Inquietude e Contestação Social nos Filmes Hollywoodianos

De modo geral, o cinema é uma janela para a cultura de um determinado povo, mas não apenas em um sentido geral, também em relação às mudanças de perspectiva de cada geração sucessiva. De um modo geral, as últimas duas décadas de filmes hollywoodianos, especialmente na ficção científica, têm dado testemunho de uma crescente insatisfação civilizacional.

Os anos 70, em particular, foram um período de profundo questionamento das instituições. O caso Watergate desacreditou radicalmente a classe política, e a revolta da juventude alimentou e ampliou a contestação realizada pelos movimentos de defesa das minorias (étnicas, sexuais, etc.). Como resultado, Hollywood refletia um sentimento de desconfiança em relação às estruturas estatais: esta foi a grande era dos filmes “paranoicos”, de O Assassinato de um Presidente (1973) até Todos os Homens do Presidente (1976), passando pela A Conversação (1973) e Três Dias do Condor (1975). As agências policiais eram sistematicamente retratadas como corruptas; os políticos eram vistos conspirando com consórcios industriais para garantir seu próprio ganho pessoal, contra os interesses de seus concidadãos; as vozes dos jornalistas que procuravam expor escândalos eram abafadas.

Este questionamento do sistema em vigor, que era inicialmente marcado “à esquerda”, acabou servindo, paradoxalmente, para apoiar a ascensão do discurso ultraconservador de Reagan. O líder do partido republicano também explorou o sentimento de desconfiança paranoica que estava surgindo na população. Ele pediu uma crítica ao “Grande Governo” e ao “Grande Negócio”, em nome de uma América que tinha sido desprezada e deveria recuperar seus direitos. Nas telas, veremos o surgimento da raça dos super-homens de corpo construído, encarregados sozinhos de restaurar a ordem diante de um mundo corrupto, de certa forma duplicando a imagem que o próprio Reagan procurava dar a si mesmo na arena política. Esta foi a era de filmes como Rambo (1982) e Duro de Matar (1989), em que o herói era interpretado por um americano comum enojado com as instituições, e o vilão era interpretado por um representante corrupto do sistema.

Nos anos 90, no entanto, os Estados Unidos parecem se rejuvenescer com o retorno da prosperidade econômica e a esmagadora vitória da Guerra do Golfo. Um senso de unidade nacional seria restaurado, e o inimigo no filme não mais seria interno ao sistema, mas externo a ele: por exemplo, os alienígenas de Independence Day (1996), que não seriam confrontados por um herói isolado e perseguido, como nos anos 70 e 80, mas pela nação como um todo. Veremos na tela homens e mulheres de todas as origens étnicas (WASP, negros, latinos, etc.) e sociais (pobres, ricos, civis, militares, políticos) trabalhando coletivamente – e às vezes até se sacrificando – pela grandeza e independência de seu país. O paradoxo aqui é que uma ideologia que inicialmente era vista como “aberta” e “tolerante” (solidariedade entre os vários grupos culturais) acaba num discurso francamente chauvinista e elicoso.

Cinema de ficção científica: um vetor de contestação social

Mas será que isso significa que a sociedade americana como um todo tem uma visão mais otimista do curso dos acontecimentos? Nada é menos certo. Certos gêneros, como a ficção científica, desempenham agora um papel de vanguarda nos círculos contraculturais, e nunca deixaram de apresentar uma visão profundamente crítica do mundo atual, mesmo durante a década de 1990. Este ponto é fundamental, pois o cinema de antecipação afeta particularmente as gerações mais jovens, que assim expõem uma desconfiança cada vez mais acentuada em relação à ideia de progresso. Estamos agora longe da ficção científica dos pioneiros e do positivismo entusiástico de Júlio Verne, por exemplo, na França, ou mesmo da ingenuidade ingênua da space opera, como na série Flash Gordon. Até mesmo a Guerra nas Estrelas (1977), que ainda se faz presente, ainda que em uma veia infantil, se situa num passado distante, não no futuro; seu fabuloso universo soa mais como um hino nostálgico a uma era lendária passada, inspirado pela imaginação dos filmes de Tolkien e dos samurais japoneses, do que uma apologia da ciência. Além disso, a tecnologia como representada na famosa trilogia galáctica de George Lucas é deliberadamente “antiquada”, e a atmosfera dos corredores sombrios que pontilham as enormes naves espaciais é resolutamente claustrofóbica: a série não dá, portanto, uma imagem realmente positiva da ciência.

Em geral, é inegável que o gênero adotou, ao longo dos últimos quarenta anos pelo menos, uma postura de rejeição do mundo liberal, denunciada através do prisma de uma sociedade futura que empurra as perversões do nosso tempo até seu paroxismo. Alien, O Oitavo Passageiro (1979), Fuga de Nova York (1980), Brazil (1985), Batman (1989), Os Doze Macacos (1995) e Fuga de Los Angeles (1996), todos ecoam o incômodo dos adolescentes e jovens adultos diante de seu tempo. As cidades retratadas nestas obras são gigantescas, repletas de pessoas e muito poluídas. A industrialização agressiva cobriu a superfície do planeta com fábricas feias e cheias de fumaça. A distância entre ricos e pobres aumentou tanto que os ricos vivem em conforto e luxo no topo dos arranha-céus que se elevam acima das nuvens da poluição, enquanto hordas de pessoas marginalizadas se amontoam em favelas, a não ser que sejam simplesmente postas em campos de concentração. A frieza e indiferença dos Estados em relação à população abandona os indivíduos a uma existência autárquica, e estruturas administrativas despersonalizantes administram os negócios quotidianos de forma rotineira e mecânica. Os políticos são em sua maioria corruptos, prisioneiros da influência de empresários e megacorporações. Quanto aos financistas, eles são obcecados por dinheiro e não hesitam em cometer as piores atrocidades – assassinato, espionagem, roubo, conspirações – a fim de se enriquecerem.

Estes filmes refletem a propagação de um estado de espírito que poderia ser descrito como depressivo para uma parte cada vez maior da população. Não que a desconfiança do futuro seja ilegítima ou irracional, mas ela se expressa aqui de forma angustiada e torturada. Na verdade, não há nada de surpreendente nisso, já que o reconhecimento lúcido do horror dos estilos de vida modernos leva necessariamente à manifestação explícita de uma fadiga monótona em relação à vida. Seja como for, a ficção científica propôs recentemente algumas visões francamente desesperadas do mundo, a ponto de, às vezes, dar testemunho de uma certa fragilidade das estruturas mentais coletivas. A paranoia, em particular, encontrou um lar muito favorável nesta categoria de produções. Os heróis são permanentemente perseguidos, geralmente por representantes do Estado e das forças da ordem (polícia, soldados, etc.). As traições se multiplicam, forçando os protagonistas a desconfiar de seus parentes e amigos. Ninguém pode confiar em ninguém. A tensão que permeia estas tramas é obviamente extrema – a ponto de tornar o discurso final redutor e maniqueísta em alguns casos, através da ênfase excessiva e falta de profundidade na análise… Inimigos monstruosos e diabólicos, símbolos dos horrores do futuro ou do mundo contemporâneo, se opõem a vítimas revoltadas e inocentes, injustamente perseguidas…

Em Blade Runner (1982), por exemplo, o policial Rick Deckard é encarregado por seus superiores de rastrear androides escondidos em uma megalópole americana, não tanto pelo perigo potencial que representam, mas simplesmente para eliminar um modelo de máquina que mostrou muita independência e autonomia no passado. Neste mundo impiedoso, onde o Estado e as grandes corporações puxam os fios da existência dos meros mortais e asfixiam as liberdades, a mais leve forma de desafio à autoridade provoca as consequências mais dramáticas. O herói encontra o amor nos braços de uma desses “replicantes” cibernéticos, semelhantes em todos os sentidos aos humanos (tanto na aparência quanto nas emoções), e decide trair sua hierarquia para salvar a vida daquela que ama, que foi tão ignominiosamente perseguida. Seu ato será para ele uma fuga da fria impassibilidade de uma burocracia que se parece com o Leviatã, e uma forma de romper definitivamente com uma civilização monstruosa e agressiva, que, por se voltar inteiramente para a ciência, a conquista do espaço e o comércio, veio a erradicar todas as relações emocionais entre os seres. Como se prospera em uma sociedade onde as luzes da cidade são substituídas por anúncios de “Coca-Cola”, onde os megafones constantemente emitem odes deste ou daquele produto comercial por todas as ruas, e onde até os animais de estimação são suplantados por robôs sem alma?

O mundo do Batman, o Retorno (1992) é idêntico em muitos aspectos (embora a trama não seja explicitamente definida no futuro, mas sim em um mundo fora do comum com uma estética meio retro, meio futurista). Desta vez, o foco é a corrupção dos políticos que são subservientes às grandes empresas. Max Schreck, um industrial abastado, consegue promover seu projeto de usina elétrica em uma cidade cuja produção de energia já excede em muito suas necessidades. Com o argumento de que o progresso nunca deve parar e que é sempre melhor estar preparado para o futuro, o empresário consegue conquistar uma opinião pública inconstante e crédula, mesmo que isso signifique pagar subornos aos vereadores, manipular a mídia e até mesmo cometer assassinatos. A exploração cínica de trabalhadores e forasteiros lhe permite construir seu império industrial prometeico, com a bênção de todos. Somente o Batman o enfrenta, mas o super-herói é perseguido pela polícia, que é enganada pelos esquemas dos criminosos de colarinho branco. Novamente, as cidades são titânicas. A poluição e a urbanização devastaram a paisagem. A televisão serve de transmissor para um discurso oficial alienante, que medeia os bailes de caridade do sangue azul para melhor ocultar a miséria social dos homens comuns. O filme começa com o Natal em pleno andamento, dando superficialmente a imagem de uma nação eufórica e realizada; mas em meio às árvores de Natal e ao embrulho de presentes, descobrimos um país de pesadelo, cheio de fraude ultraliberal, gangrena industrial e delinquência[1].

O desencanto dos anos 2000

Por conseguinte, pode tomar-se como certo que, mesmo fora dos períodos em que a maior parte do cinema americano transmite um discurso de protesto ou desilusão, como nos anos 70, ou mesmo em menor escala nos anos 80, certos gêneros mais minoritários e menos orientados para a família, tais como a ficção científica, continuam a refletir um questionamento maciço do sistema em vigor.

No entanto, permanece uma questão importante: se a década de 1990 marcou um regresso ao otimismo no cinema mainstream nos Estados Unidos, sob o efeito da vitória contra o Iraque e da recuperação econômica, que face nos oferece agora o cinema dos anos 2000 do mundo? Ainda é presa de uma euforia triunfante, ou foi conquistado por uma nova onda de pessimismo?

Na verdade, o início dos anos 2000 marcou um novo ponto de viragem. Os filmes de ação, que tinham exercido uma forma de hegemonia durante os anos 80 e 90, deram mais uma vez lugar a mais gêneros contraculturais. A antecipação emergiu assim da sua relativa marginalidade e fez um regresso espetacular à linha da frente, tal como a fantasia.

Os filmes que talvez tenham reflectido melhor esta nova ascensão do cinema de ficção científica “rebelde” são a trilogia Matrix (1999 e 2003) e Cidade das Sombras (1998). Aqui encontramos a paranoia e a claustrofobia dos anteriores representantes do gênero, mesmo amplificada: em cada um destes filmes, o herói percebe que está preso num universo inteiramente controlado ou por um computador avassalador (Matrix) ou por alienígenas (Cidade das Sombras). Esta situação cria uma ansiedade paranoica absoluta. As personagens, cujo universo mental e perceptivo é muito semelhante ao nosso, descobrem que não controlam absolutamente nada no seu ambiente, e que são as marionetes de entidades malignas e alheias. Este sentimento inicial de completa falta de controle, contudo, será compensado de forma igualmente radical no final do guião. Os heróis acabarão por conseguir parasitar os meios de controle e opressão utilizados pelos seus tiranos, e assim ganharão a capacidade de reconfigurar as nossas vidas de acordo com os seus desejos; terão adquirido o poder de dominar todos os fenômenos. Os mundos futuros que nos são apresentados nestes blockbusters são, portanto, horríveis, mas há a sensação de que poderíamos, através de uma revolta revolucionária, destruir este ambiente de pesadelo e substituí-lo por um paradisíaco, onde todos os nossos desejos seriam satisfeitos pela tecnociência.

Não devemos dar demasiada importância ao âmbito estritamente político destes filmes (embora Matrix pretenda obviamente estar num terreno reivindicativo, e procure claramente dirigir uma “mensagem” aos espectadores); mas o esquema narrativo que nos é proposto, em qualquer caso, transmite implicitamente a ideia de que um futuro perfeito e utópico pode ser previsto, e subscreve a este respeito a ideia de progresso. Em contraste, os filmes de ficção científica que mencionámos anteriormente sugeriam que não havia nada que pudéssemos fazer quanto à viragem negativa da história, que tudo o que podíamos fazer era ver a civilização degenerar, e nos resignar. Contudo – e isto é talvez o mais importante – Matrix e Cidade das Sombras ainda nos dão uma imagem aterradora do futuro imediato que nos é prometido, prova de que não fazem de modo algum dos tempos vindouros uma marcha inevitável e tranquila para a felicidade; a renovação da civilização, que é possível mas não certa (e, em todo o caso, bastante improvável), continua a ser uma mera esperança, mesmo um desejo piedoso…

Um sinal do crescente pessimismo dos filmes de Hollywood pode ser visto na estética cada vez mais escura, violenta e angustiada que eles adotam. Demolidor (2003), O Senhor dos Anéis (2001, 2002, 2003), X-Men 1, 2 e 3 (2000, 2003 e 2006), Batman Begins (2005) e Batman: O Cavaleiro das Trevas (2008), por exemplo, têm lugar principalmente à noite, em ruas semeadas ou em passagens subterrâneas sombrias. Cenas de ação excitantes são misturadas com passagens mais perturbadoras onde monstros repulsivos perseguem as suas presas como predadores (podem ser orcs, robôs aracnídeos ou mutantes malignos). As cidades estão de novo se transformando em pesadelo, mesmo no cinema tradicional.

A atmosfera geral, além disso, é marcada pela expectativa de um apocalipse próximo: tal como Matrix anunciou uma guerra final entre homens e máquinas, X-Men anuncia uma guerra entre homens e mutantes, e O Senhor dos Anéis apresenta um confronto entre povos livres e exércitos saurônicos (com uma grande componente árabe). A saga Guerra nas Estrelas confronta-nos até com uma guerra civil intergaláctica, em O Retorno dos Sith, em 2005, que vê o extermínio de todos os Jedi e a transformação da Velha República num império totalitário! Em Batman Begins e Batman: O Cavaleiro das Trevas, o Cavaleiro das Trevas confronta-se particularmente com super vilões niilistas e desestruturados, que põem fogo a Gotham, não tanto pela sua própria glória mas simplesmente pela destruição. A cidade fica devastada e em ruínas, e a população é arremessada no caos. O que é mais notável nestes filmes, em suma, é a representação recorrente de um mundo à beira da implosão.

Ao mesmo tempo, os finais são por vezes trágicos (raros nos anos 90): Neo e Trinity morrem no final da trilogia Matrix. Quanto ao simpático Anakin Skywalker, ele vira-se gradualmente para o lado negro da Força em Guerra nas Estrelas (seduzido pela visão política do sombrio Palpatine), e chafurda tanto em ódio que deixa morrer a mulher que ama, Padmé Amidala.

A paranoia já não é principalmente externa (comunistas, estrangeiros, etc.): os inimigos, mais uma vez, vêm de dentro do corpo social, emanam diretamente da administração do país ou das suas autoridades. Bem-vindo a Gattaca (1997) e Minority Report (2001) descrevem um futuro aterrador onde o Estado se estabeleceu como um Big Brother invasor. Do mesmo modo, os Hulk e os X-Men são caçados pelos militares americanos; os Jedi combatem um complô Sith que se infiltrou no governo federal galáctico; etc. [2]

O ambiente familiar na tela está sempre aparentemente ausente ou opressivo. Devido à sua diferença, os X-Men foram rejeitados pelas suas respectivas famílias antes de serem acolhidos pelo Professor Charles Xavier (ele próprio um mutante); o fanático antimutante Coronel Stryker escravizou o seu próprio filho como castigo por ter nascido com uma configuração genética desviante. Mesmo em Harry Potter (2001), embora destinado a uma vasta audiência, o jovem feiticeiro, um órfão, é primeiro criado por uma tia e um tio detestáveis. Quanto a Peter Parker em Homem-Aranha (2002), decide tornar-se um super-herói depois do seu tio Ben ser morto por um gangster (só a encantadora tia May é deixada para cuidar dele).

O auge da paranoia, as mentes são frequentemente manipuladas nestes filmes: seres malignos insinuam-se em nós e ganham controle total sobre o nosso comportamento. Em As Duas Torres (2002), o Rei Theoden é um mero fantoche nas mãos de Grima Língua-de-Cobra, que o obriga a ingerir uma droga incapacitante. Em X-Men [3], o Coronel Stryker aliena os mutantes colocando a sua pele em contato com uma substância que parasita os seus neurônios. A lavagem cerebral também pode assumir uma forma mais brutal: Wolverine, na produção de mesmo nome, é torturado a fim de ser transformado numa arma absoluta desprovida de consciência.

Para completar este breve quadro do cinema do início dos anos 2000, acrescentemos que muitas das suas características o aproximam muito do cinema dos anos 70. Os heróis nas produções do período são de fato jovens intelectuais que se opõem a bandidos do exército ou da polícia, e são odiados por camponeses incultos saídos diretamente do Oriente Médio. No entanto, as personagens perseguidas não se identificam com um país real dominado pelo país legal (caso em que o discurso promoveria um desafio aos poderes que estão na perspectiva de defender uma norma nacional violada, como sob Reagan na década de 1980): os principais protagonistas são forasteiros que lutam por uma ordem alternativa. Em X-Men, os membros da equipe de super-heróis são professores que ensinam os outros mutantes a usar os seus poderes. Bruce Banner, em Hulk (2003), é um cientista brilhante. E os guerreiros em Matrix são hackers, com uma propensão para as discotecas, casacos de couro e cultura juvenil (abominados pela corrente dominante americana). Mesmo em filmes menos subversivos como Homem-Aranha e Harry Potter, os bons estudantes são defendidos contra os burros e as massas ignorantes (os heróis são nerds de óculos e os seus desprezadores são idiotas intolerantes).

Nestas produções, geralmente não estamos lidando com personagens isolados, mas com grupos organizados quase militares (X-Men, Matrix, Guerra nas Estrelas, O Senhor dos Anéis). Os apelos à revolução são por vezes explícitos (em Matrix, em particular), ou aparecem como uma tentação: os X-Men aliam-se por um momento com o terrorista Magneto, e o Conde Dooku, em Guerra nas Estrelas, explora habilmente o ressentimento sentido pelas populações da galáxia contra um poder central inegavelmente corrupto. Em suma, o cinema que vemos emergir é de fato contracultural, como já tínhamos anunciado. À primeira vista, isto parece bastante natural, uma vez que os filmes que mencionamos são principalmente destinados a um público de adolescentes e jovens adultos. Mas Conan, o Bárbaro (1981) e Exterminador do Futuro (1984) também se destinavam a este tipo de público nos anos 80, e estes filmes não aderiram de todo a tal ideologia. Pode portanto concluir-se que se passa uma transformação muito importante entre o grupo de idade inferior a trinta anos. Independentemente dos grupos demográficos envolvidos, estas produções são sem dúvida as mais populares neste momento: são a prova de um grande movimento na história das mentalidades.

Por quê este desenvolvimento? Em primeiro lugar, a situação é de fato mais sombria do que nos anos 90. A nível geopolítico, os ataques de 11 de Setembro de 2001 mostraram que, num mundo em rede, as ameaças eram simultaneamente mais diretas e mais incontroláveis do que no passado. A guerra no Iraque não teve um resultado muito glorioso, e o protesto internacional minou a confiança americana na ONU e nos seus aliados tradicionais, reforçando o seu isolamento numa altura em que o espectro de um “choque de civilizações” começava a ser grande e os receios de conflitos a longo prazo em todo o mundo aumentavam. Na frente interna, a crise econômica voltou a atacar no início da década e o escândalo da Enron trouxe descrédito ao mundo financeiro. As disputadas eleições presidenciais de 2000 entre Al Gore e George W. Bush, seguidas de argumentos intermináveis sobre a contagem dos votos, também dividiram o país. Finalmente, o aumento dos preços do petróleo, seguido do crash financeiro de 2008, aumentou a ansiedade entre a população.

A passagem do otimismo à depressão, porém, já tinha começado no final dos anos 90, como vimos com Cidade das Sombras e Matrix. Se a situação econômica e política desempenhou um papel considerável na intensificação da tendência, não foi ela que a iniciou. Além disso, a maioria dos blockbusters lançados na sequência do 11 de Setembro são trilogias, cuja produção tinha sido iniciada muito antes de 2001: no máximo, o frio dominante poderia ter contribuído para o maior sucesso dos filmes que colocavam mais ênfase na angústia.

A verdadeira raiz desta corrente contracultural encontra-se naqueles que a lideram: os jovens. As suas principais preocupações provavelmente não estão ligadas à atual situação econômica, embora isto tenha obviamente um papel a desempenhar; a raiz do seu mal-estar é mais certamente “moral”. Há já alguns anos que uma geração desencantada está envelhecendo, sem pontos de referência e ideais (lucidamente retratado em Clube da Luta, em 1999). Estes jovens tinham menos de dez anos de idade quando Blade Runner (1982), Inferno Vermelho (1988) e Duro de Matar (1988) atingiram os telões. Eles são agora confrontados com um mercado de trabalho precário (quanto mais não seja devido ao aumento da mobilidade profissional), que só lhes oferece empregos cuja utilidade intrínseca, do ponto de vista da comunidade, dificilmente dá para enxergar[4]. De uma forma mais difusa, todo o ambiente ideológico se desintegrou. A era das grandes mobilizações parece ter terminado, e a política agora consiste apenas em gerir e administrar o Estado, sem qualquer projeto a longo prazo. Nestas condições, a participação no debate público torna-se fútil. Esta situação favorece consequentemente o nascimento de uma crise de nova geração, tal como a que o Ocidente tem vindo a viver a intervalos regulares desde há dois séculos.

Além disso, a geração nascida entre 1970 e 1980 foi sem dúvida mais privada de valores do que qualquer geração anterior. Nas décadas de 1960 e 1970, por exemplo, as mobilizações estudantis podiam inspirar muitos ideais na faixa etária dos 15-30 anos. E nos anos 2000, a loucura pela moda, maquiagem, estilos de roupa ou canções, mesmo num certo sentido, restaura aos adolescentes uma nova forma de “ancoragem” comunitária, ou mesmo uma nova base de “convicções” partilhadas – embora num modo inegavelmente superficial e tipicamente pós-moderno[5). A geração intermediária, por outro lado, não teve nenhum ponto de referência cultural a que se agarrar, e o termo “Geração X” define-o muito bem a este respeito: ela foi atirada em um mundo ultraliberal, sem acreditar na possibilidade ou nos méritos de uma verdadeira alternativa política, mas sem aderir ativamente ao mundo em que foi condenada a viver. De certa forma, as gerações seguintes serão provavelmente mais capazes de se entusiasmarem com o mundo do consumo generalizado, tendo sido pré-programadas para ele desde a infância, nomeadamente sob a influência da publicidade. A Geração X não terá tido esta “oportunidade” paradoxal, tendo surgido entre duas épocas: isto poderia explicar em parte a escuridão relativa dos atuais filmes hollywoodianos…

Nos Estados Unidos, seis em cada 100 americanos de 13 a 19 anos já tentaram se suicidar; de acordo com uma sondagem Gallup, 15% dizem ter pensado em fazê-lo. Com 6.000 mortes por ano, o suicídio é a terceira principal causa de morte nos Estados Unidos da América. Comentando estes números, o Professor Stephen Pasternak da Universidade de Georgetown em Washington, D.C., diz que os jovens estão perdendo cada vez mais a confiança em si próprios porque “estão experimentando uma grande alienação. A mudança social, a ruptura dos laços familiares, o abuso sexual infantil, a pressão para ter sucesso na escola, o que os faz ver qualquer fracasso ou erro como inaceitável, e a disponibilidade de drogas que os tornam ainda mais vulneráveis, tudo isto contribui para que os adolescentes sintam que as suas vidas não têm esperança”[6].

Na França, as conclusões dos peritos não são menos preocupantes. Em 1989, quando as perspectivas sociais e econômicas estavam no seu ponto mais baixo, o Ministério da Saúde declarou: “As mortes por suicídio aumentaram acentuadamente […] ao longo dos últimos dez anos. Entre 1950 e 1976, o suicídio afetava 15 pessoas por 100.000. Afeta agora 21 habitantes por 100.000. Desde 1982, o número anual de mortes por suicídio ultrapassou o dos acidentes rodoviários”. É verdade que a crise econômica pode ter contribuído para este aumento alarmante. Mas a percentagem de pessoas que tiraram a própria vida não diminuiu significativamente durante os anos 90, apesar de a economia estar em plena expansão…

Não se pode negar que estas convulsões são causadas, pelo menos em parte, pelos nossos valores e estilos de vida. Se isto significa desistir da modernidade como um todo, ou simplesmente ajustá-la, é outra questão. Mas a dificuldade que enfrentamos é uma das maiores e o problema não deve ser negligenciado de forma alguma: tomá-lo como leve seria criminoso e desumano.

O que podemos esperar de uma análise do tempo presente, como sucintamente empreendemos nestas páginas? Até agora, as obras intelectuais raramente tiveram uma influência decisiva na sociedade (e, quando ainda assim deixaram a sua marca na história, as boas intenções iniciais foram na maioria das vezes pervertidas na prática, dando origem às piores aberrações políticas). Como disse Rivarol, “os filósofos são mais anatomistas do que médicos: dissecam e não curam”[7].

No entanto, para poderem praticar a sua arte com talento, os médicos devem ter lido manuais de anatomia! Portanto, os esforços da mente nunca são em vão. Somos todos filósofos, com diferentes capacidades. E curandeiros também. Cada ação tem a sua importância, e pode ser que um dia, gota a gota, se forme um rio, e ele se torne uma torrente.

A esperança nunca se extingue totalmente; e mesmo que pareça desaparecer, a luta é uma questão de honra. A resistência, antes de se referir à sua eficácia prática, refere-se ao caráter daqueles que a vivem. Dá testemunho da coragem dos homens e da sua tenacidade. Henry D. Thoreau, aquele grande sábio americano, estava certo quando escreveu: “O fato é que deves pegar o mundo nos teus ombros, como o Atlas, e seguir em frente com ele. Terá êxito em nome de uma ideia, e terá êxito na proporção do seu apego a ela. As suas costas podem sofrer de tempos a tempos, mas terá a satisfação de suspender a terra ou virá-la ao seu gosto. Os covardes sofrem, os heróis sentem alegria. Quando tiver caminhado com o seu jantar durante um longo dia, coloque-o num buraco, sente-se ao seu lado e coma-o. Descobrirá que será compensado pelo seu esforço com alguns pensamentos de tipo imortal. O aterro sobre o qual te sentas será coberto de perfumes e flores, e nesse buraco o teu mundo tornar-se-á uma gazela luminosa e brilhante”[8]

Notas

[1] – Dick Tomasovic, em Le Palimpseste noir. Notes sur l’impétigo, la terreur et le cinéma américain contemporain, Crisnée, Yellow Now, 2002, regressa muito bem à importância da paranoia nos filmes modernos de Hollywood.
[2] – Estes temas não são específicos do cinema hollywoodiano; também podem ser encontradosna França em O Quinto Elemento, ou no Japão em filmes de animação como Akira, Patlabor e Ghost in the Shell. Mas o fato de estas visões distópicas do futuro se terem enraizado a tal ponto no país que muitas vezes parece ser o mais otimista do mundo atesta o fato de que o humor do povo americano não é tão uniformemente cor-de-rosa como por vezes se diz; aí, como noutros lugares, a ideia de progresso, sem ser maciçamente questionada, começa pelo menos a suscitar alguns gritos de revolta dentro de uma certa franja da população, e a despertar velhas ansiedades que se pensava estarem definitivamente enterradas.
[3] – Jean-Michel Valentin, em Hollywood, le Pentagone et Washington. Les trois acteurs d’une stratégie globale (Paris, Autrement, 2003, pp. 150-153), mostra muito bem como o cinema americano, especialmente depois de A Ameaça Fantasma em 1999 e Ataque dos Clones em 2002, se reorientou para o antiestatismo. “George Lucas retoma toda a tradição filosófica americana de desconfiança e pessimismo para com o Estado, particularmente quando a inflação da sua componente de segurança dá origem à tentação de excessos tirânicos. Aqui se inicia um ciclo de filmes abertamente desconfiados do aparato de segurança nacional ao procurar renovar a sua legitimidade para se lançar contra o ‘eixo do mal’.” “Ataque dos Clones é uma fábula estratégica e política que fala hoje à América. A verdadeira ameaça não vem de fora, ela é construída pelos mais altos níveis de poder, tentados pela tirania. O exército é apresentado como um organismo sem consciência, que se torna o adversário da República quando é manipulado por um poder que já não está preocupado com a regulação democrática”. “A evolução para uma desumanização tecnológica cada vez mais penetrante da instituição militar [com a criação de soldados clones acondicionados em laboratórios, dróides guerreiros, etc.] levanta a questão do seu controle pelo poder político e da sua relação com a sociedade civil, não só na América, mas também nos países onde será chamada a intervir”.
[4] – As chamadas atividades de “serviço” (que na realidade são muito mal denominadas, uma vez que agrupam profissões frias e impessoais) substituíram quase completamente as antigas profissões, criando um conjunto de setores que dependem uns dos outros, mas que carecem de contato real com as pessoas e que por isso não podem gerar claramente a sensação de “ser de serviço”. Já não se é um padeiro ou pedreiro, mas uma secretária numa agência de seguros ou um projetor de stands numa empresa de publicidade. Estes empregos assalariados já não requerem o menor investimento pessoal em termos emocionais; os clientes estão sempre de passagem: aqueles com quem se entra em contato sem ser por telefone visitam normalmente apenas uma ou duas vezes na sua vida. Não se pode, portanto, esperar qualquer reconhecimento (enquanto que as lojas e artesanato de outrora asseguravam pelo menos a lealdade das relações e situavam o trabalho numa ordem estável e simétrica).
[5] – Tal fundamento de convicções deve demasiado à imaginação infantil e narcisista para estruturar a mente das pessoas; mas, por outro lado, pode assegurar um certo otimismo para as pessoas que dele se beneficiam, e é desta forma que as distrai do desespero mais franco que frequentemente vemos manifestado na geração nascida entre 1970 e 1980.
[6] – Le quotidien du médecin, 10 mai 1989. Citado por Tony Anatrella, em Non à la société dépressive, Paris, Flammarion, 1995. Sobre a importância da tomada em conta da taxa de suicídio como revelador do estado de anomia de uma sociedade, cf. Emile Durkheim, Le Suicide, étude de sociologie, Paris, PUF, 1930.
[7] – Rivarol, Pensées diverses, Paris, Desjonquères, 1998, p. 87.
[8] – Henry D. Thoreau, Désobéir, trad. S. Rochefort-Guillouet et A. Suberchicot, Paris, L’Herne, 1994, p.222.

Fonte: Rebéllion – OSRE

Thibault Isabel

Filósofo, autor do Manuel de sagesse païenne, Le Passeur, 2020.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *