Do Conflito Limitado ao Conflito Global

O conflito ucraniano parece, à primeira vista, uma questão local entre dois países vizinhos. Mas o escopo do conflito é global e perpassa elementos como o sistema econômico-financeiro baseado no dólar, a estrutura de alianças dos EUA e a atuação de empresas privadas de segurança de vários países.

Durante uma reunião da Força Expedicionária Conjunta (uma iniciativa interna da OTAN liderada pelo Reino Unido e que une os países escandinavos e bálticos), o presidente ucraniano Volodymyr Zelens’kyi, após insistir em um maior apoio da Europa (suas declarações estão sempre perfeitamente de acordo com os desejos de Washington), admitiu francamente que seu país não seria capaz de aderir à Aliança Atlântica[1].

Estas declarações, e o contexto no qual foram feitas, podem ser interpretadas de várias maneiras. Em primeiro lugar, é bastante desconcertante que a liderança política ucraniana tenha percebido, três semanas após o conflito, que sua entrada na OTAN está fora de questão. Em segundo lugar, não está claro exatamente o que o presidente ucraniano quer dizer quando pede à Europa que faça mais. Na verdade, a União Europeia já garantiu um fornecimento de armas à Ucrânia no valor de 450 milhões de euros. Os Estados Unidos garantiram 350 milhões de dólares, além dos 650 milhões fornecidos em 2021, juntamente com 90 toneladas de material de guerra. Especificamente, os Estados Unidos e a OTAN forneceram à Ucrânia 17.000 mísseis Javelin antitanque (fabricados pela Lockheed Martin Corp) e 2.000 Stingers (fabricados pela Raytheon). O diretor executivo da Raytheon, Gregory J. Hayes, disse em 25 de janeiro deste ano: “Só temos que olhar para as últimas semanas: os ataques com drones nos Emirados Árabes Unidos, as tensões na Europa Oriental e no Mar do Sul da China. Todas essas coisas estão exercendo pressão sobre os gastos militares nessas regiões. Assim, espero ver enormes lucros para nós”[2].

Na verdade, no momento, o único verdadeiro vencedor do conflito parece ser a indústria bélica ocidental. Já ganhou mais de um trilhão de dólares com a guerra. Isso faz pensar e levanta novas questões sobre outro aspecto da declaração de Zelensk’yi: alguma coisa foi feita para evitar este conflito? A resposta é não. Por que nada foi feito? A resposta, neste caso, não pode desconsiderar o fato geopolítico.

O jornalista italiano Manlio Dinucci se demitiu do ” jornal comunista diário ” Il Manifesto depois que este último retirou rapidamente de seu site um artigo no qual ele revelou o plano da Rand Corporation (uma organização supostamente sem fins lucrativos financiada pelo Pentágono) de dobrar a Rússia. A organização, entre outras coisas, orgulha-se de ter elaborado a estratégia que dobrou a URSS no final do século XX. Segundo o analista Peter Schweizer, esta estratégia estava baseada em cinco passos básicos: a) atrair Moscou para a corrida armamentista incorrendo em enormes despesas para as chamadas “guerras das estrelas”; b) manter os preços do petróleo baixos; c) encorajar o bloqueio ocidental de investimentos na URSS; d) apoiar a luta do Solidarnosc na Polônia; e) apoiar a rebelião no Afeganistão[3].

O novo plano da Rand Corporation, publicado em 2019, segue (com as devidas diferenças) o dos anos 80. Ele prevê atacar a Rússia em seu lado mais vulnerável, a exportação de hidrocarbonetos, para levar a Europa a reduzir sua importação de gás russo em favor do GNL norte-americano. Internamente, ele prevê a continuidade dos protestos antigovernamentais através da exploração de uma ampla quinta coluna. Enquanto que, militarmente, prevê um maior crescimento do papel da OTAN na Europa. Graças a esta estratégia, os EUA têm uma alta probabilidade de sucesso com risco mínimo. Além disso, “o fornecimento de ajuda letal à Ucrânia exploraria a maior vulnerabilidade externa da Rússia, mas qualquer aumento no fornecimento de armas e fornecimento militar dos EUA à Ucrânia teria que ser cuidadosamente calibrado para aumentar o custo para a Rússia sem provocar um conflito muito maior no qual a Rússia, devido à sua proximidade, ganharia vantagens significativas”[4].

Quais seriam essas “vantagens significativas”? O conhecido estrategista Zbigniew Brzezinski, em sua obra mais famosa, O Grande Tabuleiro de Xadrez, temia que a Rússia pudesse recuperar a posse da linha costeira do Mar Negro. Isto, segundo o teórico do “arco de crise” e da balcanização da Ásia Central, permitiria à Rússia encontrar um caminho para ser e existir como um “Estado imperial” que se estende sobre a Europa e a Ásia[5].

Agora, se olharmos rapidamente o mapa da Ucrânia à luz da Operação Especial das forças militares russas, fica claro que o objetivo é precisamente ganhar controle sobre a faixa costeira de Odessa a Mariupol (não é surpreendente que a luta tenha sido mais pesada nesta região), enquanto o cerco de Kiev está reservado para o mero papel de pressão nas negociações. Além disso, até hoje, o exército ucraniano (que é difícil de enquadrar como uma estrutura unitária) não parece ter qualquer possibilidade de contraofensiva, independentemente do fluxo contínuo de ajuda militar do Ocidente. Escusado será dizer que isto prejudicaria consideravelmente a estratégia da OTAN de utilizar a Ucrânia como ponte para a região Transcaucásica[6]. E isto deixa alguma dúvida se os EUA realmente queriam empurrar a crise ao ponto de provocar o “conflito” do qual a Rússia obteria as “vantagens significativas” mencionadas acima.

Portanto, se é verdade que, a curto prazo, a crise geopolítica está beneficiando a estratégia norte-americana de enfraquecer a recuperação econômica europeia pós-pandêmica a fim de canalizar o fluxo de capital para os Estados Unidos, é igualmente verdade que, a longo prazo, os efeitos da operação militar russa poderiam ser muito mais complexos do que se imagina atualmente.

De uma perspectiva ocidental, de fato, permanece a esperança de que o prolongamento até o fim amargo do conflito e o pesado regime sancionatório imposto a Moscou poderiam levar a uma intensificação das divisões internas, a uma “mudança de regime” e a um governo russo mais aberto ao diálogo com Washington e, consequentemente, à construção de uma eventual frente comum contra a ameaça real à hegemonia global norte-americana: a China. Entretanto, parece também que o atual conflito está impondo uma poderosa aceleração em certas dinâmicas históricas que já se haviam manifestado em anos anteriores, mais destacadas pela crise pandêmica, e não todas de acordo com os desejos dos Estados Unidos.

De fato, no “Ocidente”, os últimos anos têm sido marcados por uma contínua redução da margem de manobra da liderança política com uma mudança do poder de decisão para o chamado “pessoal de informação geral”: o entrelaçamento dos serviços secretos do Estado e aqueles ligados às grandes corporações industriais e financeiras. Isso levou a um fortalecimento desse “capitalismo de vigilância”, já manifestado nos dois anos da pandemia e precedido no início dos anos 2000 pelo Patriot Act da administração Bush, que está transformando rapidamente o espaço hegemonizado pelos Estados Unidos em uma espécie de “gaiola de aço” weberiana de pensamento único liberal. Neste sentido, a geopolítica da vacinação e o comissionamento do Estado em benefício das multinacionais tem sido simplesmente uma antecipação do que será o futuro do Ocidente. Através do permanente “estado de emergência”, por exemplo, o desejo do atual governo italiano de vender o pouco que resta do patrimônio nacional em benefício de corporações e fundos de investimento estrangeiros está sendo ocultado: não menos importante, a venda de 49% da Enipower à Sixth Street: uma empresa criada por ex-executivos do banco de investimentos Goldman Sachs[7].

O conflito ucraniano, no entanto, também apresenta problemas em termos de sustentabilidade do sistema global hegemonizado pelos Estados Unidos. Na época em que escrevo, além dos países tradicionalmente incluídos no contexto “ocidental”, a vulga das sanções contra a Rússia não parece ter feito incursões no resto do mundo.

A Turquia, o segundo exército da OTAN, não parece nada disposta a seguir o regime de sanções, preferindo um papel de mediação entre a Ucrânia e a Rússia. O mesmo se aplica à China, que tem pouca inclinação para arruinar sua vantajosa cooperação comercial com a Rússia, e à Índia, que está estudando com Moscou formas alternativas ao uso do dólar em transações comerciais recíprocas. Além disso, a República Popular da China e a Arábia Saudita estão explorando a possibilidade de usar o yuan como moeda de referência no comércio de petróleo (a China importa da Arábia Saudita 25% de suas necessidades de petróleo bruto)[8]. Isto prejudicaria seriamente os fundamentos da globalização estadunidense, ou seja, a globalização do dólar que surgiu quando, de acordo com a OPEP, os Estados Unidos vincularam sua moeda ao comércio internacional de petróleo. Este ato lhes permitiu impor ao mundo o princípio de que para comprar petróleo você precisa de dólares e para obter dólares você tem que se submeter aos desejos do produtor de dólares.

Esta é também a razão dos constantes ataques dos Estados Unidos à única moeda que, por enquanto, colocou timidamente em risco a hegemonia do dólar: o euro. E esta é a principal razão para a obsessão norte-americana com o controle hegemônico sobre a Europa e para conter seu potencial de reforço político através da constante expansão para o leste (o impulso para o alargamento da União para incluir a Moldávia, a Geórgia e a própria Ucrânia não é surpreendente).

Voltando ao caso saudita, é útil entender o que determinou a decisão de Riad de negar um aumento na produção de petróleo para compensar a queda nas exportações russas. Além de fatores puramente econômicos (o alto preço do petróleo é uma panaceia para os cofres sauditas, tentados pelos gastos militares devido a sete anos de agressão infrutífera contra o Iêmen), outros fatores entram em jogo. Após as administrações Obama e Trump, mais do que condescendentes, Biden concentrou-se principalmente na redução do apoio logístico dos EUA para a supracitada guerra contra o Iêmen. O objetivo aqui era reabrir a porta para o Irã (um apoiador do Ansarullah) e a negociação do acordo nuclear. Isto, nos planos de Washington, deveria ter limitado o desenvolvimento excessivo da cooperação entre Teerã, Pequim e Moscou (sem esquecer que o próprio Brzezinski sustentou a tese segundo a qual a comunhão de intenções entre estas três forças teria colocado em grande dificuldade a estratégia hegemônica global dos EUA). Uma negociação que, para dizer a verdade, não parece destinada a um futuro brilhante. Os Estados Unidos não podem garantir (ou, mais provavelmente, não querem garantir) que uma eventual mudança de administração em 2022 possa levar a uma nova retirada unilateral. O lado iraniano, ao mesmo tempo, parece estar buscando uma estratégia estrangeira que esteja desligada do sucesso ou não do acordo (uma estratégia que inclui a dura resposta aos ataques sionistas na Síria através do recente bombardeio às instalações da Mossad no Curdistão iraquiano). Portanto, a reação saudita não pode ser atribuída apenas à tentativa dos EUA de estabelecer novos canais de negociação com o Irã ou ao interesse renovado da mídia ocidental no caso Khashoggi. Isto parece estar mais facilmente ligado ao fato de que os Estados Unidos, nos últimos anos, reduziram drasticamente a importação de petróleo da Arábia Saudita, transformando-se em um importante concorrente do Reino Unido e do fato de Riad ter começado a alimentar não poucas dúvidas sobre o papel efetivo de Washington na região. Este último, de fato, parafraseando o famoso movimento de Henry Kissinger, parece muito mais interessado em proteger seus próprios interesses do que seus aliados (reais ou presumidos).

