O Professor do Pensamento: Aos 60 Anos de Aleksandr Dugin

Hoje cumpre 60 anos de vida o professor Aleksandr Dugin, um dos maiores filósofos vivos hoje, arauto de um novo caminho filosófico que nega as trevas da decadência civilizacional globalista para anunciar a possibilidade de um novo renascimento dos povos, culturas e civilizações. Dugin, o filósofo mais perigoso do mundo, o único intelectual até hoje a sofrer sanções formais pelo governo dos EUA, deve ser estudado por todos nós.

No dia de Natal, 7 de janeiro de 2022, Alexander Dugin marcará seu 60º aniversário. A figura do aniversário parece incrível tendo como pano de fundo o enorme número e, mais importante, a qualidade de seus livros, artigos, palestras e discursos ao longo das últimas três décadas. O que posso saber, como membro da geração seguinte nascida sob Gorbachev e como coetâneo dos filhos de Aleksander Dugin, sobre a época do “Círculo Yuzhinsky”, as iniciativas na perestroika da sociedade “Pamyat” e os primeiros anos de Arktogaia apenas com as palavras de meus veteranos, sobre esta data redonda e sobre a pessoa que está comemorando seu aniversário sem lisonjas e sem cair em banalidades?

A principal coisa que aprendi nos dez anos de comunicação ocasional com Aleksander Dugin é que, antes de tudo, ele é um verdadeiro filósofo por vocação e estilo de pensamento. Sim, ele é também um poeta, um compositor, um especialista em política e geopolítica reconhecido internacionalmente, cujos conhecimentos e previsões são muitas vezes brilhantemente justificados. Mas todos estes são apenas derivados da raiz de seu pensamento, que é enfaticamente filosófico. Dugin é um filósofo por excelência, assim como um de seus professores, Yevgeny Vsevolodovich Golovin, foi um poeta por excelência.

Aleksander Dugin é uma das muito poucas pessoas nos tempos modernos na Rússia e no mundo cujo pensamento é profundamente independente de seus primeiros passos. No início dos anos 80, ele registrou seus primeiros insights filosóficos em um manuscrito até então inédito, Os Templários do Outro, extratos dos quais, no entanto, se tornaram conhecidos nos últimos anos. E estes insights fundamentais sobre a estrutura do espaço e do homem (em consonância com as revelações de Yuri Vitalievich Mamleev, mas bastante independentes em sua origem) e a missão impossível e inevitável do Sujeito Radical nele ainda formam a base de todas as suas construções mais complexas.

Desde então, Aleksander Dugin adquiriu uma enorme erudição na história da filosofia mundial, dominando as profundezas de Guénon e Heidegger, Schelling e Brentano, Platão e Aristóteles, Porfírio e Erígena. Mas todo o grandioso aparato destes grandes pensadores só lhe permitiu desenvolver até o fim o potencial que Dugin possuía profundamente dentro de si mesmo já em sua juventude. As décadas que se seguiram se tornaram para ele uma época de domínio contínuo das riquezas da filosofia mundial e de entendimento onde às vezes os pesquisadores soviéticos e russos nada viam ou entendiam (por exemplo, Heidegger) de forma totalmente errada e inadequada. O que esses intelectuais ignorantes poderiam saber sobre o caminho do filósofo que, segundo Dugin, tem sempre a guerra na alma?

Durante muito tempo, porém, o caminho pessoal de Dugin como pensador se desenvolveu de forma independente e parcialmente paralela à corrente dominante da filosofia clássica russa dos séculos XIX-XX, mas a partir de seu conhecimento dos escritos dos eurasianistas e de sua série Finis Mundi, nos anos 90 esses dois caminhos começaram a convergir, e em seus escritos dos últimos anos a figura contemporânea revelou em grande parte o significado dos pensadores russos (tanto quase-filósofos como alguns pouco citados filósofos reais, sem aspas, como o padre Pavel Florensky) e os aproximou de seu próprio entendimento da filosofia antiga, europeia e asiática. Sobre isso, o artigo de Dugin “A Sofiologia como Ideia das Novas Elites Revolucionárias” e especialmente o último livro da obra em 28 volumes “Noomaquia” sobre o Logos Russo, “Imagens do Pensamento Russo. O Czar Solar, o Brilho de Sofia e a Rus Subterrânea”. Sofiologia, eurasianismo, geopolítica, tradicionalismo clássico, platonismo e fenomenologia se encontram e se fundem na síntese visionária, que se tornou a enteléquia dos séculos anteriores do pensamento russo.

