Putin diante da Estupidez Escatológica do Ocidente

É comum nos meios anti-imperialistas que se comente sobre a maldade da liderança ocidental. Exceto, porém, por certos círculos financeiros e ocultos, verdadeiramente malignos, o enquadramento correto da situação é outro. A realidade é que a liderança política ocidental é estúpida, o que é muito pior.

“Você se tornou tal que precisa de leite e não de alimentos sólidos” (Hebreus, 5:12).

Chegamos a tal ponto na catástrofe e somos liderados por tamanhos idiotas que não sabemos se nossas nações sobreviverão mais dez anos. É verdade que alguns dos idiotas no poder também querem nos fazer desaparecer. E como uma grande parte da população está de acordo (antirracismo, humanitarismo, reset, russofobia, ecologismo, pergunte o motivo)…

Putin está se divertindo. Com 10% de suas forças armadas, ele metodicamente reduz a OTAN à pata do gato; ele o faz com 6% do orçamento dos EUA (66 bilhões contra 1100 bilhões); ao mesmo tempo, a Europa está afundando e caminhando para o grande reset involuntário (bem, quase) com penúria e blecautes, e até mesmo confisco de contas bancárias. A obstinada Ucrânia (veja o livro de minha esposa sobre o patriotismo ucraniano, que sempre foi virulento, literário e subestimado, inclusive pelos russos) continuará suas operações até o último europeu. Biden e Blinken ficarão felizes, exceto que também saltarão eleitoralmente, tendo dobrado ou triplicado o preço da gasolina no maior país motorizado do mundo. Nem falaremos de imóveis e aluguéis ($3.000 por mês como preço base em Miami).

Mas vamos continuar como diria Sartre com seu trio existencialista de idiotas do pós-guerra. A França está arruinada e tem um déficit comercial mensal de 13 bilhões de euros (dizem os idiotas, mas sua honra está a salvo…); a Alemanha dos social-ecologistas-democratas está passando por seus primeiros déficits comerciais, que vão durar e crescer; os EUA de Biden têm mais 1 trilhão déficits comerciais por ano. O resto do mundo está vivendo o início do colapso de Draghi à Estônia. A Rússia terá um superávit de pelo menos 300 bilhões este ano, tendo se tornado a principal potência comercial do mundo graças às sanções (já era a principal potência militar, exceto para os distraídos, os neo-Gamelins e outros coronéis de ioga…).

Tenho escrito muitos textos sobre estupidez. Parece-me ser uma marca registrada ocidental: o patriotismo foi uma característica desta estupidez que é sempre histérica e, sobretudo, cruel e violenta. Céline escreve muito bem (veja meu livro) sobre esta “religião da bandeira que prontamente substituiu a primeira” (está em Viagem), mas também Marshall Mac Luhan que, estudando Pope e A Burríada, denuncia o desenvolvimento industrial do cretinismo por causa da imprensa – à qual devemos, entre outras coisas, as sangrentas e intermináveis guerras de religião; Flaubert trovejou contra as ideias recebidas mais tarde, e Ortega Y Gasset denunciou os terraços cheios, os cinemas cheios (Hermann Hesse no mal interpretado O Lobo da Estepe), os cafés cheios, os encontros políticos cheios de fascistas, comunistas, socialistas, liberais e agora de europeístas e outros globalistas convencidos. O ocidental é composto por duas classes: a classe que defende “a inépcia que se faz respeitar em todos os lugares” (Debord) e a classe de “imbecilidade que acredita que tudo está claro” (Debord novamente) porque o viu na TV ou nos jornais. Macluhan foi definitivo sobre isto: a raiva ocidental vem sempre da palavra impressa.

Por outro lado, a Rússia e a China e os BRICS parecem ser potências mais maduras. Seria o Ocidente fundamentalmente estúpido? Entre revoluções, nacionalismo, socialismo, colonização, descolonização, o grande reset e ecologismo, é fundamentalmente um continente de imbecis, estes imbecis, disse Bernanos, cuja raiva ameaça o mundo. Abra seus jornais, ouça BHL e BFM para ver por si mesmo.

O assunto é vasto; recordarei o professor italiano (frequentemente imbecis, estes professores, releem Molière e seu gentil-homem burguês neste sentido) Cipolla e suas cinco leis da estupidez. Eu as dou no apêndice, mas recordo o principal para mim: “criar problemas para um grupo de pessoas sem se beneficiar em nada”. Isto me parece resumir nossa atual classe política efeminada, ocultista, idealista, lamuriante, ambientalista, humanitária, ignorante e retardada – e selecionada neste sentido pelos titereiros. Pois o Ocidente é por excelência, com sua cultura de carnificina, o lugar dos titereiros. Mas não diremos mais nada por medo de sermos vistos como conspiracionistas (verdadeira noção idiota também: qualquer um que PEDE OU DÁ UMA EXPLICAÇÃO é um teórico da conspiração!)

Recordando as leis de Cipolla sobre estupidez:

Uma pessoa estúpida é aquela que cria problemas para outra pessoa ou grupo de pessoas sem se beneficiar.

Carlo Cipolla estabeleceu 5 leis imutáveis da estupidez.

Lei 1: Nós sempre e inevitavelmente subestimamos o número de pessoas estúpidas em “liberdade”.

Não importa quantos idiotas você imagine ao seu redor, você invariavelmente subestima o total. Por que? Porque você está assumindo incorretamente que algumas pessoas são inteligentes com base em seu trabalho, educação, aparência, sucesso… Este não é o caso.

Lei 2: A probabilidade de que uma pessoa seja estúpida é independente das outras características dessa pessoa.

A estupidez é uma variável constante em todas as populações. Cada categoria que se pode imaginar – de gênero, etnia, religião, nacionalidade, educação, renda – tem uma porcentagem fixa de pessoas estúpidas. Há professores universitários estúpidos. Há pessoas estúpidas no Fórum de Davos, na ONU e em todas as nações da Terra. Quantos são? Ninguém sabe. Ver Lei 1.

Lei 3: Uma pessoa estúpida é uma pessoa que cria problemas para outra pessoa ou grupo de pessoas sem se beneficiar a si mesma.

Esta lei implica que existem três outros tipos de pessoas. Pessoas inteligentes, cujas ações beneficiam a si mesmas e aos outros. Os malfeitores que se beneficiam às custas dos outros. E aqueles que enriquecem os outros às suas custas. Os não estúpidos agem de forma inconsistente. Às vezes nos comportamos de forma inteligente, às vezes como bandidos e às vezes contra nossos interesses.

Mas os estúpidos são constantes. É por isso que eles são tão perigosos para Marco Cipolla.

“Pessoas estúpidas são perigosas e criam danos principalmente porque pessoas razoáveis têm dificuldade de imaginar e compreender comportamentos aberrantes. Uma pessoa inteligente pode entender a lógica de um bandido. Uma racionalidade odiosa, mas uma racionalidade… Você pode imaginar e se defender… Com uma pessoa estúpida, é absolutamente impossível. Uma pessoa estúpida o assediará sem nenhuma razão, sem nenhuma vantagem, sem nenhum plano e estratégia… Você não tem nenhuma maneira racional de saber quando, onde, como e por que uma criatura estúpida atacará. Quando você é confrontado com um indivíduo estúpido você está completamente à sua mercê…”.

É seu tio que não consegue parar de espalhar “notícias falsas” nas redes sociais ou o funcionário do serviço on-line que desligará três vezes e acabará não resolvendo seu problema e criando outros novos.

Lei 4: Pessoas não estúpidas sempre subestimam os danos que pessoas estúpidas podem causar. Eles esquecem constantemente que fazer um acordo ou associar-se a pessoas estúpidas é um erro muito caro.

Subestimamos os estúpidos por nossa conta e risco.

Lei 5: Uma pessoa estúpida é a pessoa mais perigosa.

Eles são mais perigosos do que um bandido porque pouco ou nada podemos fazer em relação à estupidez. A diferença entre as sociedades que caem sob o peso de seus cidadãos estúpidos e aquelas que superam esta dificuldade reside em uma coisa: sua capacidade de produzir cidadãos que se comportam de forma inteligente no interesse de todos.

Se a proporção de bandidos e pessoas interessadas em si mesmas na população não estúpida é muito alta, “então o país torna-se um inferno”, conclui Marco Cipolla.

Fonte: Strategika

Imagem padrão
Nicolas Bonnal

Historiador e ensaísta francês.

Artigos: 2

Deixar uma resposta