Respirar antes de Lutar: Systema, uma Arte Marcial Redescoberta

Não são apenas as artes marciais orientais que possuem raízes no pensamento tradicional. Systema, a arte marcial russa, é a reconstrução das técnicas de luta da antiga aristocracia eslava, contando também com uma profunda base espiritual cristã ortodoxa.

O bogatyr é um guerreiro. Ele é o cavaleiro errante do mundo eslavo. De sua coragem e força sobre-humana cantam os contos e poemas da tradição, chamados byliny, ainda transmitidos oralmente ao redor do fogão em algumas aldeias nas fronteiras boreais. Não tão popular a ponto de ser desprezado pela intelligentsia artística moderna, Viktor Vasnecov se inspirou neles para sua pintura homônima em Os Bogatyrs, e Aleksandr Pushkin tratou deles no conto de fadas A Zarevna Morta e os Sete Heróis. O bogatyr luta contra dragões, cobras, bruxas e inimigos de todos os tipos, em defesa da comunidade e da terra. Suas habilidades se baseiam em técnicas de combate precisas que, já por volta do século VI-VII, fizeram os historiadores Procópio de Cesaréia, do lado bizantino, e Jordano, do lado gótico, verem os eslavos como excelentes combatentes. Assim como nosso paladino Orlando lutou heroicamente contra o infiel, os bogatyrs medievais foram baluartes contra os quais as incursões dos pechenegues, tártarps, cumanos e outros povos das estepes se quebravam na época do grande Estado unificado da Rússia de Kiev. Homens de armas em ação desde o século IX e reunidos, em seu maior período de glória, na corte do Grande Príncipe Vladimir I.

Systema, uma arte marcial que não teve origem em escolas orientais

De personagens da vida real como Orlando, neto de Carlos Magno, eles assumiram, no epos, os traços lendários com os quais permanecem imortalizados. Aleša Popovič, Dobrynja Nikitič, Ilya Muromets, os três mais conhecidos: astuto o primeiro, cavalheiro o segundo, forte o terceiro. A figura deste último assemelhar-se-ia até mesmo à do venerado santo monge Elias enterrado nas masmorras do Mosteiro da Gruta de Kiev. Afinal, durante os séculos do início da Idade Média, era bastante comum seja entre os aristocratas europeus (condes, marqueses, duques, barões, até imperadores), seja entre os bogatyrs eslavos passarem os últimos anos de suas vidas em meditação monástica, vestindo um hábito. E é neste contexto preciso que se perpetuou o conhecimento do método de luta conhecido como Systema (Система, em russo), a única arte marcial antiga, ainda em uso, que não se origina de escolas ou filosofias orientais. Uma predileção totalmente russa, aquela de combate corpo a corpo, que no final do século XVIII fez o Príncipe Suvorov – que lutou contra os franceses que tinham vindo exportar a Revolução para a Itália – dizer: “A bala é uma velha tola que não sabe o que fazer, a baioneta é uma jovem sábia em todo o seu vigor!”

“Ateus, nas trincheiras, não há nenhum”

Há dois padrinhos modernos do Systema: Mikhail Ryabko e Vladimir Vasiliev, que, após o colapso da URSS, permitiram a disseminação global desse conhecimento prático indispensável ao homem de séculos passados. Os plebeus aprendiam a lutar diretamente nos campos e, com danças e jogos em festas populares, mantiveram-no vivo; os nobres tinham um conhecimento mais metódico sobre ele, o mesmo que permitiu que algumas famílias sortudas de sangue azul, como os Golitsins de Moscou, saíssem incólumes do Outubro Vermelho, como instrutores das elites militares precursoras dos Spetsnaz. Na prática, o que estamos falando se traduz na ausência total de movimentos ou estratégias pré-estabelecidas, na não resistência ao ataque do atacante (semelhante ao Aikidō), e na calma seráfica daqueles que praticam o hesicasmo, uma oração muito antiga ao ritmo do batimento cardíaco. Portanto, se os monges ocidentais do ora et labora nos deixaram a memória filosófico-literária grecorromana como um presente, os orientais fizeram o mesmo com o combate sem armas de fogo. Oração e combate como lados da mesma moeda, uma união amplamente esquecida. “Ateus, nas trincheiras, não há nenhum”, argumenta Ryabko, “em batalha você imediatamente quer começar a acreditar em Deus, não importa o que você já tenha sido antes”.

Respirar, antes de lutar

Herdeiros de uma época em que, para segurar um maça ou uma espada durante horas no campo de batalha, era necessário não desperdiçar energia preciosa, os tutores desta arte marcial ensinam que quando se está na luta, antes mesmo de lutar, é preciso respirar. De acordo, todos nós respiramos. Mas, na maioria dos casos, o fazemos de forma inadequada: muitas vezes por minuto e de forma superficial demais. “Cada dia passado sem respirar adequadamente é um passo para a rendição ao estresse e a deterioração da saúde”, observa Vasiliev. Estilos de vida hipercalóricos, sedentários e ansiosos são as causas que, começando com a respiração, afetam a oxigenação de órgãos, sangue, músculos e a reatividade a qualquer estresse recebido.

Reatividade que, para ser adequada, em tempos de paz como em tempos de guerra, deve depender da proporção correta entre o que acontece ao nosso redor e como o experimentamos dentro de nós mesmos. Mas o mecanismo está fora de controle. Por um lado, há as disputas sociais que encontramos em toda parte, ao contrário do que poderia ter sido o caso de nossos antepassados. Por outro lado, aqui estão as múltiplas e quase femininas capacidades de mudança daqueles que vivem hoje, mesmo aqueles desconhecidos da solidez de espírito daqueles que vieram antes de nós. Bem, o equilíbrio emocional anda de mãos dadas com o ritmo certo em que os pulmões trabalham, e – como documentado pelos estudos do ucraniano Dr. Kostantin Buteyko – o mesmo vale para o bem-estar físico, outro ponto frágil do homem contemporâneo. Os bogatyrs e monges sabiam disso, e seria uma pena não se basear em tão antiga sabedoria.

Fonte: Il Primato Nazionale

Imagem padrão
Alessandro Staderini Busà

Escritor e jornalista.

Artigos: 10

Deixar uma resposta