A falha fatal do pensamento humanitário na Rússia durante muito tempo foi, por um lado, a falta de fundamento dos russofóbicos ocidentalizantes e, por outro, o desprendimento cego dos patriotas eslavófilos em relação ao contexto internacional e ao pensamento estrangeiro. Ambas as características assumiram formas particularmente feias nos anos 90. Contra este pano de fundo, a missão de Aleksander Dugin foi explodir e demolir esta divisão não natural entre o horizonte global e universal do pensamento filosófico e o agudo, furioso e ardente patriotismo russo, com sua atenção prioritária à etnossociologia do povo russo, às etnias russas e à estrutura russa do pensamento, que está corporizada em seu projeto “A Coisa Russa”, na grandiosa “Noomaquia” e em outras obras. Hoje, podemos dizer com certeza que a tarefa que o poeta Vyacheslav Ivanov definiu como a combinação do “nativo e do universal” (e na qual ele mesmo pouco teve sucesso) foi resolvida de forma bastante convincente por Aleksander Dugin. Sua ideia é muito russa – e ao mesmo tempo global, o que o tornou famoso e popular mesmo nos países mais distantes.

Russo significa eurasiático. Aqui está outro obstáculo e tentação para os fracos de espírito que não ousam pronunciar o destino da Rússia histórica como Eurásia Interior, Eurásia do Norte – e Eurásia como um continente no sentido amplo. Não há dúvida de que o eurasianismo tem fortes raízes no pensamento russo. Já estava presente com Konstantin Leontiev e Vladimir Lamansky e adquiriu sua forma clássica há um século no círculo de emigrantes de Trubetskoy, Savitsky e Karsavin. Entretanto, deve-se lembrar que, quando a União Soviética entrou em colapso, tudo o que restava do eurasianismo eram os textos de seus fundadores e memórias. Não havia um eurasianismo vivo: alguns dos estudantes pessoais de Lev Gumilev não tinham e não podiam reivindicar a formação de um movimento político. O peso de uma séria reestruturação ideológica do eurasianismo de acordo com as exigências da nova era do final do século XX, sua institucionalização, o estabelecimento firme da geopolítica eurasiática na plataforma dos clássicos geopolíticos estrangeiros do pensamento continental recaiu sobre Aleksander Dugin. Nos poucos anos após a catástrofe de 1991, ele foi capaz não apenas de estabelecer um partido e depois um movimento social, mas literalmente impor sua agenda (embora de forma limitada) aos líderes da CEI e fazer aliados influentes na Europa (e agora em outras partes do mundo).

Alguns anos depois, nasceram o Movimento Internacional Eurasiano e a União da Juventude Eurasiana. Quase duas décadas se passaram desde então, dezenas de jovens e outras ONGs desapareceram, apesar das injeções de dinheiro das autoridades – mas o Movimento Eurasiano e a Juventude Eurasiana sobreviveram e se fortaleceram mesmo na ausência total de ordens de cima e financiamento, seus representantes temperados no fogo da Síria e de Donbass. Os esforços de Alexander Gelyevich nesta direção foram resumidos pela imposição de sanções pelo Departamento de Estado dos EUA em 2014 contra o filósofo, que nunca ocupou nenhum cargo público, e contra vários jovens sem conexões ou influência, às vezes perdidos em moradias remotas. Eram eles, não os burocratas e cientistas políticos, que eram vistos com razão em Washington como a principal ameaça à hegemonia atlantista no planeta. Foi Aleksander Dugin que foi reconhecido publicamente como um oponente igual e extremamente perigoso pelo falecido Zbigniew Brzezinski, e também por George Soros e Bernard-Henri Levy, enquanto eles desprezavam e desrespeitavam profundamente seus próprios lacaios.

O reconhecimento mundial explícito de Dugin e do Movimento Eurasiano tem causado inveja e histeria entre uma série de figuras na própria Rússia, que em vão sonhavam com tal reconhecimento para si mesmos. Este ressentimento tem assombrado Alexander Gelyevich durante as últimas décadas, mas os cães ladram e a caravana passa. Mesmo assim, seria errado reduzir os motivos de seus detratores apenas ao ressentimento pessoal. Há outra razão, mais objetiva e ainda mais lamentável: falta de vontade e medo de pensar, tão comum entre os intelectuais domésticos.

Ao discutir as razões da timidez e covardia do pensamento da grande maioria dos candidatos russos (e até estrangeiros) ao raro título de filósofo, elas estão enraizados, antes de tudo, em questões políticas. Muitos filósofos acadêmicos veneráveis têm simplesmente medo de dizer algo que não seja politicamente correto e que vá contra o consenso liberal. A autocensura paralisa completamente o pensamento em sua infância, transformando os discursos de tais figuras em grunhidos ininteligíveis e sem sentido. Neste sentido, Aleksander Dugin é um exemplo raro de um voo completamente independente e livre de fantasias, que não se detém nenhuma conclusão. Uma dessas conclusões é a integralidade inevitável de qualquer sistema filosófico, que simplesmente tem que implicar em conclusões aplicadas bastante específicas para questões socioeconômicas, sociológicas e jurídicas e, é claro, para a política e a geopolítica. O papel fundamental da geopolítica tem sido regularmente negado por liberais e marxistas, racistas e nacionalistas, fundamentalistas religiosos, mas, uma e outra vez na cena internacional, tem sido confirmado com excepcional convicção. A geopolítica na interpretação de Dugin substitui as quimeras ideológicas por uma análise das forças exatas e concretas na arena internacional, sua disposição e correlação.

As formulações coerentes da Quarta Teoria Política completam a demolição do lixo ideológico no sentido de uma “falsa consciência” que há muito tempo contamina o pensamento político. Além da retórica do século anterior sobre “direita” e “esquerda”, o neoeurasianismo, fundado por Dugin, oferece uma saída vertical não convencional para além das coordenadas políticas horizontais.

É por isso que, se nos anos noventa os discursos de Aleksander Dugin sobre a integração e a oposição ao atlantismo e sobre um mundo multipolar foram declarados marginais, eles se tornaram agora firmemente incorporados na opinião hegemônica, se tornaram algo que todos os analistas tomam como dado, estão registrados por escrito nos fundamentos da defesa e da política externa russa e nas palavras do Presidente.

Hoje em dia, há inevitavelmente um problema de percepção da imensa herança de Dugin, que continua a crescer literalmente a cada dia. Como ele poderia ser julgado por pessoas que não conseguem ler suas sete dúzias de livros ou ouvir milhares de horas de palestras? Paradoxalmente, mas o fato é que, em certa medida, voltamos à situação antiga quando os ensinamentos dos filósofos eram conhecidos por relatos pessoais de testemunhas, associados, alunos, quando seus dizeres eram repassados apressadamente de boca em boca. Parece-me que ao discurso oral e as conversas animadas com Alexander Gelyevich dizem muito mais sobre ele do que o que está contido nos livros, um “esqueleto” necessário que permanece após tais conversas e discursos. Talvez o problema de muitos que ainda não estão dispostos a entender e apreciar o papel de Dugin tenha a ver em parte com o fato de que eles julgam por páginas individuais e, cegos, não estão dispostos a ouvir a voz viva do filósofo. Às vezes, tais pessoas podem estar cegas à dupla ironia das palavras de Dugin, ou mesmo à tripla ironia – quando uma camada de extrema seriedade se esconde atrás de imagens aparentemente sarcásticas.

Na vida de um país, assim como na vida de um filósofo, nada acontece por acaso. A data do nascimento de Alexander Dugin coincide com o “portão do ano” de inverno do qual René Guénon escreveu, morto no mesmo dia, 7 de janeiro, onze anos antes. A propósito, o “portão do ano” do verão coincide com a data de nascimento de um dos camaradas de armas de Aleksander Dugin. Os ritmos cósmicos se manifestaram claramente no nível dos destinos humanos.

Hoje, no dia da plenitude cíclica do número “60”, é o momento certo para refletir sobre isso. Se mais e mais pessoas (especialmente russos) começarem a pensar por si mesmos, sem restrições artificiais, seria a melhor homenagem ao filósofo que durante décadas com uma rara abnegação nos ensina a não imitá-lo literalmente (copiar é impossível e sem sentido), mas sob influência de seu impulso, despertar em nós mesmos nosso próprio pensamento, que por si só é capaz de trazer a revolução ontológica, uma revolução metafísica universal (não apenas política) conservadora. E se a tocha de uma mente acender as tochas de milhares e milhões de outras, será a melhor recompensa para o herói da era por seus muitos anos de trabalho. Feliz aniversário, querido Alexander Gelyevich!

Fonte: Zavtra

Imagem padrão
Maxim Medovarov

PhD em História e professor do Instituto de Relações Internacionais e História Geral da Universidade Estatal de Nizhny Novgorod

Artigos: 575

Deixar uma resposta