O Indigenismo contra os Processos de Unidade Ibero-Americana

O futuro pertence às grandes coalizões e federações unidas segundo um princípio civilizacional. A América Ibérica poderia representar um polo desse tipo. Daí a instrumentalização do indigenismo: é uma maneira de fomentar o sectarismo e o separatismo, para evitar o surgimento do polo ibero-americano na ordem multipolar.

A questão da identidade foi trazida à tona, e hoje grande parte do discurso político e acadêmico gira em torno do “identitarismo”. É claro que a verdadeira identidade de um povo é frequentemente confundida com a de indivíduos, uma identidade que muitas vezes tem mais a ver com a confusão daqueles que são submetidos a um bombardeio de erros ideológicos e de estilo de vida do que com uma questão concreta e real.

Confundir uma identidade firme e saudável com modelos absurdos impulsionados pela superestrutura do poder está se tornando cada vez mais frequente.

Se há uma coisa que a propaganda globalista faz bem, e com grande sucesso, é a destruição das identidades tradicionais, fruto de séculos e séculos de evolução, por novas formas de se posicionar diante da vida. Este é o resultado do pensamento de pessoas que deveriam estar mais próximas dos cuidados psiquiátricos do que de serem mentores de uma nova sociedade, mas este último parece ser cada vez mais frequente.

As consequências da depressão aguda, insatisfação e falta de sentido geral prepararam as maiorias a serem penetradas por ideias estranhas e perigosas com um objetivo marcadamente individualista e destruidor da harmonia social.

Em outro momento, poderemos abordar esta questão com mais profundidade e ver como existem setores que ganham vantagem política para seus projetos, com base na confusão induzida.

Há um processo destes identitarismos que merece atenção especial por causa de seu potencial, mas que já tem consequências sociais reais. No final, ideias extremas, por sua própria natureza, acabam sendo esterilizadas em pequenas atmosferas reduzidas a um grupo de fanáticos, mas rejeitadas pelo todo.

O indigenismo que está sendo promovido hoje, especialmente a partir dos centros de poder anglo-saxões, é um exemplo de como ele visa gerar distorções históricas, criando confusões, semeando divisões e consequentemente dificultando processos de unidade popular.

O indigenismo de hoje tem uma vantagem sobre as excentricidades promovidas pelas universidades americanas: toma como ponto de partida as condições de vida empobrecidas de milhões de pessoas, atribuindo seus males à colonização… que aconteceu há cinco séculos. Nada melhor para distrair das verdadeiras causas do empobrecimento geral do que apontar para os responsáveis, perdidos na história, e desta forma esconder as responsabilidades presentes.

É comum então dizer que a luta contra a colonização, fruto da Cruz e da Espada, é responsável pelos dias de hoje.

Infelizmente, para aqueles que têm essas ideias, a história não concorda com essas afirmações por causa de alguns fatos absolutamente objetivos, que indicam que um punhado de poucas centenas de espanhóis foi capaz de subjugar dezenas, se não centenas de milhões de povos indígenas. Não é preciso ser um historiador especialista ou um cultista da Lenda Rosa para perceber que há algo de errado com esta história.

A resposta é simples: se esses espanhóis chegaram ao poder, é porque havia divisões profundas entre as tribos que habitavam as terras americanas. Sem essas divisões pré-existentes, sem ódios e desigualdades internas acompanhadas de atrocidades, tão poucos jamais poderiam ter conquistado tanto.

Aqueles que são hispanistas certamente darão testemunhos de como os espanhóis agiram, refutando a história que hoje é contada como cheia de crueldade e exploração, no entanto, e sem debater esta questão que tem importância moral, devemos enfatizar que ela é irrelevante do ponto de vista prático. Deixamos esse debate para os historiadores diante da contundência de certos fatos.

Primeiro, devemos considerar que a América Hispânica sofreu uma profunda miscigenação. Os países ao sul do Rio Grande contêm um alto conteúdo de pardos – mestiços entre índios, negros e brancos – variando em proporção genética entre diferentes raças, mas acabando tendo a mestiçagem em comum. Aqui encontramos o primeiro erro atual do indigenismo, que agrega estes mestiços como indígenas, quando eles são apenas uma minoria, talvez com uma presença maior em algumas nações, como a Bolívia.

Entretanto, é importante destacar o fato de que a maioria deles são mestiços raciais, mas seus costumes também são o resultado de miscigenação cultural.

Se tomarmos como exemplo nações como Argentina, Brasil ou Uruguai, a porcentagem de povos indígenas é inferior a 1% de sua população, sendo o restante dividido entre brancos e mestiços, com um componente africano que varia de acordo com a área geográfica. Mas, mais uma vez, a conclusão é que os povos indígenas acima mencionados são numericamente quase inexistentes.

