A Operacão Z e a inevitável reforma política na própria Rússia

Hoje está claro: é a hegemonia do Ocidente liberal ou a Rússia soberana, soberana como civilização, como cultura, como sujeito. Agora só podemos responder à hegemonia com contra-hegemonia.

Por Alexander Dugin

À medida que a operação militar especial se desenrola lenta, mas inexoravelmente, começamos a prestar cada vez mais atenção à situação política interna na própria Rússia, à atmosfera e ao estilo de mudança. Aqui, muitos estão claramente desapontados, porque nada remotamente parecido com a Operação Z está acontecendo dentro da Rússia. E eu gostaria de ver aquelas forças que as pessoas odeiam tanto quanto os nazistas ucranianos começarem a cair nos caldeirões. É claro que estamos falando dos liberais, que, além dos mais inveterados e rapidamente expulsos, como um todo mantêm suas posições no poder e na sociedade. Com toda a solidariedade emocional que os patriotas indignados merecem nesta ocasião, gostaria de expressar minha opinião mais moderada.

A Operação Z marcou um ponto de inflexão tão fundamental que simplesmente não há como revertê-la. A tensão no fio cresceu por um longo tempo e ele rompeu. E é irreversível. É difícil de acreditar, mas é verdade, E nada depende fundamentalmente das intenções subjetivas das autoridades. O Kremlin pode acreditar sinceramente que a velha ordem política e econômica dos anos 1990, baseada no liberalismo (e na corrupção) e nas elites modernas, continuará a existir sob as novas condições. Bem, com alguns ajustes cosméticos. Mas a gravidade das medidas já tomadas no curso de uma operação militar especial não deixa uma única oportunidade para isso. Essa operação em si se tornou inevitável justamente porque sem ela os processos de limpeza e cura da sociedade russa não teriam conseguido cruzar a linha crítica, voltando o tempo todo até a década de 1990. Caso contrário, teríamos outros meios para impedir o surgimento da Anti-Rússia na Ucrânia, que agora estamos liquidando com tanta dificuldade e a tal preço.

Agora este sistema, que se formou na década de 90 e com uma mão de obra gigantesca por hora (não, por ano!) trocando uma colher de chá, foi colocado em tal condição que no estado antigo não aguentaria. Em um confronto direto com o Ocidente, a velha Rússia não tem chance de sobreviver, muito menos vencer. Portanto, a necessidade de uma nova Rússia se fará sentir.

O sistema existente e suas elites não são capazes de operar em uma situação de confronto direto e frontal com o Ocidente, que não pode ser anulado ou suavizado. Agora só podemos vencer. Não há mais lugar ao qual retornar. As pontes foram explodidas. A Rússia entrou na vanguarda da história mundial e da política mundial.

Em tal situação, os representantes da elite dominante, mesmo os mais liberais, poderão escolher um dos dois: autodestruir-se ou se converterem urgentemente em patriotas. Além disso, a sexta coluna, que, embora ainda liberal e essencialmente uma mediadora de influência, aceitava de má vontade as regras de Putin, não funcionará mais. Nas novas condições, isso muito em breve será revelado como sabotagem direta e inconsistência com a posição ocupada. Na guerra, nos momentos de catástrofe, ou mesmo na prisão, as pessoas mostram rapidamente quem realmente são. Apenas a vida pacata e vil dos habitantes adormecidos da cidade abre um campo infinito para mentiras, mimetismo, corrupção tímida e uma longa e imperceptível traição. Nas circunstâncias extraordinárias de hoje, pelos padrões históricos, vemos instantaneamente quem é quem.

Isso é fácil de verificar pela experiência: damos a qualquer um, mesmo aos representantes mais inúteis e malsucedidos da elite atual, uma tarefa real, e pedimos um desempenho de acordo com os critérios da guerra (não de acordo com os critérios da guerra, mas apenas de uma operação militar, mas isso é suficiente). Se falharem, não importa a razão e quem lhes ordenou que o fizessem. Eles estão acabados. E se cumprirem, então eles estão conosco. Deixemo-los ficarem assim. Tudo acontece em algum momento pela primeira vez. Assim, é possível se tornar russo a qualquer momento corrigindo sua antiga não-russidade (ou falta de russidade). Agora somos todos russos, e somos responsáveis uns pelos outros e pela nossa vitória comum, ou… (não há para onde fugir…)

O contragolpe por manobras dentro do país não está mais no poder. Em absoluto. Tendo iniciado o que esta operação começou, é impossível parar, por definição. Assim, o compromisso com a sexta coluna desmoronou irreversivelmente e seu espaço vital desapareceu.

Na linguagem de Gramsci, ultrapassamos o “cesarismo”, ou seja, o flerte pragmático com o sistema capitalista mundial, no qual tentamos em vão nos integrar, mas em condições de manutenção da soberania. Hoje está claro: é a hegemonia do Ocidente liberal ou a Rússia soberana, soberana como civilização, como cultura, como sujeito. Agora só podemos responder à hegemonia com contra-hegemonia. E não importa se o Ministério da Cultura rejeitar um excelente projeto sobre valores tradicionais. Os valores tradicionais são necessários para o Estado, a sociedade, o povo e nossos soldados, que agora estão dando suas vidas na batalha contra a hegemonia. Agora eles não apenas se oferecerão, mas serão obrigados a formulá-los e segui-los. Afinal, esta é uma condição de vitória. Um dos coisas que se tornou não um desejo, mas uma necessidade vital.

Sim, não vemos, agora, movimentos adequados e mudanças correspondentes na Rússia. E, ao mesmo tempo, a Operação Z já mudou tudo fundamentalmente. E essas mudanças inevitavelmente ocorrerão. A elite simplesmente não tem escolha: aderir à contra-hegemonia ou desaparecer no esquecimento histórico.

A ideia russa não é mais algo que podemos escolher livremente (ou descartar). Sem ela, ninguém pode existir. Pode-se tentar, mas eu não recomendaria. É como fechar o acesso ao oxigênio quando o corpo precisa.

Certamente, a força da inércia é tamanha que nem todos perceberam o que aconteceu em 22 de fevereiro de 2022. Nada, eles logo perceberão. Para tudo o que se segue, nenhuma decisão subjetiva das autoridades será necessária, tudo se desenrolará automaticamente.

Isso é cristalino para mim. Se não tivermos outro caminho, só nos restará uma coisa: vencer. A história não nos deixou alternativa.

Fonte: Geopolitika.ru

Imagem padrão
Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Artigos: 585

Deixar uma resposta