Proibido dizer “negro” ou “abortar”: A Paranoia Progressista reescreve o Vocabulário na Universidade de Stanford

Alheia ao mundo, a esquerda progressista acadêmica segue fazendo estrago nos EUA, conforme ela tenta reescrever a história e o vocabulário. Em breve veremos no Brasil coisas semelhantes.

As notícias da frente do politicamente correto e de sua pátria, os EUA, estão em constante evolução. Todos os dias, ou melhor, a cada hora, há algo novo a contar e um novo aviso a obedecer: a última história, por ordem de chegada, vem da Universidade de Stanford, localizada na Califórnia ultracorreta e hiperprogressista, uma universidade também famosa pela famosa experiência de 1971 do psicólogo Phil Zambardo, na qual o filme O Efeito Lúcifer foi baseado.

O vocabulário está sendo reescrito em Stanford

A universidade publicou uma verdadeira lista de palavras consideradas linguagem nociva, com o objetivo de eliminar seu uso do website da universidade e de seus dispositivos de TI. As palavras proibidas serão substituídas por outras que sejam consideradas mais adequadas e menos ofensivas. Entre os termos que serão proibidos está “americano”, que será substituído por “cidadão dos EUA” para não ofender os habitantes das outras nações do continente americano, renunciando assim à soberania implícita no termo “americano”.

Abortar a palavra aborto

Mesmo “abortar”, entendido como um verbo, deve ser substituído por “cancelar” ou “terminar” para não aumentar as tensões relacionadas com a questão que está inflamando os EUA. O mesmo vale para “prostituta infantil” a ser substituída por “criança que foi traficada” e “mulher branca exigente ou privilegiada” a ser usada em vez de “karen”, um termo que se tornou famoso recentemente para indicar mulheres de meia idade convencidas de que podem moralizar seus vizinhos. Um fenômeno que explodiu nos últimos dois anos, onde dezenas de vídeos imortalizam senhoras histéricas, geralmente usando duas máscaras ao mesmo tempo, repreendendo aquelas que não são suficientemente obsequiosas aos padrões higiênicos.

A seção de gênero sempre presente

Como afirma a Fox News, na seção de gênero, o índice diz que devem ser usados “pronomes” em vez de “pronomes preferidos” porque “preferido” indicaria que “identidade de gênero não binária é uma escolha e uma preferência”. A seção sobre racismo institucionalizado, ou seja, racismo sistêmico, eliminará o uso de “chapéu preto”, “marca negra” e “ovelha negra” por causa da “conotação negativa relacionada à cor negra”. O termo “imigrante” também deve ser substituído por “uma pessoa que imigrou”.

Lista interminável

A lista prossegue também com a intervenção sobre vagas de estacionamento para deficientes, “estacionamento para deficientes”, que a partir de agora deverá ser chamado de “estacionamento acessível”, e nem mesmo a morte, ou melhor, o suicídio, é deixado em paz: o gesto trágico não pode mais ser chamado de “se suicidou”, mas sim de “morte por suicídio”, uma diferenciação paranoica que lembra tanto o embate épico sobre as mortes “por” ou “com” Covid.

Também a partir de Stanford

A lista continua com outras indicações de apropriação cultural, violência e muito mais, um processo constantemente obcecado com o culto de algumas minorias específicas e sempre subordinado à expansão do mantra do Politicamente Correto. Seria ingênuo iludir-se que tudo isso permanece dentro do perímetro do campus universitário; de fato, é precisamente graças à penetração lúcida dentro das academias onde se forma o pensamento da classe dominante, que nos encontramos cercados por um manto (citando Veneziani) que parece cada vez mais sufocante.

Fonte: Il Primato Nazionale

Imagem padrão
Valerio Savioli

Jornalista e escritor italiano

Artigos: 24

Deixar uma resposta