Não muito diferente da resposta saudita foi a reação dos Emirados Árabes Unidos e da Venezuela. Caracas, após décadas de sanções e repetidas tentativas de desestabilização interna, fez da remoção do regime de sanções e do reconhecimento da legitimidade do governo de Maduro uma condição para a exportação de seu petróleo bruto para a Europa: portanto, uma “perda de face” que um Ocidente engajado na enésima hipócrita “cruzada democrática” contra o que Carl Schmitt definiu como o retorno do “maquiavelismo político” não pode permitir. (Sem surpresas, o próprio Nicolás Maduro falou de um conflito global já em curso, embora limitado ao campo econômico-financeiro).

Mais inclinados a satisfazer as exigências do Ocidente parecem ser o Qatar (onde se encontra a maior base dos EUA na Ásia Ocidental) e o Bahrein (monarquia sunita em um pequeno país xiita de legitimidade duvidosa e já protagonista dos “Acordos de Abraão”).

Hoje, observando o quadro geral das relações internacionais em mudança (e diante da constatação de que o Ocidente não produz matérias-primas e seu setor manufatureiro foi drasticamente reduzido nas décadas anteriores em nome da economia virtual e de uma globalização que se presumia imutável), parece evidente que sofrer a o isolamento, a médio-longo prazo, não será a Rússia, mas a parte do mundo inserida dentro da “gaiola de aço” do totalitarismo liberal.

E hoje, a única maneira de apertar ainda mais as malhas desta gaiola é prolongar o conflito na Ucrânia pelo máximo de tempo possível, o que também permite que o complexo industrial de guerra respire. Este caminho é possível através do fluxo constante de armas e mercenários no solo do país da Europa Oriental.

O papel do famoso empreiteiro Blackwater (Xe Services desde 2009, Academi desde 2011) e seu fundador, Erik Prince, merece uma breve menção.

Conhecido nas notícias por tentar minar as empresas russas em seu apoio a Khalifa Haftar na Líbia, Prince obteve US$ 2 bilhões em contratos governamentais de Washington entre 1997 e 2010 para apoiar o esforço de guerra no Iraque e no Afeganistão, mais outros US$ 600 milhões da CIA para contratos classificados como secretos[9]. Seus homens foram banidos do Iraque após o massacre da Praça Nisour em Bagdá (setembro de 2007), no qual morreram 17 civis iraquianos e outros 20 ficaram gravemente feridos. E ele mesmo esteve envolvido de várias maneiras em assuntos envolvendo o tráfico de armas, petróleo e minerais preciosos. Isto diz muito sobre o papel que os grupos privados desempenham nos territórios em que operam.

Sua conexão com a Ucrânia é igualmente problemática. Já em fevereiro de 2020, Prince teria dito ao conselheiro de Volodymyr Zelensky, Igor Novikov, seu interesse em criar uma empresa militar privada composta de antigos veteranos da guerra do Donbass. Além disso, diz-se que ele apoiou a ideia de construir uma empresa para produzir munições e colocar as principais empresas de aviação do país sob uma única marca. O objetivo, de fato, teria sido criar um “consórcio de defesa aérea verticalmente integrado”[10] capaz de competir com gigantes como Boeing e Airbus através da aquisição da Antonov e da empresa Motor Sich (a principal empresa ucraniana produtora de motores de aeronaves). A operação deveria ter sido apoiada pela pressão norte-americana para garantir que a própria Motor Sich não fosse comprada por empresas chinesas (uma prática também amplamente utilizada na Itália).

No início do verão de 2020, a Ucrânia deu os primeiros passos para tornar o projeto do “empresário” norte-americano uma realidade. Em junho daquele ano, Prince entrou em contato direto com o escritório presidencial ucraniano através do antigo produtor de TV e amigo pessoal de Zelensky Andriy Yermak (também conhecido por seu papel de interlocutor direto de Kurt Volker e Rudy Giuliani na criação de dossiês anti-Biden em troca da liberação da ajuda militar dos EUA à Ucrânia durante a administração Trump).

O plano de negócios previa, entre outras coisas, o desenvolvimento de uma estreita cooperação com a inteligência ucraniana para o planejamento estratégico e logístico e para o treinamento das forças de segurança ucranianas.

Estes fatos não colidem muito com as declarações feitas pelo porta-voz da milícia popular da República de Donetsk, Eduard Basurin, que denunciou a presença de treinadores militares americanos na região de Sumy, que pode ser rastreada até a Academi. Especificamente, dizem ter preparado as milícias do Batalhão Azov para um ataque iminente em larga escala no Donbass.

Além disso, em novembro de 2021, o Ministério da Defesa russo lançou o alarme sobre a presença na Ucrânia oriental de 120 mercenários ocidentais cuja tarefa, além de treinar as milícias ucranianas, seria estocar componentes químicos ao longo da linha de fronteira com as repúblicas separatistas para serem usados como justificativa de possíveis ataques[12].

Neste ponto, também devido ao fato de que a propaganda ocidental tenta apresentar estes personagens como combatentes da liberdade, é necessário distinguir entre os diferentes níveis de empresas que atuam em solo ucraniano. Em primeiro lugar, há as empresas militares privadas diretamente envolvidas nas atividades (muitos dos membros da chamada “legião estrangeira” de Zelensky são ex-soldados recrutados através dessas agências e enviados à Ucrânia com a aprovação dos países europeus). Em segundo lugar, há as empresas privadas de segurança que têm treinado as milícias ucranianas junto com os homens da OTAN. Em terceiro lugar, há as empresas que fornecem apoio logístico e estão envolvidas na transferência de material de guerra também disfarçado de ajuda humanitária (como aconteceu no aeroporto de Pisa)[13].

Do lado russo, fontes ocidentais reivindicaram a presença do famoso Grupo Wagner na frente de Kiev. A tarefa atribuída a ele é a eliminação direta da liderança política ucraniana quando as forças russas entrarem na capital.

O Grupo Wagner (renomeado Liga) também teria tido a tarefa de infiltrar voluntários sírios e mercenários da África Central em solo ucraniano. No momento, no entanto, os canais ocidentais da Open Source Intelligence, sempre prontos para mostrar de vários ângulos imagens de veículos blindados russos destruídos, abandonados ou capturados, ainda não identificaram nenhum soldado caído com pigmentação de pele diferente da da região.

Notas

[1]Ukraine’s leader asks Europe to do more but admits NATO membership is not in the cards, www.washingtonpost.com.
[2]Ukraine: the world’s defense giants are quitly making billions from the war, www.theconversation.com.
[3]Ver P. Schweizer, Victory: the Reagan Administration’s secret strategy that hastened the collapse of the Soviet Union, Atlantic Montly Press, New York 1994.
[4]Manlio Dinucci – Ucraina, era tutto scritto nel piano della Rand Corp, www.lantidiplomatico.it.
[5]Z. Brzezinski, The Grand Chessboard. American Primacy and Its Geostrategic Imperatives, Basic Books, New York 1997, p. 46.
[6]Ver C. Mutti, Il limite della pazienza russa, www.eurasia-rivista.com.
[7]ENI sells 49% of Enipower to Sixth Street, www.eni.com.
[8]Saudi Arabia considers accepting yuan instead of dollars for Chinese oil sales, www.wsj.com.
[9]I contractors dell’intramontabile Erik Prince tra Libia, Afghanista e Ucraina, www.analisidifesa.it.
[10]Ibidem.
[11]Blackwater mercenaries training far-right militia in Ukraine. Dontesk military commander claims, www.morningstaronline.co.uk.
[12]Russia claims US military contractors amassing toxic chemicals, training Ukraine troops, www.newswek.com.
[13]Ver Contractors e compagnie militari e di sicurezza nella guerra in Ucraina, www.analisidifesa.it.

Fonte: EurasiaRivista

Imagem padrão
Daniele Perra

Formado em Ciência Política pela Università DI Cagliari, é colaborador da Rivista Eurasia.

Artigos: 585

Deixar uma resposta