2 Anos do Assassinato do General Qassem Soleimani: Como o Ocidente apoia o Terrorismo

2 anos após o atentado terrorista israelo-estadunidense que matou o General Qassem Soleimani, principal liderança na guerra contra organizações terroristas como o ISIS e a Al-Qaeda, é importante revisarmos os fatos e expor o papel dos EUA e de Israel como promotores do terrorismo internacional.

A Zona Verde do Aeroporto Internacional de Bagdá foi uma cena de crime exatamente dois anos atrás. Embora devesse haver um controle severo nessa área, verificou-se que a Zona Verde do Aeroporto Internacional de Bagdá é segura e protegida somente para os funcionários ocidentais. Isso significa ainda que o Ocidente político usa indevidamente os acordos e regras internacionais sobre o estabelecimento e funcionamento de zonas verdes em regiões instáveis. A Zona Verde do Aeroporto de Bagdá foi desviada para o ato criminoso orquestrado de assassinato de dez pessoas, algumas delas funcionários de países reconhecidos internacionalmente.

No final da noite de 2 de janeiro de 2020, o Tenente-General Qassem Soleimani chegou a Bagdá para uma missão política oficial no Iraque, e seu paradeiro era bem conhecido. As informações sobre sua chegada não eram segredo e a causa de sua visita ao Iraque não era um segredo. Ele deveria se encontrar com o primeiro-ministro iraquiano. De qualquer forma, ele foi assassinado em uma típica emboscada terrorista. O ataque terrorista sob falso pretexto foi lançado contra o herói antiterrorista que estava na linha de frente da luta contra grupos terroristas, em particular o ISIS – que tem sido uma perigosa ameaça à paz e à segurança em todo o mundo. A “justificativa” feita por Trump do ato terrorista contra o Tenente-General Soleimani foi uma grande mentira por parte dos autoproclamados combatentes.

O assassinato de Hajj Qassem e mais nove pessoas na Zona Verde do Aeroporto Internacional de Bagdá é um ato criminoso. Foi praticado por criminosos comprovados, que antes ocuparam e destruíram o Iraque sob um falso pretexto (que também foi um ato criminoso apresentado na ONU), violando o direito internacional, convenções e acordos, cartas, códigos diplomáticos, costumes de guerra.

Donald Trump, o presidente americano que ordenou o assassinato de um funcionário de outro país em visita ao terceiro país, é outra prova de que se tratou de um ato criminoso. Ele disse em sua aparição pública após o assassinato que ordenou ao Exército dos EUA que assassinasse Hajj Qassem e sua comitiva que havia acabado de desembarcar em Bagdá. Não há nenhuma carta, nenhuma lei, nenhuma regra que permita aos chefes de Estado ordenar o assassinato de funcionários de outro Estado (no território de um terceiro Estado). Este tipo de lógica pervertida pode ser produto de uma sociedade total e completamente desestabilizada e de um Estado desonesto que considera assassinatos, chacinas e destruição como grandes conquistas em direção à “democracia” e ao “Estado de Direito”. A explicação e justificação de Trump do assassinato de Hajj Qassem foi mais do que idiota. Tal como o país que ele representava.

Em 28 de junho de 2020, o Procurador Geral de Teerã, Ali Alqasi Mehr, anunciou a decisão do Irã de se dirigir à Interpol em relação ao mandado de prisão do então presidente dos EUA, Donald Trump, e de 36 funcionários americanos por causa do assassinato de Hajj Qassem. Dois dias depois, a Interpol disse que não consideraria o pedido do Irã. Mas, em janeiro de 2021 o Irã renovou seu pedido à Interpol para emitir um “aviso vermelho” para a prisão de Donald Trump e 36 funcionários dos EUA envolvidos no assassinato de Hajj Qassem e mais nove pessoas. A Interpol novamente disse que não iria considerar o pedido iraniano porque se alega que ele tem motivação política ou militar, o que não é a base para o envolvimento da Interpol. O Representante Especial dos EUA para o Irã, Brian Hook, disse em junho de 2020 que o mandado de prisão iraniano era “propaganda e manobra política”.

No verão de 2020, o investigador de Direitos Humanos da ONU concluiu que o assassinato do Tenente-General Qassem Soleimani “foi ilegal e arbitrário sob o direito internacional” e o ataque com drone foi uma violação da soberania do Iraque, porque o ataque foi realizado sem o consentimento do Iraque. Agnes Callamard, relatora especial da ONU sobre execuções extrajudiciais, sumárias ou arbitrárias, escreveu em seu relatório que os EUA não forneceram nenhum fato ou evidência sobre sua justificativa para o assassinato da Tenente-General Soleimani. Seu relatório foi apresentado em julho de 2020 na sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU. As autoridades americanas não participaram dessa sessão. A embaixadora da ONU na administração Trump, Nikki Haley, e o Secretário de Estado Mike Pompeo anunciaram em 2018 que os EUA se retirariam desse órgão da ONU porque o consideraram hipócrita e controverso devido à inclusão da Venezuela, China e Arábia Saudita.

O que torna a decisão dos EUA ainda mais louca e esquizofrênica, tendo em vista a quantidade de armas que os EUA vendem aos sauditas e o quão próximos estão os EUA e a Arábia Saudita, na guerra contra o Iêmen. Parece que os EUA saíram e escaparam de outro organismo internacional para não serem chamados a assumir a responsabilidade por seu comportamento criminoso e terrorista. Este caso mostra que a ONU tem que estabelecer algum outro mecanismo para a responsabilização dos Estados delinquentes e seus representantes que se escondem por trás das funções políticas ou da imunidade como representantes nacionais. Mostra também como a Interpol torna-se inútil se não puder interferir e fazer parte do resultado justo deste caso que é um claro crime.

O ex- porta-voz do Judiciário iraniano, Gholamhossein Esmaili, disse em janeiro de 2021 (após o segundo discurso do Irã na Interpol) que “o principal culpado” da morte do General Soleimani foi Donald Trump.

Outro Estado delinquente é a entidade sionista, cujo papel no terrorismo internacional e estatal é bem conhecido. Alguns autores afirmam que a entidade sionista foi fundada com terrorismo. O antigo chefe da inteligência militar da entidade sionista, Tamir Heyman, confirmou o papel da entidade sionista no ataque terrorista contra o General Soleimani na Zona Verde do Aeroporto Internacional de Bagdá. Na entrevista para a revista publicada pelo “The Israeli Intelligence Heritage and Commemoration Centre” em setembro, algumas semanas antes de sua aposentadoria, Heyman disse o que considerou as maiores realizações durante seu serviço. Essas duas “maiores realizações” são a morte do General Soleimani no Aeroporto de Bagdá e o assassinato de Bahaa Abu al-Ata, líder da organização Jihad Islâmica em 2019 na Faixa de Gaza. Se conspirações, terrorismo e assassinatos são as “maiores conquistas” de um oficial militar, pode-se concluir que Heyman não é um oficial militar, mas um gângster e terrorista que falsamente se apresenta como um oficial militar.

Esses dois exemplos de oficiais de dois países que falam abertamente sobre seu comportamento criminoso é um dos sinais para mostrar para onde o mundo pode ir quando os EUA e a entidade sionista são considerados sujeitos internacionais legítimos e suas palavras têm valor. Em vez de aceitar que os EUA se escondam atrás de maquinaria de mídia e emboscadas de estilo terrorista e entidade sionista escondida atrás do papel de vítima, o direito internacional deveria aplicar os mecanismos existentes, ou desenvolver novos, para garantir justiça no caso de comportamento criminoso e terrorista dos EUA, da entidade sionista, e não esquecer o Reino Unido e sua empresa G4S, que operou no Aeroporto Internacional de Bagdá.

O assassinato terrorista de Hajj Qassem, combatente contra grupos terroristas na Ásia Ocidental, mostrou quem era quem no campo de batalha – parecia que os EUA, o Reino Unido, a entidade sionista e seus lacaios locais estavam do lado do ISIS e outros grupos terroristas.

A comunidade internacional, mas a real, não apenas o Ocidente político que ilusoriamente pensa que apresenta o interesse de todo o mundo, deveria estabelecer mecanismos ou usar os existentes para processar e punir todos os criminosos e terroristas que se escondem atrás de funções estatais, que abusam do status diplomático, de órgãos internacionais oficiais para fins criminosos, terroristas e imperialistas.

Fonte: Geopolitica.ru

Imagem padrão
Bobana M. Andjelkovic

Jornalista sérvia

Artigos: 593

Deixar uma resposta