Políticas Pseudo-Ambientalistas e Russofobia estão Agravando a Crise Energética Europeia

A Europa é dependente da energia russa, especialmente no inverno. Agora, graças à irracionalidade da russofobia da elite globalista e do projeto ecocapitalista do Grande Reset, os cidadãos europeus estão sob risco de congelamento.

O Presidente Putin expressou recentemente exasperação com as políticas contraproducentes impulsionadas pela UE em meio a sua atual crise energética. Ele concordou com um representante da Duma que advertiu anteriormente que a Europa estava ameaçada de congelamento devido a sua politização das importações de gás russo. Nas palavras do próprio líder russo, “Sim, concordo com sua avaliação. E também é estúpido para aqueles que estão atrasando o sistema (Nord Stream II), porque maiores quantidades de gás no mercado europeu certamente reduziriam o preço das transações à vista. Eles não querem comprar diretamente de nós, mas para eles, o preço cairia drasticamente. Eles estão apenas cortando o galho em que estão sentados. É evidente”.

É muito raro o Presidente Putin expressar exasperação sobre qualquer coisa, muito menos sobre as políticas de outros países, mas isso só serve para mostrar como ele acredita que elas são contraproducentes. Ao contrário do que muitos na mídia de massa e até na mídia alternativa afirmam, cada um por suas próprias razões ideológicas, é claro, e em busca de diferentes fins narrativos, a Rússia não quer que a Europa congele. Ela genuinamente quer continuar a cooperação energética mutuamente benéfica com o bloco e não está interessada em “punir” esses países através da suspensão dos fornecimentos por razões políticas. É por isso que isto exaspera tanto o Presidente Putin.

As políticas “ambientalistas” radicais da UE e a paranoia antirrussa são diretamente responsáveis pela exacerbação da crise energética em curso. A primeira remete à transição acelerada do bloco para as chamadas fontes de energia “verdes”, que ocorreram às custas das convencionais (combustíveis fósseis) existentes. O resultado foi que a UE teve um fornecimento insuficiente de combustível para acomodar a recuperação gradual da economia nos últimos meses, após as consequências econômicas dos esforços descoordenados da comunidade internacional para conter a COVID-19 ter dado um poderoso golpe nos últimos quase dois anos. Retrospectivamente, os países da UE deveriam ter implementado gradualmente políticas moderadas, em vez de acelerar a implementação de políticas radicais.

O segundo fator diz respeito aos temores instigados por alguns países sobre as supostas intenções políticas da Rússia quando se trata de seu papel no fornecimento de energia à UE. Os Estados bálticos e a Polônia têm constantemente afirmado, sem qualquer base factual, que a Rússia quer “punir” toda a UE por qualquer razão que eles alegam no momento, seja pelas chamadas normas “democráticas” e “de direitos humanos” do bloco ou pela imposição de sanções contra a Grande Potência Eurasiática. Nem uma única vez a Rússia instrumentalizou a energia para fins militares, sendo que o único caso alegado no início dos anos 2000 foi devido ao fracasso da Ucrânia em pagar por seus suprimentos e, posteriormente, por ela desviar recursos que passavam por seu território rumo ao oeste.

A Rússia fechou suas rotas de exportação por acordo contratual a fim de evitar que seus recursos fossem roubados e numa tentativa de obrigar os devedores a finalmente pagar sua conta. Este movimento legal foi maliciosamente reinterpretado como uma espécie de “punição coletiva” contra toda a Europa, o que explica o momento em que o governo da Ucrânia apoiado pelos EUA na época realizou esta provocação sem precedentes. Mesmo assim, ela permanece gravada na mente de alguns residentes regionais como a suposta “armamentização” das exportações de energia da Rússia, que seus governos agora afirmam que está acontecendo novamente. Estes países prefeririam pagar por GNL americano mais caro e menos confiável do que fechar negócios com a vizinha Rússia.

O estado de coisas é tal que a UE não mostra sinais de abrandamento em sua imposição acelerada de políticas “verdes” radicais, e o bloco ainda é um pouco influenciado pela paranoia de seus membros russófobos sobre as intenções estratégicas do Kremlin. Juntamente com a contínua incerteza econômica global em torno da COVID-19, o resultado é que a UE continuará sofrendo com os preços altos e os suprimentos não confiáveis enquanto se recusar pragmaticamente a alcançar acordos de fornecimento a longo prazo com a Rússia. Isto exaspera o Presidente Putin, pois ele não gosta de ver os europeus congelarem devido às políticas de curto prazo e contraproducentes de seus líderes, quando a Rússia pode aliviar seu sofrimento imediatamente.

Fonte: Oriental Review

Andrew Korybko

Analista político e jornalista do Sputnik, é também autor do livro <em>"Guerras Híbridas"</em>.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *