Os Anéis do Poder: Uma obra que não convence ninguém

Para além dos problemas de casting, a realidade é que mesmo no enredo, nas interpretações e nos efeitos, Os Anéis de Poder, série pseudo-tolkienana da Amazon, é mais um enlatado genérico que não tem muito a oferecer.

E, no final, a montanha pariu um rato. É assim que se pode resumir os dois primeiros episódios de Os Anéis do Poder, a série da Amazon, livremente baseada nos apêndices de O Senhor dos Anéis, que ostenta o recorde da série de televisão mais cara de todos os tempos, e que foi anunciada com grande alarde.

“Os Anéis do Poder” não convence ninguém

Um rato que não convence nem o espectador casual por causa das referências nem sempre imediatas à obra de Tolkien. Nem o especialista da Terra Média, porque as constantes piscadelas para o Silmarillion muitas vezes resultam em momentos cringe. E rato porque não há correspondência com o elefante fantástico na sala. Nomeadamente, House of the Dragon da HBO. A HBO ao chamar a nova série de prequela para Game of Thrones após o final incômodo, simplesmente perguntou o que os fãs da franquia queriam. E saturou completamente o pedido.

Enquanto a série Amazon se limita a um trabalho de fantasia padrão. Incluindo todos os clichês de “como não fazer uma fantasia” nos anos 20 do Terceiro Milênio. Muitos mapas e caracteres se teleportam sem problemas do ponto A para o ponto B. Elementos aleatórios de “fantasia”. E os clássicos “importantíssimos personagens que vão encontra príncipes de importantíssimos reinos” que se resolvem em cenas de uma a duas. Estamos falando de Celebrimbor, o maior ferreiro élfico e governante de Eregion que vai com Elrond, arauto do grande rei Gil-galad para encontrar Durin, príncipe e herdeiro do trono dos anões?

Como a cena se resolve? Elrond e Celebrimbor chamam nos portões de Khazad Dum… “O Gigi está aí? Não! E a cremeria?” Como no velho anúncio de sorvete. No final, Celebrimbor é deixado sozinho e volta com uma mão na frente a outra atrás. Em resumo, a grandiosidade de Os Anéis do Poder é frequentemente resolvida com sequências dignas daqueles dramas italianos ridicularizados por Boris. E ao criticar as limitações da série, pode-se ignorar tanto as questões relacionadas com o imaginário tolkieniano preciso e o elenco inclusivo, como as relacionadas com a forma como os personagens são descritos (Galadriel sendo supostamente casada com Celeborn e já a mãe de Celebrían no início da Segunda Era em que a série é ambientada). Na verdade, é justo dizer que o “elfo negro” Arondir é talvez a melhor coisa da série. Interpretado pelo ator porto-riquenho Ismael Cruz Córdova, (além de algumas declarações questionáveis em entrevistas) ele é o melhor personagem caracterizado e interpretado. Um guarda élfico na área perto do Harad, onde homens colaboraram com Sauron, após a desmobilização decidida por Gil-galad, ele decide investigar os orcs que estão em movimento novamente. Também há amor envolvido, a “mãe solteira” Bronwyn, mas por enquanto tudo é tratado com contenção.

A caricatura da Galadriel

Medida que falta na escrita da que deveria ser a protagonista absoluta de Os Anéis do Poder: Galadriel. O problema não está em estar muito longe de Tolkien, ou em ser uma “mulher forte”. O problema é que nossa protagonista é uma comandante militar obcecada pela vingança: a morte de seu irmão Finrod morto por Sauron. Mais perto do Coronel Kurz do Apocalypse Now e do Coronel Bligh do Bounty, do que de um personagem tolkieniano.

Basta uma cena relacionada com a busca da fortaleza de Sauron entre o gelo. Seus homens estão exaustos, um cai no chão, os outros pedem à comandante que pare. Galadriel recusa-se, dizendo para continuar, mas pouco tempo depois reconsidera e desiste de seu manto para os pobres subalternos. Uma cena que em vez de transmitir o orgulho e a magnanimidade da elfa, descreve apenas uma comandante louca e bipolar. E seus homens fazem bem em se rebelar.

E a atriz Morfydd Clarke também é boa em descrever a obsessão da protagonista. Uma protagonista tripudiada e intimidada desde a infância. O prólogo (na linha de Peter Jackson) começa com Valinor, o reino abençoado e lar dos Valar, mostrado como um lugar com crianças élficas saltitando e Galadriel sendo intimidada (talvez mais do que um desejo de vingança, o dela é um trauma de infância por bullying. E talvez tenham sido os filhos de Fëanor encorajados por Melkor que a intimidaram, de modo que também poderia ser filologicamente tolkieniano o bullying em Valinor). O prólogo é resolvido com a sombra de Melkor-Morgoth que extingue as Árvores. Depois “mapeamos” e vamos para a Terra-Média para derrubar Morgoth, cena de batalha. Fim do prólogo.

Valinor retorna imediatamente depois, como explicação tipicamente fantástica de Elrond (que trabalha como coescritor para o rei Gil-Galad, tanto que no reino élfico de Lindon veremos um terreno político-imobiliário na linha dos excelentes Bilhões, com especulação imobiliária élfica para a construção de um desfiladeiro de arranha-céus usando mão-de-obra anã). E então, como desculpa de Gil-galad para tirar aquela desordeira Galadriel do caminho (para fazer a especulação imobiliária você precisa de paz e obviamente precisa cortar o orçamento de defesa. Orçamento composto por uma comandante, Galadriel, e uma dúzia de elfos…).

Galadriel, e seus elfos (que tinham acabado de se amotinar, mas é fantasia, então as coisas simplesmente acontecem), por decisão de Gil-Galad podem retornar a Valinor (que sendo o reino dos Valar certamente não está sujeito à jurisdição de Gil-Galad). Vão para Valinor no reino da felicidade e saiam do caminho.

Valinor se torna um destino metafísico (as nuvens que se abrem, a luz de Valinor e coisas da fantasia) e Galadriel desiste no final ao pular na água. Movida por um desejo de vingança (e, mais importante, não querendo passar o resto da eternidade na companhia daqueles que a maltrataram nas escolas primárias élficas).

Valinor é uma bela piscadela de olhos para os fãs de Tolkien, dificilmente compreensível para o casual (Valinor é mostrada como um lugar físico em um mapa, e então se torna uma espécie de Assunção de Maria aos Céus no século XVII). Mas totalmente inconsistente com a trama da Segunda Era e com a própria série de TV! Porque a série vai lidar com a queda da Númenor, desencadeada precisamente pela frota numenoriana que se prepara para conquistar Valinor militarmente! Porque a Valinor na Segunda Era é um lugar físico! E como se conquista um lugar metafísico? Descobriremos nos próximos episódios.

E este não é o único piscar de olho para o Silmarillion que termina com um momento cringe. Mesmo a menção dos silmarils e de Fëanor, seu criador, termina com Celebrimbor explicando como Morgoth ficou quase emocionado ao vê-las e refletiu sobre sua maldade. Aqui se você leu o Silmarillion, seus pensamentos correm para o que Morgoth faria com os roteiristas.

Em resumo, estes dois momentos “citações compreensíveis apenas os momentos para os especialistas em Tolkien” parecem mais destinados a enfurecer os fãs. Certamente a embalagem é suntuosa. A computação gráfica é absolutamente de primeira linha nos cenários de fundo. Infelizmente, no entanto, não é stagecraft do Mandalorian, e muitas vezes a direção se reduz ao efeito: pessoas falando em frente a uma tela verde luxuosa. Bayona, um experiente diretor espanhol (sua foi a excelente fantasia sombria Sete Minutos Depois da Meia-Noite), mostra suas habilidades em um ambiente ao ar livre. Mas o digital, ainda que grandioso, é extremamente plano (neste quesito, House of the Dragon, menos detalhado, é paradoxalmente mais realista).

