“Ernst Junger. Abismo, decisão, revolução”, por Ernst Niekisch

Vozes do abismo do mundo moderno, apelos à Revolução Final emerge das sugestões do intelectual alemão que viu o Cometa Halley duas vezes. Uma resistência à máquina, ao emburguesamento, um chamado ao sujeito revolucionário. A escrita é apresentada por um ensaio de Luca Siniscalco.

O lançamento de “O trabalhador: domínio e figura”, de Ernst Jünger, em 1928, foi um evento marcante. Além de registrar o colapso de um mundo – o burguês -, anunciava o amanhecer de outro, que floresceu entre as trincheiras da Grande Guerra e nas forjas das indústrias, em contato com o brilho cirúrgico dos elementos desencadeados. É a era das “batalhas de materiais”, da “mobilização total”, da expansão planetária da tecnologia, cujas características o nacional-bolchevique Ernst Niekisch apreendeu com uma percepção rara e intransigência incomparável. “Melhor ser um delinquente do que um burguês”: essas palavras, contidas na obra-prima Jüngeriana, contêm a essência dos dois textos aqui reunidos. Vozes do abismo do mundo moderno, apelos à Revolução Final. (O volume “Ernst Jünger. Abismo, decisão, revolução” é editado pelo jovem estudioso Luca Siniscalco pela editora Bietti)

Aqui estão dois trechos do livro publicados pela editora Bietti

“Em seu último livro, Der Arbeiter Herrschaft und Gestalt (O trabalhador: domínio e figura), Ernst Jünger mostra com maestria como, no nível fundamental, é possível eliminar e liquidar o espírito do mundo burguês. Jünger não tem medo de olhar as coisas nos olhos. Não cede à tentação de embelezá-los. Diz o que vê. Busca as implicações dos fatos encontrados. E ele continua exigente e duro consigo mesmo, não se deixa deformar, deixando falar as esperanças de que seu coração pudesse nutrir secretamente, as imagens que passam diante de seus olhos. Quem quer interpretar uma época não deve ser um covarde que apenas coloca o que gostaria de encontrar nela! Se deve perfurar o segredo de seu próprio tempo e descrevê-lo com uma objetividade que nunca falha, mesmo que muito que se descubra seja anormal, horrível, e iluda a todos os cálculos. Muitos são os que descem às entranhas de uma época e, voltando, trazem consigo suas obsessões. Poucos extraem realidades disso. Jünger é um desses poucos ”.

“O “tipo”, sujeito, de que estamos lidando aqui é o homem da era técnica; seu rosto já estava delineado nas feições duras e nítidas do soldado dos últimos anos de guerra, entre a luta da matéria contra a máquina. O que foi deixado para trás já pertence à paisagem romântica de hoje; nessas extensões irreais, todo o burguesismo está contido. “Não, o alemão não era um bom burguês, e justamente onde era menos burguês que era mais forte.” Eles devem realmente não ter conhecimento sobre si mesmos, os alemães, para desejarem emburguesarem-se agora! O hábito burguês começa “a parecer ridículo, nem mais nem menos do que o exercício dos direitos cívicos e, em particular, o direito de voto”; O estilo burguês, acima de tudo, dá ao alemão “um aspecto infeliz”. Esquecemos o lado cômico que envolveu, com uma luz tão incomum, o discurso muito sério de Hans Grimm em favor da “honra burguesa”? Era claro que havia entusiasmo por uma causa que, na verdade, não dizia nada a respeito do homem alemão. Jünger está ciente de todas as consequências da posição que assume: a técnica implica um ataque contra todas as associações, incluindo aquelas que “o burguês, o cristão e o nacionalista” consideram as mais naturais. O fato é que há uma frente de reação, cujos esforços para a consolidação “estão necessariamente ligados a tudo o que existe no mundo banal, retraído e empoeirado : o romantismo, o liberalismo, o conservadorismo, a Igreja, a burguesia”. E, juntemos, com a ideia de “aula” (Stand). O advento do homem que corresponde ao “tipo”, Homem, é, por sua vez, cada vez menos compatível com a ordem dos velhos tempos. O “absurdo crescente de domingos e feriados à moda antiga” está se tornando cada vez mais evidente. Ao ouvir “a dolorosa mistura de repulsa e arrogância dos discursos oficiais proferidos por governantes, patriotas e cristãos licenciados, que nunca deixam de se referir à cultura”, pergunta-se “quão possível será uma versão semelhante de idealismo inconsistente coberto por um véu de romantismo”.

* “Ernst Jünger. Abismo, decisão, revolução”, de Ernst Niekisch, editado por Luca Siniscalco, pode ser adquirido na editora Bietti.

Ernst Niekisch

Fonte: Barbadillo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *