O Fenômeno OVNI e o Pentágono

Nos últimos meses o fenômeno OVNI tem recebido uma atenção bastante incomum por parte da mídia de massa dos EUA, bem como por parte das instituições e órgãos governamentais. Planeja-se a publicação de um novo relatório contendo o resultado de diversas investigações sobre o tema ao longo das últimas décadas. Mas independentemente da natureza do fenômeno, é importante refletir sobre as possíveis implicações geopolíticas do discurso sobre OVNIs, cada vez mais comum e aceito em meios oficiais.

Aqueles de vocês que extraem estímulo intelectual da tradicional sigla OVNI se preparem. O termo menos excitante e maçante aceito pelos funcionários de defesa americanos – fenômenos aéreos não identificados (UAP, em inglês) – está renovando sua marcha para o interior extraterrestre.

No dia 25 de junho, a Força Tarefa UAP do Pentágono divulgará um relatório desclassificado ao Congresso que pouco fará para mudar o terreno ou alterar o debate sobre a natureza de tais fenômenos. Para aqueles excitados sobre criaturas verdes, alienígenas antigos e aquele charlatão malandro Erich von Däniken, nada vai mudar. Para os céticos, será um caso de bocejo cansado antes de voltar ao trabalho. Haverá muitos momentos de “eu disse” e ninguém terá entendido nada.

Desde 2017, vários relatos de testemunhas oculares e vídeos têm circulado em tal medida que preocupam os membros do Congresso. Isto veio uma década depois que o líder da maioria do Senado Harry M. Reid (D-Nev.) começou a abrir a boca sobre o assunto, uma medida que levou à criação do Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais no valor de 22 milhões de dólares. Esse programa, juntamente com o ainda menos conhecido Programa de Aplicação de Sistemas Avançados de Armas Aeroespaciais, viu o envolvimento de tais defensores da existência de vida extraterrestre como o bilionário Robert Bigelow.

Tais programas dificilmente foram os primeiros. De 1966 a 1968, o Projeto UFO da Universidade do Colorado, que levou à publicação do pesado Estudo Científico dos Objetos Voadores Não Identificados, foi financiado pelo Escritório de Pesquisa Científica da Força Aérea dos EUA. Guiado pelo físico Edward U. Condon, o relatório, num total de quase mil páginas, cobriu 56 “casos” (avistamentos de OVNIs), dos quais 33 foram devidamente explicados como “fenômenos normais”.

Os casos inexplicados não eram suficientes para Condon e seus coautores incentivarem mais estudos governamentais ou investigações científicas sobre avistamentos de OVNIs. As palavras do relatório são inequivocamente condenatórias: “nada veio do estudo dos OVNIs nos últimos 21 anos que tenha acrescentado ao conhecimento científico. A cuidadosa consideração do registro … nos leva a concluir que um estudo mais amplo dos OVNIs provavelmente não pode ser justificado na expectativa de que a ciência seja avançada através disso”.

Décadas depois, com o interesse renovado, o Pentágono foi devidamente pressionado pelos legisladores americanos a compilar um relatório examinando os avistamentos de OVNIs. Uma lei aprovada em dezembro estipulou que o trabalho resultante deveria conter “análise detalhada de dados e inteligência de fenômenos aéreos não identificados” reunidos pelo FBI, o Escritório de Inteligência Naval e a Força Tarefa de Fenômenos Aéreos Não Identificados. Esta última foi criada em agosto de 2020 sob a direção do Secretário Adjunto de Defesa David L. Norquist. Foi feito com o objetivo de melhorar a “compreensão de” e “obter uma visão da natureza e origens dos FANIs”. A missão da força-tarefa é detectar, analisar e catalogar os FANIs que possam potencialmente representar uma ameaça à segurança nacional dos EUA.

O foco do relatório deve ser operacional, dada a preocupação do Departamento de Defesa com “a segurança de nosso pessoal e a segurança de nossas operações”. A ênfase é dada aos riscos potenciais apresentados por “quaisquer incursões de aeronaves não autorizadas em nossos campos de treinamento ou no espaço aéreo designado”. “Isto inclui exames de incursões que são inicialmente relatadas como FANIs quando o observador não pode identificar imediatamente o que ela está observando”.

Até agora, os veículos de notícias têm se esquivado entre a expectativa ofegante e o interesse perplexo. A BBC sugeriu que, “Espera-se que a análise de 120 incidentes conclua que a tecnologia dos EUA não estava envolvida na maioria dos casos”. O Hill, não entendendo bem o significado de sigilo, concluiu que este fato “efetivamente descarta qualquer operação secreta do governo americano”.

Tanto o New York Times quanto o Washington Post buscaram uma base comum. O Times relatou que os altos funcionários da administração informados sobre o relatório não encontraram nenhuma evidência de que os objetos avistados ao longo da última década pelos pilotos da Marinha não eram deste planeta. Mas estes mesmos oficiais “ainda não conseguem explicar os movimentos incomuns que mistificaram os cientistas e os militares”. A tecnologia americana, foi confirmado, não estava envolvida nos avistamentos. O relatório, segundo o Post, “não encontra provas de atividade extraterrestre, mas não pode fornecer uma explicação definitiva para dezenas de incidentes nos quais objetos estranhos foram avistados no céu”.

O Post prossegue fazendo algumas reivindicações amplas, detectando uma passagem das “teorias da conspiração marginais” para a “oficialidade”. Para justificar a afirmação, eles citam figuras como Luis Elizondo, um ex-oficial da inteligência militar que disse aos repórteres em uma mesa redonda em abril que muitos objetos gravados nos vídeos em análise tinham “desconcertado pilotos, militares e oficiais da inteligência por seu aparente desafio às leis conhecidas de voo e gravidade”.

A Fox News, por sua vez, pode recorrer às observações do ex-diretor da inteligência nacional John Ratcliffe. Os interessados no relatório leriam sobre “objetos que foram vistos por pilotos da Marinha ou da Força Aérea ou que foram capturados por imagens de satélite que francamente se envolvem em ações que são difíceis de explicar”.

As mentes dos ex-presidentes também estão sendo animadas com interesse. “O que é verdadeiro, e estou falando sério aqui”, disse Barack Obama em maio no Late Late Show With James Corden, “é que há, há filmagens e registros de objetos nos céus, e que não sabemos exatamente o que eles são. Não podemos explicar como eles se moveram, sua trajetória”.

Um bom número de pessoas na fraternidade científica e cética tem estado muito mais fria em relação a essa excitação. “Recentemente”, observa um indignado Andrew Franknoi, astrônomo do Fromm Institute for Lifelong Learning da Universidade de São Francisco, “tem havido uma enxurrada de publicidade enganosa sobre OVNIs [baseada em relatórios militares]. Um exame sóbrio dessas afirmações revela que há muito menos do que se pensa”.

O escritor científico Mick West, que tem visto muitas imagens de FANIs publicadas pelos militares americanos, oferece uma boa perspectiva para os refutadores. A maioria dos avistamentos pode ser reduzida a distorções na imagem ou a problemas nos próprios instrumentos. Não obstante, ele admitiu que objetos não identificados que aparecem “no espaço aéreo restrito” apresentam “um problema real que precisa ser resolvido”.

Robert Sheaffer, cético em relação aos OVNIs, não vê razão para uma conversão damascena. “Não há alienígenas aqui na Terra, e por isso o governo não pode ‘revelar’ o que não existe”. Com uma medida de confiança incondicional, ele sugeriu que as fontes governamentais sabiam “menos sobre o assunto do que nossos melhores investigadores civis de OVNIs, não mais”.

Outra boa razão para amortecer qualquer excitação em torno do Relatório FANI é a motivação do Pentágono. São muitos os casos de fracassos caros, desde os enormes gastos em conflitos fracassados como o do Afeganistão até o problema de US$ 1,6 trilhão sobre o F-35. Talvez, escreve Matt Stieb, o Departamento de Defesa “simplesmente quer uma razão vistosa para exigir mais dinheiro”.

Reid, por sua vez, espera pouco, mas insiste no interesse contínuo em financiar empreendimentos nas investigações de FANIs. “Acho que o relatório não vai nos dizer muito. Acho que eles precisam estudá-lo mais e não apenas dar uma olhada”. Condon e sua equipe de pesquisa talvez discordassem.

Fonte: Oriental Review

Binoy Kampmark

Professor de Ciências Sociais no Instituto Real de Tecnologia de Melbourne.

1 Comment

  1. Não há necessidade de entrar na onda jornalística do momento e se focar nos relatórios e atividades políticas nos EUA sobre óvnis. O Brasil tem uma gigantesca base de dados, tanto de documentação oficial quanto de história oral, sobre o fenômeno. A pesquisa de campo da Força Aérea Brasileira, seja durante a Operação Prato, no norte do Pará em 1977, ou na missão de interceptação a óvnis de maio de 1986, no centroeste e sudeste, é autêntica e singular e não responde à nenhuma tentativa de manipulação política etc. São ações de soberania contra tráfegos aéreos não autorizados. E no caso da Operação Prato, uma reação a algo muito mais estranho…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *