andar com o pé direito.

Portanto, muita coisa mudou desde que Louis Pauwels disse o seguinte: “Esse anti-Marx será um Nietzsche moderno?” Não se trata de uma via de mão única, mas de uma mudança decorrente a) da lógica por trás da escolha de Benoist: “a riqueza do mundo é a sua diversidade”, uma frase já presente em Visão de Direita (1977), e uma frase que inevitavelmente se afasta do liberalismo homogeneizador b) da observação das mudanças e tendências em ação no mundo. Desde o início da década de 1980, surgiu a pergunta: o problema era o comunismo, ou era a ascensão ilimitada do direito do indivíduo em face do direito dos povos que estavam sendo esquecidos, ou era o direito do homem sozinho em face do direito do cidadão entre seu povo? Aqui também, fazer a pergunta dá uma indicação da resposta.

Então, menos de dez anos depois da aventura da Fig-mag e da observação de Pauwels, não deveríamos reverter sua fórmula sobre Alain de Benoist? Esse pós-nietzscheano não será um novo Marx? Porque Benoist não queria ficar com Nietzsche. É um passo essencial para ele, um marco na noite, uma luz que nunca deixa de nos iluminar, mas não a única luz, e uma luz que pode iluminar uma paisagem diferente daquela desenhada pelo próprio Nietzsche. Benoist não se tornou um estranho a Nietzsche, mas pensa além dele (se é que isso é possível). Ou ao lado dele, se necessário, recorrendo a outros recursos do espírito (como R. Abellio, A. Gehlen, Montherlant, cada um em seu próprio campo…). [Para aqueles, inclusive eu, que colocam a ética e a estética acima de toda teoria, nada é mais indispensável do que Montherlant].

A inversão da fórmula de Louis Pauwels nos coloca no caminho certo. Marx e Benoist, então. É uma hipótese ousada compará-los. No entanto, não há falta de pontos em comum. Há a ambição de pensar globalmente sobre o mundo, e de fazê-lo a partir de uma raiz filosófica. Para Marx, o materialismo antigo e depois Hegel, mas amplamente corrigido ou até mesmo revertido. Para a Benoist, o Círculo de Viena e Louis Rougier (positivismo lógico), o nominalismo e, depois, com alguma continuidade, a ideia da singularidade irredutível das culturas. O politeísmo das culturas. E, ao mesmo tempo, a ideia mais universalista da rejeição da metafísica da subjetividade. Universalismo: Benoist rejeita o termo. Especifiquemos então que não se trata de um universal que nega as intermediações. Ele as valoriza sem absolutizá-las, daí a rejeição dos nacionalismos como uma extensão dos princípios do individualismo à escala da nação, como uma passagem da idolatria do eu individual à idolatria do eu coletivo, que se torna a idolatria de um “nós”. O universal, de acordo com a Alain de Benoist, é o acesso à intersubjetividade em vez do triunfo egoísta das subjetividades individuais. É um universal nutrido pela diversidade dos povos, e não reduzido nem à moral (uma moral universal), nem à lei, uma lei abstrata de direitos humanos que tem a consequência concreta de ser o grande obstáculo ao exercício do direito dos povos (foi sob esse título que propus uma genealogia do liberalismo como um processo de destruição dos povos). Se quisermos manter um “ismo”, vamos chamá-lo de universalismo diferencialista. Porque é preciso dizer que, quando ficamos sabendo que os últimos falantes de um idioma desapareceram do outro lado do planeta, sofremos como se algo tivesse sido arrancado de nós. E o mesmo acontece quando vemos que um povo foi arrancado de sua terra por 80 anos, com o apoio da principal hiperpotência do mundo.

O teórico e o perspectivista

Depois dos pontos em comum, que são a preocupação de pensar globalmente sobre o homem no mundo, o homem em seu mundo, vejamos desta vez as diferenças entre Marx e a Benoist. Elas não são insignificantes. Marx é um teórico. Ele é menos cauteloso ao expor suas ideias do que a Benoist, e está mais disposto a ser polêmico (e, às vezes, violentamente polêmico). Marx assumiu mais riscos intelectuais e políticos. Ele era um militante, o que Benoist deixou de ser (porque ele achava que isso não levaria a lugar algum). Marx era um teórico. Benoist não seria? Isso existe. Marx era um teórico no sentido de que buscava desenvolver uma teoria original. Não uma teoria que surgisse do nada, mas ainda assim uma teoria muito original. Por sua vez, Benoist foi, acima de tudo, um homem de maiêutica. Ele é o portador de uma perspectiva do mundo (Weltsicht) ou de uma visão do mundo (Weltanshauung) – este último termo implica uma maior distância na visão e a intermediação de uma grade de leitura, uma noção menos presente no termo “perspectiva do mundo”, mas que, mesmo que oculta, existe. Em outras palavras, o perspectivismo nunca é neutro de um ponto de vista axiológico ou estético.

Marx era acima de tudo um pesquisador, daí a incompletude de sua teoria (de suas teorias: econômica, antropológica, epistemológica etc.). Benoist é um produtor de estudos genealógicos sobre ideias e descobridor de pensamentos esquecidos. Ele inventa menos. Talvez ele descubra mais – no sentido literal de descobrir, remover uma camada de poeira e esquecimento. Essa é a principal diferença entre Marx e a Benoist. Daí o caráter acabado dos livros de Benoist, mesmo que seu trabalho em si tenha como objetivo o enciclopedismo e seja, portanto, em princípio, inacabado. Daí o caráter inacabado, em comparação, de muitos dos livros de Marx (lembremos que o velho lutador morreu aos 65 anos, enquanto Benoist, outro lutador à sua maneira, ainda está escrevendo, e escrevendo solidamente, aos 80 anos). Portanto, temos duas maneiras muito diferentes de trabalhar, mas temos os mesmos padrões elevados. Exigências para nós mesmos, exigências para o leitor.

No que diz respeito às diferenças, é sobretudo a relação com o coletivo que distingue a Benoist e Marx. Para Marx, o coletivo não é primordialmente intelectual (e, de qualquer forma, as ideias são apenas a tradução do movimento das forças sociais), é um movimento histórico, o movimento dos trabalhadores europeus. É isso que ele vê no cruzamento do socialismo francês, da economia política inglesa (Adam Smith e, sobretudo, David Ricardo) e da filosofia alemã. E foi à vitória desse movimento operário que ele dedicou seus dias e, muitas vezes, suas noites, para que finalmente a emancipação geral fosse possível, a emancipação do proletariado que traria a reconciliação da humanidade consigo mesma (o fim da alienação) por meio, não do fim de todo conflito, mas do fim da exploração capitalista. Isso é o que Marx chamou de comunismo. A abordagem do Benoist é bem diferente. Não se tratava de dar uma mãozinha a um movimento histórico que estava avançando por conta própria, mas de criar uma corrente metapolítica e cultural, uma “nova cultura”, como foi chamada por volta de 1979, para pressionar por uma Europa livre, independente dos EUA, verdadeiramente europeia, permitindo que seus povos, as nações, mas também os pequenos povos que são os grupos étnicos, vivessem.

Marx e Benoist: duas formas muito diferentes de pensar. Marx é o romântico, Benoist é o controlado, o neocardeal de Retz (até mesmo em sua simpatia pela Fronde!). Outro ponto de diferença: Benoist diz que despreza, mas não odeia. Marx é muito mais ideológico e político. Ele logicamente abre espaço para o ódio. Nada de grandioso jamais foi alcançado sem paixão, e é isso que o ódio é. É uma constante humana. Ela tem seu lugar. Simplesmente temos de mantê-la em seu lugar. Chateaubriand disse: “Guarde seu desprezo para o grande número de necessitados”. “Eu não desprezo quase nada”, disse Leibniz. O mesmo vale para o ódio. É preciso guardar seu ódio, mas é preciso odiar um pouco, porque é preciso aceitar que você faz parte da briga e nem sempre acreditar que está acima dela. Além disso, Marx não tinha escolha. Seu problema não era “não ser reconhecido o suficiente” pela comunidade acadêmica de sua época e de seu país natal, mas travar uma dura batalha política com seus camaradas. E, nessa área, o desprezo nem sempre é a resposta certa. Os dominantes nem sempre são desprezíveis; geralmente estão longe de ser estúpidos. Eles não são dignos de desprezo. Pessoas prejudiciais nunca são apenas desprezíveis. Será que a vocação de um deportado, um prisioneiro político, é desprezar seus carcereiros e seus patrocinadores, ou melhor, tentar varrê-los?

Marx não se conteve. Seus inimigos e, mais ainda, seus concorrentes e rivais políticos, como Ferdinand Lassalle, pagaram o preço, sendo este último maliciosamente descrito como um “negro judeu” (é como estar em um panfleto de Céline). O primeiro artigo de Marx para a Rhenish Gazette foi censurado por “críticas irreverentes e desrespeitosas às instituições governamentais”. Quando, em 1845, o governo prussiano o privou de seu passaporte, ele se gabou: “O governo me devolveu a liberdade”. Cáustico, sarcástico, extravagante em seu ódio às mediocridades – e até mesmo às não tão mediocridades, como Proudhon – Marx não deixava de ter humor, mesmo em relação a si mesmo. Ele disse a famosa frase: “Não creio que alguém tenha escrito tanto sobre dinheiro sendo tão carente dele”. Que diferença de temperamento entre Benoist e Marx! Benoist está no controle, Marx na paixão: dois grandes pensadores, mas dois estilos diferentes. O mais racional não é aquele que pensamos, com seu “senso de história”, no qual ele mesmo só acreditava com muitas correções.

K. Marx e A. de Benoist, duas maneiras de ser um intelectual coletivo

Benoist: Outro Marx, então. Um novo Marx, um Marx contemporâneo. Mas de uma maneira diferente. E uma relação diferente com o coletivo. Em torno de Benoist e afirmando ser seus seguidores, pessoas comprometidas, é claro, mas não revolucionárias. Nenhum ativista clandestino cruzando fronteiras e vivendo escondido. Nada de párias expulsos de seu país. Nada de Blanqui passando trinta e seis anos na prisão, ele mesmo dificilmente um marxista, mas um trabalhador militante como os marxistas revolucionários. Em torno de Marx, ele próprio um exilado político, o cenário era muito diferente. Foragidos. A Associação Internacional dos Trabalhadores. Seus herdeiros (legítimos ou não)? Lênin, cujo irmão anticzarista foi executado porque se recusou a pedir perdão. Trotsky, exilado na Sibéria por suas atividades militantes. Do lado de Benoist: quantas divisões blindadas? Quantos prisioneiros? Isso nos leva de volta ao que nosso autor disse certa vez: “Sou um observador. Não indiferente ao que vejo. Mas, acima de tudo, um observador”. Um observador do mundo, mas um jogador no mundo das ideias. Esse é o limite do paralelo com Marx, que se via como um ator em ambos os mundos, que, de qualquer forma, segundo ele, eram um só e o mesmo. Daí a necessidade de voltarmos – decididamente – à questão de nosso relacionamento com o coletivo.

Marx disse que, de sua parte, ele não era… um marxista. “Os ensaios científicos”, disse ele, “destinados a revolucionar uma ciência, nunca podem ser verdadeiramente populares. Mas uma vez que a base científica tenha sido estabelecida, a popularização é possível”. Mas é importante não apressar as coisas. Por sua vez, o Alain de Benoist é toda a Nova Direita e nada além da Nova Direita? Ele pode ser reduzido ao GRECE e, agora, ao Institut Iliade, que se tornou o centro das atenções por também alegar fazer parte da Nova Direita? Se Benoist foi, sem dúvida, o líder da Nova Direita (um antipapa que teria sido o papa da Nova Direita, poderíamos dizer em tom de brincadeira), ele resume a Nova Direita? E Giorgio Locchi? e Guillaume Faye? (ambos divergentes das posições de Benoist, eles me parecem menos ricos, mas seu aparente radicalismo atrai uma juventude ávida por palavras de ordem simples). E se Alain de Benoist não é a totalidade da Nova Direita, ele também vai além dela. Uma bela ilustração da teoria dos conjuntos, que se sobrepõem, mas não se fundem!

François Bousquet aborda a questão. Ele fala sobre as influências exercidas por Benoist e recebidas por ele. Essa é a intersubjetividade necessária, que corrige e supera a metafísica da subjetividade melhor do que a busca impossível pela objetividade. F. Bousquet escreve: “Intelectual coletivo: a questão é mais espinhosa. Mesmo que ele não mencione isso, para ele [Benoist] é certamente um dilema indecidível. Para nós, a questão é clara: a Nova Direita é, no sentido mais forte da palavra, um intelectual coletivo, e por uma boa razão: nós somos o coletivo! Mas ele fala por si mesmo ou pela Nova Direita? Ele assina o que escreve, mas será que precisa assinar tudo o que é publicado sob o rótulo da Nouvelle Droite? Quer ele goste ou não, ele faz parte disso”. (p. 119). Não acho que você possa ver as coisas dessa maneira. Não vejo por que, quando escrevo um artigo publicado no site da Éléments, Benoist deva estar vinculada ao que eu digo. Em primeiro lugar, ele pode ter outras coisas para fazer além de ler os artigos. Em segundo lugar, quer ele os considere bons ou não (e fico feliz se for a primeira hipótese), eles são meus, não dele! Além disso, podemos encontrar análises de qualidade das quais não compartilhamos totalmente. Posso ter um ponto de vista próximo ao de Benoist, mas ele nunca será exatamente o mesmo, por vários motivos: provavelmente não tenho as mesmas informações à minha disposição, não necessariamente as priorizei da mesma forma e… somos diferentes.

François Bousquet escreve ainda: “Alain de Benoist não se reconhece mais na direita (mas e a nova direita, eu, por exemplo?)”. (p. 154). Mas é assim que as coisas são. Irredutivelmente complexas. “A complexidade também é um valor” [e não apenas um fato], diz Massimo Cacciari. A amizade não é a questão aqui. Não preciso me “reconhecer” em meus amigos (é porque eles são diferentes de mim que são meus amigos). Esse também é um dos interesses dos relacionamentos com mulheres: elas são fundamentalmente diferentes dos homens) para ter certeza da amizade que tenho com elas, ou mesmo da amizade que elas têm comigo. Não preciso ser leal às ideias de meus amigos nem apoiar suas ideias. Ideias e amizades são duas coisas completamente diferentes. Por exemplo, na maioria das vezes, eu me identifico com as posições internacionais adotadas pelo ex-deputado comunista Francis Wurtz. Algumas vezes votei nele. Não o conheço. Não tenho a honra de ser seu amigo. A simpatia que tenho por suas ideias (em questões internacionais, pelo menos) é minha (e certamente não dele!). Por outro lado, tenho e tive amigos cujas ideias eu não compartilhava de forma alguma. Às vezes é difícil quando você leva as ideias a sério (que é o meu caso). Mas é uma realidade humana. E a amizade é preciosa. Se alguém pensa diferente de mim, mas de boa fé, eu concordo. Suponho que o mesmo se aplica a Benoist. De fato, nosso autor pode ter se sentido próximo das lutas travadas por outras pessoas que não a Nova Direita desde 1968. Por exemplo, na época da Guerra do Golfo (1990-91), com Denis Langlois e a convergência de dois apelos, um do PCI e outro da LCR. É por isso que a Benoist não pode ser reduzida à Nova Direita. Ele quer que as ideias de Benoist sejam passadas adiante (quem não quer?). Dizer que ele deveria ter nomeado sucessores é simplesmente um absurdo. E aqui, vamos nos referir a Marx. Quais sucessores legítimos? Wilhelm Liebknecht? Bernstein? Kautsky? Plekhanov? Lênin? De 1883 a 1895, o próprio Engels não administrou o legado de Marx de uma forma inevitavelmente subjetiva – e ainda bem que Friedrich Engels não era um robô!

O intelectual é responsável apenas pela verdade (e isso já é muito)

“Há muitas moradas na casa de meu Pai. Se não fosse assim, eu lhes teria dito. Vou preparar um lugar para vocês”. (João 14:2). A Elements tem um lugar de destaque nessa casa, mas não é o único lugar habitado por pessoas próximas a Benoist. Seu pensamento – que continua – é um legado sem testamento. Como aconteceu com Marx. No mundo de Benoist, em outros lugares [que não os pontos de referência oficiais de seu pensamento], existem outras afinidades, mais subterrâneas. Ele mesmo sempre se recusou a ser seu próprio ponto de referência. A lacuna entre o eu e o eu (outro nome para isso é estar-lançado) é a condição de todo pensamento em movimento. “Todos os homens de qualidade são irmãos, independentemente de sua raça, país ou época”, disse Benoist (As Ideias à Direita). Em outras palavras, não é possível partir de um “nós” que rotularia um patrimônio cultural. E isso é verdade independentemente da qualidade desse “nós” (que, de qualquer forma, como todos os “nós”, evoluirá e se desintegrará, porque essa é a lei da vida, e o que aconteceu, acontecerá).

Entre a filosofia e a política, existe a ideologia. Sim, mas a experiência com o marxismo-leninismo mostra os riscos de popularizar uma filosofia degradada e escolástica que se tornou uma ideologia universitária oficial medíocre. A transformação do pensamento de Benoist em um catecismo é que seria desastrosa. Lembramo-nos da pintura de Louis Janmot, O Mau Caminho, em que duas jovens passam em frente a mestres, filósofos, propondo-lhes o estudo de uma triste filosofia acadêmica e escolástica. Que Benoist nunca se torne o filósofo oficial de nenhum regime. Um retorno à glória para a Benoist? Acho que se há uma coisa com a qual ele não se importa, é com isso, ele que não gosta de nada mais do que uma noite com amigos, ou mesmo uma noite com gatos! Mas, como no caso de Marx, sob o catecismo, é sempre possível redescobrir a praia de um pensamento que pede para navegar em alto mar (ou caminhar nas montanhas!). O intelectual de alto nível – ou o grande político – pode ser influente, mas ele está sempre sozinho.

A ND não é política o suficiente na forma como Benoist a trouxe à vida? pergunta François Bousquet. É claro que não devemos nos furtar ao diálogo com os políticos. Mas a ideologia não é a “verdadeira filosofia”, uma vez que ela se desloca do indivíduo para o coletivo. É outra coisa, necessária se for uma visão do mundo, incômoda se for uma camisa de força que nos obriga a pensar em termos de um corpo doutrinário preestabelecido, seja qual for o assunto. Sossio Giametta escreve: “A cultura não se comunica diretamente com a política. Uma ideologia filosófica [uma noção já altamente discutível – PLV] nunca pode, portanto, ser traduzida diretamente em uma ideologia política. (…) No entanto, as ideologias culturais têm relações subterrâneas muito importantes com eventos sociais e políticos, tanto em um sentido ativo quanto passivo, como partes do mesmo fenômeno global, e esse é certamente também o caso de Nietzsche. (…) O filósofo não é eticamente responsável por suas ações como tal. Tampouco é responsável pelas consequências políticas, sociais ou outras de sua filosofia. Ele é sempre responsável apenas pela verdade. (Commento allo Zarathustra, 2006).

“Não nos fechemos em nós mesmos”

Há uma grande lacuna entre uma filosofia e uma “ideologia filosófica” (por exemplo, a vulgata marxista-leninista da URSS dos anos 30 aos 50, ou O Mito do Século XX, de Alfred Rosenberg, ou a vulgata anti-ideológica do liberalismo, que afirma rejeitar ideologias que não sejam a adesão ao “que funciona” – sem perguntar para o benefício de quem, e sem ver que já é uma ideologia, mas a mais medíocre). E ainda há uma grande lacuna entre uma “ideologia filosófica” e uma ideologia política. Por exemplo, há uma grande lacuna entre uma impregnação ideológica liberal e a política de Guizot, ou entre o livro de Alfred Rosenberg e a política de Hitler, que não levava Rosenberg a sério.

Portanto, é necessário entender a distinção entre esses três níveis: filosofia, ideologia e política propriamente dita. A ideologia é geralmente uma forma degradada de filosofia, e a política às vezes usa a ideologia, mas raramente acredita totalmente nela. Portanto, podemos nos fazer a seguinte pergunta: qual será a colheita após Alain de Benoist? Ela terá sua cota de eventos imprevistos. Mas eu a vejo mais como uma atitude em relação à vida do que como uma ideologia, mais como uma preocupação do que como uma certeza. E será uma colheita duradoura e renovada, porque é uma forma de enfrentar o mundo das ideias e o mundo em geral, com suas belezas, com o cinema, com a literatura. E isso é muito bom. Um crítico disse sobre Paul Cézanne que, como todos os gênios, ele era cheio de contradições. Isso significa que ele tem vários estilos, que ele combina várias abordagens. É um sinal de criatividade, ou do que o filósofo Philippe Forget chama de “produtividade”. É isso que vemos em Alain de Benoist: sua capacidade incessante de se renovar. (Michel Maffesoli não se engana quando fala de nosso autor, embora ele odeie Karl Marx, o que não é o meu caso). Paul Cézanne, nosso homem de contradições, que na verdade são tensões, também estava preocupado, às vésperas de sua morte, com a possibilidade de ser “recuperado”, de ser embalsamado, de ser retirado do fluxo da vida para se tornar um ícone. Quanto a Alain de Benoist, veremos!

De qualquer forma, até mesmo sites (como o eurosynergies) que não são próximos a de Benoist (por razões que considero prejudiciais e tristes, como tive a oportunidade de dizer ao seu talentoso anfitrião) estão surpreendentemente próximos de suas ideias. Para não concluir, penso nestas linhas de Karl Liebknecht, e me pergunto se Benoist poderia assiná-las: “Não posso especificar tudo, só posso arriscar; não posso colher, mas apenas semear e escapar; não posso sofrer a hora do meio-dia: uma aurora, um pôr do sol, que este seja o meu dia!” Que este seja o meu dia e que esta seja a minha vida: entendemos o que Karl Liebknecht está dizendo. A menos que seja mais revigorante terminar com este poema de Karl Marx (Emoções): “E, acima de tudo, não nos voltemos sobre nós mesmos,/ Curvados sob o vil jugo do medo,/ Pois os sonhos, o desejo e a ação,/ Ainda assim permanecem conosco.

Fonte: Revue Éléments

Imagem padrão
Pierre Le Vigan

Urbanista e historiador francês.

Artigos: 53

Deixar uma resposta