Isto se repete em todo o continente, variando em proporção; mesmo assim, se estamos falando de povos totalmente indígenas, isto não muda o resultado final de ser uma pequena minoria.

Isto responde ao fato inegável de que os espanhóis se misturaram com os indígenas, pois na ideia da Espanha o componente racial era menor do que é concebido hoje, e os povos indígenas foram integrados como súditos da Coroa. A ideia do catolicismo era que todos eram filhos iguais de Deus e, portanto, foram incorporados à sociedade.

Este não foi o caso nas terras colonizadas pelos britânicos, onde prevaleceu uma concepção racista que procurava eliminar os povos indígenas, como evidenciado pelo fato de que nos países colonizados pelos britânicos havia uma miscigenação mínima. Eles simplesmente erradicaram as populações indígenas e as substituíram pelas suas próprias.

Isto também não é incomum ao longo da história; era muito comum que os derrotados fossem exilados ou exterminados.

É extremamente curioso, portanto, que sejam precisamente os britânicos e seus descendentes americanos que estão empurrando o indigenismo. Eles transferiram habilmente suas responsabilidades históricas para aqueles que tinham métodos diferentes, como os espanhóis.

Até agora não deveria haver motivo para controvérsia, os fatos são claros e indiscutíveis. Sem se entregar à Lenda Rosa espanhola, a mestiçagem é hoje simplesmente uma realidade verificável, assim como o extermínio indígena por parte dos britânicos.

Os povos indígenas nas terras da Espanha Americana foram diluídos na mestiçagem, não foram eliminados, foram absorvidos em uma fusão etnocultural e, de acordo com a quantidade e forma em que esta fusão ocorreu, a porcentagem deste processo varia, existem nações com um componente cultural indígena maior do que outras.

Portanto, é necessário entender este problema para avançar na compreensão geral do processo em andamento e das razões não tão puras pelas quais a ideia de indigenismo está sendo promovida. Não importa muito nesta análise se a Espanha maltratou os povos indígenas séculos atrás, um assunto para outro debate; o que importa são as consequências e as origens étnicas e culturais dos habitantes desses países, que o identitarismo moderno joga como uma carta política de dominação.

Devemos também deixar claro que as diferenças econômicas e sociais sempre estiveram ligadas de alguma forma às etnias dominantes. Isto é um fato, e fingir eliminar totalmente este problema construindo forças minoritárias que impõem suas posições sobre as maiorias não pode terminar bem.

Portanto, é fundamental entender como esses conceitos são utilizados na geopolítica para gerar fraturas e divisões, levando as minorias ao poder contra as maiorias, garantindo assim um conflito permanente.

Os britânicos têm sido mestres na arte de dividir os povos a fim de controlá-los através da fragmentação e do confronto interno. A história mostra, como vimos, que a política deles não é incorporar, mas explorar e depois eliminar o que é desnecessário.

O impulso ao indigenismo apresenta alguns fatos incômodos que se tenta não mencionar, mas que, no entanto, são reais. As coisas na política não acontecem por acaso, mas por causalidade, e a promoção destas ideias a partir de Londres e Washington obedecem a um padrão familiar de empurrar a ideia de divisão para controlar.

O indigenismo aparece como uma ideia associada a teorias como a “racial crítica”, que, mesmo que contenham algumas propostas válidas, é promovida com o propósito fragmentário acima mencionado.

Putin reconstruiu a Rússia com base em suas tradições, entre as quais a língua e o papel da religião são eixos-chave, resgatando seu país do declínio divisório. A ex-URSS perdeu grande parte de seu território, dando origem a novos Estados sem registro histórico anterior, que se construíram com base nos povos existentes, mas sem história como nações soberanas.

A partir daí, eles construíram Estados fracos, muitos dos quais se voltaram contra sua antiga filiação e como inimigos da Rússia. A história também não termina aí; os EUA já estão promovendo a desagregação da Rússia em cerca de 20 Estados sob o pretexto de “descolonização”.

As teorias descoloniais são, portanto, uma ferramenta do mundo anglo-saxão para atacar a Rússia a fim de dividi-la em Estados pequenos e dóceis.

Apresentamos estes eventos sobre o significado do indigenismo para os processos de unidade na região hispano-americana. A ideia dos Estados Plurinacionais vai nessa direção, unidades que, longe de tender a se agrupar, o fazem na direção oposta, semeando as sementes para que cada “nação” se torne um Estado independente.

A Rússia e a China são civilizações, uma baseada na predominância eslava, mas contendo outras 150 nacionalidades que historicamente coexistiram sob um guarda-chuva unificador.

A China, por sua vez, é construída sobre a etnia han; no entanto, ela incorpora mais 55 etnias, e aí o modelo anglo-saxão promove o mesmo, etnias como fatores insurrecionais que dividem seus inimigos.

Esse mesmo padrão é o que os vemos buscando instalar, abortando qualquer processo de unidade, seja ele latino-americano, hispano-americano ou ibero-americano, não importa, pois o rótulo é a única coisa que varia em essência.

Esta região, como a Rússia, ou a China, conforme o caso, tem eixos em comum que são a base da unificação e outros que são base para a divisão. Não há dúvida de que, para nos comunicarmos entre os diferentes povos da região, usamos uma língua franca, que é espanhola. Falando esta língua, um chileno poderia se comunicar com um mexicano, mas se eu o fizesse com “mapudungún”, eles não seriam capazes de fazê-lo, nem seriam capazes de fazê-lo com “nahuatl”. Se o russo é a língua franca para uma enorme ecúmene civilizacional, o espanhol é a língua franca para esta região.

Se olharmos para nossa religião e, sobretudo, para os valores sociais, encontramos o catolicismo como um eixo central, quer queiramos quer não, ele é uma visão de mundo compartilhada.

As tradições também encontram essa mesma raiz, e mais uma vez elas se separam à medida que fazemos zoom em cada região. As tradições que reconhecemos e com as quais nos sentimos familiarizados provêm desse estoque hispânico, enquanto as particularidades locais têm a ver com o indigenismo.

Não é estranho perceber que no final são todos esses setores que estão sob ataque da modernidade anglo-saxônica disfarçada de tolerância.

Assim como a Rússia e a China construíram sua unidade com base em pontos comuns e encorajaram e sustentaram as culturas locais a enriquecer e fortalecer sua própria identidade, nossa região deve fazer o mesmo. Usar a essência hispânica como eixo natural e integrar as particularidades locais em cima dela.

É utópico, irrealista e até perigoso mergulhar nas particularidades locais. Incorporar-se para fazer crescer os próprios espaços é a única maneira de se inserir no modelo multipolar.

Este modelo multipolar, o único que nos permite sobreviver à globalização exterminadora, não contempla nações, mas espaços civilizacionais. O mundo multipolar é um mundo russo, chinês, indiano, árabe, persa, etc., mas não cada um dos pequenos Estados que terão que se unir se quiserem sobreviver e não ser devorados pelos grandes.

O mundo ao longo da história significa competição, não se trata de debater em abstrato se isso é certo ou errado, simplesmente é. Para que nossos Estados sobrevivam e sejam um eixo desta nova estrutura geopolítica emergente, é imperativo que se unam, e não podem fazê-lo de forma diferenciada.

Portanto, é necessário iniciar um debate sério sobre como a unidade deve ser alcançada e visualizar que o indigenismo é uma guarda avançada do mundo anglo-saxão para dividir seus rivais e nos dominar, como mostra a história.

Neste momento, é necessário fazer alguns esclarecimentos. A unidade com base na herança espanhola inclui as terras fora da América e podemos até mesmo olhar para o papel dos mexicanos nos EUA.

A Espanha pode aderir se entender que não é o centro deste novo mundo, e se perceber que seu futuro não é ser o vagão de freio dos anglo-saxões que controlam o resto da Europa. Suas chances de sobrevivência são de se juntar à hispanidade, não renunciar a ela em função de utopias de curto prazo.

Uma questão adicional é ampliar o conceito hispânico para o ibérico, de modo a incorporar o Brasil e outras regiões de língua portuguesa. Finalmente, podemos reconhecer que existe uma unidade peninsular que é cultural, mas que politicamente não existe.

A ideia de Santiago Armesilla de considerar a Iberofonia como um fator coeso é algo a ser explorado porque amplia o horizonte para a construção de uma ecúmene civilizacional que se senta à mesa das grandes decisões.

As ideias aqui apresentadas são apenas um esboço para promover o debate sobre como deve ser este processo de aproximação, em que base ele deve ser construído para que o edifício tenha bases sólidas que permitam o sucesso do empreendimento.

Neste esquema, o indigenismo desempenha o papel de um cavalo de Troia que acabará por explodir qualquer projeto futuro de unidade. Estas questões não podem ser lidas de forma linear ou vestindo camisetas partidárias, as cegas ideológicas empurradas pelo poder globalista anglo-saxão são perigosas, mas não são novas.

Divide et impera.

Fonte: KontraInfo

Imagem padrão
Marcelo Ramírez

Analista geopolítico e diretor da AsiaTV.

Artigos: 6

Um comentário

  1. Um dos artigos que me lembram o motivo de acompanhar o site e o movimento. Dá gosto de ler. Que nos blindemos da divisão ardilosa promovida pelos anglos, e sempre rumemos para aproximações de povos mais afins a nós!

Deixar uma resposta