O problema não é apenas a SuperLiga: O Futebol-Negócio é a Realidade de Nossa Época

Escrito por Riccardo Carboni
A Superliga naufragou, mas ela é sintomática de um processo que vem desde o início dos anos 90, que é a transformação do futebol de disciplina esportiva em mero negócio e campo de diversificação de carteiras de investimento. Nesse sentido, as causas que levaram à criação da Superliga permanecem vigentes, e a lógica da financeirização do esporte já ameaça não só o futebol como até mesmo os Jogos Olímpicos.

Tantos trovejou que choveu. Um pouco mais de quarenta anos depois das palavras pronunciadas pelo histórico presidente do Ascoli, Costantino Rozzi, segundo as quais o futuro do futebol teria girado em torno da criação de uma liga europeia de futebol para clubes, capaz de regionalizar o que restaria da Série A [1] (conceito mais tarde retomado pelo ex-presidente do Milan, Silvio Berlusconi[2]), aqui volta a possibilidade, desta vez real, de criar uma Superliga capaz de concentrar toda a elite do futebol europeu em uma competição única e selecionada, quase completamente privada do acesso meritocrático.

O mês de abril de 2021 produziu eventos que aproximaram um passo para marcar a segunda evolução do esporte mais amado e seguido no mundo em algo diferente de como tem sido conhecido até agora, porém, antes de analisar os fatos mais recentes, é necessário dar um passo atrás.

Pode-se subdividir o período de vida do futebol em três fases distintas: uma primeira (a da competição puramente esportiva, potencialmente definível como a Era Romântica), que pode ser contextualizada entre o início da disciplina e meados dos anos noventa do século XX; uma segunda, fixada entre a segunda metade dos anos noventa e hoje (identificável com a denominação da Era do Esporte-Business) e uma terceira que se abriria com o início da nova Superliga e que poderia tomar o nome da Era do Business-Entretenimento.

A primeira destas fases foi caracterizada pela ampla janela de tempo de maturação e, substancialmente, se desenvolveu sem nunca perder de vista o núcleo da competição esportiva, ou seja, o gesto atlético. Atingiu seu auge com a Copa do Mundo de 1990, organizada na Itália, após a qual uma série de eventos políticos e jurídicos teve um impacto, como nunca antes, sobre o jogo mais bonito do mundo.

Um desses eventos, capaz de desestabilizar equilíbrios que haviam sido cristalizados durante décadas, foi sem dúvida a Queda do Muro de Berlim, que foi seguida pela reunificação da Alemanha Ocidental e Oriental, mas, sobretudo, pela entrada no futebol de elite de uma série de clubes e campeões que, até então, haviam sido confinados à porção de território além do Muro.

A ampliação do grupo de jogadores prontos para jogar nos campos mais famosos da Europa foi, no entanto, ainda limitada por uma série de impedimentos políticos, como, por exemplo, o regulamento “3+2”, com base no qual os clubes poderiam inscrever no máximo três jogadores estrangeiros, além de outros dois, desde que tivessem jogado em times do mesmo país, sem interrupção, por 5 anos.

Uma outra limitação dizia respeito à situação laboral do jogador cujo contrato com o clube ao qual ele pertencia estava expirando; até 1995 era costume que o esportista só pudesse se transferir para um novo clube se este se comprometesse a pagar uma indenização ao clube anterior

À luz da famosa “Sentença Bosman” de 1995, estas duas limitações foram interpretadas pela Corte Europeia de Justiça como incompatíveis com os critérios de livre circulação, dentro da UE, reconhecidos para os trabalhadores da UE, permitindo ao jogador de futebol a livre gestão de seu cartão uma vez expirado o contrato que até então o vinculava a um clube; a sentença também permitiu que os clubes, sempre que fizessem parte dos países da UE, não estivessem mais sujeitos a qualquer limitação na assinatura de jogadores estrangeiros, desde que fossem membros da UE.

Apesar do impacto histórico dos eventos desestabilizadores acima mencionados, ainda hoje é difícil fazer com que o fim da fase romântica coincida com esses eventos; o momento real da ruptura se concretizou, pouco depois, em conjunto com a mistura entre esporte (com o E ainda deliberadamente capitalizado) e finanças. O primeiro clube, pelo menos na Itália, a decidir fazer parte do mercado de ações foi o então Lazio de Sergio Cragnotti (1998); naquele preciso momento a fase romântica passou o bastão para uma nova fase, a do Esporte-Business (emblemática é a linguagem técnico-financeira usada pelo presidente Cragnotti para saudar a entrada de um time de futebol no mercado de ações: “O Lazio é um clube que se oferece ao mercado com uma dívida zero e vem obtendo lucros há dois anos”[3]). Tendo revelado, graças às palavras de Cragnotti, a razão da combinação do termo negócio e esporte, é necessário entender como tudo isso se uniu: 1) através da instituição de campeonatos nacionais passados de 18 para 20 equipes e 2) através do advento da nova Liga dos Campeões, caracterizada não mais pela presença de uma substancial fase de eliminação direta (já parcialmente arquivada durante a segunda metade da década de 1990 em favor de uma fase de grupos restrita), mas por duas fases de grupos com o aumento contextual do número de equipes participantes, não mais limitada aos vencedores dos torneios nacionais.

Estas duas reformas geraram uma bulimia substancial de futebol jogado que nunca pararia (a programação atual da televisão inclui futebol jogado quase sete dias em sete), beneficiando mais a rotatividade de todo o setor do que o verdadeiro espetáculo esportivo (uma das acusações feitas contra a constituição da dupla fase de grupos foi a de baixar a qualidade da competição através da inclusão de “times inferiores”). Jogar um número maior de partidas significava a venda de mais ingressos, leilões mais vantajosos para a cessão dos direitos de TV para os clubes e, mais uma vez, uma maior possibilidade de ampliar o pool de patrocinadores. Tudo isso teria gerado interesse em potenciais investidores que, graças à cotação em bolsa de outros clubes esportivos que seguiram o caminho da Lazio de Cragnotti, poderiam ter dado origem a verdadeiras “escaladas” típicas do mundo financeiro.

Este primeiro terremoto não teve um impacto tão significativo de um ponto de vista puramente esportivo, criando uma fase inicial de euforia, especialmente para os torcedores, felizes de ver sua equipe jogar várias vezes por semana; Entretanto, isto foi seguido, novamente para aqueles torcedores cujos salários não cresceram de acordo com o custo de vida ou com a possibilidade de ir ao estádio com mais frequência, pela necessidade de abandonar a casa física de sua equipe favorita, substituindo-a por uma assinatura muito mais conveniente para aquelas TVs por assinatura que, enquanto isso, haviam abocanhado os direitos exclusivos de transmissão de todos os jogos a serem disputados. Para os grandes clubes, a menor venda de ingressos para um único evento (especialmente em uma competição nacional que também havia diminuído na qualidade) foi mitigada pelo maior número de jogos que podiam ser disputados, um fator que caiu sobre os cofres das equipes de categoria intermediária, agora excluídas da elite do futebol europeu, ainda mais do que antes, com o cancelamento da Copa das Copas. A necessidade de participar de competições continentais mais estruturadas (caracterizadas por um maior número de partidas a serem enfrentadas em comparação com o passado) obrigou as melhores equipes a fazer maiores investimentos tanto nos salários dos jogadores quanto na compra do cartão destes últimos, gerando assim um aumento geral das despesas que foram cobertas através da maior renda proveniente da participação nas competições ampliadas, mas também através da contração de novas e imponentes dívidas. Naquele momento, como no mundo real, o futebol também foi obrigado a enfrentar a crise econômica que começou no final da primeira década do novo século e foi assim que, seguindo o conceito de austeridade imposto aos países europeus culpados de ter uma dívida pública muito alta, a contramedida equivalente chamada Financial Fair Play também chegou para o mundo do futebol.

Esta decisão, por mais sensata que fosse, ampliou ainda mais as diferenças entre as melhores equipes e as equipes com menor poder econômico; se empresas como Inter, Milan e Juventus pudessem usufruir de grandes ativos e particularmente de grandes bases de fãs, o que dizer das equipes intermediárias-baixas forçadas tanto a respeitar a austeridade como a assistir a perda de receita de bilheteria devido à desvalorização da Série A com vinte equipes?

A ampliação desta brecha econômica gerou o fim do ponto forte da Série A, ou seja, o equilíbrio; pense em como, de 2002 até os dias de hoje, apenas três equipes (Inter, Milan e Juventus) conseguiram vencer um Scudetto, enquanto nas duas décadas anteriores venceram, além das três mencionadas acima, equipes historicamente menos cotadas, como Lazio, Roma, Sampdoria, Napoli e Verona. Nunca na Itália vimos períodos tão dominantes como o imposto pela última Juventus, capaz de ganhar nove títulos consecutivos de 2012 a 2020.

Esta concatenação de eventos nos leva ao presente e à decisão dos clubes europeus mais importantes de dar vida à chamada Superliga, uma competição que, além das frases circunstanciais já pronunciadas pelos adeptos, não faria nada além de pulverizar os últimos elementos de interesse que caracterizam as competições nacionais, inundando os já ricos cofres dos clubes europeus mais cotados graças ao prometido financiamento do banco de investimentos JP Morgan[4]. Tal reviravolta marcaria a segunda evolução do futebol, aquela que determinaria o fim do Esporte-Business, substituído pelo Business-Entretenimento (cujos primeiros sintomas começaram a ser sentidos com a Copa do Mundo de 1994 nos Estados Unidos, assim como de 2002 no Japão e na Coréia do Sul, até a atribuição da mais alta competição mundial a um país financeiramente dotado, mas historicamente pouco ligado à história do futebol, como o Qatar). Como resultado desta autêntica revolução, a verdadeira competição esportiva desfrutaria de uma menor relevância (quase secundária), com o eurojogos, todos transmitidos na TV, que assumiria as características de um produto típico de entretenimento, talvez bem feito, mas sem o epicismo tradicional, suas raízes, romance e tudo o que sempre caracterizou esta disciplina desde o final do século XIX até hoje; falaríamos, portanto, de um produto útil apenas para ser consumido.

O que acabou de ser descrito tomaria forma concreta com o desaparecimento do elemento que caracteriza o futebol pré-negócio: aquela raridade dos enfrentamentos entre as equipes mais cotadas da Europa, como para gerar um contorno épico ao evento (qualquer torcedor de futebol que viveu entre os anos oitenta e noventa se lembrará do retumbante 5 – 0 com o qual o Milan de Sacchi derrotou o Real Madrid, mas dificilmente, em poucos anos, lembraremos da mesma forma o 3 – 0 na primavera de 2017 pela Juventus contra o Barcelona, pela simples razão de que, devido ao formato moderno da Liga dos Campeões, as duas equipes se encontraram quatro vezes nos últimos sete anos).

Se, com a Superliga, a desvalorização da epicidade, filha da saturação, deveria se tornar ainda mais aguda (e o mesmo poderia ser dito da recém constituída Liga das Nações para os Nacionais), deveríamos nos perguntar por que esta nova competição: pela única necessidade de ter maiores receitas e, portanto, maior satisfação para aqueles acionistas, que se tornaram exclusivamente investidores desinteressados no resultado esportivo (ao contrário do que aconteceu com a figura dos presidentes/fãs), ansiosos para ver consideráveis dividendos distribuídos, como demonstrado pelo aumento das ações da Juventus após o anúncio relativo à constituição da Superliga[5]. Por estas razões, nos últimos anos, as grandes empresas pensaram em “atacar” novos segmentos de mercado que até então não haviam sido considerados (daí os amistosos de verão na América e na Ásia, imolando o precioso preparo físico pré-temporada, até a decisão extrema de transmitir um jogo da Série A às 12h30 para tornar o produto atraente no Oriente).

