O Império do Bem ou o Império do Mal Menor?

O liberalismo ocidental, em sua fase pós-moderna, avança na direção do niilismo radical. Enquanto isso, nas eleições, o rebanho humano é reiteradamente forçado a escolher entre o “mal menor”, enquanto as coisas que realmente importam vão sendo tocadas para frente por elites invisíveis.

Não há como negar, o falecido Patrick Buisson estava certo. Há algo a ser dito sobre estar em uma minoria ideológica. É assim que aprimoramos nossos argumentos, ouvindo os slogans de nossos oponentes e conhecendo-os. Graças a essa posição incômoda, temos “aversões muito seguras”, para usar a frase de Paul Morand. E Balzac continuou explicando que o infortúnio e o sofrimento criam os melhores observadores de uma sociedade, já que eles a vivenciam e, para escapar de sua opressão, precisam entender seu funcionamento para melhor frustrá-la.

Meu trabalho no setor cultural me proporciona uma rica gama de tolices para analisar, já que o regime diversitário, para citar Bock Côté, tem seus alojamentos há tanto tempo que ninguém pensa em desafiar sua supremacia. O máximo que podemos fazer é contestar algum detalhe considerado excessivo na barragem maciça de propaganda que se tornou parte da vida cotidiana, ou os métodos de censura que fingem não sê-lo ou que se tornaram tão habituais a ponto de serem considerados prática normal.

Uma nova religião

Todas as tendências do esquerdismo estão representadas aqui, desde o marxismo mais arcaico até o wokismo mais delirante, passando pelas variantes da social-democracia, o extremo centro, as cores do espectro da “tirania com braços e rosto de polvo”, para usar a expressão enérgica de Pierre Boutang. O que surge é um tipo de religião que não diz seu nome. A religião woke, dissecada por Braunstein, ou a religião diversitária, de acordo com o sociólogo de Quebec. Todas as profissões de fé liberais e democráticas, com a tolerância pendurada sobre os ombros, não resistem ao escrutínio: estamos diante de seguidores de uma religião que não admite ser tal, e é por isso que eles não são afetados pela argumentação racional ou pelos fatos observacionais mais óbvios. Uma fé pode ofender a realidade e até mesmo ser reforçada por um desprezo superior por ela. Daí nosso espanto quando os ouvimos falar e tentamos apontar as contradições em seu discurso, pensando que o invalidamos com nossas demonstrações na devida forma. Mas logo nos damos conta de que tudo foi um desperdício de saliva. A pregação recomeça com seriedade e as chances para a França podem muito bem queimá-la durante os tumultos, mas ainda são chances para a França. Mas como?

Ninguém sabe, e não se deve perguntar a ninguém, porque isso já seria um crime de pensamento. Uma feminista pode querer abolir o patriarcado e fazer campanha para receber os migrantes que importarão o Islã, uma religião que é patriarcal no mais alto grau. Um marxista defenderá o proletariado, mas detestará os eleitores do Rassemblement National, a maioria dos quais vem desse proletariado. O termo “beauf” (caipira) fez muito para integrar o desprezo de classe ao discurso dos chamados defensores da luta de classes. A lista continua e continua, e você sabe disso tão bem quanto eu.

Exorcistas contra niilistas

Quando lhe perguntaram: “Quem foi o primeiro liberal?” Samuel Johnson respondeu: “Satanás”, e quer você seja religioso ou não, essa resposta vai ao cerne da questão. Philippe Muray disse que nossa época precisava mais de demonologistas do que de sociólogos ou filósofos. Ele usou a expressão “o império do bem” para descrever o mundo sob cujo jugo nos curvamos.

Quanto a Jean-Claude Michéa, ele fala do “império do mal menor” e enfatiza mais a neutralidade axiológica como a pedra angular do liberalismo filosófico. Em resumo, o Estado não tem religião, filosofia ou opinião – todos esses são assuntos para indivíduos na esfera privada. Mas quanto mais se aprofunda, mais se vê os contornos de uma doutrina oficial tomando forma, de salmodia em salmodia, de sermão catódico em sermão catódico. E o protesto de tolerância expresso cem vezes: “cada um pensa como quiser” deve ser complementado por: “desde que ele pense como qualquer um”, em outras palavras, de acordo com os dogmas do indigenismo, decolonialismo, antirracismo, feminismo e toda a parafernália da interseccionalidade das lutas.

O autor de “totalitarismo sem gulag” está mil vezes certo quando se refere aos regimes políticos ocidentais como ideocracias. Ele os contrasta com a besta humana que resiste à arregimentação. Eu aplaudo isso, mas acrescentaria um exército de padres exorcistas e pelo menos o equivalente a um São Domingo. Dostoiévski mostrou em “Os Possuídos” que os liberais do velho estilo, que mantêm um pouco de bom senso, estão fadados a desaparecer em favor dos niilistas radicais. E aqui estamos nós.

Fonte: Éléments

Imagem padrão
Jean Montalte
Artigos: 52

Deixar uma resposta