Elementos para um Pensamento Populista Revolucionário

O momento unipolar do pós-Guerra Fria está em vias de ser substituído por uma ordem mundial multipolar. Nesse contexto, os movimentos populistas que surgiram espontaneamente em várias partes do mundo para desafiar o liberalismo progressista das elites globalistas precisa adquirir um conteúdo sólido para fazer frente à ideologia hegemônica e passar de mera contestação a movimentos revolucionários.

O mundo multipolar emergente é uma revolução geopolítica. Ele não apenas marca uma mudança de paradigma a partir do breve momento unipolar estabelecido pelos Estados Unidos após 1991, mas também o fim da hegemonia ocidental. O processo contínuo de multipolaridade se dá a favor das diferentes civilizações e contra o projeto liberal de globalização. Enquanto a globalização tenta unificar o mundo sob um sistema político, uma ideologia e uma civilização, a multipolaridade proclama a diversidade de diferentes sistemas políticos, diferentes ideologias e diferentes civilizações.

A Multipolaridade e o Momento Populista

Portanto, surge a questão: Onde fica o lugar da Europa neste mundo multipolar? A posição atual da Europa está na órbita dos Estados Unidos. Após 70 anos de atlantismo, a Europa parece não ser capaz de expressar seus próprios interesses geopolíticos. Mas, como disse Hölderlin: “Mas onde há perigo, as potências salvadoras também crescerão”. O momento populista deu origem a movimentos como os Coletes Amarelos e partidos de toda a Europa declarando guerra às elites liberais. Mas mesmo os movimentos e partidos populistas carecem de uma estratégia consequente contra o globalismo e o liberalismo. Os ataques dos globalistas são dirigidos contra o núcleo da civilização europeia. O cristianismo e suas igrejas são profanados, os povos são dissolvidos nas “águas geladas do cálculo egoísta” (como disse Karl Marx), a família é contestada como um instrumento de opressão e também os diferentes sexos são atacados por representarem o patriarcado na ideia de integração do gênero, enquanto o transumanismo está até mesmo disposto a abolir o próprio humano a fim de libertar o indivíduo. Para resumir este perigo, o liberalismo ataca em várias frentes. Mas os populistas decidem lutar apenas em algumas delas, especialmente porque não compreendem a importância destas batalhas. Até agora, eles colocam em questão apenas certos aspectos da hegemonia liberal e não entendem o quadro completo que conforma todos esses aspectos. Eles pedem o fim da migração em massa, mas não questionam a OTAN, que está destruindo as pátrias das pessoas em todo o mundo. Eles permanecem em silêncio sobre o problema do capitalismo destruindo sua própria cultura e religião cristã, enquanto gritam “Não islamize nossa americanização”.

Os Dois Pais Fundadores do Pensamento Populista Revolucionário: Gramsci e Schmitt

Todos estes aspectos da atual guerra intelectual que assola o Ocidente nos mostram a seriedade apocalíptica do momento histórico em que vivemos. Portanto, é mais importante do que nunca pegar em armas e escolher um lado. No caso da Europa, podemos escolher entre as elites atuais e seu fim da história ou a causa dos povos e a continuação da história. O que falta atualmente aos populistas de toda a Europa, é uma teoria revolucionária. Mas onde eles podem encontrá-la? Primeiro temos que procurar no período entre guerras onde encontramos o intelectual comunista Antonio Gramsci e o revolucionário conservador alemão Carl Schmitt. No pensamento de Gramsci, podemos encontrar sua teoria da hegemonia para melhor compreender como funciona o atual regime liberal. Se adaptarmos corretamente as ideias de Antonio Gramsci, percebemos que podemos encontrar a ideologia liberal não apenas em fenômenos como a migração em massa e a deterioração da segurança interna, ou da economia capitalista, mas também na unipolaridade geopolítica e especialmente na área cultural. Portanto, uma resistência contra a hegemonia liberal sobre a Europa seria fútil, se for dirigida apenas contra um aspecto da mesma. Se o populismo é dirigido apenas contra um ou dois aspectos da hegemonia, ele deve necessariamente tornar-se apenas mais um exemplo de “modernização defensiva” e acabará fracassando a longo prazo, como afirmou a teórica política Chantal Mouffe. A emergência do populismo significa o fato de que o político voltou à Europa e que nós, como europeus, podemos escolher entre diferentes projetos hegemônicos. O liberalismo é apenas uma possibilidade – um populismo revolucionário orientado em torno dos princípios da Quarta Teoria Política é a outra. Estas são as pré-condições intelectuais para uma Europa soberana em um mundo multipolar.

Poder Terrestre, Katehon Europa e o Estado-Nação

No campo da geopolítica, os populistas precisam redescobrir a oposição de Carl Schmitt entre a terra e mar. Ali ele deu provas da ligação entre o poder marítimo e as ideias progressistas, ao mesmo tempo que destacou a ligação entre o poder terrestre e o conservadorismo. Como Alain de Benoist formulou o conceito ao se referir a Zygmunt Bauman, a potência marítima tenta transformar tudo em um estado líquido, portanto “liquida” o capital e os migrantes a fim de deixá-los fluir como o mar. Para resistir à globalização, a Europa precisa se tornar uma “Katehon Europa”, como Carl Schmitt cunhou o termo de um grande espaço europeu unido, de modo que ele possa se defender contra o Anticristo. Em muitos aspectos, isto significa que a Europa tem que voltar às suas raízes geopolíticas. Primeiro ela tem que reconhecer o fato de que o Estado nacional, como filho da modernidade, (a) não é mais capaz de garantir sua soberania e (b) não é um protetor do povo, mas um agente dos interesses burgueses.

O Tema do Pensamento Populista: O Povo

Ao desenvolver um pensamento revolucionário populista, é necessário colocar o foco no tema do populismo, o povo. Ao contrário da nação, o povo não é uma comunidade artificial, mas um organismo histórico. Ele não é composto de indivíduos isolados, mas de pessoas, encontrando seu lugar dentro da comunidade. Enquanto as nações só conhecem uma humanidade politicamente acentuada acima delas e encontram sua conclusão lógica no Estado mundial, os vários povos são os pensamentos de Deus, como concluiu Herder. Acima dos povos só encontramos as civilizações, que consistem de povos diferentes compartilhando a mesma religião, história e espaço comum entre si. Cada povo por si mesmo está condenado a ser liquidado pelo Ocidente, mas unido como civilização, Ele pode resistir à tempestade.

A Multipolaridade e o Heartland Distribuído

Portanto, é imperativo que uma civilização europeia unida forme um império comum no sentido tradicionalista a fim de garantir a paz em nível doméstico e defender sua soberania diante da investida globalista. Além disso, a ascensão da civilização russa-eurasiática, chinesa e iraniana xiita provou o que Alexander Dugin chama de “Heartland distribuído”. Não há apenas um coração, como previsto por Halford Mackinder, mas muitos. Nós, como europeus, temos um deles, nosso Heartland europeu específico. Isto significa que temos que deixar para trás o “fardo do homem branco”, o messianismo liberalista dos direitos humanos, a (pós)modernidade, o progresso e o Iluminismo. Somente quando abandonamos nossa arrogância e superstição, podemos tomar um lugar entre civilizações iguais e retornar à nossa herança cristã tradicional. Se os populistas na Europa aprenderem com estas lições, deixando para trás as diferenças entre a esquerda e a direita e formularem um programa revolucionário dirigido contra a globalização e o liberalismo em todas as suas dimensões, eles podem vencer. A multipolaridade, tanto em sua dimensão intelectual quanto geopolítica, é a chave para devolver à Europa seu próprio destino. Mas, como em toda luta de libertação, os próprios europeus devem dar o primeiro passo para romper com a hegemonia ocidental.

O Fim do Cesarismo: Reflexão e Autocrítica como Chaves para a Multipolaridade Europeia

Uma teoria revolucionária não só permite aos populistas de toda a Europa diferenciar entre amigo, inimigo e principal inimigo, mas também criar uma estratégia para que eles possam alcançar a libertação da Europa do liberalismo. Uma teoria sofisticada também permite uma autocrítica e põe fim ao descuidado cesarismo dentro dos movimentos e partidos populistas. Exemplos trágicos de governos populistas fracassando por causa do cesarismo como na Itália e na Áustria seriam coisa do passado.

Multipolaridade: As Civilizações Unidas contra o Globalismo

Como podemos ver, a multipolaridade oferece grandes chances de lutar contra as forças da globalização e acabar com seu avanço. Testemunhamos isso nos campos de batalha na Síria, onde a Rússia e o Irã impediram a queda do presidente Bashar-al Assad e a ascensão do ISIS. Na Venezuela, a Rússia e a China conseguiram ajudar o presidente Maduro a resistir à desestabilização orquestrada pelos EUA e à mudança de regime. Se vemos este potencial de uma frente anti-imperialista composta por diferentes civilizações unidas contra a globalização, seria lógico que a Europa também se juntasse a ela a longo prazo. Portanto, é imperativo que a Europa deixe para trás o Ocidente e forme um polo próprio na próxima ordem mundial multipolar.

Fonte: Geopolitica.ru

Alexander Markovics

Bacharel em História pela Universidade de Viena, Secretário-Geral do Instituto Suvorov, cofundador do Movimento Identitário Austríaco.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *