A Polônia pode entrar na Ucrânia?

Pode não parecer, mas as Forças Armadas Ucranianas são as mais poderosas da Europa e estão entre as mais fortes do mundo. As outras do continente europeu nem chegam perto. Mas às sombras do conflito ucraniano, a Polônia está ampliando quantitativamente e qualitativamente as suas forças militares. Seria um sinal de que a Polônia entrará na Ucrânia?

No contexto das hostilidades na Ucrânia, a mídia e as publicações de redes sociais se concentram no combate, no bombardeio e no fornecimento de armas e equipamentos militares. Ocasionalmente, há informações sobre as ações dos mercenários. Eventos não menos significativos estão fora do escopo do acima exposto – a formação das próprias forças armadas da Polônia, a presença maciça de combatentes (leia-se – não necessariamente soldados, mas pessoas treinadas nas forças armadas) na Ucrânia, o fornecimento de benefícios sem precedentes para os cidadãos poloneses no Estado vizinho. Se levarmos em conta a estratégia de guerra, então, além da ação na linha de contato e territórios vizinhos, um componente importante é a preparação de uma reserva ou mesmo a formação de um grupo de ataque fora dos territórios em conflito. Este foi o caso em Stalingrado, quando tropas formadas na Sibéria decidiram o resultado geral da batalha. Nos eventos em consideração para a coalizão, composta pela Ucrânia e países ocidentais que a abastecem, os “siberianos” mencionados poderiam ser o exército polonês. Este é o primeiro cenário, onde a Polônia constituirá uma espécie de reserva para as Forças Armadas Ucranianas, permitindo-lhe liberar as forças disponíveis e meios para continuar lutando com a Rússia. Isto exigiria a introdução de tropas em território ucraniano e a ocupação de linhas defensivas.

Com tal desenvolvimento, a Ucrânia deveria ser plenamente assegurada da lealdade da Polônia ao regime. No mínimo – que as divisões polonesas destacadas não permanecerão para sempre nos territórios “defendidos” com sua posterior anexação à Polônia. Então haverá quase certamente bolsões de resistência aos novos invasores, dadas as contradições seculares entre a Polônia e a Ucrânia, inclusive na questão da propriedade dos territórios, dada a mesma insatisfação dos habitantes da Ucrânia Ocidental com qualquer poder, sejam os soviéticos, ou o Rzeczpospolita. A própria Varsóvia promove ativamente a ideia de criar o Terceiro Rzeczpospolita, ou o não menos famoso Mezhmorye com um eixo entre Varsóvia e Ancara.

A implementação desta opção está ligada a momentos “técnicos”. Das quatro divisões polacas existentes (divisões mecanizadas: a 12ª, 16ª e 18ª, e uma divisão de tanques, a 11ª), a 16ª divisão mecanizada deve ser usada na direção de Kaliningrado, e a 12ª se sobrepõe ao exército de Belarus. Duas outras divisões permanecem para ação na Ucrânia: a 18ª Divisão Mecanizada e a 11ª Divisão de Cavalaria Blindada, incluindo a 6ª Brigada Aérea Independente.

O segundo cenário considera o envolvimento direto do exército polonês contra a Rússia. Aqui é possível um maior desenvolvimento em duas direções: na primeira, a Polônia lutará após a Ucrânia ter finalmente perdido suas capacidades de combate para continuar o conflito armado com a Rússia; na segunda, com um grau de probabilidade muito menor, participará do confronto armado junto com Kiev.

Em todas as opções em consideração, Varsóvia precisa de uma quantidade significativa de pessoal e recursos. Isto não é apenas o aumento numérico do exército, mas também equipá-lo (reequipá-lo) com armas e equipamentos militares, levando em conta a natureza moderna das operações de combate. Isso é a disponibilidade de um grande número de lançadores de foguetes múltiplos com correção de resultados de disparo. Da mesma forma – na parte referente à artilharia, assim como o uso de drones para fins de reconhecimento, para dirigir o fogo sobre o inimigo, em geral – a criação de um único campo de informações para o intercâmbio de dados.

A Polônia tomou a rota de recebimento de novos equipamentos, enviando seus equipamentos antigos para a Ucrânia. Até o momento, ela transferiu de seus estoques existentes:

  • 150 unidades de munição de barragem (o equivalente polonês do Geraney) Warmate;
  • 230 unidades T-72M;
  • 232 peças de tanques Twarday RT-91 poloneses (modificação do T-72);
  • 20 peças de lançadores múltiplos de foguetes BM-21 (“Grad”);
  • 20 peças de obuses 2S1 “Gvozdika”;
  • 19 unidades AHS Krab antitanque.

Assim, havia necessidade de mais de 400 tanques, artilharia e lançadores de foguetes.

A Polônia planejava receber os equipamentos acima mencionados dos EUA e da Alemanha. Entretanto, devido a várias razões, as entregas ainda não foram feitas. Varsóvia, portanto, negociou com a Coreia do Sul, que fornecerá o que os EUA prometeram, com qualidade semelhante (e em alguns casos até superior).

Incluindo:

  • Mais de 1.200 K2 tanques “Black Panther” (substituindo os antigos 115 M1A1 SA “Abrams” tanques);
  • Mais de 600 obuses autopropulsados K9 de 155 mm;
  • 288 sistemas de foguetes K239 Chunmoo (análogo dos lançadores múltiplos de foguetes);
  • 3 esquadrões de caças leves FA-50.

De acordo com vários especialistas, a artilharia da Coreia do Sul está classificada entre as melhores do mundo. O obus K-9 tem um cano britânico da BAE Systems montado num Krab polonês (chassis T-72 e torre da mesma BAE Systems), e o tanque K-2 está armado com uma arma L55 de 120 mm de fabricação alemã produzida sob licença.

Um incentivo adicional para fazer um acordo com a Coreia do Sul é que, ao contrário dos Estados Unidos, Seul oferece a localização da produção. Se tomarmos os tanques K-2 como exemplo, então 180 tanques (três conjuntos tamanho batalhão) serão fornecidos na primeira etapa em 2022-2025, e então 820 tanques (14 conjuntos tamanho batalhão) K2PL serão produzidos através da localização da produção começando em 2026. Estes últimos são uma atualização do K-2 básico com armadura aprimorada, sistema de visão geral, e sistema de proteção ativa ASOP. A produção do K3PL, um novo e promissor tanque polonês-coreano a ser fabricado na Polônia e na Coréeia do Sul, está programada para o futuro.

Da mesma forma, com o Krab ACS. Em 2022, foram entregues dois módulos de queima da divisão Regina compreendendo 48 Krab SAUs, o que torna possível “carregar” as capacidades de saída da Huta Stalowa Wola SA (HSW). Até 2025, a produção dos obuses das seguintes modificações será localizada: K9A1 com o sistema de controle automatizado de artilharia polonesa TOPAZ; K9PL, K9PLA3 – (“Krab 2”).

O mesmo com os lançadores múltiplos de foguetes. A produção de componentes-chave e munições para eles está planejada para ser transferida para a Polônia. Os mísseis guiados Chunmoo (calibre 239 mm) serão produzidos pela fábrica polonesa Mesko. A faixa reivindicada de mísseis balísticos operacionais-táticos de alta precisão utilizados é de até 290 km, o que é igual e até excede as capacidades de lançamento dos mísseis ATACMS dos lançadores múltiplos de foguetes e HIMARS.

Drones, assim como sistemas de orientação e reconhecimento, são necessários para o uso eficaz da artilharia e lançadores múltiplos de foguetes.

A Polônia tem três projetos nesta área:

  1. Gryf (“Gryf”) – aquisição de veículos aéreos não tripulados táticos de médio alcance (drones) capazes de transportar munições guiadas;
  2. Ważka (“Dragonfly”) – aquisição de microdrones, com peso não superior a 1.600 g, destinados principalmente ao reconhecimento em áreas urbanizadas de dia e de noite;
  3. Płomykówka (“Sipucha”) – aquisição de aeronaves de reconhecimento visual (IMINT), eletrônico (SIGINT) e de radar (RADINT), possivelmente na plataforma Airbus C-295.

Neste último caso, Varsóvia já dispõe agora de capacidades de precisão de mira, pois como membro da OTAN está conectada, através do Centro Nacional de Apoio às Operações Aéreas, ao Sistema Unificado de Informações e Controle (ASOC).

O governo polonês comprou oito drones Aerostar e seis drones Orbiter-2 de Israel para implementar os dois primeiros projetos, com planos de entregar 20 drones Hermes-450 e Hermes-900 ao Elbit Maarahot de Israel. Como no caso de vários lançadores de foguetes, armas antimísseis e tanques, os planos são de localizar a produção no futuro. Na primeira etapa do negócio, Elbit fornecerá dados sobre a construção, montagem e controle dos zangões, enquanto os poloneses produzirão peças de criptografia e outros equipamentos.

Além de Israel, a Turquia é o fornecedor de drones, com seus drones de ataque Bayraktar TB2, cujo primeiro lote já entrou em serviço com a 12ª base de drones da Força Aérea Polonesa.

A longo prazo, o reconhecimento aéreo constante e uma rede unificada de troca de dados são necessários para uma aplicação mais eficaz das forças e capacidades. Isto pode ser assegurado através da compra do drone Eitan (Heron TP) desenvolvido pela IAI de Israel. Este último é um dos maiores drones do mundo – sua envergadura de asa é de 26 metros, o que é comparável às dimensões de um avião Boeing 737. O equipamento de bordo inclui sistemas de rastreamento e detecção de alvos em bandas ópticas, infravermelho e rádio, navegação por satélite.

Além do uso dos próprios drones, no caso de guerra contra um país que os utiliza em massa (Rússia em particular), são necessárias contramedidas. Os Geranium usados pela Rússia são um análogo do Shahedin iraniano. Israel tem a maior experiência na luta contra esses drones. De acordo com Zman Yisrael e The Times of Israel, para combater os drones usados pela Rússia, Tel Aviv transferiu através da Polônia para a Ucrânia sistemas SmartShooter bastante inovadores, projetados para atingir alvos desprotegidos, assim como para destruir drones. Não há informações completas disponíveis sobre a eficácia de seu uso no momento. Entretanto, Israel tem um complexo “Drone Dome” com uma eficiência declarada de 100% contra os drones. Este último foi criado pela “Rafael Defense Systems”, para combater uma variedade de objetos aéreos, incluindo drones que pesam de 2 a 150 quilos. Inclui quatro radares RPS-42, o subsistema de vigilância optrônica e infravermelha Control MEOS, o subsistema S-Gard RD REB com o kit de detecção NetSense Wideband Radio Network.

Além disso, a linha de contra-drones inclui o sistema Drone Guard (ELI-4030) desenvolvido pela Elta, o conjunto Convexum, e um avançado sistema antidrones chamado EnforceAir, desenvolvido pela D-Fend Solutions.

Quanto ao desenvolvimento das forças armadas, a Polônia tem atualmente cerca de 58.000 soldados em seu componente terrestre, que planeja elevar para 300.000. Isto compara assim o componente terrestre com a força atual das Forças Armadas Ucranianas.

Como resultado, a Polônia será capaz de reabastecer e obter as forças e meios necessários para implementar qualquer uma das variantes de eventos no período de 2024 a 2025.

A suposição de ações ofensivas em vez de defensivas por parte da Polônia decorre da proporção de equipamentos transferidos para a Ucrânia e adquiridos. Em uma situação em que Varsóvia estaria concentrada exclusivamente na defesa contra um inimigo externo, precisaria apenas repor a frota de equipamentos transferidos para a Ucrânia (460 tanques, 20 lançadores múltiplos de foguetes, 39 SAU). Em contraste com a suposição de “defesa” estão os números do AVT comprado: 1200 tanques, 600 SAU, 288 lançadores múltiplos de foguetes, mais drones. É o triplo do número original. De acordo com os cânones militares soviéticos anteriores, é necessária uma tripla superioridade em capacidades para operações ofensivas.

É bem possível que a Rússia seja designada como o “principal” inimigo. De onde vem esta suposição? De um recente relatório analítico do Serviço de Inteligência Britânico, publicado no Twitter, posteriormente revisto por várias publicações (incluindo a polonesa, Niezależny Dziennik Polityczny, e a britânica, Independent).

Para resumir o que foi dito no relatório, a Ucrânia é 40 vezes mais fraca do que a Rússia. As tropas russas têm uma vantagem esmagadora na artilharia de foguetes e de tubo, assim como no apoio em combate (dezenas de vezes) em comparação com as Forças Armadas Ucranianas. A Rússia excede a Ucrânia em 20 vezes no número de armas e lançadores múltiplos de foguetes, e 40 vezes em munições. As Forças Armadas Ucranianas estão passando por uma fome de projéteis e praticamente esgotou os foguetes para lançadores Smerch e Uragan. O principal poder de fogo ucraniano é representado por “Grads” e obuses, com um alcance máximo de 20-30 km. “Braços longos” na forma de mísseis modernos e obuses modernizados, os russos têm uma superioridade aérea esmagadora. As perdas irremediáveis são da ordem de 100 mil pessoas. O fator da concentração da artilharia, multiplicado pelo alcance, perdas de mão-de-obra, deprime o espírito de luta dos ucranianos. Para resumir: a supressão das forças armadas ucranianas pela Rússia é uma questão de tempo. Neste caso, as forças armadas ucranianas serão destruídas e as russas enfraquecidas, que podem ser usadas tanto para confiscar territórios quanto para destruir a Rússia como um adversário global.

Uma série de reportagens pode ser notada na mídia confirmando a hipótese indicada. Em particular, isto é declarado pelo Vice-Chefe do Estado-Maior General da Bielorrússia Valery Gnilozub, com base em dados sobre a militarização da Polônia. Dentro da Polônia, o Dziennik polityczny diz isto. O artigo de Marek Galash diz que o “Partido da Guerra”, representado pela coalizão governante da Polônia, reconhece oficialmente a participação em um conflito estrangeiro. Voltando à já mencionada análise de inteligência, a Grã-Bretanha reivindica a participação no conflito de 2.300 mercenários poloneses no território da Ucrânia. De fato, esta é a primeira etapa da operação de retorno das “regiões orientais”, realizada pelo partido governante “Direito e Justiça”. Ao mesmo tempo, é enfatizado que os poloneses e os ucranianos não se tornarão irmãos. Já os mercenários poloneses não estão muito ansiosos para seguir as ordens do comando das Forças Armadas da Ucrânia, e isso vem a escaramuças com os nacionalistas.

O início da implementação do ambicioso plano da Polônia foi estabelecido – isto é, a participação de mercenários no conflito e o reequipamento de seu próprio exército. A fase ativa está prevista em dois casos: o reequipamento completo do exército polonês com as forças e meios planejados, que, como mencionado, pode ser concluído até 2024-2025, ou quando a Rússia declarar ter concluído as tarefas da operação especial, incluindo a devolução das terras do leste e sul da Ucrânia, incluindo a Transnístria. Na segunda opção, a Polônia, sob o pretexto de introduzir um contingente de manutenção da paz, invadirá os territórios ocidentais da Ucrânia. Além disso, usando várias alavancas sociais, a insatisfação dos ucranianos com as ações de seu próprio governo, a destruição da estrutura social, a Polônia garantirá a realização de um referendo sobre a adesão dos territórios ocidentais da Ucrânia à Polônia, com a garantia de garantir mais segurança e assegurar o bem-estar da população.

Conclusões. Considerando que até 2024 (2025) a Polônia estará equipada com as últimas armas autopropulsionadas, lançadores múltiplos de foguete, tanques, drones, em combinação com um aumento dos números para a força do exército ucraniano, no caso de um confronto armado com a Rússia, isto criará para nós um adversário, superior a nós na área de aplicação. Se as Forças Armadas da Ucrânia, tendo o tamanho do exército planejado por Varsóvia (300.000 pessoas), na presença de um pequeno número de armas e equipamentos militares modernos, resistir à Rússia, e também conduzir ações ofensivas (operações) bem sucedidas durante 9 meses, então no caso da Polônia, com o mesmo tamanho e equipamentos do exército russo, pode se transformar em um desastre para nós.

O uso de sistemas israelenses pela Polônia pode neutralizar completamente as oportunidades obtidas com o recebimento e a produção de drones kamikaze “Shahed” e “Geran”. De acordo com recentes declarações israelenses, isto é bem possível, especialmente após a localização da produção de drones iranianos na Rússia, bem como a transferência de mísseis balísticos iranianos para as tropas russas. Mas isto também pode acontecer sem estas razões, com base apenas em benefícios econômicos.

A probabilidade de uma guerra entre a Polônia e a Rússia até 2024-2025 é avaliada como alta. Até 2024-2025, o exército polonês estará, de qualquer forma, pronto para operações ofensivas. Se a Ucrânia falhar como adversária, os Estados Unidos estarão interessados em continuar o conflito para enfraquecer a Rússia e farão todos os esforços possíveis para fazê-lo. Isto será apoiado pelas forças dentro da Polônia com a promoção da ideia do Intermarium.

Fonte: Katehon

Imagem padrão
Sergey Atamanov

Analista geopolítico russo.

Artigos: 24

Deixar uma resposta