Os limites da escrita e a involuntária comicidade

A abordagem geral dos atores também é absolutamente válida. Quando eles não funcionam, é apenas por causa do roteiro. Seja Galadriel, comandante bipolar, também uma interpretação interessante, só que não em linha com o conteúdo. Seja a rainha anã Disa, cuja cena no jantar com Elrond e Durin IV se parece com um velho esboço de The Jeffersons: o marido mal-humorado com o convidado e a esposa tentando brincar de pacificador. Em suma, apesar das premissas (e promessas) de abrangência, não faltam artifícios. E já há quem tenha apontado isso: como os irlandeses que não gostaram que seu sotaque se tornasse o discurso clichê dos estereotipados pés-peludos, ou proto-hobbits. Ou seja, ciganos irlandeses. Além do estereótipo, eles certamente são bastante simpáticos. Mas os dois protagonistas pés-peludos são simplesmente relacionáveis ao ponto da paródia com Merry e Pippin com a aparência de Sam e Frodo.

E esta é uma das outras limitações dos dois primeiros episódios: os elementos cômicos. Sim, mesmo no Senhor dos Anéis de Jackson existiam muitos “interlúdios cômicos”. Mas Jackson tornou-se diretor como um fã nerd de Eisenstein, Griffith (e até mesmo Riefenstahl), seu estilo de direção também é capaz de prescindir de efeitos especiais, justamente porque remonta aos clássicos dos primeiros tempos do cinema, em que tudo era enquadramento, iluminação e edição. Até mesmo os diálogos vieram mais tarde. A “queda de tensão” do esquete cômico à-lá Jackson se davam em uma obra que transcorria em um crescendo de tensão.

Um caminho narrativo confuso

Em vez disso, Os Anéis do Poder parece mais uma obra que não sabe que filão tomar. O revenge movie de Galadriel (mas sem a completude do gênero coreano)? A busca solitária de Arondir, com piscadelas para aqueles que apreciam videogames? O esquema de Gil-Galad e Celebrimbor para construir o novo arranha-céu retirado de Billions. Os pés-peludos hilariantemente engraçados que parecem bem dispostos a eutanizar o inválido que não pode ser cigano (não vai acabar assim, mas como esta é uma série onde há muitos imperativos semelhantes a Boris, pode-se fazer a hipótese). Ou o filho de Bronwyn, Theo, que gosta de brincar com uma lâmina impregnada de magia negra com o símbolo de Sauron (“mas olha com o que você vai se meter Arondir!”). Espada de Sauron que nos faz concordar com o comandante de Arondir, o líder das tropas de ocupação élficas, que diz que esses humanos têm Sauron em seu sangue. E acima de tudo isso nos faz temer (já que não sabemos quem é seu pai) um futuro Sauron dizendo a Theo: “Porque eu sou seu pai!”.

Resumindo as coisas boas sobre os dois primeiros episódios: bela armadura anã; boa computação gráfica (especialmente quando usado como papel de parede de do computador). Interessante Arondir. Elrond agradável. Prólogo fascinante, mas melhor se você não souber o que é Valinor. Edição aceitável que torna a tarefa não muito entediante.

De resto, Gil-Galad e Celebrimbor são bons para uma série sobre especulação imobiliária em Manhattan ou Chicago. Galadriel é boa para uma série sobre o estresse pós-traumático dos elfos, mas seria preciso um Clint Eastwood para dirigir. Durin e Disa são bons para uma sitcom, mas devem acionar a subtrama anã de esquemas e escavações que levarão ao Balrog visto no trailer, portanto deve melhorar. Os pés-peludos são fins em si mesmos. Aquele que chega com o meteoro, provavelmente um Istar, talvez até mesmo Gandalf, por enquanto é bom para as histórias em quadrinhos copiadas dos Gandalfs cinematográficos.

Tolkien? Em algum lugar e nomes de personagens. Personagens vagamente tolkienianos? Arondir e, somente como estereótipos tolkienianos, os pés-peludos. E para o público? Os tolkienianos que leram Tolkien e se lembram de algo, vão achar irritante. Os tolkienianos que viram toda a trilogia de O Hobbit no cinema vão achá-la agradável. Telespectadores casuais? Vejam House of the Dragon que pelo menos ali os personagens têm motivações e tudo isso tem uma sensação realista. Os Anéis do Poder dos dois primeiros episódios são apenas o estereótipo da fantasia.

Fonte: Il Primato Nazionale

Imagem padrão
Enrico Petrucci

Escritor e ensaísta.

Artigos: 6

Deixar uma resposta