Os Projetos Espaciais de Elon Musk Ameaçam a Segurança Global

A privatização da exploração espacial, tal como simbolizada por personagens como Elon Musk e Jeff Bezos, representa um problema para os satélites de vários países. Os últimos meses viram várias quase colisões de satélites da SpaceX com satélites estatais, apontando para a necessidade de regulamentação e limitação da ação privada no espaço.

O empresário bilionário Elon Musk parece ter se tornado um Thomas Edison do século XXI, considerando o papel de liderança que ele procurou desempenhar no lançamento de produtos científico-tecnológicos de última geração nos últimos anos. Um de seus projetos é o Starlink, que tem como objetivo criar uma constelação de satélites que forneceria internet para o mundo inteiro. Este esforço supostamente nobre, porém, ameaça pôr em risco a segurança global se não for regulamentado.

A China apresentou recentemente um documento ao Escritório para Assuntos Espaciais das Nações Unidas para aumentar a conscientização de como sua estação espacial Tiangong duas vezes “implementou o controle preventivo de colisões”, a fim de garantir sua segurança depois que os satélites de Musk se aproximaram desconfortavelmente. Um acidente foi evitado por pouco, devido às medidas preventivas da China, mas não se pode considerar que uma tragédia não ocorrerá no futuro se as atividades espaciais deste empresário e outros permanecerem desregulamentadas.

Em princípio, não há nada de errado em querer fornecer internet para o mundo inteiro, mesmo que isso possa eventualmente ser explorado para facilitar o acesso de cidadãos estrangeiros a conteúdos proibidos, como a promoção do terrorismo, do separatismo e do extremismo, por exemplo. No entanto, esse ponto crucial à parte, considerando o foco do presente artigo (embora deva definitivamente ser discutido mais detalhadamente por outros), esses esforços devem ser realizados em coordenação com as outras partes interessadas do espaço.

É desestabilizador que um empresário privado realize unilateralmente tais atividades por conta própria. Toda a razão pela qual isto pode acontecer é porque estas atividades não são efetivamente regulamentadas. É por isso que elas acabaram representando uma ameaça para a estação espacial de Tiangong em duas ocasiões até agora. Musk incansavelmente advoga por menos regulamentação governamental nos assuntos de suas empresas, mas o que é realmente necessário é mais regulamentação, e não apenas por seu próprio governo, mas pelas Nações Unidas.

A proliferação da tecnologia espacial da esfera pública para a privada nos últimos anos inevitavelmente resultará em mais empresários seguindo o exemplo de Musk, o que colocará em risco ainda mais a segurança global devido à ameaça que seus satélites poderiam representar para outros, incluindo governos estrangeiros, bem como suas estações espaciais. Qualquer colisão poderia criar amontoados perigosos de detritos espaciais que, por sua vez, poderiam fazer grandes áreas de espaço fora dos limites para outros satélites, estações espaciais e até mesmo missões espaciais.

Os EUA se recusam a regular responsavelmente os assuntos espaciais através das Nações Unidas, pois afirmam que a China e a Rússia – que consideram oficialmente como seus “concorrentes” – estão supostamente “militarizando” esta esfera. Esse é o pretexto sobre o qual o ex-presidente americano Donald Trump criou a “Força Espacial” de seu país. Na realidade, o Pentágono é o único a militarizar o espaço enquanto empresários como Musk estão (para dar a ele e a outros o benefício da dúvida por enquanto) pondo-o em perigo involuntariamente.

Estas dinâmicas são insustentáveis, pois é apenas uma questão de tempo até que uma colisão de algum tipo aconteça e resulte no cenário que foi descrito anteriormente, no qual os consequentes detritos espaciais tornam grandes áreas de espaço fora dos limites por um período prolongado de tempo. É urgente que exista algum tipo de acordo através do qual governos estrangeiros e empresas privadas possam coordenar suas atividades visando melhorar as capacidades da humanidade no espaço e o conhecimento geral sobre o mesmo.

O fracasso em fazer isso levará a um resultado mutuamente prejudicial. Este cenário de perda deve ser evitado a todo custo, mas o problema é que os EUA estão relutantes em desempenhar seu papel devido a suas rivalidades de soma zero com a China e a Rússia, bem como seu desejo ganancioso de dar a suas próprias empresas uma vantagem supostamente competitiva sobre as outras. Isto é absolutamente inaceitável e deve ser remediado o mais rápido possível. Para tanto, o público deve estar mais consciente das ameaças que o sistema atualmente não regulamentado representa.

Somente então os americanos poderão ser inspirados a trabalhar através de seu processo político para pressionar seus representantes a tomar medidas antes que seja tarde demais. Eles devem escrever para seus congressistas e senadores o mais rápido possível. Aqueles que assumirem esta causa no Capitólio estarão prestando um tremendo serviço à humanidade. Tanto democratas quanto republicanos deveriam se unir para propor uma legislação bipartidária destinada a regular as atividades privadas no espaço para que a segurança global possa ser garantida.

Fonte: Oriental Review

Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro <em>"Guerras Híbridas"</em>.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *