Diego Fusaro: “A Guerra de Biden e da OTAN contra a Rússia tem a China como Alvo Indireto”

O conflito na Ucrânia tem como pano de fundo a decadência do pseudo-Império estadunidense e a ascensão da China e da Rússia, como potências soberanistas em um mundo multipolar. O projeto e essência da China, fusão entre maoísmo e confucionismo, permanece ainda um mistério a ser desvendado.

Temos a sorte de poder conversar com o filósofo italiano Diego Fusaro, bem conhecido entre os frequentadores regulares de Adáraga. A China tornou-se sem dúvida uma das grandes potências (se não a maior de todas) e, consequentemente, não poderíamos deixar de questionar uma das mentes mais críticas e lúcidas sobre esta questão.

Deste lado do mundo chamado Ocidente, um cadáver encabeçado pelo atlantismo ianque, a China é apresentada a nós como uma “ameaça”. Nosso pensador italiano, numa abordagem multipolar, análoga em certos aspectos à abordagem utilizada por Robert Steuckers e Aleksandr Dugin, argumenta que não é legítimo por si só combater nações-civilizações como a Rússia e a China, e muito menos fazê-lo em nome de um único polo de poder e de uma única forma de dominação. O domínio do tabuleiro de xadrez mundial nas mãos de uma única potência, as de um Ocidente que na realidade nada mais é do que o pântano miasmático do atlantismo norte-americano, não pode ser bom para os povos restantes do mundo.

A nação-civilização da China tem demonstrado sua resistência ao imperialismo e a várias conquistas. O belicismo louco de Biden nunca será capaz de “engolir” um mundo inteiro, um modo de vida que, além do mais, está tomando a dianteira econômica, militar e tecnológica sobre o atlantismo. O Ocidente, que não é mais a Europa, não é mais uma civilização. É, ao contrário da China e da Rússia, uma rede de estados que não corresponde mais aos povos que cada um deles contém. Está, portanto, a serviço do turbocapitalismo e suas contradições internas não têm outro efeito senão o de espalhar o caos. O império ianque não é mais o império de uma nação, como perfidamente fingia ser no início, roubando bens da Espanha americana e asiática, quando nosso império já era um cadáver. Essa política predatória iniciada em 1898 ainda era uma política externa expansionista a serviço de uma nação jovem, um tanto monstruosa e mal cozida, e herdeira do imperialismo escravocrata capitalista dos britânicos.

Mas hoje, a política externa e a agressividade Otanesca e dos Estados Unidos nem sequer reina em termos de nação e império: ela rege em termos da reconstrução desesperada dos meios de produção de mais-valia em uma economia insanamente financeira e caótica. O caos econômico ocidental quer nos conduzir ao caos civilizacional. Mas a “muralha da China” vai mais uma vez deter tal barbaridade. Aqui estão algumas das perguntas que Diego gentilmente respondeu exclusivamente para a Adáraga.

Você acha que a guerra de Biden e da OTAN contra a Rússia é, fundamentalmente, uma guerra contra a China?

Ela naturalmente é, também, sublinho também, uma guerra contra a China. Mas não apenas contra a China. É uma guerra contra o bloco oriental que não se curva ao imperialismo americano. Em essência, estamos no auge da expansão imperialista dos EUA para o Oriente, que agora está em conflito direto com a Rússia e em breve com a China. É por isso que a resistência da Rússia e da China, os últimos bastiões de resistência ao imperialismo americano, é tão importante hoje em dia.

Você acha que a China logo se tornará o grande império mundial ou enfrentará obstáculos e contradições?

A China, econômica e comercialmente, já é o grande império do mundo, e é exatamente por isso que a civilização do dólar não pode suportá-la e tentará por todos os meios derrubá-la. A China tem supremacia econômica, os Estados Unidos têm supremacia militar: é claro que Washington tentará usar sua supremacia militar para destruir a China e também tentará culpar a própria China, retratando-a como ditatorial e totalitária.

Existe um marxismo reconhecível na política interna e externa chinesa?

É certamente um marxismo muito diferente do de Mao, mas ainda é marxismo, especialmente em termos do poder do Partido Comunista e da primazia do poder ético do Estado, como Hegel o chamaria. A China é maximamente soberanista internamente, e maximamente mundialista externamente. Isto é absolutamente único. Uma antiga máxima chinesa diz que se deve ser como a água, assumindo a forma dos recipientes. A China permanece marxista, mas compete com os países capitalistas, assumindo temporariamente sua forma e, até agora, conseguindo derrotá-los.

Os americanos estão por trás da crescente sinofobia? Será que Washington não está disposta a pagar suas dívidas ou é simplesmente uma luta pelo poder?

Certamente, o ódio à China tem origem em Washington e é montado principalmente pela direita neoliberal azul, mas também pode ser montado em grande parte pela esquerda, igualmente neoliberal, cor-de-rosa. A superação da esquerda e da direita também deve ocorrer neste ponto, ou seja, na questão geopolítica: esquerda e direita são atlantistas, devemos ser a favor de um mundo multipolar.

É verdade e perigoso que a China esteja comprando terras, minerais e recursos básicos em todo o mundo? Estamos trocando um imperialismo por outro?

A China faz exatamente o mesmo que todos os outros países capitalistas, mas o faz por que razão: ela se tornou capitalista para seu próprio bem ou está usando o capitalismo com o objetivo de superá-lo?

Você não acha que nós, europeus, já não somos capazes de apreciar algumas das virtudes dos chineses: hierarquia, senso de família, disciplina?

Certamente, a Europa, como colônia de Washington, já é vítima da civilização do nada, da cultura do cancelamento. A China ainda conseguiu manter valores que a tornam superior a esta civilização do nada que somos agora, e que não podemos mais nem mesmo entender.

Existe uma unidade entre Confúcio e Marx naquele país, ainda existem valores sólidos ou o materialismo mais rude triunfará na China?

É um tema no qual Costanzo Preve insiste com frequência, a saber, o fato de que o marxismo na China sempre teve sua característica particular porque foi enxertado em uma cultura chinesa anterior e única e deu origem a um marxismo muito particular, inacessível a outros marxismos.

Uma aliança entre a China, a Rússia e outras potências emergentes será uma oportunidade para que a Europa se desfaça do velho jugo americano criado em 1945?

Isto seria altamente desejável: contra o imperialismo unipolar americano, que chama a globalização de americanização forçada do mundo inteiro, é de se esperar que seja criado um multipolarismo, ou seja, uma nova ordem multilateral que crie um novo equilíbrio e possa assim resistir ao imperialismo americano. Como Kant disse em Paz Perpétua, um mundo com vários estados nacionais mesmo em conflito entre si é melhor para a ideia de razão do que uma monarquia universal que submete a todos, o que faz com que o mundo degenere em anarquia. Se queremos o multipolarismo, é porque só ele pode garantir um equilíbrio de poder e, portanto, uma paz duradoura que não é a paz dos cemitérios, para citar novamente Kant, ou seja, a paz feita pelos americanos, que, para citar o velho Tácito, é o deserto. É por isso que devemos esperar mais do que nunca por uma China aliada e pela Rússia, soberana em todos os aspectos, do militar ao monetário, do cultural ao político, ou seja, capaz de resistir sem ceder ao inimigo principal, ou seja, o imperialismo de Washington. Toda a Europa deveria finalmente libertar-se do imperialismo sórdido de Washington, que a transformou em colônia desde 1945, e abrir-se a uma perspectiva eurasiática e multipolar. Meu país, a Itália, tem mais de 120 bases militares americanas: não é um aliado de Washington, é uma colônia de Washington; não pode haver democracia nem liberdade quando as decisões são tomadas não em Roma, mas em Washington, em outras palavras, quando se é uma colônia dos Estados Unidos da América.

Fonte: Adáraga

Imagem padrão
Diego Fusaro

Analista político e ensaísta italiano de orientação nacional-revolucionária. @DiegoFusaro

Artigos: 593

Deixar uma resposta