Os Capitalistas Ocidentais tentam desmontar a globalização para deter a China

Nos anos 70 e 80, o Ocidente atlantista apostou em colocar URSS e China em lados opostos. Com a chegada da unipolaridade, o globalismo apostou em usar a China como peça passiva no jogo da construção de uma Aldeia Global plenamente integrada. Agora que se percebeu que a China possui o próprio projeto de multipolaridade, as elites ocidentais tentam desesperadamente se desvincular do Dragão chinês.

“Não faz muito tempo, a oposição à globalização era uma reserva dos radicais e populistas”, diz Thomas Fazi, que passou grande parte de sua juventude em revoltas (literalmente) contra o capitalismo global como parte do movimento antiglobalização do final dos anos 90 e início dos anos 2000.

No entanto, o movimento ativista não conseguiu alcançar vitórias políticas significativas no Ocidente. Ela exigia a autodeterminação dos povos em países distantes, mas não abordava seriamente a questão da soberania nacional e do poder político, por exemplo, nas pátrias europeias dos ativistas.

No entanto, Fazi, que se identificava como socialista, e seus semelhantes, curiosamente tratados hoje como ativista de “extrema-direita” pelos fãs do capitalismo ocidental, estavam certos ao dizer que a globalização liderada pelas empresas teve consequências desastrosas.

Durante décadas, as políticas econômicas foram adaptadas aos interesses das grandes empresas e uma pequena elite cosmopolita foi capaz de acumular enorme riqueza e poder para si mesma. Este arranjo empobreceu o povo trabalhador e destruiu a capacidade industrial, os serviços públicos, a infraestrutura e as comunidades locais. O Ocidente também tem se tornado cada vez mais dependente de fornecedores estrangeiros para tudo, desde energia até alimentos e remédios.

Esta “hiperglobalização” tem sido não apenas um projeto econômico, mas também um projeto político. Não se trata apenas da centralização do poder nas mãos de executivos e banqueiros de empresas, mas também da despossessão do povo: prerrogativas nacionais foram entregues a instituições internacionais e supranacionais e burocracias supraestatais como a Organização Mundial do Comércio e a União Europeia.

Estas instituições desacoplaram completamente o capital da democracia nacional. O resultado final é mais parecido com uma plutocracia e corporatocracia, onde o poder supremo é detido pelas grandes empresas e pelos bancos. Os partidos já quase não se distinguem, de modo que as escolhas políticas neste jogo cínico são reduzidas a pequenas nuances e mudanças cosméticas que não têm impacto sobre as linhas principais.

Embora a política atual ainda seja ostensivamente conduzida a nível de Estados-nações, a economia nos últimos quarenta anos se tornou um assunto cada vez mais transnacional, com suas regras manipuladas ditadas por uma classe tecnocrática global que tem mais em comum entre si do que com a maioria dos cidadãos em seus próprios países.

Desde então, o mesmo grupo de empresários e capitalistas tem se tornado cético quanto ao futuro. Hoje, os mesmos capitalistas extremos proclamam o início de uma nova era de “localismo” e até mesmo a “morte da globalização”.

Citando os problemas da era C, tanto nos EUA como na UE, há agora uma preocupação com a segurança do abastecimento e se pede uma “reorganização das cadeias de abastecimento para sejam mais locais”. De repente, a globalização é uma ameaça à “segurança nacional”.

Os conflitos geopolíticos aumentaram a urgência da desglobalização. A Ucrânia dividiu o mundo segundo linhas geopolíticas e, ao mesmo tempo, a rivalidade entre os EUA e a China se intensificou. Em novembro, Biden lançou uma guerra econômica em larga escala contra a China, impondo restrições à exportação.

Por que a classe capitalista global está agora se esforçando para se afastar da globalização que ela construiu ao longo das décadas? Embora a tendência de “desglobalização” e “localização” possa ser potencialmente positiva, segundo Fazi, ela não é motivada por um desejo de criar sociedades e economias mais justas e autossuficientes que sirvam à política interna e ao bem-estar humano. O drama atual é motivado pelo desejo do poder financeiro ocidental de esmagar uma China rival.

Além dos gigantes ocidentais, o outro grande vencedor da globalização tem sido a China. Da perspectiva do Ocidente, a globalização se baseava no pressuposto de que a China aceitaria seu papel de “fábrica mundial” na divisão global do trabalho. Os capitalistas esperavam que a China produzisse mão-de-obra barata para as multinacionais, produzisse bens e eventualmente adotasse o liberalismo econômico ocidental e um modelo de democracia subordinado a forças externas.

A elite do Partido Comunista, há muito tempo muito justamente desconfiada dos excessos do capitalismo financeiro ao estilo americano, recusou-se a seguir o papel na ordem mundial a ela atribuído pela raça mestra da globalização liderada pelo Ocidente. Enquanto isso, o Partido Comunista estava implementando seus próprios planos, avançando na cadeia de valor global.

A ascensão da China e seu impacto sobre a competitividade e a posição da economia dos EUA foi motivo de preocupação há alguns anos. “Um ‘pivô para a Ásia’ já havia sido previsto antes, mas sob o Presidente Donald Trump, Washington tornou-se cada vez mais evidente em sua guerra comercial com Pequim. A administração Biden continua a seguir a liderança de Trump na China na competição pelo poder político e econômico. Um confronto militar não pode ser descartado.

Enquanto a “desglobalização” atualmente comercializada poderia, na melhor das hipóteses, reparar estruturas econômicas, trazer a fabricação de volta para casa e reduzir a dependência das importações, esta não é, segundo Fazi, a razão pela qual os poderes que estão sendo comercializados mudaram de ideia. Eles veem o projeto antiglobalização como uma nova forma de construção do império para manter a hegemonia e deter a ascensão da China.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Markku Siira

Escritor

Artigos: 48

Deixar uma resposta