A Ética Nietzscheana de Evola: Um Código de Conduta para o Homem Superior na Yuga

Os dez “princípios nietzschianos” reformulados para o “homem da Tradição” por Evola no Capítulo 8 de Cavalgar o Tigre e aqui explicados por Collin Cleary, um por um, nos fornecem um guia inspirador para a vida nesta Era do Lobo.

Por Collin Cleary

O subtítulo da tradução em inglês de Cavalcare la Tigre de Julius Evola promete oferecer “Um Manual de Sobrevivência para os Aristocratas da Alma”. Como resultado, chega-se ao trabalho com a expectativa de que constituirá uma espécie de “livro de autoajuda” para tradicionalistas, para “homens contra o tempo”. Espera-se que Evola ofereça apoio moral e talvez até instruções específicas para se revoltar contra o mundo moderno. Infelizmente, o subtítulo se prova enganoso. Cavalgar o Tigre é dedicado principalmente a uma análise dos aspectos da atual era de declínio (Kali Yuga): críticas ao relativismo, cientificismo, arte moderna, música moderna e de figuras como Heidegger e Sartre; discussões sobre o declínio do casamento, a relação entre os sexos, o uso de drogas e assim por diante. Muito do que Evola pontua nesse volume, ele o faz em suas outras obras, às vezes com maior extensão e mais lucidez.

Àqueles que procuram algo como um guia para viver como um tradicionalista, é principalmente a segunda parte do livro (“No mundo onde Deus está morto”) que oferece algo, sobretudo o capítulo oito: “A Dimensão Transcendente – ‘Vida’ e ‘Mais do que Vida’”. Meu objetivo neste ensaio é juntar as peças do “manual de sobrevivência” em miniatura fornecido pelo capítulo oito – algumas das quais consistem em pouco mais do que sugestões, veiculadas no estilo muitas vezes insatisfatoriamente opaco de Evola. É minha opinião que o encontrado nestas páginas é de profunda importância para qualquer pessoa que luta para manter sua sanidade mental em face da decadência e desonestidade do mundo de hoje. É também uma leitura imprescindível para quem busca atingir o ideal de “auto-superação” ensinado por Evola – buscando, em outras palavras, “cavalgar o tigre”.

A figura central da segunda parte do livro é, sem dúvida, Friedrich Nietzsche, a quem Evola faz referência repetidamente. Sua atitude em relação a Nietzsche é crítica. No entanto, é óbvio que Nietzsche lhe exerceu uma influência profunda e positiva. Na verdade, virtualmente todas as recomendações que Evola faz para viver como um tradicionalista – nesta seção da obra, pelo menos – são de alguma forma derivadas de Nietzsche, apesar do fato de Nietzsche não ser um tradicionalista – um fato de que Evola estava bem ciente e ao qual voltarei mais tarde.

No último parágrafo do capítulo sete, Evola anuncia que no próximo capítulo considerará “um código de conduta durante o reinado da dissolução que não é adequada para todos, mas para um tipo diferenciado e principalmente para o herdeiro do homem do mundo tradicional, que mantém suas raízes naquele mundo, embora se encontre destituído de qualquer suporte para ele em sua existência exterior.” Esse “código de conduta” acaba sendo, no capítulo seguinte, baseado inteiramente em declarações feitas por Nietzsche. Esse capítulo começa com uma continuação da discussão sobre o homem que seria “herdeiro do homem do mundo tradicional”. Evola escreve: “Além disso, o essencial é que tal homem se caracterize por uma dimensão existencial não presente no tipo humano predominante dos últimos tempos – isto é, a dimensão da transcendência.”

Evola claramente considerou essa afirmação como de suprema importância, uma vez que ele coloca toda a frase citada em itálico. A frase é importante por dois motivos. Em primeiro lugar, como afirma claramente, fornece a característica-chave do “tipo diferenciado” para quem Evola escreve ou para quem prepara o terreno. Em segundo lugar, a frase realmente fornece o ponto-chave no qual Evola se separa de Nietzsche: por toda a profundidade e inspiração que Nietzsche pode nos fornecer, ele não reconhece uma “dimensão de transcendência”. Na verdade, ele denigre a própria ideia como uma projeção da “moralidade dos escravos”. Nosso primeiro passo, portanto, deve ser entender exatamente o que Evola quer dizer com “a dimensão da transcendência”. Infelizmente, em Cavalgar o Tigre Evola não torna isso muito fácil. Para qualquer pessoa familiarizada com outras obras de Evola, no entanto, seu significado é claro.

“Dimensão de transcendência” pode ser entendida como tendo vários significados distintos, mas intimamente relacionados na filosofia de Evola. Primeiro, o termo “transcendência” simplesmente se refere a algo existente à parte ou além do mundo ao nosso redor. Os “aristocratas do espírito” que vivem no Kali Yuga devem viver suas vidas de forma que eles “fiquem à parte” ou transcendam o mundo em que se encontram. Esse é o significado da frase “homens contra o tempo”, que já usei (e deriva de Savitri Devi). O “tipo diferenciado” sobre o qual escreve Evola é aquele que se diferenciou da época e dos homens que são como “adormecidos” ou pashu (feras). Existindo no mundo em um sentido físico, mesmo desempenhando algum papel (ou papéis) nele, a pessoa, no entanto, vive ao mesmo tempo totalmente separada dele, em um sentido espiritual. Este é o caminho de quem almeja “cavalgar o tigre”: não se separam da decadência, como monges ou eremitas; em vez disso, eles vivem em seu meio, mas permanecem incorruptos. (Isso também é um pouco diferente do que a tradição gurdjieffiana chama de “a quarta via” e é a essência do “Caminho da Mão Esquerda”, conforme descrito por Evola e outros.)

No entanto, existe um outro sentido mais profundo da “dimensão da transcendência”. O tipo de homem de que Evola fala não é simplesmente uma reação ao mundo em que se encontra. Não é nisso que consiste sua “separação” – não fundamentalmente. Nem consiste em algum tipo de compromisso intelectual com uma “filosofia do tradicionalismo”, como encontrada nos livros de Evola e outros. Em vez disso, “transcendência” no sentido mais profundo se refere ao Magnum Opus que é o objetivo da “magia” ou alquimia espiritual discutida por Evola em suas obras mais importantes (principalmente Introdução à Magia e A Tradição Hermética). “Transcendência” significa a superação do mundo e do ego – de todas as manifestações, sejam elas objetivas (“exteriores”) ou subjetivas (“interiores”). Essa superação é o trabalho do que é chamado no Vedanta de “consciência-testemunha”. Evola frequentemente chama isso de “o Si”.

Esses diferentes sentidos de “transcendência” estão interligados. É somente por meio do segundo sentido de “transcendência”, da superação de todas as manifestações, que o primeiro sentido, separação do mundo moderno, pode ser verdadeiramente alcançado. O homem que é “herdeiro do homem do mundo tradicional” pode reter “suas raízes naquele mundo” somente pela conquista de um estado de ser que é idêntico ao do “tipo mais elevado” do mundo tradicional. Esse tipo também era “diferenciado”: separado dos outros homens. Fundamentalmente, porém, ser um “tipo diferenciado” não significa ser diferenciado dos outros. Refere-se ao estado de alguém que diferenciou ativamente “si mesmo” de tudo o mais, incluindo “o ego”. Essa diferenciação ativa é a mesma coisa que “identificação” com o Ser – que, para Evola, não é a dissolução de si mesmo em um Outro Absoluto, mas a transmutação de “si mesmo” em “o Si”. Além disso, a diferenciação metafísica que acabamos de descrever é o único caminho certo e verdadeiro para a “diferenciação” exibida pelo homem que vive na Kali Yuga, mas se destaca dela ao mesmo tempo.

Mais adiante, discutirei como e por que Nietzsche falha em entender “a dimensão da transcendência” e como ela constitui a falha fatal em sua filosofia. Reconhecendo isso, Evola, no entanto, passa a extrair de Nietzsche uma série de princípios que constituem o espírito do “super-homem”. Evola os oferece como caracterizando seu próprio tipo ideal – com a advertência crucial de que, contra Nietzsche, estes princípios só são verdadeiramente realizáveis ​​em um homem que realizou em si mesmo a “dimensão da transcendência”. Basicamente, existem dez princípios citados por Evola, cada um dos quais ele deriva de declarações feitas por Nietzsche. A passagem em que ocorrem é muito incomum, pois consiste em uma frase longa (de mais de uma página), com cada princípio destacado por ponto-e-vírgula. Agora considerarei cada um desses pontos separadamente.

1. “O poder de fazer uma lei para si mesmo, o ‘poder de recusar e não agir quando alguém é pressionado à afirmação por uma força prodigiosa e uma enorme tensão.’” Este primeiro princípio é crucial e deve ser discutido extensamente. Anteriormente, no capítulo sete (“Sendo você mesmo”), Evola cita Nietzsche dizendo: “Devemos nos libertar da moralidade para que possamos viver moralmente.” Evola observa corretamente que, em tais afirmações e na ideia de “fazer uma lei para si mesmo”, Nietzsche segue os passos de Kant, que insistia que a moralidade genuína é baseada na autonomia – que literalmente significa “uma lei para si mesmo”. Isso é contrastado por Kant com a heteronomia (um termo que Evola também usa neste mesmo contexto): moralidade baseada em pressões externas ou na fidelidade a leis estabelecidas independentemente do sujeito (por exemplo, conformar-se à opinião pública, agindo assim para ganhar a aprovação de outros, etc.). Este é o significado de dizer “devemos nos libertar da moralidade [ou seja, dos mandamentos morais impostos externamente] para que possamos viver moralmente [ou seja, de forma autônoma].” Para que o ponto de vista do sujeito seja genuinamente moral, ele deve, em certo sentido, “legislar” a lei moral para si mesmo e afirmá-la como razoável. De fato, para Kant, em última análise, a autoridade da lei moral consiste em “desejá-la” como racional.

Claro, a posição de Nietzsche não é a de Kant. Como Kant, Nietzsche exige que o super-homem pratique a autonomia, que dê uma lei a si mesmo. No entanto, Kant sustentava que nossa auto-legislação simultaneamente legisla para os outros: a lei que dou a mim mesmo é a lei que daria a qualquer outro ser racional. O super-homem, ao contrário, legisla apenas para si mesmo – ou possivelmente para si mesmo e para o pequeno número de homens como ele. Se reconhecermos diferenças qualitativas fundamentais entre os tipos humanos, devemos considerar a possibilidade de que regras diferentes se apliquem a eles. Fundamental para a posição de Kant é a afirmação igualitária de que as pessoas não conseguem “jogar de acordo com suas próprias regras” (na verdade, para Kant a alegação de ser uma exceção às regras gerais, ou de fazer uma exceção para si mesmo, é o marcador de imoralidade). Se rejeitarmos esse igualitarismo, então, de fato, segue-se que certos indivíduos especiais podem jogar de acordo com suas próprias regras.

Isso não significa que, para o autoproclamado super-homem, “vale tudo”. Na verdade, qualquer indivíduo que interpretasse o que precede como autorizando a auto-indulgência arbitrária de caprichos ou paixões seria imediatamente desqualificado como um super-homem potencial. Isso ficará muito claro à medida que prosseguirmos com o restante dos “dez princípios” de Evola no capítulo oito. Por enquanto, basta olhar mais uma vez para a formulação que Evola toma emprestada de Nietzsche em nosso primeiro “princípio”: o “poder de recusar e de não agir quando somos pressionados à afirmação por uma força prodigiosa e uma enorme tensão”. Recusar o quê? Que tipo de força? Que tipo de tensão? A afirmação parece vaga, mas na verdade é bastante clara: autonomia significa, fundamentalmente, o poder de dizer não a quaisquer forças ou tensões que nos pressionem a afirmá-las ou ceder a elas.

As “forças” em questão podem ser internas ou externas: podem ser a força das circunstâncias sociais e ambientais; podem ser a força de minhas próprias paixões, hábitos e inclinações. É uma grande tolice pensar que minhas paixões e coisas semelhantes são “minhas” e que, ao segui-las, sou “livre”. Tudo o que cria uma “enorme tensão” em mim e exige que eu ceda, quer venha “de dentro de mim” ou “de fora de mim”, precisamente não é meu. Somente o “eu” autônomo, que pode ver isso, é “meu” e somente ele pode dizer não a essas forças, possui “o poder de recusar e não agir”. Essencialmente, Nietzsche e Evola estão falando sobre autodomínio. Essa é a “lei” que o super-homem – e o “tipo diferenciado” – dá a si mesmo. E claramente não é “universalizável”; o super-homem não espera e não pode esperar que outros o sigam nisso.

Em suma, este primeiro princípio nos pede que cultivemos em nós mesmos o poder de recusar ou negar – de uma forma ou de outra – tudo o que nos ordena. Novamente, isso se aplica também a forças de dentro de mim, como paixões e desejos. Essa recusa nem sempre significa literalmente frustrar ou aniquilar as forças que nos influenciam. Em alguns casos, isso é impossível. A nossa “recusa” pode, por vezes, consistir apenas em ver a força em questão, como quando vejo que estou a agir por hábito arraigado, mesmo quando, naquele momento, não tenho forças para resistir. Tal “ver” já coloca distância entre nós e a força que nos moveria: indica, com efeito, “Eu não sou isso”. À medida que avançarmos pelos outros princípios de Evola, aprenderemos mais sobre o exercício desse tipo muito especial de autonomia.

2. “O ascetismo natural e livre para testar sua própria força medindo ‘o poder de uma vontade de acordo com o grau de resistência, dor e tormento que ela pode suportar a fim de transformá-los em seu próprio benefício.’” Aqui temos outra expressão da “autonomia” do tipo diferenciado. Tal homem testa sua própria força e vontade, escolhendo deliberadamente o que é difícil. Ao contrário do Último Homem, que deixou “as regiões onde é difícil viver”, o super-homem/homem diferenciado as procura.

Evola escreve que “deste ponto de vista, tudo o que a existência oferece em termos de mal, dor e obstáculos. . . é aceito, até mesmo desejado.” Este pode ser o mais importante de todos os pontos que Evola enumera neste capítulo – e é um princípio que pode servir como um salva-vidas para todos os homens que vivem na Kali Yuga, ou em qualquer momento. Se pudermos viver de acordo com este princípio, então nos tornamos verdadeiramente dignos do manto de “super-homem”. A ideia é esta: posso dizer “sim” a todas as adversidades que a vida me oferece? Posso usar todo o sofrimento e males da vida como uma forma de testar e me transformar? Posso me forjar no fogo do sofrimento? E, dando um passo adiante, posso desejar dificuldades e sofrimento? Uma coisa, claro, é aceitar algum obstáculo ou calamidade como meio de me testar, outra coisa é desejá-las ativamente.

Aqui devemos considerar nossos sentimentos com muito cuidado. Pessoalmente, não temo a minha própria morte tanto quanto a morte dos que me são próximos. E temo minha própria incapacidade física e declínio mais do que a morte. É psicologicamente realista desejar a morte de meus entes queridos ou desejar uma doença incapacitante, como forma de me testar? Não, não é – e não é isso que Evola e Nietzsche querem dizer. Em vez disso, a atitude mental em questão é aquela em que dizemos um grande e geral “sim” a tudo o que a vida pode trazer no caminho das dificuldades. Além disso, saudamos esses desafios, pois sem eles não cresceríamos. Não é que desejemos esta ou aquela calamidade específica, mas desejamos, em geral, ser testados. E, finalmente, acolhemos essas provas com suprema confiança: tudo o que a vida me lançar, eu superarei. Em certo sentido, absorverei toda negatividade e só me fortalecerei por meio dela.

3. Evola fala em seguida do “princípio de não obedecer às paixões, mas de mantê-las na coleira”. Em seguida, ele cita Nietzsche: “a grandeza de caráter não consiste em não ter tais paixões: é preciso tê-las ao máximo, mas mantidas sob controle e, além disso, fazê-lo com simplicidade, não sentindo nenhuma satisfação particular com isso”. Isso decorre do primeiro princípio, discutido anteriormente. Repetindo, dar rédea solta às nossas paixões não tem nada a ver com autonomia, liberdade ou domínio. De fato, é a principal maneira pela qual o homem comum se vê controlado.

Para ver isso, é preciso ser capaz de reconhecer as “próprias” paixões como, na realidade, outras. Eu não escolho essas coisas ou o poder que elas exercem. O que se segue disso, no entanto, não é necessariamente frustrar essas paixões ou “negar a si mesmo”. Como Evola explica em vários de seus trabalhos, o Caminho da Mão Esquerda consiste justamente em fazer uso daquilo que escravizaria ou destruiria um homem inferior. Mantemos as paixões “na coleira”, diz Evola. A metáfora é apropriada. Nossas paixões devem ser como cães bem treinados. Esses animais estão cheios de uma intensidade apaixonada pela caça – mas seu mestre os controla completamente: a um comando, eles correm atrás de suas presas, mas apenas quando comandados. Como as palavras de Nietzsche sugerem, o maior homem não é aquele cujas paixões são fracas. Um homem com paixões fracas as acha bastante fáceis de controlar! O homem superior é aquele cujas paixões são incrivelmente fortes – aquele em quem a “força vital” é forte – mas as mantém sob controle.

4. Nietzsche escreve “o homem superior se distingue do inferior por sua intrepidez, por seu desafio à infelicidade.” Aqui também temos conselhos inestimáveis ​​para a vida. O homem intrépido é destemido e inabalável; ele aguenta. Mas por que Nietzsche conecta isso ao “desafio da infelicidade”? A resposta é que, assim como o homem comum é escravo das paixões que o arrebatam a qualquer momento, ele também é prisioneiro de seus “humores”. A maioria dos homens acorda de manhã e se encontra de um jeito ou de outro: “hoje estou feliz”, “hoje estou triste”. Eles aceitam que, de fato, alguma determinação foi feita para eles e que eles são impotentes no assunto. Se a infelicidade perdurar, eles têm uma “doença” que recorrem às drogas ou ao álcool para curar.

Tal como acontece com as paixões, o homem médio é “dono” de seus humores: “essa infelicidade é minha, sou eu”, diz ele, com efeito. O homem superior aprende a ver seus humores como se fossem o clima – ou, melhor ainda, como se fossem demônios menores que o cercam: malfeitores externos, aos quais ele tem o poder de dizer “sim” ou “não”. O homem superior, ao descobrir que sente infelicidade, diz “ah sim, aí está de novo”. Imediatamente, vendo “sua” infelicidade como outra – como um hábito, um padrão, uma espécie de nuvem mental passageira – ele recusa a identificação com ela. E ele começa a conquistar intrepidamente a infelicidade. Ele não se lhe aquiesce.

5. O que foi dito acima não significa, porém, que o homem superior se esforce intrepidamente para tentar ser “feliz”. Evola cita Nietzsche dizendo que “é sinal de regressão quando o prazer começa a ser considerado como o princípio mais elevado.” O homem superior responde com incredulidade àqueles que “apontam o caminho para a felicidade” e responde “Mas o que a felicidade significa para nós?” A preocupação com a “felicidade” é característica do tipo moderno inferior, a que Nietzsche se refere como “o Último Homem” “’Nós inventamos a felicidade’, dizem os últimos homens, e eles piscam. Eles deixaram as regiões onde era difícil viver, pois precisam de calor.”

Mas se não buscamos a felicidade, em nome do que “desafiamos a infelicidade”? Resposta: em nome da grandeza, do autodomínio, da autossuperação. Kant pode ser de alguma ajuda limitada para nós aqui também, pois ele disse que o objetivo da vida não deveria ser a felicidade, mas tornar-se digno da felicidade. Muitos indivíduos podem alcançar a felicidade (na verdade, quanto mais burro, maiores as chances), mas apenas alguns são dignos dela. O homem superior é digno de felicidade, quer a tenha ou não. E ele não se importa de qualquer maneira. Ele nem mesmo almeja, realmente, ser digno de felicidade, mas ser digno de grandeza, como o “homem de grande alma” de Aristóteles (megalopsychos).

6. Segundo Evola, o homem superior reivindica o direito (citando Nietzsche) “a atos excepcionais como tentativas de vitória sobre si mesmo e como atos de liberdade . . . para assegurar-se, com uma espécie de ascese, de uma preponderância e uma certeza da própria força de vontade.” Este ponto está relacionado ao segundo princípio, discutido anteriormente. O homem superior é senhor, antes de tudo, de si mesmo. Ele, portanto, procura oportunidades para testar a si mesmo de maneiras excepcionais. Evola fornece uma discussão extensa de uma forma de tal auto-provação em seu Meditations on the Peaks: Mountain Climbing as Metaphor for the Spiritual Quest (e, é claro, para Evola a escalada de montanha não era inteiramente metafórica!). Através de tais oportunidades, a pessoa “se assegura” da força de sua vontade, mas há mais: através de tais testes, a vontade torna-se ainda mais forte.

“Ascetismo” sugere abnegação, mas como esse teste de vontade constitui “negar a si mesmo”? A chave, é claro, está em perguntar “o que é o meu eu?” O eu que é negado em tais atos de “autodomínio” é precisamente o eu que busca manter a vida, a segurança, suas preocupações e posses efêmeras. Nós “negamos” esse eu precisamente ameaçando o que ele mais valoriza. Dominá-lo é silenciar progressivamente sua voz e afrouxar seu domínio sobre nós. É dessa maneira que um eu superior – o que Evola, novamente, chama de o Eu – cresce em nós.

7. O homem superior afirma a liberdade que inclui “manter a distância que nos separa, ser indiferente às dificuldades, dificuldades, privações, até mesmo à própria vida”. Mas qual é a “distância que nos separa”? Aqui Nietzsche pode ter se referido à hierarquia, ou ao que ele costuma chamar de “ordem de classificação”. Ele também pode ter se referido ao desejo bem conhecido do homem superior de distanciamento, beirando às vezes um desejo de isolamento. O homem superior se afasta dos outros; ele tem pouca necessidade da companhia de seres humanos, a menos que sejam como ele. E, mesmo assim, ele deseja a companhia de tais homens apenas em pequenas e raras doses. Ele sente repulsa por multidões e por situações que o forçam a sentir o calor, a respiração e a pressão dos outros. Tais sentimentos são um marcador infalível da alma superior – mas não são uma “virtude” a ser cultivada. Ou alguém tem esses sentimentos ou não tem. É-se o tipo superior ou uma “pessoa do povo”.

Se consultarmos o contexto em que a citação aparece – uma parte importante de Crepúsculo dos Ídolos – Nietzsche nos oferece pouca ajuda para entender especificamente o que ele quer dizer com “a distância que nos separa”, mas o contexto circundante é uma mina de ouro de reflexões sobre o tipo superior e é surpreendente que Evola não o cite mais detalhadamente. Nietzsche observa que “a guerra educa para a liberdade” (um ponto sobre o qual Evola reflete longamente em sua Metafísica da Guerra), então escreve:

“O que é a liberdade? Ter a vontade de responsabilidade por si mesmo. Mantendo a distância que nos separa. Tornando-se indiferente aos problemas, dificuldades, privações, até mesmo à vida. Estar pronto para sacrificar pessoas pela sua causa, não se excluindo. Liberdade significa que os instintos viris, os instintos que celebram a guerra e a vitória, dominam outros instintos, por exemplo, o instinto de “felicidade”. O ser humano que se tornou livre, para não falar do espírito que se tornou livre, passa por cima do desprezível bem-estar sonhado por merceeiros, cristãos, vacas, mulheres, ingleses e outros democratas. O ser humano livre é um guerreiro.”

Vale a pena ler o resto da passagem.

8. Evola nos diz que o homem superior rejeita “a confusão insidiosa entre disciplina e debilidade”. O objetivo da disciplina não é produzir fraqueza, mas uma força maior. “Aquele que não domina é fraco, dissipado, inconstante.” Disciplinar-se é dominar as próprias paixões. Como vimos em nossa discussão do terceiro princípio, isso não significa reprimir as paixões ou negá-las, tampouco significa satisfazê-las: o homem que negligentemente satisfaz suas paixões torna-se “fraco, dissipado, inconstante”. Em vez disso, o homem superior aprende a controlar suas paixões e a fazer uso delas como meio de autotransformação. É somente quando as paixões são dominadas – quando atingimos o ponto em que não podemos ser arrebatados por elas – que podemos expressá-las de tal maneira que se tornem veículos de auto-superação.

Evola cita Nietzsche: “O excesso é uma censura apenas contra aqueles que não têm direito a ele; e quase todas as paixões tiveram má reputação por causa daqueles que não eram suficientemente fortes para empregá-las.” A convergência da posição de Nietzsche com o retrato de Evola do Caminho da Mão Esquerda não poderia ser mais clara. O homem superior tem direito ao “excesso”, porque, ao contrário do homem comum, não se deixa levar pelas paixões. Ele as mantém “na coleira” e os usa como meio de transcender o ego e alcançar um estado mais elevado. O homem comum, que se identifica com suas paixões, torna-se inteiramente escravo delas e é sugado até secar. Ele dá ao “excesso” uma má reputação.

9. O penúltimo princípio de Evola está no espírito de Nietzsche, mas não o cita. Evola escreve: “Apontar o caminho daqueles que, livres de todos os vínculos, obedecendo apenas à sua própria lei, são inflexíveis em obediência a ela e acima de toda fraqueza humana.” As primeiras palavras desta passagem são um pouco ambíguas: o que Evola quer dizer com “apontar o caminho daqueles que . . .” (o original italiano – l’indicare la via di coloro che – não ajuda também). Talvez o que se queira dizer aqui seja simplesmente que o tipo superior aponta o caminho para os outros. Ele serve de exemplo – ou de vanguarda. Este não é, obviamente, um ideal ao qual qualquer um pode aspirar, mas o exemplo do homem superior pode servir para “despertar” outros que tenham o mesmo potencial. Isso era, de fato, algo como a própria intenção literária de Nietzsche: apontar o caminho para o Super-homem; para despertar aqueles cujas almas são fortes o suficiente.

10. Finalmente, Evola nos diz que o tipo superior é “herdeiro da equívoca virtus dos déspotas renascentistas” e que ele é “capaz de generosidade, pronto para oferecer assistência viril, de ‘virtude generosa’, magnanimidade e superioridade a sua própria individualidade.” Aqui Evola alude à admiração qualificada de Nietzsche por Cesare Borgia (que Nietzsche oferece como um exemplo do que ele chama de “homens de rapina”). O resto da citação, no entanto, lembra a descrição de Aristóteles do homem de grande alma – especialmente o uso do termo “magnanimidade”, que alguns tradutores preferem a “grandeza de alma”. O homem superior não é uma besta. Ele é capaz de virtudes como generosidade e benevolência. Isso é porque ele está livre daquilo que mantém os homens menores em escravidão. O homem superior pode ser generoso com coisas como dinheiro e bens, pois estes têm pouco ou nenhum valor para ele. Ele pode ser generoso em ignorar as falhas dos outros, pois espera pouco deles de qualquer maneira. Ele pode até ser generoso em perdoar seus inimigos – quando estão seguros a seus pés. O homem superior pode fazer tudo isso, pois possui “superioridade à sua própria individualidade”: ele não está preso às pretensões de seu próprio ego e aos bens mundanos que o ego almeja.

A frase muito longa de Evola sobre o homem superior agora termina com o seguinte resumo:

“todos esses são os elementos positivos que o homem da Tradição também faz seus, mas que só são compreensíveis e alcançáveis ​​quando a “vida” é “mais que a vida”, isto é, pela transcendência. São valores alcançáveis ​​apenas por aqueles em quem há algo mais, e algo mais, do que a mera vida.”

Em outras palavras, Nietzsche nos apresenta um retrato rico e inspirador do homem superior. E, no entanto, os princípios que ele discute terão um resultado positivo e servirão ao “homem da Tradição”, apenas se virarmos Nietzsche de cabeça para baixo. Anteriormente no capítulo oito, Evola escreve: “A solução de Nietzsche para o problema do sentido da vida, consistindo na afirmação de que este sentido não existe fora da vida, e que a vida em si é sentido. . . vale apenas no pressuposto de um ser que tem a transcendência como seu componente essencial”. (Evola coloca toda esta declaração em itálico.) Em outras palavras, para colocar a questão de forma bem simples, o significado da vida como vida em si só é válido quando a vida de um homem é dedicada à transcendência (nos sentidos discutidos anteriormente). Ou poderíamos dizer, um pouco mais obscuramente, que os pontos de Nietzsche são válidos quando a vida do homem transcende a vida.

A afirmação de Evola vai ao cerne de sua crítica a Nietzsche. Uma página depois, ele fala de tendências conflitantes dentro de seu pensamento. Por um lado, temos uma “exaltação naturalista da vida” que corre o risco de “uma rendição do ser ao mundo simples dos instintos e das paixões”. O perigo aqui é que estes se afirmarão “através da vontade, tornando-a sua serva”. Nietzsche, é claro, é famoso por sua teoria da “vontade de poder”, mas a rendição aos impulsos mais básicos do ego e do organismo resultará nesses impulsos sequestrando a vontade e usando-a para seus próprios propósitos. Torna-se, então, escravo dos instintos e paixões e a antítese de um ser livre e autônomo.

Por outro lado, encontram-se em Nietzsche “testemunhos de uma reação à vida que não pode surgir da própria vida, mas unicamente de um princípio superior a ela, como revela uma frase característica: Geist ist das Leben, das selber ins Leben schneidet”. Em outras palavras, o pensamento de Nietzsche apresenta uma contradição fundamental – uma contradição que não pode ser resolvida dentro de seu pensamento, mas apenas no de Evola.

Os dez “princípios nietzschianos” de Evola, reformulados para o “homem da Tradição”, fornecem um guia inspirador para a vida nesta Era do Lobo. Eles apontam o caminho. Eles nos mostram o que devemos nos tornar. São ideias que nos desafiam a ser dignos delas.

Fonte: Euro-Synergies

Imagem padrão
Collin Cleary

Pensador tradicionalista independente, autor de "Summoning the Gods" e escritor para o site Counter-Currents.

Artigos: 585

Deixar uma resposta