Por Quê a Índia se colocou a favor de Israel no Conflito do Oriente Médio?

Surpreendentemente para alguns, Narendra Modi assumiu uma posição tendencialmente favorável a Israel no atual conflito com a Palestina, na contramão da maior parte do resto dos BRICS. Por quê?

Em 26 de outubro, as autoridades do Catar condenaram oito cidadãos indianos à morte sob a acusação de espionagem para Israel. De acordo com relatos da mídia, os acusados eram ex-executivos indianos que trabalhavam para uma empresa privada, a Al Dahra Global Technologies and Consultancy Services.

Eles foram presos pelos serviços de segurança do Catar em agosto de 2022, mas a publicação do veredito coincidiu com a escalada na Faixa de Gaza. Isso deu origem a especulações de que o veredicto foi dado por causa da posição pró-israelense da Índia.

De fato, o primeiro-ministro indiano Narendra Modi, quase imediatamente após o ataque do Hamas a Israel, expressou seu apoio a este último, escrevendo em sua conta de mídia social: “Somos solidários com Israel neste momento difícil”. Quatro dias depois, em uma conversa telefônica com Benjamin Natanyahu, ele expressou seu total apoio às ações de Israel.

Ao mesmo tempo, os líderes indianos não pediram um cessar-fogo nem mencionaram a necessidade de um Estado palestino, como fizeram muitos chefes de Estado, inclusive o presidente russo Vladimir Putin.

Mas esse nem sempre foi o caso. Historicamente, a Índia apoiou os palestinos e votou contra a resolução das Nações Unidas para criar Israel em 1947, depois reconheceu a Organização para a Libertação da Palestina como representante do povo palestino em 1974. Como membro do movimento não alinhado, a Índia deu apoio diplomático à OLP, condenando nas Nações Unidas as “violações generalizadas, sistemáticas e flagrantes dos direitos humanos e das liberdades fundamentais” de Israel. Entretanto, com o colapso do sistema mundial bipolar, o país mudou sua posição.

Já em 1950, a Índia reconheceu Israel e autorizou a abertura do consulado do país em Mumbai. Em 1992, Índia e Israel normalizaram suas relações e, ao mesmo tempo, Nova Délhi começou a comprar armas de Tel Aviv pela primeira vez. Depois que o Partido Bharatiya Janata chegou ao poder com Modi à frente em 2014, as relações com Israel começaram a se desenvolver ainda mais rapidamente.

Entretanto, o mesmo paradoxo pode ser observado nas relações com os Estados Unidos: os nacionalistas hindus sempre favoreceram laços mais estreitos com esses países, mesmo quando o Congresso Indiano estava no poder.

Em 2015, Nova Délhi se absteve de votar no Conselho de Direitos Humanos da ONU em um relatório que criticava a guerra de Israel em Gaza em 2014. Foi a primeira vez que a Índia não votou contra Israel no órgão mundial. Em julho de 2017, Modi visitou Tel Aviv, onde foi recebido por Benjamin Natanyahu. E já em 2018, o primeiro-ministro israelense fez uma visita de retorno a Nova Délhi. Desde então, os contatos entre os dois podem ser considerados amigáveis.

No entanto, a abordagem da Índia em relação à Palestina ainda não era a mesma que a demonstrada em 2023. Quando uma nova escalada ocorreu em maio de 2021 e as forças de segurança israelenses recorreram à violência contra os palestinos na mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém, o Hamas e outros grupos dispararam centenas de foguetes contra o território israelense. Em resposta, Israel atacou Gaza, matando cerca de 300 palestinos. A Índia condenou tanto o Hamas quanto Israel.

Vínculos estreitos

Como sugere a Foreign Policy, vários fatores influenciaram os cálculos de Modi. Em primeiro lugar, a Índia enfrentará eleições nacionais no próximo ano. É provável que o Partido Bharatiya Janata já tenha descartado o voto dos muçulmanos, e Modi não está nem um pouco preocupado com o voto deles, já que seu partido defende o nacionalismo hindu.

Em segundo lugar, a Índia há muito tempo enfrenta problemas com ataques terroristas de militantes islâmicos. Portanto, a postura inflexível em relação aos ataques do Hamas também é um sinal tácito para Islamabad, que Nova Délhi acusa de ter ligações com esses militantes. Modi já havia comparado os ataques precisos da Índia a bases de militantes na Caxemira controlada pelo Paquistão com as operações secretas de Israel contra militantes em solo estrangeiro, sugerindo que a proeza militar de Israel era digna de ser imitada.

Deve-se ressaltar aqui que o próprio Paquistão tem sofrido ataques terroristas islâmicos há muitos anos, portanto Islamabad não pode ser inequivocamente acusada de apoiar militantes que realizam ataques terroristas em território indiano. Além disso, além dos islamistas, os naxalitas, defensores da ideologia esquerdista – do marxismo ao maoismo – estão ativos na Índia e têm uma extensa rede de acampamentos em vários estados.

A Índia também pode ter notado o fato de que vários Estados árabes importantes, do Egito à Arábia Saudita, não apoiaram o Hamas. Ao contrário de crises anteriores, esses países haviam normalizado ou estavam em processo de normalização de suas relações com Israel quando o Hamas lançou o ataque atual. A falta de apoio global à Palestina se deve à cautela desses países e à intervenção dos Estados Unidos no conflito. No entanto, ele está crescendo a cada dia, tanto por parte das autoridades quanto da população.

A reação cautelosa de alguns países árabes dá a Nova Délhi alguma margem de manobra diplomática. Especialmente quando se trata de suas crescentes relações comerciais e estratégicas com os países do Conselho de Cooperação do Golfo.

Por fim, a condenação inequívoca do Hamas pela Índia poderia sinalizar aos Estados Unidos sua disposição de apoiar seu aliado fundamental. Essa postura pública poderia acalmar os temores do governo dos EUA sobre a postura hesitante da Índia em relação à Rússia, já que o fato de Modi não ter condenado a condução da Operação Militar Especial na Ucrânia foi uma fonte de frustração em Washington.

Deve-se acrescentar também que, quando Modi era governador de Gujarat, ocorreram vários pogroms de muçulmanos nessa região com a conivência das autoridades. Portanto, é provável que as opiniões de Netanyahu e Modi sobre os muçulmanos, que eles consideram adversários ou até mesmo inimigos, sejam semelhantes e estejam ligadas pela singularidade das duas religiões – hinduísmo e judaísmo. Os especialistas também acreditam que as ideologias do sionismo e do nacionalismo hindu são um tanto semelhantes.

A Índia e Israel também estão ligados por uma estreita cooperação técnico-militar. A Índia tornou-se um dos principais compradores de equipamentos militares e munições israelenses na década de 1990 e, em seguida, começou a comprar veículos aéreos não tripulados, radares e sistemas de defesa antimísseis. A Índia faz compras no valor de vários bilhões de dólares. Israel também concedeu às empresas de tecnologia indianas acesso ao seu mercado. Há também cooperação nas áreas de agricultura e energia. Os serviços de inteligência indianos também usaram o famoso programa de espionagem Pegasus da empresa israelense NSO para espionar a oposição e pessoas suspeitas de terem ligações com extremistas.

Ameaças externas

Embora a posição oficial da Índia seja pró-Israel, o próprio país está dividido. Os palestinos são apoiados não apenas pela população muçulmana da Índia, mas também por cristãos e partidos e políticos de esquerda. O site do maior partido de oposição, o Congresso Nacional Indiano, não contém informações sobre eventos na Palestina, apenas comunicados à imprensa sobre questões políticas internas e críticas ao regime atual.

Em 26 de outubro, a Liga Muçulmana da União Indiana organizou um grande comício em apoio aos palestinos no estado de Kerala; comícios semelhantes foram realizados em Calcutá, onde os sentimentos de esquerda são fortes, e em Bihar.

Enquanto isso, há sinais de que o conflito palestino pode se agravar na dividida Caxemira. De acordo com a mídia indiana, na noite de 26 para 27 de outubro, o Exército Paquistanês bombardeou cinco postos indianos na linha de demarcação na Caxemira. O bombardeio durou oito horas, ferindo um oficial do exército, enquanto os habitantes fugiam de suas casas e se refugiavam em abrigos. A mídia paquistanesa não relatou o incidente, enquanto a mídia indiana observou que disparos semelhantes haviam ocorrido em 17 de outubro.

Anteriormente, os disparos através da Linha de Separação haviam cessado depois que a Índia e o Paquistão negociaram uma declaração de cessar-fogo em fevereiro de 2021. No entanto, de acordo com a polícia indiana, a situação em Jammu e Caxemira continua tensa, com a Índia continuando a acusar o Paquistão de treinar militantes. Sabe-se que várias organizações militantes islâmicas operam no estado.

De qualquer forma, o atual conflito em Gaza será usado pelo Paquistão para chamar a atenção para o problema dos muçulmanos na parte da Caxemira controlada pela Índia e para exigir um referendo sobre autodeterminação de acordo com a resolução da ONU. E, embora a atual questão palestina fortaleça a solidariedade pan-muçulmana, ela pode criar novos desafios para a Índia no futuro.

No entanto, a Índia está tentando aprender uma lição com o conflito atual, que está ocorrendo a milhares de quilômetros de distância. A Bloomberg escreve que o país está montando um sistema de vigilância por drones ao longo de toda a sua fronteira externa para se proteger contra ataques surpresa, como o ataque do Hamas a Israel. De acordo com as fontes da agência, as autoridades do Ministério da Defesa do país já se reuniram com seis fornecedores nacionais de drones de vigilância e reconhecimento, e o pedido deve ser anunciado no próximo mês. O exército espera lançar o sistema em certas partes da fronteira já em maio.

Embora as autoridades indianas acreditem que conseguirão manter sua posição, a polarização em relação a Israel e à Palestina pode prejudicar um pouco os índices de popularidade do Partido Bharatiya Janata. A ênfase do Hindutva no sentimento antimuçulmano e a aparente preferência pela cooperação com Israel e com os EUA também farão com que outros países que adotaram uma postura pró-palestina ou que criticam a hegemonia dos EUA fiquem cautelosos. As opiniões pessoais de Modi são geralmente compreensíveis, mas podem ter consequências negativas para a Índia.

Fonte: Regnum

Imagem padrão
Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Artigos: 49

Deixar uma resposta