A instituição desta nova competição continental determinaria, portanto, uma maior atração para aquelas capitais estrangeiras que, se por um lado, nos últimos anos, salvaram vários clubes de futebol em uma situação econômica grave, por outro, se mostraram incapazes de compreender as peculiaridades e singularidades daquelas cidades e ambientes metropolitanos, gravitando em torno de seus próprios representantes, distinguidos pelo paroquialismo histórico e elementos folclóricos (como prova disso foi Churchill quem reconheceu nos italianos um povo capaz de ir à guerra como se fosse uma partida de futebol, vivendo, ao contrário, uma partida de futebol como se fosse uma guerra).

Hoje, os times de futebol não são mais falados como símbolos territoriais, mas como marcas úteis para veicular em novos mercados os bens (ou serviços) produzidos pela empresa (muitas vezes uma multinacional) que adquiriu a maioria das ações do clube esportivo; pior ainda seria o caso da aquisição de um clube de futebol com o único objetivo de “limpar” uma imagem pouco green friendly da própria empresa, associando-a ao logotipo do clube.

O pouco interesse que os clubes de futebol mais importantes envolvidos no projeto da Superliga e as diversas emissoras têm em salvaguardar as competições nacionais é demonstrado pelo tratamento sofrido pela Copa Itália nas últimas décadas. Uma competição que, por razões óbvias de televisão, permitiu que as equipes mais fortes entrassem em campo apenas a partir das etapas finais do torneio e, além disso, jogando as rodadas antes das semifinais estritamente em casa, de modo a favorecer as semifinais que são mais esperadas na televisão e, portanto, mais atraentes do ponto de vista publicitário.

Neste sentido, em um especial dedicado a Diego Armando Maradona e apresentado por Gianni Minà, publicado em vários dvds por La Gazzetta dello Sport há cerca de quinze anos, o recém falecido “Pibe de oro” contou o desconforto que sentiu, durante seus últimos anos no Napoli, quando sentiu que não era mais tratado como um homem/futebolista, mas como um homem/investimento. As palavras de Maradona anteciparam o que o futebol logo se tornaria: um grupo de homens vistos como ativos (investimentos/recursos humanos suscetíveis de avaliação econômica) para qualquer pessoa que sentisse a necessidade de diversificar sua carteira de investimentos, decidindo indiferentemente ou patrocinar o atleta individual ou adquirir ações de um clube de futebol.

Em conclusão, é necessário considerar as palavras expressas pelo presidente do Real Madrid, Florentino Perez, segundo as quais a Superliga seria útil para “cobrir as enormes perdas devidas à crise”[6]. Que o presidente de um dos clubes de futebol mais importantes do mundo fale de “crise”, diante dos salários atuais e exorbitantes pagos aos seus campeões, bem como do mercado de futebol anual, deveria deixar indignado qualquer um que esteja realmente vivendo a palavra crise (do ponto de vista sanitário, econômico, laboral e psicológico).

Nesta fase pandêmica tem se falado muito de uma redistribuição desejável do dinheiro através de um sistema fiscal baseado em maior progressividade; da mesma forma, dando crédito às palavras de Pérez a respeito das enormes perdas sofridas pelos clubes de futebol, seria desejável começar a avaliar uma redistribuição, em favor dos clubes menores, de boa parte dos salários mais altos pagos aos diversos campeões sob contrato, através da introdução de um teto salarial justo.

Todo o mundo do futebol deveria tentar sair junto desta fase difícil, não deixando nenhuma realidade atrás, no entanto, a Superliga não agiria nessa direção, aumentando ainda mais o fosso esportivo entre pobres e ricos, sancionando o fim de uma história de séculos.

Como esperado, a nova competição continental anunciada foi seguida por dias marcados pelas posições duras tomadas pela UEFA, pela política, mas acima de tudo pela maioria das pessoas do setor e daqueles sem os quais tudo isso seria difícil de ser alcançado: os torcedores. A frente comum erguida em defesa do status quo foi ainda mais reforçada após a posição decisiva, contra a Superliga, tomada pelos principais clubes franco-alemães; Por um lado, o bloco teutônico, liderado pelo Bayern de Munique, sublinhou sua firme vontade de salvaguardar os modelos nacionais (especialmente o seu próprio, caracterizado pelo patrimônio orçamentário e pela participação empresarial substancial dos torcedores que realmente se preocupam com o desempenho esportivo), por outro lado, o Presidente do Paris Saint Germain, Nasser Al-Khelaïfi, que só poderia dizer que é contra tal projeto em virtude da delicada, e já criticada, tarefa da próxima Copa do Mundo da FIFA para seu país, o Qatar.

Que não haja ilusões, porém: esta revolta imediata e quase global de escudos, que se seguiu ao referido desinteresse demonstrado pelo eixo franco-alemão, não representaria nada mais que a resposta dos menos ricos (não confundir com os mais pobres) a este ato de força expresso pelos mais ricos; é, portanto, sempre e exclusivamente um conflito de natureza econômica, não constituído, como alguns esperavam, em defesa dos valores originais representados pela disciplina. Como prova disso, a própria UEFA, após ter mostrado o bastão (as possíveis sanções contra os clubes “separatistas”) mostrou prontamente a cenoura, concretizada na vontade de tornar as próximas competições continentais, a serem realizadas sob sua égide, ainda mais vantajosas economicamente para as equipes capazes de se qualificarem.

Diante do descontentamento gerado pela constituição da Super liga, e seguindo as concessões prometidas pela própria UEFA, as empresas fundadoras da nova competição não puderam fazer outra coisa senão desistir de seu projeto, no entanto, ter desativado a Superliga não levará ao arquivamento de um modelo mais amplo, o do business-entretenimento, que continuará a avançar inexoravelmente.

Finalmente, seria um grave erro pensar em circunscrever este fenômeno, colateral à globalização, ao mundo do futebol apenas, porque ele poderia, no futuro, ser aplicado a todos os outros setores do mundo esportivo. As próprias Olimpíadas, mãe do esporte competitivo, poderiam um dia ver a perda de sua própria caracterização, composta de atletas competindo e representando sua própria nação; o processo em andamento poderia até ser capaz de arquivar, primeiro do lado esportivo e depois do lado político, a era dos Estados-Nação, elevando o conceito de “cidadania mundial” e determinando uma nova fórmula olímpica composta de competidores individuais, sem mais afiliação geográfica, competindo por si mesmos e por aqueles patrocinadores que seriam decisivos para a inscrição na maior competição esportiva de todos os tempos.

[1] https://www.sportmediaset.mediaset.it/calcio/la-profezia-di-costantino-rozzi-a-lungo-andare-avremo-un-campionato-europeo-con-le-big_31196917-202102k.shtml
[2] https://www.corrieredellosport.it/news/calcio/2021/04/19-80941460/superlega_una_storia_infinitadi_progetti_minacce_illusi_e_traditi
[3] https://www.repubblica.it/online/sport/quotazione/olimpico/olimpico.html
[4] https://www.lastampa.it/sport/calcio/2021/04/19/news/super-league-tra-certezze-e-proteste-jp-morgan-ufficializza-la-sua-partecipazione-oggi-riunione-dei-club-di-serie-a-1.40170944
[5] https://www.money.it/azioni-juventus-balzo-oltre-10-per-cento-superlega
[6] https://www.sportmediaset.mediaset.it/calcio/florentino-perez-la-super-league-al-posto-della-champions-soluzione-alla-crisi_31205179-202102k.shtml

Fonte: Osservatorio Globalizzazione

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *