A Crise Ucraniana e o Ocidente: Dimensão Ideológica

A crise ucraniana acirrou as contradições políticas e ideológicas por todo o Ocidente, mas não em uma clivagem direita/esquerda. Por todo o mundo, forças classicamente classificadas como de “direita” ou de “esquerda” se distribuíram dos dois lados da controvérsia. O conflito expõe, mais uma vez, as verdadeiras contradições da pós-modernidade, com liberais e globalistas de um lado e populistas e patriotas do outro.

A crise ucraniana tem dimensões tanto geopolíticas quanto ideológicas. Desde o início do agravamento da situação nas fronteiras orientais deste país, várias forças políticas nos Estados Unidos e na Europa avaliaram os acontecimentos de maneira diferente. Liberais e globalistas se juntaram a Kiev, representantes de outros movimentos ideológicos tomaram uma posição mais pró-russa. O início das hostilidades em larga escala contra o atual regime de Kiev por parte da Rússia causou reações diferentes: da histeria por parte dos liberais, à condenação com uma demanda de diálogo imediato por parte dos conservadores.

Polo liberal: batalha ideológica

Independentemente da especificação do país, os defensores mais zelosos da “independência ucraniana” foram rejeitados por liberais e globalistas. Para eles, o conflito ucraniano é um confronto entre a Rússia “autoritária” e a “Ucrânia democrática”. Para o conhecido pseudo-historiador sodomita e transumanista israelense Yuval Noah Harari, a resolução da “questão fundamental do futuro da história e do futuro da humanidade” depende da Ucrânia. De acordo com o pseudo-filósofo liberal francês Bernard-Henri Levy, o Ocidente deveria ao menos declarar uma “guerra fria” contra a Rússia.

Francis Fukuyama, um dos principais neocons, William Kristol, e outros intelectuais liberais nos EUA e na Europa fizeram apelos por sanções imediatas e duras contra a Rússia, mesmo antes do início da operação militar em 24 de fevereiro. Suas opiniões estão claramente articuladas em um dos artigos de Francis Fukuyama: “A Ucrânia é hoje um Estado avançado na luta geopolítica global entre democracia e autoritarismo. Os europeus que valorizam a democracia liberal para si mesmos devem entender que não podem ser espectadores neste conflito. As ambições de Putin vão muito além da Ucrânia; ele deixou claro nas últimas semanas que gostaria de reverter as conquistas democráticas europeias realizadas desde 1991 e criar uma esfera de influência russa em todo o antigo Pacto de Varsóvia. Fora da Europa, os chineses estão acompanhando de perto a resposta do Ocidente a esta crise, pesando suas perspectivas de reincorporação de Taiwan. É por isso que a defesa da Ucrânia deve ser de importância urgente para todos aqueles que se preocupam com a democracia global”.

Esta parte do espectro político prefere não notar que a “democracia” ucraniana é pintada em tons nacionalistas. Ou, como explica o cientista político alemão Andreas Umland, este processo a partir dos custos do confronto com a Rússia, passando rapidamente a acusar a Rússia de “fascismo” e a comparar Putin com Hitler.

Para os liberais, o início de uma operação militar russa na Ucrânia requer uma intervenção ocidental imediata, incluindo uma intervenção militar. Em particular, de acordo com Francis Fukuyama: “Precisamos de mais do que sanções agora”.

A mesma visão é compartilhada pela liderança liberal dos Estados Unidos, Canadá e países da Europa Ocidental. Entre os políticos, a posição mais antirrussa é ocupada pelos liberais de esquerda – os Verdes europeus. Assim Yannick Jadot, o candidato verde nas eleições presidenciais francesas, condenou as reações excessivamente “suaves” de Eric Zemmour, Marine Le Pen e Jean-Luc Mélenchon à decisão da Rússia de reconhecer a República de Donbass e apelou para a defesa da “democracia” na Ucrânia.

Direita

Se os liberais oferecem um modelo claro para entender o que está acontecendo em torno da Ucrânia (“democracia versus autoritarismo”, “mundo global do futuro” versus “passado”, “progresso versus regresso”), então não existe tal entendimento entre esquerda e direita. A direita e esquerda populista tendem a apoiar a Rússia ou a tomar uma posição neutra, convidando ao diálogo. A “direita” hegemônica, como regra, se alinha com a posição dos liberais.

Nos Estados Unidos, a crise ucraniana dividiu o Partido Republicano. A maioria dos republicanos no Congresso apoiou a decisão de Joe Biden de impor sanções à Rússia. Alguns também elogiaram as ações de Biden, como o envio de mais tropas dos EUA para a Europa Oriental para reforçar as defesas da OTAN, mas setores influentes do establishment republicano, incluindo o senador Josh Hawley, o anfitrião da Fox News Tucker Carlson e o candidato ao Senado de Ohio J.D. Vance, se opõem à interferência dos EUA na Ucrânia. Eles argumentam que expandir o compromisso dos EUA com a OTAN é um erro e que o presidente deveria, em vez disso, concentrar-se em combater a China e assegurar a fronteira sul dos Estados Unidos.

O próprio ex-presidente Trump, comentando as decisões do presidente da Rússia, chamou-o de “brilhante”. “Oh, isto é maravilhoso”, disse Trump a este respeito. Ao mesmo tempo, o político não deixou de declarar que já em sua presidência tal desenvolvimento de eventos teria sido impossível. O ex-presidente dos EUA usa a situação em torno da Ucrânia para criticar Joe Biden. Depois de 24 de fevereiro, a retórica de Trump não mudou. Além disso, durante o início da operação militar russa, quando outros grandes canais de televisão dos EUA mostraram o apelo, Douglas McGregor, um coronel aposentado do Exército dos EUA que foi nomeado pelo Trump para o cargo de embaixador dos EUA na Alemanha.

“A primeira coisa que temos que fazer é reconhecer que o ponto de vista principal de Putin – não apenas o seu ponto de vista, mas o ponto de vista do governo russo, que eles mantêm há 25 anos, é válido. Eles não querem tropas americanas, mísseis e tropas da OTAN do outro lado da fronteira no leste da Ucrânia”, disse McGregor. Segundo ele, os EUA deveriam concordar com a Rússia sobre a neutralidade da Ucrânia para evitar conflitos. O ideólogo populista americano Steve Bannon também avaliou as ações da Rússia de forma bastante positiva. Segundo ele, “a situação nas regiões orientais de língua russa da Ucrânia, esta crise é 100% criada pelas ações da administração Biden”. A direita também oferece uma avaliação ideológica do que está acontecendo. Para os liberais, o reconhecimento da RPD e da RPL, seguida do envio de tropas russas para lá, é um golpe para a ordem mundial liberal. Os conservadores populistas americanos avaliam as consequências globais deste movimento de forma semelhante, mas positiva.

Nas palavras do blogueiro popular e comentarista conservador Steve Posobik, “Este é o colapso completo da ordem mundial neoliberal. Esta é uma situação em que tudo remonta ao modelo das sete civilizações de Sam Huntington. Acontece que as civilizações, os interesses nacionais e o realismo prevaleceram”. Após o início da operação militar na Ucrânia, a mídia liberal e neoconservadora e comentaristas começaram a seguir Steve Bannon, que falou positivamente sobre Putin em uma das transmissões com o fundador da Blackwater, Eric Prince.

Os dados dos sociólogos mostram que o eleitorado do Partido Republicano dos EUA é atualmente o menos provável a apoiar as aventuras antirrussas de Biden. Assim, apenas 43% dos eleitores republicanos apoiaram as movimentações de Biden na Europa, em comparação com 56% dos independentes e 70% dos democratas, de acordo com uma pesquisa da Universidade Quinnipiac. Para uma parte significativa do eleitorado do Partido Republicano, os problemas domésticos são importantes, não uma crise em outra parte do mundo.

Na França, a posição mais “antirrussa” no flanco direito foi assumida por Valerie Pecresse, candidata do Partido Republicano de direita. Ela realmente concordou com a posição do presidente liberal Emmanuel Macron, que defende tanto a pressão sobre a Rússia quanto o diálogo com ela. “É necessário ter um diálogo real com a Rússia, e eu apoiarei esse diálogo, mas este não é um diálogo de submissão às posições russas”, disse Pecresse. Após o início da operação militar na Ucrânia, o candidato declarou “total solidariedade” com a Ucrânia e propôs a tomada de “medidas duras” contra a Rússia.

Marine Le Pen, líder do Reagrupamento Nacional, chamou a decisão do Presidente Putin de “um ato extremamente lamentável”, mas disse que “tudo deve ser feito para retornar ao caminho do diálogo para garantir a paz na Europa”. A política apoia a retirada das tropas russas do Donbass, mas o reconhecimento da Crimeia como russa.

Após o início da operação militar da Rússia na Ucrânia, a posição de Le Pen não mudou. Ela apoia a retirada das tropas russas e o início de um diálogo com Moscou. Segundo ela, a França deveria tomar a iniciativa de realizar uma reunião diplomática sob os auspícios das Nações Unidas com a participação dos Estados Unidos, Rússia, Ucrânia, França, Alemanha, Grã-Bretanha, bem como da Polônia, Romênia, Hungria e Eslováquia, Estados vizinhos da Ucrânia.

Por sua vez, Eric Zemmour, falando de posições similares às de Donald Trump, criticando as ações da Rússia, observou que tanto a OTAN quanto a política de expansão da aliança contra os interesses da Rússia são culpados pela violação das fronteiras da Ucrânia. Em geral, a posição de Zemmour não mudou desde 24 de fevereiro. De acordo com ele, a França deveria iniciar um acordo da OTAN com a Rússia para impedir a expansão da aliança. A posição da parte de direita dos populistas franceses é contida. A condenação ritual da Rússia é compensada por declarações sobre a necessidade de diálogo.

Na Alemanha, o partido populista de direita Alternativa para a Alemanha apoiou inicialmente as ações da Rússia. O líder da AfD Tino Krupalla enfatizou que os residentes da RPD e da RPL têm o direito de decidir por si mesmos a que país pertencem. Em uma declaração em nome do partido, a AfD disse, no entanto, que expressou “pesar” sobre os desenvolvimentos atuais. A situação atual é uma consequência “da expansão da OTAN para o leste, que foi promovida contrariamente a todos os acordos com Moscou”. Assim, o Ocidente “tem violado os legítimos interesses de segurança da Rússia”. Por sua vez, o político da AfD berlinense Gunnar Lindemann postou fogos de artifício no Twitter em homenagem ao reconhecimento da Rússia às repúblicas populares.

A operação militar da Rússia na Ucrânia foi condenada pela deputada do AfD Alisa Weidel, líder da facção no Bundestag, e Tino Krupalla disseram que “a Rússia deve cessar imediatamente as hostilidades e retirar suas tropas da Ucrânia”. Na Itália, o líder do partido Lega, Matteo Salvini, condenou a “violação” das fronteiras da Ucrânia, mas se opôs à imposição de sanções contra a Rússia.

Esquerda

Na França, a maioria dos candidatos presidenciais de esquerda se apresentou para condenar os movimentos russos no Donbass. Assim, Christiane Tobira, ex-ministra da Justiça, disse que “a solidariedade dos Estados europeus com a Ucrânia não deve enfraquecer”, o chefe do Partido Comunista Francês (PCF) Fabien Roussel enfatizou que: “O reconhecimento pelo Presidente da Rússia da independência das duas repúblicas separatistas da Ucrânia é uma decisão extremamente séria e perigosa! Tudo deve ser feito para desanuviar esta guerra que se estende até as portas da Europa!” Os mesmos políticos condenaram a operação militar da Rússia na Ucrânia.

Mesmo Jean-Luc Mélenchon, o líder do movimento populista de esquerda França Insubmissa, que antes tinha uma atitude positiva em relação à Rússia, disse que “independentemente do que pensamos sobre os motivos posteriores ou da lógica da situação, no entanto, foi a Rússia que assumiu a responsabilidade por este episódio”.

Em 24 de fevereiro, o político de esquerda condenou o uso da força pela Rússia e apelou para a mobilização das forças de defesa europeias e francesas. Segundo ele, a França deveria promover o diálogo pacífico.

Na Alemanha, o Esquerda disse que condenou unanimemente as ações da Rússia por serem contrárias ao direito internacional. Em uma declaração conjunta, os líderes do partido e do grupo parlamentar Susanne Hennig-Wellow, Janine Wissler, Amira Mohamed Ali e Dietmar Bartsch acusaram o presidente russo de reconhecer as “repúblicas populares” de Lugansk e Donetsk e a “invasão” associada pelas tropas russas na Ucrânia como “contrária ao direito internacional, violando a soberania e a integridade territorial da Ucrânia e aumentando o perigo de uma grande guerra na Europa”. Os esquerdistas pedem a retirada das tropas russas do Donbass. Sevim Dagdelen e Gregor Gysi, deputados do Bundestag de esquerda que já falaram de posições pró-russas e acusaram a OTAN de alimentar o conflito na Ucrânia, pediram para evitar uma guerra entre a Rússia e a OTAN. Ao mesmo tempo, Dagdelen acusou a Rússia de violar o direito internacional.

Embora Gizi e Dagdelen sejam contra as sanções contra a Rússia, o partido tem fortes vozes de esquerda acusando a Rússia de chauvinismo imperialista, nacionalismo e apoiando a abordagem das sanções. Até Sarah Wagenknecht, uma representante da ala populista da esquerda, condenou as ações da Rússia, chamando-as de “uma clara violação dos acordos de Minsk”.

Em 24 de fevereiro, o Die Linke emitiu uma declaração oficial dizendo que “o bombardeio e a invasão das tropas russas na Ucrânia é um novo nível de agressão por Putin, que condenamos com a maior veemência possível”. Na Itália, o ministro das Relações Exteriores do partido populista de esquerda 5 Estrelas, Luigi Di Maio, condenou a Rússia, pedindo sanções “proporcionais” contra a Rússia.

Liberalismo versus Realismo

Em geral, nos EUA e nos países europeus, os populistas de esquerda e direita são mais propensos a agir a partir da posição de “compreender” as ações da Rússia e promover o diálogo com ela, em vez de apoiar abertamente suas ações. As posições dos lados “esquerdo” e “direito” do espectro populista nesta situação em cada país são praticamente semelhantes, com exceção dos Estados Unidos, onde não existe um polo populista sério dentro do Partido Democrata. Mesmo nos Estados Unidos, os populistas consideram mais abertamente a crise no Donbass como “não sendo assunto dos Estados Unidos”.

Na Europa, por sua vez, entre os países que têm um sério impacto na agenda internacional, o espectro político é o mais unido em termos antirrussos no Reino Unido. Também não existem estruturas populistas sérias na política deste país. Mais ou menos próximas da posição dos populistas continentais estão as ideias de Nigel Farage, o antigo chefe do Partido da Independência do Reino Unido (UKIP), que acredita ser necessário adotar uma moratória sobre a entrada da Ucrânia na OTAN e acabar com a histeria sobre a “invasão” russa da Ucrânia.

Em geral, apesar da condenação ritual da Rússia, as forças populistas, de direita e esquerda, veem a crise em termos da teoria do realismo nas relações internacionais (RI). Para eles, não tem conteúdo ideológico e, apesar da possível diferença de interesses, o diálogo com a Rússia é possível, mesmo que eles não se congratulem com suas ações. Os liberais (incluindo os liberais de esquerda e direita) entendem o conflito em torno da Ucrânia de forma diferente: primeiro de tudo, como um confronto ideológico (a teoria liberal de RI), que exclui qualquer diálogo.

Em geral, espera-se uma enorme pressão de informação a curto prazo, talvez até mesmo tentativas de iniciar casos criminais sob pretextos rebuscados contra populistas de esquerda e direita nos países ocidentais. Os liberais estão usando a situação na Ucrânia para exercer pressão sobre seus rivais. Ao fazer isso, esses rivais também serão forçados a se adaptar ao discurso antirrusso dominante. Entretanto, os possíveis sucessos da Rússia e os fracassos e erros dos governos liberais do Ocidente, pelo contrário, marcarão pontos com movimentos populistas e líderes que insistem em uma visão realista da política mundial. Em grande medida, o alinhamento político nos países ocidentais dependerá das perspectivas da operação militar russa na Ucrânia.

Fonte: Katehon

Aleksandr Dugin

Filósofo e cientista político, ex-docente da Universidade Estatal de Moscou, formulador das chamadas Quarta Teoria Política e Teoria do Mundo Multipolar, é um dos principais nomes da escola moderna de geopolítica russa, bem como um dos mais importantes pensadores de nosso tempo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *