Geopolítica Geek: O Papel da Tecnologia na Geopolítica

Ao longo dos últimos anos, as potências tem tentado tornar suas cadeias de abastecimento e produtivas autossuficientes, desafiando o monopólio tecnológico-intelectual estadunidense. Simultaneamente, ocorre uma guerra tecnológica secreta nos setores da computação quântica e da produção de semicondutores, enquanto alguns países tentam construir redes de internet autônomas.

Uma palavra que parecemos ouvir muito ultimamente é “geek”, que se refere a alguém que tem uma paixão ou mesmo uma obsessão por várias inovações tecnológicas.

A tecnologia desempenha um papel crucial na geopolítica, embora este fato seja muitas vezes negligenciado. O desenvolvimento da tecnologia marinha levou a uma dicotomia entre o poder marítimo e terrestre, e o domínio no ar e no espaço foi acrescentado a estes no século 20. O século 21 testemunhou o aparecimento de uma nova dimensão – o ciberespaço – que é completamente artificial e está em constante aperfeiçoamento. Ele tem, portanto, uma natureza inconstante e fluida, mas também é extremamente importante para a tecnologia da comunicação e da informação.

O exemplo histórico do lançamento do satélite soviético Sputnik em 1957 e a criação americana do ARPA (posteriormente renomeado DARPA) em resposta em 1958, no seio do qual nasceu a internet, mostra a importância da tecnologia na geopolítica – não tanto na teoria como na simulação prática.

Enquanto isso, o acesso às tecnologias, cujos resultados podem ser comprados e vendidos, não é tão importante quanto o controle completo, a autarquia de toda a cadeia tecnológica e a assertividade empresarial que impede que os concorrentes ganhem paridade ou se adiantem.

É por esta razão que os EUA descarrilaram a compra pela China da empresa aeroespacial ucraniana Motor Sich, que teria permitido a Pequim criar motores de aeronaves. Isto foi bastante fácil para Washington, dado o nível de influência que a Casa Branca tem sobre Kiev. Todo o aparato político e de inteligência dos Estados Unidos está de olho no mundo para garantir que tais acordos não afetem os monopólios atuais das empresas americanas.

Ao mesmo tempo, porém, esses monopólios representam um risco para outros países, mesmo quando envolvem tecnologias críticas. Em 14 de dezembro de 2020, por exemplo, vários aplicativos do Google em todo o mundo ficaram indisponíveis por cerca de uma hora. Considerando o grande número de pessoas em todo o mundo que utilizam os serviços do Google, o incidente deve ter causado uma grande quantidade de inconvenientes. Como várias empresas ocidentais de TI estão simplesmente se tornando tóxicas para certos países, as alternativas de origem local e o protecionismo são essenciais do ponto de vista da segurança nacional.

Cavando mais fundo, é possível ver outras razões, também. Cecilia Rikap salienta que “os monopólios intelectuais não são apenas – nem principalmente – resultado da P&D interna de corporações gigantescas. Seu monopólio de conhecimento se baseia na apropriação e rentabilização dos resultados do conhecimento de suas múltiplas redes de inovação organizadas como etapas de conhecimento modularizado, a cargo de diferentes organizações (de start-ups a organizações públicas de pesquisa e universidades)… A distribuição persistentemente desigual da inovação no mundo é uma verdade estrutural agravada pelo capitalismo do monopólio intelectual. Os monopólios intelectuais têm origem em países centrais, em particular nos Estados Unidos, mas seus efeitos estão espalhados por todo o mundo… Além disso, os países periféricos devem definir sua própria agenda para lutar contra os monopólios intelectuais, o que deve incluir a limitação de todas as formas de extrativismo (dados, conhecimento e também bens naturais, alguns deles essenciais para as cadeias de valor digitais)”.

O problema é que enquanto esses países periféricos pensam e discutem as consequências de tais monopólios, os EUA já estão se esforçando para alcançar a plena autonomia e assertividade.

Um relatório especial sobre a competição entre grandes potências preparado para o Congresso dos EUA e datado de 4 de março de 2021 refere-se repetidamente à importância de diferentes tecnologias – não apenas no campo do armamento, mas também tecnologias de rede, tecnologias quânticas, biotecnologias, tecnologias aplicadas, e assim por diante. Tudo isto no contexto do confronto geopolítico dos Estados Unidos com a Rússia e a China.

É por esta razão que Joe Biden emitiu uma ordem executiva em abril de 2021 para rever as cadeias de abastecimento utilizadas por quatro indústrias-chave dos EUA – defesa, saúde pública, transporte e TI – para evitar a escassez de equipamentos médicos, semicondutores e vários outros bens.

Os riscos aqui poderiam ser múltiplos. A empresa sul-coreana SK Innovation, que forneceu baterias para a Ford e Volkswagen nos EUA, foi incluída na lista negra devido ao roubo de propriedade intelectual. Como resultado, o fornecimento de produtos da Coréia do Sul para os EUA foi bloqueado. A China é considerada pelos EUA como um parceiro de importação problemático de diversas maneiras. Mesmo certos parceiros, como o Canadá e a UE, poderiam criar problemas para os EUA se descobrissem que os acordos comerciais e econômicos eram desiguais e acusassem Washington de tentar trapacear (para o que teriam uma justificativa sólida).

As cadeias de abastecimento são vitais para as tecnologias de duplo uso e para a indústria de defesa. Cientes disso, a DARPA e a Intel Corporation anunciaram uma parceria de três anos em março de 2021 para desenvolver e fabricar internamente plataformas de aplicação para sistemas eletrônicos de defesa e aviação comercial.

Um problema semelhante também está preocupando a UE, já que sua dependência das importações de vários países aumentou drasticamente nos últimos anos. Por exemplo, a UE tem uma dependência relativamente alta da Rússia em relação ao níquel (72,5%), enquanto mais de 30% das máquinas automáticas de processamento de dados, equipamentos de telecomunicações e máquinas de energia elétrica da UE são importadas da China. Os EUA fornecem mais de 50% dos motores da UE e motores não elétricos, e tem uma alta dependência das importações americanas de equipamentos eletrodiagnósticos e radiológicos, instrumentos ópticos, instrumentos médicos e produtos aeroespaciais. Minério de ferro e cobre são fornecidos para a UE a partir do Brasil, Canadá, Chile e Ucrânia.

É significativo que tanto a UE quanto os EUA estejam preocupados com a soberania na área de tecnologias críticas, especialmente microeletrônica, e a razão para isso é a mesma – a desindustrialização das últimas décadas e a tentativa de usar a globalização para explorar aqueles países para onde a produção foi transferida.

A instabilidade global também está levantando questões sobre parceiros confiáveis – os Estados frágeis honrarão seus compromissos se suas situações políticas ou econômicas piorarem?

Há também outros riscos. As sanções podem ter um efeito a longo prazo em países terceiros, já que, via de regra, são impostas contra os setores da economia que têm um impacto direto na concorrência econômica e na capacidade de defesa de um país. Em um esforço para prejudicar a economia russa, as empresas de defesa, os institutos de pesquisa e os setores de commodities foram incluídos pelos EUA na lista negra. Devido a restrições, outros estados não podem adquirir produtos e serviços essenciais. Por exemplo, a compra pela Turquia do sistema russo de mísseis terra-ar S-400 levou a sanções que, por sua vez, interromperam o fornecimento do Canadá e… os componentes necessários para os UAVs turcos.

Alguns acreditam que mesmo a crise climática poderia ameaçar o acesso a produtos essenciais e inovações tecnológicas.

A UE chegou às seguintes conclusões a respeito da geopolítica das cadeias de abastecimento:

  • existem riscos significativos associados à diversificação do comércio devido à fragilidade estatal, à coerção econômica e à vulnerabilidade climática;
  • uma estratégia de diversificação se aplicará muito provavelmente a matérias-primas ou componentes em vez de áreas de alta tecnologia como processadores de dados, telecomunicações ou supercomputação, que precisam de maiores investimentos para a autossuficiência; e
  • os atuais parceiros comerciais da UE são uma boa base para a diversificação.

As lições aprendidas pela UE com experiências passadas mostram que a tecnologia e os projetos de inovação precisam ser levados mais a sério em vez de deixados ao acaso.

O projeto Minitel, lançado nos anos 80 como tentativa da França de criar sua própria Internet e, através de terminais especiais, fornecer acesso gratuito às contas bancárias, às páginas amarelas e a outros serviços, fracassou.

O projeto espacial Galileu, anunciado em 1999 como o esforço da UE para criar seu próprio sistema GPS, também fracassou alguns anos depois. Foi somente em 2011 que a UE conseguiu lançar seus primeiros satélites, e eles só se tornaram totalmente operacionais em 2019. Como resultado, o projeto teve um atraso de anos, foi três vezes mais caro que o orçamento, e não forneceu novas inovações ou tecnologias.

Houve também a tentativa de criar o ecossistema de armazenamento em nuvens GAIA-X que foi lançado em 2020 como parte de uma tentativa de reforçar a soberania digital da Europa. Vinte e duas empresas investiram inicialmente no projeto, mas até o momento ele não levou a nada. O objetivo do projeto GAIA-X é claro, naturalmente – reduzir a dependência dos servidores de armazenamento em nuvem das empresas americanas Amazon e Microsoft. A UE também está introduzindo tarifas especiais e medidas restritivas, na esperança de obter uma vantagem competitiva. Entretanto, a Microsoft é uma das empresas envolvidas no GAIA-X.

Um cluster crucial nas tecnologias modernas é a produção de semicondutores. Décadas de progresso na produção em massa de chips contendo números cada vez maiores de circuitos alteraram radicalmente a economia da computação e fundamentalmente reformularam a economia global. A revolução dos computadores pessoais dos anos 80, a revolução da Internet dos anos 90, e as revoluções dos smartphones e das mídias sociais do início dos anos 2000 foram todas construídas sobre silício.

A próxima geração de aplicações industriais e de consumo potencialmente mutáveis, construídas sobre redes 5G, também dependerá de melhorias no desempenho e no poder de computação fornecidos por chips de última geração. O acesso a semicondutores de ponta também é fundamental para o equilíbrio do poder militar global devido ao seu uso em computação de alto desempenho e aplicações de IA e Internet de coisas (IoT), e também pelo papel crucial que desempenham em plataformas de armas modernas e de última geração.

Atualmente, apenas duas empresas – a Samsung da Coréia do Sul e a TSMC de Taiwan – fabricam semicondutores em escala industrial nos nós de processo mais avançados. Estes líderes industriais estão atualmente produzindo em quantidades comerciais no nó de 7-nanômetros (nm), enquanto se esforçam para passar para 5 nm e, finalmente, para 3 nm até meados dos anos 20. Para comparação, o fabricante americano de chips integrados Intel também está ansioso para produzir em volume a 7 nm, mas a empresa encontrou dificuldades para atingir esta meta, anunciando em julho de 2020 que a produção de seus chips de próxima geração seria adiada até 2022.

Atualmente, os chips de 7 nm – incluindo o Kirin 990 system-on-chip da Huawei, fabricado pela TSMC em Taiwan – são os semicondutores mais avançados em uso comercial. O braço de projeto de chips HiSilicon da Huawei havia trabalhado com a TSMC no mais recente da série Kirin no nó de processamento de 5 nm.

Apesar da crescente proeza das empresas de tecnologia chinesa em áreas como 5G, inteligência artificial, aplicativos para celulares e computação quântica, Pequim ainda está muito atrás das tecnologias de fabricação de semicondutores de última geração do mundo. Consequentemente, a fim de atingir suas metas ambiciosas e permanecer competitivas no mercado global, as empresas de tecnologia chinesas estão confiando nas fábricas estrangeiras para criar seus chips mais avançados.

A China está intensificando seus esforços para dominar as tecnologias avançadas de fabricação de semicondutores. Através de seu enorme Fundo Nacional de Investimento em Circuitos Integrados, criado em 2014 e recapitalizado em 2019, e também de outros fundos regionais e locais, alocou fundos superiores a US$ 200 bilhões – mais do que o custo ajustado pela inflação do vôo lunar Apollo da era da Guerra Fria nos Estados Unidos. Entretanto, até agora, a China tem alcançado resultados limitados. O principal fabricante de semicondutores da China, a Semiconductor Manufacturing International Corporation (SMIC), ainda está 3-5 anos atrás dos líderes da indústria Intel, Samsung e TSMC. Em agosto, a SMIC anunciou que seria capaz de empurrar seus equipamentos litográficos existentes para 7 nm. Embora isto fosse um grande avanço para a empresa, ainda a deixaria para trás dos líderes da indústria.

Quanto à Intel, Samsung e TSMC, eles já foram forçados a procurar novas formas de trabalhar juntos e compartilhar os custos para acompanhar o ritmo atual de inovação de ponta. Os custos combinados de P&D e despesas de capital das empresas americanas de semicondutores aumentaram de US$ 40 bilhões em 2007 para US$ 72 bilhões em 2019, o que reflete o custo crescente do cumprimento da Lei de Moore. Em 2018, outro grande ator, a GlobalFoundries – de propriedade do fundo soberano Mubadala dos Emirados Árabes Unidos – efetivamente desistiu da corrida pela liderança global depois de anunciar que iria abandonar os esforços de desenvolvimento no nó de 7 nm, principalmente devido aos custos proibitivos das ferramentas.

Um gargalo específico para SMIC e outros fabricantes chineses é a tecnologia de litografia ultravioleta extrema (EUV), uma tecnologia de fabricação de última geração que é necessária para mover-se para nós abaixo de 7 nm. EUV, que utiliza comprimentos de onda de luz ultravioleta mais curtos para produzir circuitos mais finos e densos do que é possível com técnicas de fabricação anteriores, está sendo utilizada pela TSMC e Samsung no nó de processo de 7 nm. A Intel está trabalhando na integração do EUV em suas linhas de produção comercial, mas tem encontrado problemas. A TSMC, Samsung e Intel confiarão na EUV para sua fabricação em 5 nm.

O desenvolvimento da tecnologia informática é um elemento chave nesta corrida. Em 2019, o Google desenvolveu um computador quântico de 53 qubits, um dispositivo capaz de resolver problemas complexos em aproximadamente três minutos. Pode não parecer tão impressionante, mas quando se considera que um computador não quântico levaria cerca de 1000 anos para realizar os mesmos cálculos, começa-se a entender o poder da computação quântica.

Quer sejam grandes ou pequenas, as empresas estão investindo grandes quantidades de recursos no desenvolvimento de computadores quânticos, e muitas afirmam que essa poderia ser a próxima grande coisa no mundo da tecnologia. De acordo com algumas estimativas, o mercado da computação quântica chegará a US$770 milhões até 2025. Entre 2017 e 2018, a computação quântica experimentou uma “corrida do ouro quântico”, com investidores despejando US$ 450 milhões na computação quântica.

A IBM anunciou recentemente os planos de construir um computador quântico de 1000 qubits até 2023.

O transporte também ocupa um certo cluster em tecnologias de ponta.

Empresas como Tesla, Uber, Cruise e Waymo estão prometendo um futuro no qual os carros são essencialmente robôs móveis que podem nos levar aonde quisermos com apenas alguns toques em um smartphone. TuSimple está tentando avançar criando tecnologias únicas com uma série de parceiros estratégicos. Trabalhando com o fabricante de caminhões Navistar e o gigante do transporte marítimo UPS, TuSimple já está realizando operações de teste no Arizona e no Texas, incluindo viagens autônomas de depósito em depósito. TuSimple está planejando alcançar a autonomia de nível 4 até 2024, o que significa que seus caminhões poderão operar sem um motorista humano sob condições limitadas que podem incluir horário do dia, condições meteorológicas ou rotas pré-mapeadas.

Tem sido observado que a indústria automotiva chinesa também está desenvolvendo ativamente veículos autônomos. Ao mesmo tempo, a China está utilizando uma abordagem integrada onde a tecnologia 5G e a inteligência artificial, necessárias para garantir sinergia, estão sendo introduzidas em paralelo.

O ecossistema de veículos autônomos do país é parte da Nova Iniciativa de Infraestrutura lançada em maio de 2020. Ela está incluída no plano quinquenal e foi alocada em torno de US$ 1,4 trilhão em financiamento.

Naturalmente, o setor mais importante relacionado à tecnologia em geopolítica é a defesa e a segurança. Nos EUA, isto tem sido ligado a três estratégias de compensação lançadas pelo Pentágono.

Scott Savitz da Corporação RAND escreveu sobre duas das grandes tendências tecnológicas desta geração e seu impacto na guerra:

“A primeira é a melhoria implacável e rápida na tecnologia da informação (TI), em campos tão diversos quanto grandes análises de dados, inteligência artificial e realidade aumentada. Uma de suas principais aplicações na guerra é permitir que as entradas de sensores distribuídos e em rede sejam integradas e analisadas rapidamente, gerando informações oportunas e acionáveis em formas que os humanos e as máquinas possam prontamente interpretar.

“A segunda tendência é relacionada, mas distinta: as crescentes capacidades dos sistemas não tripulados para realizar missões valiosas. Estas capacidades estão crescendo não apenas devido à TI avançada que permite operações mais autônomas, mas também devido a melhorias na ciência dos materiais, armazenamento de energia, design e outras áreas.

“Uma terceira tendência, muito menos comentada, é a melhoria dos sensores, que estão se tornando menores, mais baratos e mais perceptivos, com menor demanda de energia e maior durabilidade em vários ambientes”.

Tecnologias de ponta também estão fornecendo uma série de soluções no setor de armamento que estão deixando os militares muito entusiasmados. Uma das mais recentes é uma bomba eletromagnética – um dispositivo que gera um pulso eletromagnético de alta potência ou um pulso de microondas de alta potência. Ao contrário das munições convencionais de energia cinética, as bombas eletromagnéticas têm um efeito devastador sobre os dispositivos eletrônicos e as redes de computadores.

Embora tais armas já existam, novas tecnologias estão tornando possível a criação de dispositivos mais poderosos.

O determinismo natural e as diferentes percepções do mundo exterior (incluindo as ameaças), que estão no centro do pensamento geopolítico e da cultura estratégica, não estão indo a lugar algum nas próximas décadas. Entretanto, a tecnologia terá um impacto significativo sobre eles, e este fator deve ser levado em conta nas avaliações e projeções de risco para o futuro.

Fonte: Oriental Review

Leonid Savin

Leonid Savin é escritor e analista geopolítico, sendo editor-chefe do Geopolitica.ru, editor-chefe do Journal of Eurasian Affairs, diretor administrativo do Movimento Eurasiano e membro da sociedade científico-militar do Ministério da Defesa da Rússia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *