Alain de Benoist: “A Guerra da Ucrânia é uma Guerra dos EUA contra a Rússia”

O filósofo francês Alain de Benoist expõe o que está por trás do conflito ucraniano, além de contextualizar o cenário político francês e europeu atual.

Em primeiro lugar, tendo vivido metade do século XX e o início do XXI, você diria que estamos assistindo a uma louca aceleração da história?

Tudo depende da aceleração a que se refere. Existe sem dúvida uma aceleração social, que deriva do fato de vivermos agora no tempo zero: qualquer evento que ocorra em um determinado lugar é imediatamente conhecido em todo o mundo. Este aceleracionismo alimenta o presentismo (e o estresse que o acompanha) e tem a particular consequência de tornar efêmero tudo o que um dia foi destinado a ser de longo prazo. Mas isto diz respeito principalmente aos países ocidentais: em outras latitudes, não há necessariamente o mesmo sentido de temporalidade.

Historicamente, é mais complexo. De fato, há uma sensação de que muitas coisas estão em processo de mudança, como é frequentemente o caso quando diferentes catracas se jogam umas contra as outras e provocam uma revolta geral. Mas será realmente uma aceleração? Pode-se também pensar que, após uma era glacial de algumas décadas, a história está voltando ao normal e que, como em todos os períodos de transição, as cartas estão sendo reordenadas. Mas não basta olhar para o que aconteceu “nos últimos meses”; é preciso dar um passo atrás. No espaço de quatro ou cinco anos, mais coisas aconteceram durante a Revolução Francesa do que hoje em dia! Além disso, os processos em andamento estão longe de ter terminado. Sem querer cultivar um paradoxo, eu os acho até um pouco lentos… Quando você vê, por exemplo, a escala da revolta social que está roncando, você se pergunta quando ela finalmente vai se manifestar.

O que te causou o assassinato de Daria Dugina e o tratamento da mídia ocidental que se seguiu? O que você pode nos dizer sobre ela, mas também sobre seu pai, a quem você assimilou automaticamente como se fossem quase a mesma personagem?

O assassinato de Daria Dugina inspira em mim o que ele deve inspirar em qualquer pessoa normal: a repulsa que se sente diante de algo abjeto. As reações da mídia, por outro lado, despertam em mim um sentimento de medo. O fato de algumas pessoas acharem “notável” o ataque atroz a este jovem intelectual, jornalista e filósofa – que nunca fez nada além de expressar suas ideias – e que alguns não hesitam em se regozijar com isso, mostra que vivemos em um mundo no qual, como disse Guy Debord, o verdadeiro é apenas um momento do falso. É um mundo orwelliano, o mundo do terror em nome do Bem.

Eu conhecia bem Daria, assim como conheço bem o pai dela. Ela era uma jovem encantadora, inteligente, culta, intensa e com grande senso de humor, que adorava a França desde a adolescência. Ela aderiu plenamente às ideias de seu pai, mas deu uma imagem mais leve, como se regenerada por água doce. Quanto a Dugin, seu itinerário e suas ideias são agora bem conhecidos, especialmente no que diz respeito à geopolítica e ao eurasianismo. Pode-se discordar de seu pensamento, mas não se pode negar que se trata de um pensamento pessoal, que nunca se reduziu a murmurar os slogans desta ou daquela mídia. Isso é o que eu acredito ser essencial.

A guerra na Ucrânia parece fazer muitas pessoas perderem a cabeça. Sentimos um ódio por procuração entre os “apoiantes” de um lado ou do outro, quase patológico por esta altura. Como isto pode ser explicado?

Suponho que seja a natureza humana. Poucos homens são capazes de travar uma guerra sem ódio, infelizmente. Mas no caso dos “partidários”, temo que este ódio muitas vezes reflita sua incapacidade de decidir razoavelmente suas posições e argumentar para explicá-las. Em tais ocasiões, muitos são determinados por suas simpatias ou antipatias. A simpatia e a antipatia não têm lugar nesta situação. O que importa é a análise (colocamos os prós no eixo x e os contras no eixo y) e as conclusões que podemos tirar dela. Como tenho escrito com frequência, os direitistas não são reflexivos, mas reativos. No início deste ano, vimos eles se deixarem levar pela candidatura de Zemmour, enquanto era suficiente analisá-la para entender que isso levaria ao fracasso. É certamente um longo caminho desde a candidatura de Zemmour à guerra na Ucrânia, mas os reflexos são os mesmos.

Não tenho nenhuma simpatia pelo sinistro Presidente Zelensky, mas tenho muita simpatia pelo povo ucraniano, que agora é bombardeado pelas políticas desastrosas de seu governo. Mas o que a análise mostra? Que a guerra que está ocorrendo na Ucrânia é na verdade uma guerra dos EUA contra a Rússia. Portanto, a questão não é se se prefere os ucranianos ou os russos, mas se se sente solidariedade com os Estados Unidos ou não. Parece-me que a escolha é feita rapidamente.

As repercussões no Ocidente, além das consequências da crise econômica ligada às políticas covidistas, serão enormes. O que você percebeu no recente discurso de Macron, que, como um péssimo Churchill, parece anunciar sangue, suor e lágrimas ao seu povo?

Acho que Emmanuel Macron percebeu a gravidade da situação, mas ao mesmo tempo sabe que não pode recuar sem se comprometer. É óbvio demais que as sanções contra a Rússia – sanções numa escala nunca vista antes – terão os europeus como as primeiras vítimas, pois eles são menos autossuficientes do que os russos. Como disse Viktor Orban, a UE “atirou em si mesma no pulmão” ao embarcar em um curso suicida que é totalmente contrário a seus interesses industriais e energéticos. A isto se soma a ameaça de uma crise financeira global, que está mais presente do que nunca. E também, digamos assim, o risco de um prolongamento da guerra a um ponto que só podemos imaginar. Hoje, Macron procura argumentos para impor o racionamento, assim como procurava argumentos para impor o confinamento na época de Covid. Isto não será suficiente para evitar o lento deslizamento para o caos.

Na sua opinião, a classe política francesa atual está suficientemente qualificada para enfrentar o desafio dos eventos de amanhã, que serão épicos, mas também dramáticos para nossas populações?

A resposta está na pergunta, e você a conhece tão bem quanto eu. O elemento essencial da política é a tomada de decisões, enquanto que a classe política só foi treinada para administrar. O imprevisto, o excepcional, os deixa tão perplexos como um coelho deslumbrado por faróis. A tomada de decisões não é uma questão de dossiês técnicos e relatórios de especialistas. Ela requer um sentido quase fisionômico. Trata-se de tomar a medida de um momento histórico, avaliar a correlação de forças e determinar o que fazer com o objetivo que se estabeleceu para si mesmo. Os estadistas sabiam como fazer isso, os políticos não. Dito isto, pode-se também perguntar por que os homens que têm o bom senso de tomar decisões estão se voltando cada vez mais para outros campos além da política. Então se perceberia que, em última instância, a mediocridade da classe política é o resultado direto da desvalorização da política.

Fonte: Breizh-info

Imagem padrão
Yann Vallerie

Escritor e editor francês.

Artigos: 10

Deixar uma resposta