Alerta Pediátrico: Crianças nascidas no lockdown possuem QI menor

É possível que as crianças tenham um desenvolvimento intelectual normal durante o lockdown? As últimas investigações dizem que não. Crianças nascidas durante as restrições do lockdown e que tiveram as suas interações sociais e seu contato com o mundo limitados enquanto bebês possuem QI significativamente menor do que as crianças nascidas meses antes.

De acordo com pesquisas relatadas pelo The Guardian, os lockdowns tiveram um impacto dramático na inteligência das crianças nascidas durante a pandemia: viver os estágios iniciais da vida em isolamento prejudicou seriamente seu desenvolvimento cognitivo, com efeitos extremamente negativos em seu QI. A longa onda de efeitos das restrições anti-Covid (lockdowns, toque de recolher), portanto, continua a afetar os grupos mais fracos, especialmente crianças e adolescentes.

As crianças do lockdown têm um QI mais baixo

Os pesquisadores analisaram o desempenho cognitivo de 672 crianças nascidas em Rhode Island, 188 das quais nasceram no meio da pandemia (após julho de 2020), 308 nascidas antes de janeiro de 2019 e 176 nascidas entre janeiro de 2019 e março de 2020. Constatou-se que as crianças nascidas durante a pandemia tinham um QI significativamente menor do que as nascidas antes. Um resultado decididamente anômalo, o autor principal do estudo e professor associado da Universidade Brown de pesquisa pediátrica Sean Deoni disse ao Guardian. “Normalmente não vemos fenômenos como este fora dos grandes distúrbios cognitivos”.

Pais deprimidos e estressados

Além disso, descobriu-se que os QI mais baixos pertenciam aos filhos daqueles pais aos quais as restrições haviam causado distúrbios depressivos. Enquanto muitos adultos foram capazes de resistir aos efeitos do lockdown, em um momento tão sensível para o crescimento mental das crianças, o isolamento provavelmente causou danos permanentes. A falta de exposição ao mundo exterior, a ausência de interação com outros seres humanos além de seus pais e a coabitação forçada com adultos estressados e deprimidos teriam, portanto, causado a essas crianças uma desvantagem intelectual significativa em comparação com seus pares um pouco mais velhos, de acordo com os resultados da pesquisa publicada na quarta-feira.

Lacunas difíceis de superar

“Os pais estão estressados e deprimidos… isso limita a interação com os pequenos”, disse Deoni, acrescentando que a falta de estímulo durante a pandemia criou contratempos que serão difíceis de superar para as crianças. “A capacidade de corrigir o déficit diminui à medida que a criança cresce”. As crianças de famílias com dificuldades financeiras foram as mais afetadas, observaram os pesquisadores. “Talvez não seja surpresa que as crianças de famílias socioeconomicamente desfavorecidas foram as mais afetadas”, disse Sir Terence Stephenson, professor de pediatria no University College London, ao Guardian.

Fonte: Il Primato Nazionale

Cristina Gauri

Jornalista e artista italiana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *