Unificar as Três Tradições na Nova Era: A Fusão das Três Tradições Chinesas

O principal esforço empreendido pelos neoconfucionistas chineses tem sido no sentido de construir uma visão unitária da China, ou seja, enfatizar não uma noção de ruptura, mas de continuidade entre a China antiga, a China maoísta e a China contemporânea.

A Coexistência das Três Tradições na China Contemporânea

Atualmente, podemos identificar três tradições na China. Uma delas é a tradição que tomou forma após 25 anos de reforma. Embora não seja uma tradição longa, muitas ideias e termos que surgiram com a reforma e a abertura já estão profundamente impressos na mente das pessoas e entraram na linguagem cotidiana do povo chinês, tornando-se basicamente um tipo de tradição. Essa tradição, em sua maior parte, cresceu a partir do “mercado” e inclui muitos conceitos com os quais todos nós estamos familiarizados hoje, como liberdade e direitos. Outra tradição é aquela que começou com o estabelecimento da República Popular e que tomou forma durante a era de Mao Tsé-Tung. Essa é uma tradição caracterizada especialmente por sua ênfase na igualdade e na justiça. Hoje está claro que, de meados ao final da década de 1990 em diante, a tradição maoista de igualdade tem sido bastante poderosa e, a partir de meados da década de 1990, tem havido muita discussão sobre a era Mao. Dez anos antes, isso teria parecido impossível, mas a tradição maoista de igualdade se tornou uma tradição poderosa na China contemporânea. Por fim, é claro que há também a tradição da civilização chinesa, forjada ao longo de milhares de anos. Isso é o que geralmente chamamos de cultura tradicional chinesa ou cultura confucionista. Muitas vezes é difícil descrever a cultura tradicional chinesa, mas na vida cotidiana do povo chinês ela é basicamente expressa, para simplificar, em termos de relacionamentos interpessoais e laços de localidade. Isso pode ser visto com muita clareza em muitos dramas atuais da televisão chinesa, especialmente aqueles que enfocam a família ou o casamento e o divórcio.

A coexistência dessas três tradições é uma característica extremamente singular da sociedade chinesa, especialmente na China continental. Se fizermos uma comparação com a sociedade de Hong Kong, notaremos que ela tem a primeira tradição (a tradição dos mercados e da liberdade), bem como a terceira tradição (sensibilidade altamente desenvolvida para as relações interpessoais e os laços de lugar), mas não tem a segunda tradição, uma tradição com forte ênfase na “igualdade”. Por esse motivo, mesmo que Hong Kong seja uma sociedade muito desigual, e mesmo que muitas pessoas estejam trabalhando para aliviar essa desigualdade, o problema da desigualdade nunca provocou um conflito ideológico intenso. De outra perspectiva, se fizermos uma comparação com os Estados Unidos, eles têm as duas primeiras tradições, com forte ênfase tanto na liberdade quanto na igualdade – na verdade, poderíamos dizer que a tensão entre essas duas tradições constitui o caráter nacional básico dos Estados Unidos -, mas os Estados Unidos não têm a terceira tradição e, portanto, dão menos atenção às relações interpessoais e aos vínculos emocionais com as localidades e, especialmente, não têm as tradições culturais e a psicologia cultural que estão por trás da terceira tradição da China.

No entanto, em discussões na China contemporânea, observamos com frequência que essas três tradições parecem estar em uma posição de oposição mútua. Algumas pessoas enfatizam particularmente uma tradição enquanto rejeitam as outras. Todos certamente já sentiram que a sociedade chinesa, desde a década de 1990, está repleta de debates, e que esses debates passaram a influenciar até mesmo a vida individual das pessoas. Bons amigos, cujos relacionamentos se estendem por décadas, de repente têm pontos de vista opostos e, quando as divergências se tornam importantes, a amizade é ameaçada, o que deixa todos magoados. Isso se deve ao fato de que, em alguns desses debates mais amplos, especialmente os relativos à era Mao, as diferenças de opinião são muito grandes e os debates facilmente se tornam emocionais.

O tópico da palestra de hoje, “A união das três tradições e o renascimento da civilização chinesa”, baseia-se em uma entrevista publicada no final de 2004 na Revista Relatório Econômico do Século XXI 二十一世纪经济报道. Naquela entrevista, falei em termos prematuros e simplistas sobre minha opinião de que hoje precisamos de uma nova compreensão dos vínculos e das continuidades entre o sucesso da reforma e da abertura e a era Mao, bem como uma nova compreensão do papel fundamental que a história e a civilização tradicionais chinesas desempenharam na China moderna. O ponto principal de minha palestra de hoje é enfatizar que a tradição confucionista, a tradição de Mao Tsé-Tung e a tradição de Deng Xiaoping pertencem a uma continuidade unificada na história e na civilização da China. Para usar os termos da tradição Gongyang 公羊,[1] precisamos “unificar as três tradições” da nova era.

Qual é o “problema da cultura chinesa”?

Parece que a maioria das pessoas hoje em dia pode aceitar prontamente uma visão positiva da cultura tradicional da China ou que, mesmo que haja diferenças de opinião, essas diferenças não levam necessariamente a brigas que ferem os sentimentos das pessoas. Mas isso é algo que evoluiu apenas nos últimos dois ou três anos e, no passado, as discussões sobre a cultura tradicional chinesa geralmente levavam a desentendimentos violentos.

A razão para isso é que, por trás do problema da cultura chinesa, de fato, está o problema da oposição entre a cultura chinesa e a ocidental. O que se diz sobre a cultura chinesa revela o que se pensa sobre a cultura ocidental e, muitas vezes, contém uma comparação oculta entre a China e o Ocidente, o que remete ao debate entre a cultura chinesa e a ocidental, que se estendeu incessantemente por todo o século XX. Na década de 1980, os intelectuais chineses estavam muito preocupados com a chamada “febre cultural”, que na verdade não passava de mais um “debate sobre a cultura chinesa e a ocidental”. O lado bom do debate na década de 1980 foi que ele levou os intelectuais chineses contemporâneos de volta ao problema da tradição chinesa que agonizava os intelectuais chineses desde o final da era Qing. Esse problema foi a “maior mudança em três mil anos”[2], o fato de que, a partir do final da dinastia Qing, toda a civilização chinesa se desintegrou, desmoronou completamente, incluindo não apenas o sistema político e o sistema econômico, mas também as instituições culturais e educacionais, o que significou que, a partir do século XX, os intelectuais chineses, quer estudassem a China ou o Ocidente, invocavam constantemente o Ocidente como sua autoridade. Eles poderiam mencionar Confúcio, mas nunca o citariam como autoridade. Isso parece ter começado a mudar nos últimos anos e, no final de 2004, o Southern Weekend 南方周末 e outros periódicos do continente disseram que 2004 era o ano do retorno da cultura tradicional.

Este ano marca o aniversário de 100 anos da abolição do sistema de exames confucionista. Hoje em dia, as pessoas têm dificuldade em imaginar o que significou a abolição dos exames, o que os intelectuais chineses da época teriam sentido com esse tipo de ataque. A título de comparação, imagine os alunos de Tsinghua de hoje, que passaram do ensino fundamental para o ensino médio, do ensino fundamental para o ensino médio e do ensino médio para a universidade. E se, quando você se formasse, houvesse um anúncio dizendo que tudo o que você havia estudado até aquele momento era inútil, que seus estudos não o ajudariam a encontrar um emprego. O que você pensaria? Você certamente enlouqueceria, e alguns certamente pensariam em pular de um prédio. O choque seria muito grande. Você consegue imaginar esse tipo de ataque? A desintegração da sociedade chinesa naquela época foi completa e abrangente.

Qual era o sistema de exames? Os chineses de hoje estão acostumados a pensar sobre o sistema de exames de forma desdenhosa. Mas, no nível mais simples, o sistema de exames era um mecanismo básico para a reprodução do sistema de elite da sociedade chinesa como um todo. Na China tradicional, em teoria, todos os alunos podiam fazer os exames. É claro que poucos chegavam ao nível superior (jinshi 进士), mas todos os alunos pensavam em fazer os exames e, em um nível subconsciente, eles se identificavam com o pensamento e o estilo de vida das elites tradicionais chinesas. Portanto, mesmo que não se tornasse um jinshi, você ainda fazia parte da elite chinesa. E você poderia continuar tentando ano após ano; no sistema de exames tradicional chinês não havia limite de idade, portanto, você poderia continuar tentando até os 70 ou 80 anos. Às vezes, mesmo que você fosse reprovado, o imperador ficava impressionado com sua idade e lhe concedia um jinshi. Por quê? Para que a elite latente da China sempre tivesse esperança; ele funcionava para manter a reprodução do sistema de elite. Desde seu início no período Sui-Tang, o sistema de exames perdurou por pelo menos 1.300 anos e foi o mecanismo político-cultural mais básico da China tradicional.

A abolição do sistema de exames no final do período Qing significou simplesmente o colapso e a desintegração total do mecanismo político-cultural tradicional chinês. Com o colapso desse mecanismo, a China enfrentou a grande missão de reorganizar sua sociedade. Para uma sociedade como essa, estabelecer um novo conjunto de mecanismos não é uma tarefa fácil. No Ocidente, a transição da tradição para a modernidade exigiu vários séculos, enquanto na China apenas um século ou mais se passou desde o colapso do final da dinastia Qing. Atualmente, ainda estamos vivendo essa transição e devemos ver todo o processo, desde o colapso do final da dinastia Qing até a revolução e a reforma chinesas, como um processo contínuo cujo objetivo é a busca de uma nova continuidade na qual basear a China moderna.

Familiaridade não é conhecimento verdadeiro

O americano Joshua Ramo cunhou recentemente o conceito de “Consenso de Pequim” e argumentou que ele já havia substituído o “Consenso de Washington”.[3] Os detalhes concretos de seu argumento são discutíveis, mas o objetivo de sua iniciativa é nos lembrar que entender a China é extremamente difícil e exige ir além dos clichês populares. Da perspectiva ocidental, o maior problema do século XXI é a China. A China é um problema para o Ocidente, porque o Ocidente já governou o mundo por vários séculos, e o mundo dominado pelo Ocidente criou um certo número de normas e procedimentos. A China de hoje é como alguém que acabou de estragar a festa, o que colocou todo o sistema em alerta. O que deve ser feito? Como será a China no futuro? Ninguém sabe.

Há dois ou três meses, o jornal americano Boston Globe publicou um editorial criticando o Secretário de Defesa dos EUA que, em uma entrevista, fez a seguinte observação muito interessante sobre a China: “Rezamos para que a China entre no mundo civilizado de maneira bem comportada”. O editorial do Boston Globe fez uma ressalva e, no início do artigo, observou que a China tem 3.000 anos de história como nação civilizada, enquanto os Estados Unidos estão estabelecidos há pouco mais de 200 anos. A civilização de que você está falando existe há mais de 3.000 anos e, ainda assim, você trata a China como um país que está além dos limites da civilização e espera que ela entre no mundo civilizado de forma bem-comportada? O editorial aconselhou os americanos a estudarem a história chinesa e observou que a China está revivendo a glória e a grandeza que a caracterizaram no passado. É claro que considero que o editorial do Boston Globe foi muito perspicaz.

