As Elites Globais e sua Estratégia para se apoderar das Terras Cultiváveis do Mundo

O próximo passo da elite globalista é a privatização da natureza. Para esse fim, globalistas estão abocanhando milhões de acres de terra pelo mundo, que serão mobilizadas para a criação de “empresas de ativos naturais”, através das quais nos venderão “ar”, “água”, “luz”, etc. É a concretização de todos os pesadelos distópicos.

O presidente do Fórum Econômico Mundial (WEF) [1], Klaus Schwab [2], anunciou que o “Grande Reset” envolve uma reestruturação radical da ordem social e econômica mundial. Schwab chama isso de uma mudança do velho capitalismo para uma nova forma de capitalismo “inclusivo” que libertará os seres humanos da propriedade privada. Entretanto, se os comunistas russos aboliram a propriedade privada dos meios de produção (capital objetivado) há mais de cem anos, o fizeram “para pôr fim à exploração do homem pelo homem”; em contraste, os globalistas propõem a abolição da propriedade pessoal, ou seja, a propriedade destinada a satisfazer as necessidades básicas de nossas vidas, tais como moradia, vestuário, utensílios domésticos, e assim por diante.

Por sua vez, Ida Auken, um dos membros do Conselho Global sobre o Futuro das Cidades e Urbanização, financiado pelo WEF, diz com alegria: “Bem-vindo a 2030. Bem-vindo à minha cidade, ou melhor, à nossa cidade. Eu não tenho nada. Não tenho carro, não tenho casa, não tenho eletrodomésticos, não tenho roupas” [3].

Schwab é muito cauteloso em seu uso das palavras. Em seu livro COVID-19: O Grande Reset (2020), ele afirma que os seres humanos devem abandonar seu desejo de propriedade o mais rápido possível. O capitalismo inclusivo implica que nos tornemos usuários. Entretanto, não há direito de uso sem o direito de propriedade, pois alguém deve ser o proprietário da mercadoria. Schwab não aborda a questão, mas em seu livro está claro que o proprietário de todas as coisas será a elite global.

Afinal, vivemos agora em um mundo onde o “bilhão de ouro” assumiu a maior parte da infraestrutura econômica e social do mundo. Eles até se apropriaram da propriedade intelectual e da maior parte do subsolo terrestre. Este “bilhão de ouro” gostaria de ser capaz de privatizar todo o universo. O escritor soviético de ficção científica Alexander Belyaev escreveu um romance chamado O Vendedor de Ar (publicado pela primeira vez em 1929) no qual retrata esta classe de lunáticos. O enredo gira em torno de um empresário inglês conhecido como Bayley, que construiu uma fábrica subterrânea em algum lugar no Círculo Ártico, mais precisamente na Yakutia do Norte, com a intenção de engarrafar ar. Na fábrica, o ar é separado em diferentes componentes (oxigênio, hidrogênio, nitrogênio, hélio) e depois cada um deles é convertido em produtos comerciais. Por exemplo, o nitrogênio é usado para fazer amônia, ácido nítrico e cianamida. O principal produto da fábrica é um saco de ar condensado contendo um quilograma cúbico de ar condensado. Bayley preparou sua entrada no mercado promovendo todos estes produtos com grande alarde, mas seus planos foram felizmente interrompidos pelo Exército Vermelho, que destruiu a fábrica.

Hoje, no entanto, estamos testemunhando como um grupo de oligarcas ricos quer ir mais longe do que Bayley. Os lunáticos de hoje querem se apropriar dos elementos naturais até então não-lucrativos através da privatização e da mercantilização extrema. Quando isto acontecer, então a elite globalista será imparável.

A revista “Natural News” publicou em 29 de dezembro de 2021 um artigo intitulado “Corporações globais começaram a confiscar terras agrícolas nos Estados Unidos com o objetivo de interromper a produção de alimentos porque ela contribui para a mudança climática” [4]. O artigo diz que muito em breve surgirão no mundo empresas que fornecerão “serviços ecossistêmicos”. Estas empresas ecossistêmicas serão fábricas que absorvem dióxido de carbono e outros gases, purificam as águas residuais e produzem oxigênio e água potável em seu lugar. Eles também ajudarão a conservar a biodiversidade, o código genético de milhões de animais (fauna) e plantas (flora) que doravante serão usados para desenvolver sofisticadas biotecnologias e engenharia genética.

Os defensores dos “serviços ecossistêmicas” argumentam que a primeira condição para a criação de tais mercados é estabelecer direitos de propriedade claros sobre a natureza (ecossistemas). A “propriedade por ninguém” ou a propriedade por “atores irresponsáveis” só leva à destruição dos ecossistemas. Em vez disso, a propriedade dos recursos naturais deve ser atribuída a agentes econômicos “responsáveis”, cujas operações serão verificadas… pelas bolsas de valores.

Estas novas entidades comerciais serão conhecidas como Empresas de Ativos Naturais (EANs) que comercializarão e lucrarão com a venda de “bens e serviços ecossistêmicos”, absorverão gases de efeito estufa e fornecerão oxigênio e água limpa. Quanto ao material genético colhido por este ecossistema privatizado, pode-se dizer que a biotecnologia ou outras empresas poderão utilizá-lo adquirindo uma licença para a “propriedade intelectual” correspondente. Somente as EANs serão capazes de possuir o material genético da fauna e da flora. O resto da humanidade terá que pagar para usá-lo.

Esta “economia e mercado ecossistêmico” faz com que as fantasias literárias de Alexander Belyaev se tornem insignificantes. No entanto, este projeto não é uma fantasia. É uma parte fundamental do Grande Reset. De fato, o website da Bolsa de Valores de Nova Iorque (NYSE) já tem uma página dedicada aos EANs que diz: “Para enfrentar os grandes e complexos desafios causados pela mudança climática e a transição para uma economia mais sustentável, a NYSE e o Intrinsic Exchange Group (IEG) estão propondo a criação de uma nova classe de ativos baseada na natureza e nos benefícios que ela proporciona (chamada de serviços ecossistêmicos). Os serviços ecossistêmicos possuirão o valor intrínseco e produtivo da natureza e fornecerão valor baseado nos ativos vitais que sustentam toda a nossa economia e tornam possível a vida na Terra. Exemplos de bens naturais que poderiam se beneficiar da estrutura EAN incluem paisagens naturais, tais como florestas, áreas úmidas e recifes de corais, bem como terras aráveis e terras agrícolas” [5]. O potencial comercial desses bens naturais também é afirmado como sendo de 125 trilhões de dólares por ano em termos de bens e serviços, incluindo dióxido de carbono, biodiversidade e água limpa [6]. A título de comparação, as vendas globais de petróleo e gás natural foram de apenas 4,68 trilhões de dólares em 2020.

Além disso, o Intrinsic Exchange Group (IEG) chegou a um acordo com a Bolsa de Valores de Nova Iorque em setembro de 2021 para começar a criar EANs e registrá-las na bolsa de valores. A NYSE é uma acionista minoritária da IEG. Esta última empresa é uma parceria que conta entre seus principais contribuintes com o Banco Interamericano de Desenvolvimento, a Fundação Rockefeller e a Aberdare Ventures. A IEG foi fundada em 2017 pelo empresário e ambientalista Douglas R. Eger, que é o atual diretor da organização. Em setembro Douglas disse: “Tanto a IEG quanto a NYSE permitirão que nossos investidores tenham acesso à riqueza natural e tornarão nossa economia industrial muito mais equitativa”.

O IEG já desenvolveu um método para medir o desempenho ambiental dos SACs e traduzi-lo em valores de mercado. Estes métodos incluem uma forma de vender serviços ecossistêmicos e capital natural. Espera-se que estes indicadores complementem os sistemas tradicionais de lucros corporativos. A Bolsa de Valores de Nova Iorque preparou normas de listagem para informações contábeis de PMEs para o quarto trimestre de 2021 e as submeteu à Comissão de Valores Mobiliários e Câmbio dos EUA (SEC). Espera-se que a SEC aprove os arquivos no início de 2022 e que as primeiras EANs sejam publicadas este ano.

O que podemos colher dos documentos patrocinados pelo IEG e pela NYSE é que a criação de EANs começa com a aquisição de terras que têm alguma utilidade ecossistêmica: “EANs são empreendimentos sustentáveis que fornecem serviços ecossistêmicos através de terras naturais, cultivadas ou híbridas” [7]. O termo “natural” se refere a terras que não foram afetadas pelas mãos humanas. A “terra de cultivo” refere-se à terra que está em uso e é de caráter principalmente agrícola e, portanto, precisa ser convertida desta função puramente agrícola para fornecer serviços ecossistêmicos. O termo “híbrido” se refere a terrenos que fornecem ambos os serviços.

Curiosamente, vários bilionários estão agora comprando grandes quantidades de terra a fim de se apropriar do “capital natural” e assim transformar seus ativos (financeiros) virtuais em ativos reais. Por exemplo, nos EUA, o magnata Bill Gates está tentando se tornar o maior proprietário de terras agrícolas do país (ou, na terminologia usada pelo IEG e pela Bolsa de Valores de Nova York, “working lands”) e é atualmente o maior comprador de terras do país [8]. Gates possui cerca de 242.000 acres de terra nos Estados Unidos, o que seria equivalente a 100.000 hectares. Entretanto, Gates não é o maior proprietário de terras nos Estados Unidos. Essa posição é ocupada por John C. Malone, o magnata da mídia, com 2,2 milhões de acres, compreendendo tanto fazendas quanto florestas. Ele é seguido pelo fundador da CNN, Ted Turner, com 2,0 milhões de acres de terras em sua maioria selvagens. E em terceiro lugar está o fundador da Amazon, Jeff Bezos, que está investindo cada vez mais nesta área [9].

O agricultor americano médio está muito preocupado com a compra de terras por bilionários, pois estes novos senhores feudais podem a qualquer momento mudar o uso das terras agrícolas.

Acho que o título do artigo da Natural News fala por si mesmo e qualquer comentário sobre ele é supérfluo.

Notas

  1. https://www.fondsk.ru/news/2021/12/29/mirovoj-ekonomicheskij-krizis-vtoraja-stupen-plana-velikoj-perezagruzki-55211.html
  2. https://www.fondsk.ru/news/2021/08/24/kto-vy-doktor-shvab-54308.html
  3. https://www.forbes.com/sites/worldeconomicforum/2016/11/10/shopping-i-cant-really-remember-what-that-is-or-how-differently-well-…
  4. https://www.naturalnews.com/2021-12-29-globalist-corporations-seizing-american-farmland-eminent-domain-to-halt-food-production-c…
  5. https://www.nyse.com/introducing-natural-asset-companies
  6. https://www.globenewswire.com/news-release/2021/03/04/2187025/0/en/Global-7425-02-Billion-Oil-and-Gas-Markets-2015-2020-2020-202…
  7. https://www.iadb.org/en/news/nyse-and-intrinsic-exchange-group-announce-new-asset-class-power-sustainable-future
  8. https://summit.news/2021/01/15/bill-gates-buying-up-huge-amount-of-farmland-while-great-reset-tells-americans-future-is-no-priva…
  9. https://www.fondsk.ru/news/2018/11/11/o-bolshom-brate-i-cifrovom-imperializme-47106.html

Fonte: Fondsk

Imagem padrão
Valentin Katasonov

Economista russo, Doutor pela Universidade de Moscou, membro associado da Academia Russa de Ciências Econômicas e Negócios e colaborador da Strategic Culture Foundation.

Artigos: 575

Um comentário

  1. Ele poderia ter utilizado os termos corretos. O que o pessoal de Davos quer é um neomalthusianismo radical, considerando a escassez de recursos vs. crescimento demográfico. A propriedade vai continuar a existir mas regida por fundações (a quem os megabilionáros já doaram a maior pare dos bens) e os rumos da economia, por algoritmos. Nada que destoe da escola clássica. É mais capitalista, aliás, já que Adam Smith pregava posse estatal da terra (e educação pública gratuita) para garantir ponto de largada igual para todos no livre mercado.

Deixar uma resposta