Roger Coudroy: O Primeiro Europeu a Cair em Combate pela Causa Palestina

A Questão Palestina e a luta do povo palestino contra a despossessão engendrada pelo sionismo vêm de décadas e não demorou muito para ela se internacionalizar. 20 anos após a Nakba, tombava o primeiro europeu pela causa palestina. Era Roger Coudroy, militante nacionalista revolucionário europeu, que hoje seria chamado de “nazbol”.

Gilles Munier, ativista da Jovem Europa na década de 1960 e, na época, correspondente em Argel do La Nation Européenne, órgão de imprensa da Jovem Europa, escreveu em um artigo em 1969 que Roger Coudroy havia sido “o primeiro europeu a cair no campo de honra na Palestina, na luta contra o imperialismo sionista-americano”. Essa frase foi usada como legenda da fotografia de Roger Coudroy, que ilustrava a declaração de Munier.

Quem foi Roger Coudroy? Belga nascido em 1935, ele era engenheiro e foi criado na França. Nos anos anteriores à sua morte, trabalhou para a Peugeot no Kuwait e no Líbano. Ativista do movimento Jovem Europa, cujo líder era Jean Thiriart, depois envolvido no movimento Fatah (“Conquista” em árabe), co-fundado por Yasser Arafat, Roger Coudroy foi morto em 3 de junho de 1968 pelo Tsahal, o Exército israelense. Sua morte ocorreu durante uma tentativa de incursão de comandos fedayin na Palestina ocupada, uma operação lançada da Jordânia. Apelidado de “As-Saleh” (o Justo, em árabe) por seus companheiros do Fatah, ele foi o primeiro europeu a morrer lutando pela causa palestina.

No ano seguinte à sua morte, uma coletânea de anotações e artigos deixados por ele foi publicada pela Organização para a Libertação da Palestina, com o título Eu Vivi a Resistência Palestina. O livro relata sua participação e suas experiências na luta contra a Entidade Sionista. O livro foi republicado e prefaciado por Claudio Mutti em uma versão em italiano em 2018.

Gilles Munier fundou a Associação Roger-Coudroy em 1973. A memória do mártir caído em combate era regularmente reavivada pelos círculos nacional-revolucionários, incluindo o Partido Nacional-Comunitário fundado por Luc Michel, que reivindicava uma linhagem direta com Jean Thiriart.

Roger Coudroy, em linha com a ideia defendida pelos nacionalistas revolucionários de que qualquer luta pela libertação nacional deveria ser apoiada quando se opusesse ao Inimigo comum, deu sua vida pela causa em que acreditava. Apesar das sucessivas derrotas dos palestinos, Coudroy não parecia ter perdido a fé na vitória deles. De fato, ele escreveu sobre o povo-mártir:

“Eles não têm mais nada. Atualmente, há 1.500.000 deles sem casa e sem recursos e, como finalmente perceberam, sem amigos de verdade. Mas em vinte anos, eles adquiriram uma identidade nacional e a vontade de lutar para preservá-la, e esse é seu bem mais precioso, que ninguém poderá tirar deles”.

Fonte: VoxNR

Imagem padrão
Vincent Téma

Escritor nacionalista revolucionário francês.

Artigos: 48

Deixar uma resposta