Mas o problema é que muitas pessoas na China veem a China da mesma forma que o Secretário de Defesa americano. Nos últimos anos, circularam na China opiniões com as quais não concordo, por exemplo, muitos na mídia dizem que “a China deve entrar na corrente principal da sociedade civilizada internacional”, o que significa que os chineses devem se ver como bárbaros e que precisam se refazer completamente para “entrar na corrente principal da sociedade civilizada”. Por esse motivo, desde a década de 1990, existe um tipo de atitude que acredita que a base da legitimidade da China não deve vir da própria China, mas sim do reconhecimento ocidental. Antigamente, os Estados Unidos eram os Estados Unidos e a China era a China, mas, às vezes, os chineses tomam o partido dos americanos e discutem até ficarem com o rosto azul.

O que causou isso? Acho que é porque um número razoável de chineses acha que a China deve ficar do lado dos Estados Unidos em tudo, que se os Estados Unidos atacarem o Iraque, a China deve naturalmente seguir o exemplo, ou, em termos mais gerais, seu objetivo geral em todas as coisas é fazer o Ocidente feliz e, principalmente, evitar aborrecer os Estados Unidos. Mas acho que houve desenvolvimentos positivos nessa frente nos últimos anos. Em outras palavras, cada vez mais chineses começaram a entender que há muitos casos em que a China não pode satisfazer o Ocidente, não tem como fazê-lo feliz – a menos que queiramos nos render completamente. Por exemplo, de repente, todos os países ocidentais estão falando sobre o problema da moeda chinesa, o Renminbi (RMB). Não sei se o RMB deve ser desvalorizado, mas isso deve ser algo que o povo chinês decida por si mesmo, algo que o povo chinês decida com base em seus próprios interesses. Outro exemplo é que todos falam sobre a OMC e o livre comércio, mas, ao mesmo tempo, os EUA e a Europa usam suas próprias leis para limitar as importações de tecidos chineses.

Compare isso com a China. A China seguiu as regras e, depois de entrar na OMC, fez propaganda interna dizendo às empresas chinesas que elas precisavam estar prontas para enfrentar a concorrência. Mas outros países usam suas próprias leis para impor cotas aos tecidos chineses. Parecíamos pensar que, uma vez que estivéssemos na OMC, essas questões seriam regulamentadas pela OMC e que isso estava completamente fora de nossas mãos. Somente a China era ingênua o suficiente para acreditar que as organizações internacionais eram maiores do que o governo chinês, enquanto todos os americanos sabem que seu governo é maior do que qualquer organização internacional. Quando foi que os EUA prestaram atenção ao direito internacional ou às organizações internacionais?

Há dois tipos de pessoas no Ocidente. Uma delas gosta da China e admite que, se o crescimento econômico chinês atingir um determinado nível até 2020, em 2030 ela poderá ficar atrás apenas dos Estados Unidos. A outra vê a China sempre à beira do colapso, citando várias teorias ocidentais e vários problemas chineses, por exemplo, a noção de que o coeficiente GINI da China está em território perigoso há algum tempo, ou talvez a atual crise de matérias-primas. No entanto, nunca me importo muito se os ocidentais são bem-intencionados ou não; tudo o que importa é a base de seu julgamento.

A complexidade das coisas no momento atual reside no fato de que quase tudo o que se pode dizer sobre a China tem alguma base em fatos. Não devemos pensar que, por sermos chineses, temos uma melhor compreensão da China. Não acho que tenhamos, ou pelo menos eu realmente não acho. Parte disso tem a ver com minha especialidade acadêmica, que é estudar o Ocidente. Quando estava na Universidade de Pequim, estudei filosofia ocidental e, quando estava nos EUA, passei a maior parte do tempo estudando o Ocidente. Enquanto estava lá, sempre tive medo de que alguém me perguntasse sobre a China, porque eu realmente não a entendia. Isso não é falsa modéstia, pois acho que entendo algumas coisas, mas não a China. Olhando para a China da perspectiva ocidental, é realmente difícil entender a China.

Peço a todos que sejam um pouco mais modestos e que não pensem que entendem a China só porque são chineses. É claro que sabemos muitas coisas sobre a China, mas é como o que Hegel disse: “O que é ‘familiarmente conhecido’ não é adequadamente conhecido, precisamente pelo fato de ser familiar.”[4] Por quê? Porque, como você acha que conhece bem o assunto, você não procura saber mais sobre o “porquê” do assunto, o que significa que você realmente não entende.

Com relação à China, eu poderia fazer muitas perguntas que as pessoas na plateia não seriam necessariamente capazes de responder. Por exemplo, no decorrer de 25 anos de reforma e abertura, os resultados chineses foram extraordinários, mas ainda não encontrei uma explicação totalmente satisfatória para isso. Na verdade, do início da década de 1980 até o início da década de 1990, ninguém na academia ocidental aprovou a reforma econômica da China.

O motivo é simples. Eles naturalmente acharam que, se as reformas econômicas na União Soviética e no Leste Europeu não foram bem-sucedidas, por que seriam na China? Especialmente porque a URSS estava à frente da China em termos de industrialização, modernização e educação; sua população agrícola também era menor do que a da China, e os padrões de vida em geral eram mais altos do que os da China. Por exemplo, estudiosos ocidentais descobriram que, em 1978, o nível educacional médio dos chefes ou gerentes de fábrica da China era de nove a onze anos. A nona série é o ensino médio. A décima primeira série ainda é o nível do ensino médio, pois são necessários doze anos para se formar. E na URSS, na época, os gerentes eram uniformemente graduados em faculdades.

E as comparações dos padrões de vida entre a China, a URSS e a Europa Oriental eram ainda menos lisonjeiras para a China. Quando cheguei aos EUA, tinha um amigo da Iugoslávia. Naquela época, as várias regiões da Iugoslávia haviam proclamado sua independência e havia guerra por toda parte. Meu amigo era de Sarajevo e, depois de visitar a China por três ou quatro meses, ele me disse que a China estava crescendo e a Iugoslávia caindo, mas que a China ainda tinha um longo caminho a percorrer para alcançar a Iugoslávia. É fácil imaginar seu senso de superioridade e orgulho. Na década de 1980, a maioria dos lares chineses não tinha telefone, para não falar de carros. No entanto, na URSS e na Europa Oriental, os eletrodomésticos e os carros já faziam parte da vida cotidiana há muito tempo. Do ponto de vista do senso comum, todos os países ocidentais raciocinaram que, como todos eram economias centralmente planejadas, por que as reformas da China funcionariam se as da URSS e do Leste Europeu não funcionaram? Essa é uma maneira muito natural de pensar. No Ocidente, todos pensavam que se as reformas econômicas da União Soviética e do Leste Europeu tivessem sido bem-sucedidas como na China, o colapso subsequente não teria ocorrido. Foi porque as reformas não funcionaram que o colapso foi tão abrangente.

Todos sabemos que as reformas da China começaram em 1978, mas durante toda a década de 1980, as reformas econômicas não foram o principal assunto de preocupação dos intelectuais chineses, que, em vez disso, se concentraram no pensamento e na cultura, incluindo o que foi chamado de “febre cultural” da década de 1980. Sabemos hoje que a economia chinesa cresceu a uma taxa anual de 10% durante a década de 1980, mas nós, que vivíamos na China naquela época, não notamos, não sabíamos, não estávamos cientes disso. Não acho que tenha sido apenas eu, mas sim que nenhum intelectual que viveu a década de 1980 percebeu que a economia havia decolado.

Foi o Ocidente que começou a falar sobre a decolagem chinesa, que foi noticiada pela primeira vez em 1992, provavelmente na primeira página do New York Times em setembro daquele ano, com base em um relatório do Banco Mundial e acompanhada de uma grande foto. Todos nós ficamos surpresos quando vimos isso, porque até aquele momento, todas as discussões sobre a China eram sobre quando ela iria desmoronar. Os acadêmicos ocidentais também disseram que a economia da China não só havia crescido 10% ao ano durante a década de 1980, mas também havia mantido uma alta taxa de crescimento de 1949 até o início da Revolução Cultural, embora durante esse período a maior parte dos ganhos tenha sido reinvestida na economia em vez de ser distribuída ao povo. Todos que ouviram isso pela primeira vez ficaram atônitos, pois parecia que quem vivia na China não a compreendia tão bem quanto os ocidentais

As questões que tentei levantar hoje sugerem que precisamos repensar a China. Talvez nossa compreensão da China esteja apenas no início. Precisamos entendê-la de novo. Isso inclui o motivo pelo qual esses vinte e cinco anos de reforma alcançaram resultados tão bons. Precisamos entender tudo isso de novo. Precisamos de um novo entendimento das conexões e continuidades entre as conquistas da reforma e a era Mao, e do papel fundamental que a história e a civilização tradicionais chinesas desempenharam na China moderna. Hoje, devemos enfatizar que a tradição de Confúcio, a tradição de Mao Tsé-Tung e a tradição de Deng Xiaoping fazem parte do conjunto contínuo da história e da civilização chinesas. Tomando emprestada a linguagem da antiga escola Gongyang da China, elas compõem a “unificação das três tradições” para a nova era.

Em suma, o maior desafio do século XXI é a necessidade de se chegar a um novo entendimento da China, um entendimento que só pode se basear na comparação com outros países. Há um ponto em que espero não ser mal interpretado. Não concordo com aqueles que argumentam que agora podemos ignorar completamente o Ocidente e simplesmente estudar a China a partir de uma perspectiva chinesa. Há muito tempo enfatizo que, para estudar profundamente a China, é preciso primeiro estudar o Ocidente. Isso porque, na realidade, vivemos hoje em um mundo globalizado dominado pelo Ocidente. A influência do Ocidente está em toda parte. Portanto, uma parte muito importante do estudo da China é estudar o Ocidente. Somente quando estudamos profundamente o Ocidente é que podemos desenvolver a capacidade de discriminação.

Antes de mais nada, precisamos entender que, na realidade, no século passado, todos nós usamos as perspectivas ocidentais para analisar a China. O marxismo também é ocidental. Desde o início do século XX, os julgamentos chineses sobre a China são, de fato, julgamentos implícitos do Ocidente. Essas comparações dominaram todas as discussões do século XX sobre a China.

Não há nada inerentemente errado com a comparação. O problema é que muitas pessoas que acham que entendem as coisas se baseiam em premissas não confiáveis. As pessoas que falam longamente sobre como é o Ocidente geralmente sabem pouco sobre ele. Quando tivermos uma compreensão profunda do Ocidente, poderemos ver que muito do que os chineses dizem sobre o Ocidente reflete o fato de que eles não sabem do que estão falando. O Ocidente não é tão superficial. É fácil falar sobre o discurso ideológico ocidental com slogans, como pessoas que defendem a democracia. Isso não requer nenhuma inteligência especial. Mas entender profundamente o Ocidente não é uma questão simples ou fácil. Até mesmo os próprios ocidentais não necessariamente entendem o Ocidente, da mesma forma que argumentei hoje que os chineses não necessariamente entendem a China. Para entender o Ocidente ou entender a China é preciso despender muito esforço.

De fato, não são muitos os chineses que realmente entendem o Ocidente, e muitos conseguem fazer uma bagunça. Mas a verdade é que hoje todo mundo toma o Ocidente como referência, o que é normal. O problema é como fazer isso com precisão. Por exemplo, hoje estamos em 2005. Nosso ponto de referência deve ser o Ocidente em 2005? A reforma de 2003 da Universidade de Pequim deve se basear nos métodos mais novos e recentes da Universidade de Harvard? Esse tipo de “seguir práticas internacionais” desleixado é suspeito. Ele pode facilmente se tornar um ponto de referência ignorante e sem sentido que ignora a história ocidental.

Minha opinião pessoal é que o ponto de referência ocidental mais digno de ser considerado para a China de hoje é a Inglaterra por volta de 1800 ou os Estados Unidos por volta de 1900. Esses dois períodos são mais parecidos com a China de cerca de 2000. Na virada do século XIX, a revolução industrial da Inglaterra produziu uma enorme transformação na estrutura social inglesa. A partir de 1780, houve um enorme crescimento econômico, por um lado, e, por outro, uma grande divergência entre ricos e pobres, juntamente com o agravamento das contradições sociais. Precisamos entender como a Inglaterra, nesse momento decisivo de sua própria transformação moderna, resolveu a acentuada diferenciação social e os conflitos que acompanham o desenvolvimento econômico moderno.

Em seguida, temos os Estados Unidos na virada do século XX. A rigor, após a Guerra Civil, por volta de 1870 a 1930, os Estados Unidos tiveram sua própria transformação moderna. Tanto sua economia quanto sua sociedade passaram por enormes mudanças, experimentando também um crescimento econômico de alta velocidade, bem como uma enorme diferenciação social e conflitos. Todas essas condições se assemelham muito às nossas atuais, incluindo vários movimentos sociais que criticaram violentamente os Novos Ricos dos Estados Unidos. As contradições e os conflitos sociais dessa transformação continuaram até a década de 1930, quando o New Deal de Roosevelt criou uma nova ordem social e política. O New Deal era algo que a maioria das pessoas de várias partes da sociedade podia aceitar, um produto de compromisso e, mesmo que algumas pessoas continuassem insatisfeitas, o New Deal estabeleceu um consenso social básico.

Muitas das práticas empregadas pela Inglaterra e pelos Estados Unidos no momento decisivo de sua própria transformação moderna são pontos de referência dignos para nós. Somente quando nosso entendimento e nossa referência ao Ocidente partirem de nossas próprias perguntas é que poderemos saber quais aspectos nos beneficiarão. Por esse motivo, não devemos ver o estudo da China e o estudo do Ocidente como opostos um ao outro. Em vez disso, devemos estudar o Ocidente de forma mais profunda e mais ampla. Devemos estudar o Ocidente em grande escala e estudar profundamente toda a história do Ocidente porque, de qualquer forma, o Ocidente nos influencia em muitas áreas, influencia nosso pensamento. Somente quando tivermos treinado um grande número de pessoas que realmente compreendam profundamente o Ocidente é que poderemos superar a falsa compreensão de muitos dos chamados especialistas. É por isso que é tão importante para o estudo da China estudar profundamente o Ocidente.

Notas

[1] O Gongyang, ou Gongyangzhuan 公羊传, é um comentário sobre os Anais da Primavera e do Outono, uma obra classicamente atribuída a Confúcio, na qual Confúcio aparece como um reformador visionário. No decorrer da longa história da China, o texto foi usado por confucionistas, como Kang Youwei e o neoconfucionista contemporâneo Jiang Qing 蒋庆, da China Continental, dedicado a mudanças políticas profundas.
[2] Uma observação atribuída ao estadista chinês do século XIX Li Hongzhang 李鸿章 (1823-1901), que é frequentemente citada para sugerir a magnitude das mudanças que a China enfrentou na era moderna.
[3] Sobre Ramo e o consenso de Pequim, ver Shaun Breslin, “The ‘China Model and the Global Crisis’: From Friedrich List to a Chinese Mode of Governance,” International Affairs 87.6 (2011). 1323-43.
[4] Do prefácio de Hegel à sua Fenomenologia da Mente. Ver https://www.marxists.org/reference/archive/hegel/works/ph/phprefac.htm.

Fonte: Reading the China Dream

Imagem padrão
Gan Yang

Filósofo neoconfucionista.

Artigos: 52

Deixar uma resposta