Uma nova guerra está sendo preparada para depois da derrota diante da Rússia

Para todos os efeitos, Washington já está dando o conflito ucraniano como perdido. Forças como França, Itália, Alemanha e mesmo a Santa Sé já abriram diálogo com a Rússia para se posicionar de forma autônoma. Mas Washington já prepara os próximos conflitos, aproveitando o desaparecimento da maior parte das armas que tem enviado para a Ucrânia.

Na frente do palco, a OTAN assegura que foi fortalecida pela “loucura de Putin”. A Ucrânia, poderosamente armada pelo Ocidente, está liderando uma contraofensiva e fazendo recuar o “invasor”. A nível internacional, as sanções estão dando frutos. A Finlândia e a Suécia, sentindo-se ameaçadas, decidiram aderir à Aliança Atlântica. Em breve, os russos derrubarão o “ditador” no Kremlin.

Esta magnífica narrativa é contrariada pelos fatos: apenas cerca de um terço das armas ocidentais chegam à frente. Mas o exército ucraniano está exausto. Em quase todos os lugares ele está se retirando e algumas façanhas não mudam o quadro geral. Dois terços das armas ocidentais, especialmente as mais pesadas, já estão disponíveis no mercado negro dos Bálcãs, particularmente em Kosovo e Albânia, que se tornaram os principais lugares para o tráfico nesta área. As sanções ocidentais representam um risco de fome, não na Rússia, mas no resto do mundo e particularmente na África. A Turquia e a Croácia se opõem à adesão de novos membros à OTAN. É possível convencê-los, mas ao preço de mudanças políticas radicais, às quais o Ocidente sempre se opôs.

Mesmo que a Rússia seja sábia o suficiente para não comemorar sua vitória muito alto, como fez na Síria, isso será visto como o fracasso da maior força militar da história, a OTAN. Uma vitória sem apelo, já que a Aliança Atlântica esteve fisicamente envolvida na luta, enquanto esteve ao redor dos campos de batalha na Síria. Muitos dos Estados vassalos de Washington tentarão se libertar. É provável que seus líderes civis permaneçam mentalmente orientados para o Ocidente, enquanto seus líderes militares se voltarão mais rapidamente para Moscou e Pequim. Nos próximos anos, as cartas serão reordenadas. Não será uma questão de passar do alinhamento com Washington para o alinhamento com os novos vencedores, mas de criar um mundo multipolar onde todos sejam responsáveis por si mesmos. O que está em jogo não é uma redefinição de zonas de influência, mas o fim da mentalidade que estabelece uma hierarquia entre os povos.

Deste ponto de vista prospectivo, é fascinante observar a retórica ocidental. Muitos especialistas do Velho Mundo explicam que a Rússia quer reconstruir seu império. Eles afirmam que ela já reconquistou a Ossétia e a Crimeia e agora está atacando o Donbass. Eles reconstróem a história com citações falsificadas do Presidente Putin. Qualquer um que estuda a Rússia contemporânea e verifica os dados sabe que isso não é verdade. A adesão da Crimeia à Federação Russa e a futura adesão da Ossétia, Donbass e Transnístria nada têm a ver com um império, mas com a reconstituição da nação russa, que foi desmembrada durante o colapso da União Soviética.

Neste contexto, uma pequena parte da liderança ocidental está começando a desafiar as escolhas de seu soberano americano. O mesmo fenômeno ocorreu durante o último trimestre no final do mandato do presidente francês Nicolas Sarkozy. Este último, vendo o desastre humano que ele havia contribuído para provocar na Líbia e seu fracasso na Síria, concordou em negociar uma paz à parte com Damasco. Entretanto, Washington, furioso com sua independência, organizou sua derrota eleitoral em favor de François Hollande. Nos dias seguintes à sua adesão ao Palácio do Eliseu, este último relançou a máquina de guerra ocidental por uma década. Foi justamente neste momento que a Rússia se comprometeu a intervir na Síria. Durante dois anos ela terminou de desenvolver novas armas, depois veio para combater os jihadistas armados pelo Ocidente e dirigidos pela OTAN de seu Comando Aliado na Turquia.

Enquanto as palavras de ordem da OTAN triunfaram na imprensa ocidental, nossos estudos sobre a história, o significado e o lugar dos banderistas na Ucrânia contemporânea foram amplamente divulgados nos círculos de liderança em todo o mundo. Muitos dos “aliados” de Washington agora se recusam a apoiar esses “ucranianos” que eles sabem que são neonazistas. Eles consideram que, nesta luta, é a Rússia que está certa. A Alemanha, França e Itália já autorizaram certos membros de seus governos a conversar com a Rússia sem que isso mudasse a política oficial de seus países. Pelo menos estes três membros da Aliança Atlântica estão jogando cuidadosamente um jogo duplo. Se as coisas correrem mal para a OTAN, eles serão os primeiros a dar a volta por cima.

Da mesma forma, a Santa Sé, que esteve perto de pregar uma nova cruzada contra a “Terceira Roma” (Moscou) e fez circular fotografias do Papa rezando com esposas de membros banderistas do regimento Azov, também fez contato não só com o Patriarca Cirilo, mas também com o Kremlin.

Todos esses contatos, por mais discretos que sejam, irritam Washington, que já está tentando remover os emissários secretos. Mas precisamente o fato de terem sido oficialmente dispensados dá a estes emissários mais espaço para negociar. O importante é que eles sejam responsáveis perante as pessoas certas pelo que fazem. Este é um jogo perigoso, como evidenciado pela derrota eleitoral do Presidente Sarkozy quando ele tentou se libertar de seu patrocinador americano.

Hipótese 1: A ampliação da OTAN confirmaria seu novo propósito

Vamos tentar dar um passo atrás em relação aos eventos e ver como eles poderiam evoluir.

Para que a Turquia e a Croácia aceitem a adesão da Finlândia e da Suécia à OTAN, a OTAN teria que concordar com suas condições. Para a Turquia, estas são (1) a inclusão do PKK e do Hizmet (Fethullah Gülen) nas listas de organizações terroristas, a prisão e extradição de seus membros, (2) o restabelecimento de sua indústria de armas no programa de fabricação de F-35, e para a Croácia (3) a mudança das leis eleitorais na Bósnia-Herzegóvina a fim de conceder igualdade política a sua minoria croata.

O PKK não representa os curdos em geral, mas apenas alguns deles. Ele começou como um partido marxista-leninista lutando contra a ditadura militar turca durante a Guerra Fria. Então, após a prisão de seu líder e a dissolução da URSS, ele mudou de lado e tornou-se um partido libertário ao serviço do Pentágono no Oriente Médio. Hoje, é uma milícia mercenária que serve de cobertura para a ocupação dos EUA na Síria. Considerá-la uma organização terrorista significaria evacuar os soldados estadunidenses da Síria e devolver os poços de petróleo a Damasco.

Fethullah Gülen é o pai espiritual de uma grande organização caritativa com presença em muitos países. Expulsá-lo dos Estados Unidos e considerar sua organização como terrorista privaria a CIA de retransmissores em muitos países asiáticos de língua africana e turca. Isto só seria concebível para Washington se a AfriCom fosse implantada no continente africano em vez de ser exilada para a Alemanha. Estão em andamento negociações para estabelecê-la na Somalilândia, que se tornaria um estado reconhecido internacionalmente.

Dada a longa série de ataques que o PKK realizou na Turquia e a tentativa de assassinato do Presidente Erdoğan seguida da tentativa de golpe em julho de 2016 na qual o Hizmet desempenhou um papel central em nome da CIA, Ancara é legítima em suas exigências.

Reintegrar a Turquia entre as nações fabricantes de F-35 não custa nada, mas sua exclusão foi uma sanção diante da compra de armas antiaéreas S400 russas pelos militares turcos. Dar satisfação a Ancara a fim de ampliar a OTAN diante da Rússia seria, no mínimo, contraditório e ilegível. Além disso, ter F-35s fabricados por uma potência que não tem sido tímida em criticar sua suposta qualidade também poderia ser embaraçoso.

A Bósnia-Herzegovina foi criada pelos straussianos (Richard Perle não era membro da delegação americana, mas da bósnio nos Acordos de Dayton).Ela foi imaginada como uma entidade homogênea, de acordo com o pensamento straussiano. A minoria croata (15% da população) era, portanto, ostracizada. Sua língua não é reconhecida e eles não têm representantes políticos. A adesão à exigência que a Croácia está fazendo em seu nome significaria questionar as razões pelas quais os straussianos organizaram as guerras na Iugoslávia (para separar grupos étnicos e criar populações homogêneas). Além disso, são os straussianos que estão trabalhando na Ucrânia.

Supondo que estas três condições sejam cumpridas ou que os líderes políticos que as formularam sejam derrubados, a ampliação da Aliança Atlântica para incluir a Finlândia e a Suécia confirmaria a mudança na natureza da OTAN. Não seria mais uma estrutura destinada a estabilizar a região do Atlântico Norte como estipulado no Tratado, o que levou o Presidente Boris Iéltsin, em 1995, a considerar seriamente a possibilidade de ingressar em seu país. A OTAN completaria sua transformação em uma administração militar americana de seu império ocidental.

Hipótese 2: As sanções ocidentais e a ajuda militar destinam-se a preparar outros conflitos

Vejamos agora as consequências reais das sanções ocidentais. As medidas para excluir a Rússia do sistema financeiro internacional não a afetam. Ela continua a importar e exportar tanto quanto necessário, mas é forçada a mudar de fornecedores e clientes. Está criando rapidamente o equivalente do SWIFT com o BRICS (África do Sul, Brasil, China e Índia), mas não pode mais negociar diretamente com o resto do mundo. Já é impossível comprar fertilizante potássico na África. De fato, a Rússia e a Bielorrússia são os principais exportadores. A fome está se instalando. O Secretário Geral das Nações Unidas, António Guterres, já deu o alarme. Ele pede que o Ocidente permita uma isenção ao seu embargo sobre os fertilizantes potássicos.

No caso mais provável, que Washington não mude sua política, a fome levará a novas guerras e à migração em larga escala para a União Europeia.

É surpreendente dizer o mínimo que após a queda de Mariupol, os Estados Unidos estavam dispostos a enviar mais 40 bilhões de dólares para a Ucrânia, onde já haviam perdido outros 14 bilhões de dólares. Na realidade, dois terços nunca chegaram ao seu destino. Estas somas foram desviadas. Em breve, cerca de 18 bilhões de dólares de armas estarão disponíveis em Kosovo e na Albânia. Ou o Pentágono está jogando dinheiro ao redor ou está investindo, mantendo este enorme arsenal fora da vista do Congresso.

A Subsecretária de Estado para Assuntos Políticos dos EUA, Victoria Nuland, viajou para Marrocos em 11 de maio para presidir uma reunião da Coalizão Global contra a Daesh. 85 nações participaram a nível de seus ministros das Relações Exteriores. Previsivelmente, a Sra. Nuland denunciou a reformulação do ISIS, não mais no Oriente Médio, mas no Sahel. Ela convidou todos os participantes a se unirem aos Estados Unidos na luta contra este inimigo. Entretanto, como todos tinham visto o apoio maciço do Pentágono aos jihadistas no Iraque e na Síria, todos os diplomatas presentes compreenderam que a tempestade logo irromperia. Armas estavam desaparecidas e o Pentágono não queria ser pego no ato de entregá-las novamente aos jihadistas. Só terão que trazê-las dos Bálcãs, onde ainda estão esperando por seus usuários finais em suas caixas.

Uma guerra no Sahel não será um problema: ela poupará as grandes potências e só resultará em vítimas africanas. Ela durará enquanto for alimentada e nenhum aliado se permitirá perceber que este conflito só existe desde que eles invadiram e destruíram a Líbia. Tudo pode continuar como antes: para uma parte da humanidade, o mundo permanecerá unipolar com Washington em seu centro.

Fonte: Voltaire Network

Imagem padrão
Thierry Meyssan

Intelectual francês, presidente e fundador da Rede Voltaire e da conferência Axis for Peace, é autor de diversos artigos e obras sobre política externa, geopolítica e temas correlatos.

Artigos: 120

Deixar uma resposta