A Bússola da União Europeia aponta para o Ocidente

O ano de 2021 viu diversas tensões entre os EUA e a União Europeia, como o abandono dos aliados europeus pelos EUA no Afeganistão e o Pacto AUKUS. Não obstante, os últimos meses do ano foram utilizados por Joe Biden para sanar as desavenças e recolocar os países europeus, especialmente França e Itália, em perfeito alinhamento com o projeto atlantista global.

O entendimento trilateral anglo-saxão

Em 15 de setembro de 2021, o Primeiro-Ministro australiano Scott Morrison, o Primeiro-Ministro britânico Boris Johnson e o Presidente dos EUA Joe Biden anunciaram conjuntamente a assinatura de um pacto trilateral de segurança, conhecido como AUKUS, sob o qual os EUA e o Reino Unido se comprometem a ajudar a Austrália a desenvolver e implantar submarinos nucleares na região do Pacífico para combater a influência chinesa.

O “entendimento trilateral” anglo-saxão é mais um passo em uma estratégia mais ampla dos EUA para cercar a Eurásia. Esta estratégia, que visa impedir que o poder chinês controle as áreas costeiras do continente eurasiático, tem suas raízes na doutrina geopolítica de Nicholas John Spykman (1893-1943), o “padrinho da contenção” da União Soviética, que reformulou o pensamento de Halford John Mackinder (1861-1947), enfatizando a importância da faixa costeira (Rimland) da Eurásia em relação ao “coração” (Heartland) do continente.

Aplicando a doutrina de Spykman às circunstâncias atuais, os estrategistas dos EUA pretendem conter o poder chinês, bloqueando-o dentro dos dois sistemas de alianças com os quais Washington pode contar na Ásia: o AUKUS e o QUAD. Enquanto o AUKUS foi mencionado acima, o QUAD (Diálogo Quadrilateral de Segurança), nascido em 2007 por iniciativa do Primeiro-Ministro japonês Shinzo Abe e relançado por Donald Trump em 2017, reúne os Estados Unidos, Japão, Austrália e Índia.

Os Estados Unidos pretendem agora construir uma espécie de OTAN asiática que, ao destacar suas forças no Pacífico e no Oceano Índico, formará uma barreira contra a República Popular da China: no leste, no sudeste e no sul.

Em 12 de março de 2021, o Presidente Joe Biden abriu uma reunião de cúpula com os primeiros-ministros japonês, australiano e indiano, durante a qual vários projetos representando uma alternativa à “Nova Rota da Seda” foram considerados.

Em seguida, no final de agosto, Índia e Austrália realizaram operações conjuntas com os EUA e o Japão ao largo de Guam, a ilha das Marianas que abriga as bases aéreas e navais dos EUA. Em seguida, no início de setembro, uma operação conjunta indo-australiana chamada AUSINDEX 21 foi realizada ao largo do porto de Darwin no norte da Austrália. Ao mesmo tempo, os Ministros da Defesa e das Relações Exteriores de Delhi e Canberra abriram seu primeiro Diálogo Estratégico. “De fato”, comentou o “AnalisiDifesa”, “esta é a abordagem utilizada pelos EUA para combater a ascensão da China na região”[1].

O efeito imediato do pacto concluído pouco tempo depois pela Austrália com os EUA e a Grã-Bretanha foi o cancelamento do acordo (90 bilhões de dólares australianos) celebrado anteriormente com a empresa francesa Naval Group (antiga DCNS) para o fornecimento de doze submarinos nucleares. O Ministro das Relações Exteriores francês Jean-Yves Le Drian chamou a decisão de Biden de “brutal, unilateral e imprevisível” e falou de uma “facada nas costas”. Para se ter uma visão completa da situação, no entanto, é preciso lembrar que “a diplomacia francesa, ao integrar a doutrina indo-pacífica americana em 2018, alinhou-se com as prioridades dos anglo-saxões sem as reservas necessárias para defender sua independência estratégica. Ela não obteve nenhuma garantia prévia sobre sua participação nas decisões, e agora se vê expulsa do triunvirato EUA-Austrália-Reino Unido. No entanto, em abril de 2021, a França participou de manobras navais na Baía de Bengala (Oceano Índico) com os países do QUAD: Estados Unidos, Japão, Índia e Austrália, e em maio de 2021 no Pacífico com os Estados Unidos, Austrália e Japão, suscitando críticas da China, que denunciaram o surgimento de uma “OTAN Indo-Pacífica” ao longo das linhas da Guerra Fria”[2].

Uma “Defesa” complementar à OTAN

Em 22 de Outubro, numa tentativa de normalizar as relações entre a França e os Estados Unidos, Biden e Macron tiveram uma conversa telefônica, durante a qual, de acordo com uma declaração do governo norte-americano relatada pelo “Le Monde”, “debateram os esforços necessários para reforçar a defesa europeia, assegurando a sua complementaridade com a OTAN”[3].

Um mês depois, durante as suas conversações com Emmanuel Macron em Roma, na véspera da abertura do G20, o Presidente dos EUA corrigiu a fenda com a França, reconhecendo que os EUA tinham agido de forma “desajeitada” e deselegante. Biden referiu-se então ao “sistema de valores idênticos” dos dois países e declarou que “nenhum aliado é mais antigo e mais leal do que a França”. Para os ouvidos de Macron, estas palavras devem ter soado como uma evocação do seu compatriota que foi Major-General no Exército Continental de George Washington: o Marquês de La Fayette, a quem o Congresso conferiu cidadania estadunidense honorária há 20 anos (embora ele já se tivesse tornado um cidadão estadunidense naturalizado durante a sua vida). Bastava Biden repetir o grito do General John J. Pershing a 4 de Julho de 1917, após o primeiro desembarque dos libertadores na Europa: “La Fayette, nous voila!

Luz verde, portanto, para a “defesa europeia” invocada pelo presidente francês; mas, como o comunicado oficial do Palazzo Chigi também afirma, “numa relação de complementaridade”[4] com a aliança “transatlântica”. De fato, o próprio Macron, debruçando-se sobre a nova colaboração entre os Estados Unidos e a União Europeia, observou a necessidade de “reforçar a coordenação, a colaboração estratégica entre a União Europeia e a OTAN”[5]. No início de outubro, o Secretário de Estado norte-americano Tony Blinken já tinha explicado a Macron que os Estados Unidos apoiavam “certamente as iniciativas europeias de defesa e segurança”, mas entendidas como “um complemento da OTAN”, uma questão em relação à qual o compromisso de Joe Biden é “de ferro”[6].

Biden também reforçou as relações com Bruxelas através de um acordo para aliviar os direitos de importação dos EUA sobre alumínio e aço, e para suspender os contradireitos da UE sobre vários bens provenientes dos EUA. Segundo uma declaração de Mario Draghi, este acordo “confirma o reforço contínuo da já estreita relação transatlântica”[7] – um adjetivo utilizado por Biden e pelos seus interlocutores europeus no lugar do antigo adjetivo atlântico, presumivelmente para sublinhar e reiterar o conceito de uma “aliança” que une os dois lados do oceano epônimo. “Os EUA e a UE estão juntos a inaugurar uma nova era de cooperação transatlântica que irá beneficiar todos os nossos cidadãos, tanto agora como no futuro”[8]. Assim disse Biden numa conferência de imprensa com Ursula von der Leyen; ela, chamando-lhe confidencialmente “querido Joe”, fez-lhe eco com estas palavras: “Desde o início do ano restabelecemos a confiança e a comunicação; esta é outra iniciativa chave para a nossa agenda transatlântica renovada com os EUA. [9] Por outro lado, sobre a questão específica da “defesa europeia”, o Presidente da Comissão Europeia já se tinha pronunciado em 5 de Outubro em Brdo, Eslovênia, chamando à OTAN “um guarda-chuva de segurança fundamental para o Velho Continente”[10].

O leitmotiv da solidariedade transatlântica e a complementaridade da defesa europeia com a OTAN foi reiterado por Josep Borrell. Descrevendo o projeto de uma “Bússola Estratégica” que – significativamente nomeada na linguagem da Bússola Estratégica Anglosférica – pretende definir o rumo para o futuro da União Europeia nos domínios militar e outros, o Alto Representante da UE para os Assuntos Externos afirmou que “a Europa está em perigo” e que é necessário responder a “novos desafios e ameaças”, tais como os “na fronteira com a Bielorrússia”[11]. Segundo o Alto Representante, a defesa desses “valores universais” que – na sua opinião – coincidem com “os nossos valores liberais” requer uma “responsabilidade estratégica europeia”; e isto, prosseguiu ele para tranquilizar os aliados hegemônicos, não só “de forma alguma contraria o compromisso europeu com a OTAN, que permanece no centro da nossa defesa territorial”, mas, pelo contrário, será “a melhor forma de reforçar a solidariedade transatlântica”[12].

Aparentemente, a agulha magnética da “bússola estratégica” produzida pela UE continua apontando para o Ocidente.

A primazia da Itália

No âmbito da reorganização do poder ocidental, a função subimperialista que Washington atribuiu à Itália, que foi encomendada pelo antigo parceiro da Goldman & Sachs, é múltipla. No que diz respeito à Líbia, na Conferência Internacional realizada em Paris a 12 de Novembro de 2021, o projeto ocidental foi claro: a Itália deve ser o motor de um esforço de estabilização, a ser partilhado antes de mais nada com a França. O objetivo estratégico que Itália e França devem perseguir na Líbia é a expulsão da Rússia e da Turquia: “tanto para Washington como para Roma (e Bruxelas, portanto) é crucial que tanto as unidades turcas destacadas em Tripolitânia como as do grupo russo Wagner e os outros mercenários africanos posicionados na Cirenaica abandonem o país”[13]; um ponto sobre o qual “o presidente italiano está completamente de acordo com a vice-presidente americana Kamala Harris”[14]. Por outro lado, no que diz respeito às eleições que vão ter lugar na Líbia, “tanto a Itália como os Estados Unidos acreditam que um presidente e um executivo aprovado nas urnas pode ter mais influência, e sobretudo pode receber maior apoio político e diplomático de Roma e Washington. A linha italiana, e a linha europeia, e a linha americana são completamente sobreponíveis”[15].

Mas a tarefa que Draghi e Macron se preparam para realizar não termina com o regresso da Líbia à órbita ocidental. Segundo o Professor Giulio Sapelli, um porta-voz acreditado nos círculos atlantistas, “Draghi é agora chamado a desempenhar outro papel. Um papel invulgar para ele, mas igualmente importante: travar as relações entre a Alemanha e a China, criando uma [sic] antimuro pró-atlântico na Europa, construindo (…) uma ligação ainda mais estreita do que a Itália e a França já têm”[16]. Após a ofensa desastrosa causada à França pelo entendimento trilateral anglo-saxão, a Itália foi chamada a desempenhar o papel de construtor de pontes “transatlânticas” entre Paris e Washington. “Se esta nova ordem internacional – comenta Sapelli – terá como elemento fundamental a ascensão ao Quirinal do próprio Draghi, a nova configuração das relações de poder europeias e destas últimas com os EUA terá um arranjo adequado para enfrentar os desafios da luta contra a hegemonia chinesa que espera o planeta”.

O fato de a Itália ser um candidato a tornar-se o país fiduciário de Washington na Europa, especialmente militarmente, foi afirmado por Loren Thompson na oficialista Forbes [17], dando várias razões para apoiar esta tese. Segundo o diretor de operações do Instituto Lexington, a Itália é um peão muito precioso no cenário europeu, não só porque hoje se destaca mais do que nunca pelo seu compromisso com o Ocidente e a democracia[18], mas também e sobretudo porque a sua posição geográfica corresponde maravilhosamente às necessidades estratégicas da Aliança Atlântica: tanto devido à posição central ocupada no Mediterrâneo pela base de Sigonella, como porque o norte de Itália, onde entre outras coisas as armas nucleares táticas da OTAN são armazenadas, é o lar dos F-35 que podem dirigir-se rapidamente para a fronteira bielorrussa[19]. Em particular, o gabinete presidido pelo antigo parceiro da Goldman & Sachs consolidou ainda mais o apoio italiano à política dos EUA no mundo, pois, recuando em relação ao governo anterior, distanciou-se de Pequim e mostrou interesse em envolver-se mais no alinhamento quadrilateral da América, Austrália, Índia e Japão, criado para contrariar as ambições chinesas na Ásia[20]. Também “o setor militar italiano está fazendo os investimentos certos”[21], uma vez que, “tal como a Polônia, (…) está utilizando o seu orçamento militar limitado para comprar armas avançadas dos Estados Unidos”[22]. Em suma, o colunista da “Forbes” conclui, hoje em dia “é mais fácil apreciar o recorde da Itália como nação filo-democrática e pró-americana”[23], para que as elites políticas de Washington tenham total confiança naquelas de Roma.

Notas

[1] “Analisidifesa”, 12 settembre 2021.
[2] Pierre-Emmanuel Thomann, AUKUS, un triumvirat anglo-saxon dans l’Indo-Pacifique pour conserver l’hégémonie mondiale: quelle riposte géopolitique pour la France? Non-alignement et Pivot vers la Russie, “Eurocontinent”, 29/09/2021.
[3] Relations franco-américaines: Emmanuel Macron et Joe Biden se sont entretenus par téléphone, lemonde.fr, 23 ottobre 2021.
[4] G20, il Presidente Draghi incontra il Presidente degli Stati Uniti d’America Biden, governo.it, 29 ottobre 2021.
[5] Riccardo Sorrentino, Biden tende la mano a Macron: “maldestri” sui sottomarini, ilsole24ore.com, 30 ottobre 2021.[6] Stefano Pioppi, Tra Nato e Difesa europea, così l’Italia può essere protagonista, formiche.net, 6 ottobre 2021.
[7] Draghi: Grande soddisfazione per accordo Ue-Usa su dazi acciaio e alluminio, governo.it, 31 ottobre 2021.
[8] Biden, Usa e Ue combatteranno insieme sfide 21esimo secolo, swissinfo.ch, 31 ottobre 2021.
[9] Claudio Salvalaggio/ANSA, Pace sui dazi con l’Ue. Biden: “Nuova era transatlantica”, voce.co.ve, 1° novembre 2021.
[10] Von der Leyen rilancia l’idea di una forza militare europea: «Complementare alla Nato», it.geosnews.com, 6 ottobre 2021.
[11] www.ansa.it/europa/notizie/rubriche/altrenews/2021/11/10
[12] Josep Borrell, Una Bussola Strategica per l’Europa, 12 novembre 2021, www.project-syndicate.org
[13] Emanuele Rossi e Massimiliano Boccolini, Libia, Draghi porta la strategia italiana alla conferenza di Parigi, formiche.net 12-11-2021.
[14] Ibidem.
[15] Ibidem.
[16] Sapelli: ecco la missione anti-Cina e Germania affidata dagli Usa a Draghi, ilsussidiario.net, 23-10-2021.
[17] Loren Thompson, Italy Is Becoming More Important To U.S. Security. Here Are Five Reasons Why, www.forbes.com, 15-11-2021.
[18] “Italy stands out as a nation that is reliably committed to the Western alliance and to democracy” (Ibidem).
[19] “Italy’s geographical circumstances are ideal for shaping security conditions in the Mediterranean Sea—the most important body of water in Western history. The naval air station at Sigonella in Sicily, where long-range surveillance aircraft are deployed, is almost exactly equidistant from Beirut and Gibraltar at opposite ends of the sea. It is also a short hop by air to the most troubled countries in North Africa, most notably Libya. In the north, the country’s territory extends so far into central and eastern Europe that Italian F-35s stationed there are within unrefueled range of Poland’s border with Belarus. NATO stores tactical nuclear weapons at two bases in the north, comprising a powerful component of the alliance’s deterrent to Russian aggression” (Ibidem).
[20] “In recent months, the government of Prime Minister Mario Draghi has exhibited an interest in becoming more involved in the quadrilateral alignment of America, Australia, India and Japan established to counter Chinese ambitions in Asia. Draghi’s predecessor had a brief dalliance with China’s Belt and Road initiative, but Draghi has since distanced Italy from Beijing and shown great interest in developing closer ties to New Delhi—underscoring his country’s preference for democratic partners” (Ibidem).
[21] “Italy’s military is making the right investments” (Ibidem).
[22] “Like Poland, (…) Italy is leveraging its limited military budget to buy advanced U.S. weapons” (Ibidem).
[23] “it is easier to appreciate Italy’s track record as a pro-democratic, pro-American nation” (Ibidem).

Claudio Mutti

Filólogo, estudioso do tradicionalismo e diretor da revista <a href="https://www.eurasia-rivista.com/"><em>Eurasia, Rivista di Studi Geopolitici</em></a>.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *