O Poder Político do Facebook

O Facebook não é uma empresa como outra qualquer. É uma megacorporação internacional com quase metade da população mundial entre seus clientes. Qual é a extensão do poder político do Facebook? Quais são as ambições de Mark Zuckerberg? Todos os usuários das redes e aplicativos de Zuckerberg são tratados com isonomia?

Facebook enquanto rede social

O ator político mais importante na Internet é a rede social Facebook. Em 1º de janeiro de 2021, ela tinha 2,85 bilhões de usuários ativos mensais e 1,88 bilhões de usuários ativos diários em todo o mundo. A rede social rotineiramente censura postagens que incluem fotos nuas, atividade sexual, assédio, discurso de ódio, falsificações, spam, propaganda terrorista ou violência usando uma inteligência artificial particularmente tosca e injusta. Ela fecha contas que considera perigosas, seja porque foram censuradas várias vezes ou porque estão ligadas a inimigos dos Estados Unidos.

Facebook é uma grande empresa que inclui Instagram, Facebook Messenger, WhatsApp, Oculus, Workplace, Portal, Novi. Ela emprega mais de 60.000 pessoas.

Facebook enquanto banco

O Facebook agora emite sua própria moeda como um Estado, a Libra. Ela é amparada por uma cesta de moedas composta em 50% por dólares, 14% por ienes, 11% por libras esterlinas e 7% por dólares de Cingapura.

Ao tornar-se um banco cuja moeda é progressivamente aceita pelos sites de venda na Internet, o Facebook está construindo uma economia paralela, tanto virtual quanto global, que é maior do que a economia de muitos Estados.

Facebook e seus usuários

O Facebook convida seus usuários a detectarem contas que violam suas regras. Ele abre um arquivo sobre cada um de seus informantes e os registra.

O Facebook, que afirma tratar cada usuário igualmente, compilou secretamente uma lista de 5,8 milhões de VIPs aos quais suas regras não se aplicam. Somente eles podem dizer e mostrar de tudo.

A Cambridge Analytica e a NSA

Os dados pessoais de pelo menos 87 milhões de usuários foram desviados pela empresa britânica Cambridge Analytica (do bilionário Robert Mercer e Steve Bannon) e sua subsidiária canadense, a AggregateIQ. Eles foram utilizados, no mínimo:

  • para a eleição do Primeiro Ministro indiano Narendra Modi em 2014;
  • para 44 eleições locais nos EUA em 2014;
  • para Mauricio Macri nas eleições presidenciais argentinas;
  • para Nigel Farage no referendo britânico do Brexit em 2016.
  • e sobretudo durante a campanha presidencial americana também em 2016, sucessivamente para Ben Carson, Ted Cruz e finalmente para Donald Trump e seu gerente de campanha… Steve Bannon.

De acordo com o The Observer, a Cambridge Analytica empregou muitas figuras do complexo militar-industrial britânico e dos serviços de propaganda do MI6. Talvez esta seja apenas a ponta do iceberg: Edward Snowden revelou que o Facebook aderiu à rede de vigilância eletrônica ultra-secreta PRISM, permitindo que a Agência Nacional de Segurança (NSA) tivesse acesso aos dados pessoais de todos os seus clientes. Mas nada vazou sobre o uso que a NSA faz disso.

De acordo com Newton Lee, um antigo pesquisador do Instituto para Análises de Defesa, a rede PRISM é o avatar do projeto Percepção Informacional Total (TIA) que o Almirante John Poindexter desenvolveu sob Donald Rumsfeld na Agência de Projetos de Pesquisa Avançados de Defesa (DARPA).

O compromisso pessoal de Mark Zuckerberg com Israel

Em 2011, o Facebook, a pedido de Israel, censurou contas que pediam uma revolta nos territórios palestinos.

Em 2012, Mark Zuckerberg, se comprometeu pessoalmente com o Prêmio Nobel da Paz Shimon Perez. Ele supervisionou a criação e promoção da página oficial do presidente israelense, e criou uma campanha de vídeo chamada “Seja meu amigo pela paz”, com Nicolas Sarkozy, David Cameron, Recep Tayyip Erdoğan ou mesmo a Rainha Elizabeth II da Inglaterra, entre outros.

Em 2015, o Facebook declarou o Hezbollah e a República Árabe da Síria “organizações terroristas”. Fechou as contas de vários canais de TV incluindo Al-Mayadeen (então a TV de notícias mais assistida do mundo árabe), Sama e Dunia (duas TVs públicas sírias) e Ikhbariya (um canal privado sírio). Ao mesmo tempo, forneceu treinadores para os jihadistas que lutavam contra a República Árabe da Síria.

A este respeito, o Facebook não censura todas as mensagens de ódio ou violência. Por exemplo, ele encoraja as contas de opositores da Síria que coletam informações (nome, endereço, foto) de nacionalistas sírios para assassiná-los.

Projeto Político

Em 2010, a Nature publicou um estudo sobre “Uma experiência de influência social e mobilização política em 61 milhões de pessoas”. Pesquisadores da Universidade da Califórnia mostram que as mensagens políticas no Facebook durante as eleições americanas de meio de mandato tiveram um impacto muito grande não apenas nos usuários da rede social, mas também em seus amigos e até mesmo nos amigos de seus amigos.

Em 2014, o Facebook, sem o conhecimento de seus assinantes, realizou um estudo sobre “Evidências experimentais de contágio emocional em larga escala através de redes sociais”.

Em 2018, o Facebook fez uma parceria com o Atlantic Council, um influente think tank financiado pela OTAN, para “promover a liderança e o engajamento dos EUA no mundo com seus aliados”. O objetivo específico da parceria é assegurar “o uso adequado do Facebook nas eleições ao redor do mundo, monitorando a desinformação e a interferência estrangeira, ajudando a educar os cidadãos e a sociedade civil”.

Finalmente, em 2020, o Facebook se engajou na política colonial na África com sua proposta de cabo submarino circundando o continente, 2Africa. Esta rede ligaria os principais portos, mas não penetraria no interior. É apenas uma questão de servir as elites que participam da pilhagem do continente e do envio de sua riqueza para o Ocidente.

Internacionalmente, o diretor de relações públicas do Facebook é o democrata liberal Nick Clegg. Ele foi um deputado do primeiro-ministro britânico David Cameron. Facebook France é guiado por Laurent Solly, ex-chefe de gabinete do Presidente Sarkozy e depois segundo no comando do canal privado de televisão TF1. Ele é o marido de Caroline Roux, uma jornalista de sucesso do canal público de televisão France2.

O Facebook não está a serviço dos democratas nem dos republicanos. É uma empresa que defende os interesses do “Império Americano”, utilizando tanto seu conhecimento de seus usuários quanto as emoções que espalha entre eles.

Deste ponto de vista, é particularmente interessante que em 2017 Mark Zuckerberg pensou em se tornar Presidente dos Estados Unidos sem ter que se candidatar a um cargo. Ele havia formado uma equipe de campanha antes de desistir. Seu plano era escorar-se no Partido Democrata para retirar o presidente Donald Trump do cargo, depois se aproximar do vice-presidente Mike Pence para que Pence lhe entregasse o cargo quando ele se tornasse automaticamente presidente, e finalmente escorar-se nos republicanos para que Pence se demitisse e virar ele mesmo presidente.

Ação política

Em 2008, o candidato Barack Obama contou com o ex-porta-voz do Facebook Chris Hughes, diretor do My.BarackObama.com (MyBO) e designer da Operação Online de Obama (OOOO), para alcançar e mobilizar cinco milhões de eleitores via Facebook.

Em 2010, o Facebook censurou o Wikileaks, a associação que revelou as práticas do Pentágono e assim minou o “Império Americano”.

Em 2010-11, a plataforma, oficialmente apoiada pelo Departamento de Estado dos EUA, explodiu durante a “Primavera Árabe”, no “Oriente Médio amplo”.

Em 2018, o Facebook proibiu o canal intergovernamental de TV TeleSur, que então incluía Argentina, Bolívia, Cuba, Equador, Uruguai e Venezuela.

Em 2020, o Facebook fechou contas ligadas ao exército francês na África Central e no Mali. Este estava realizando uma campanha que não correspondia à do Pentágono.

Em 2021, Facebook fechou as contas dos presidentes em exercício da Uganda, Yoweri Museveni, e dos Estados Unidos, Donald Trump.

O Facebook e a mídia

Uma associação britânica, Full Fact, criou uma coalizão entre os ministérios competentes do Reino Unido e do Canadá, por um lado, e gigantes da informação (Facebook, mas também Twitter, Alphabet e Reuters), por outro, a fim de combater a desinformação na rede de língua inglesa.

O Facebook não se limita a lutar contra as fake news. Ele acaba de criar um programa, “News Innovation”, para apoiar a imprensa escrita. Ele já foi implantado no Canadá, Argentina e Brasil. Assinou mais de US$ 10 milhões de contratos com foco nas mídias que apoiam Justin Trudeau no Canadá ou são hostis a Alberto Fernandez e Cristina Fernández de Kirchner na Argentina e a Jair Bolsonaro no Brasil.

A Administração Biden e o Facebook

A administração Biden se preocupou – perante o público – com a ascensão do Facebook, que vê como um rival. A empresa estabelece suas próprias fronteiras, impõe a polícia e a justiça em sua rede, e emite sua própria moeda. Ela pode atualmente servir ao Pentágono, mas tudo o que ela precisa é de um exército para se tornar um Estado.

É por isso que a administração Biden apresentou o denunciante France Haugen ao The Wall Street Journal e depois ao Senado. Os debates se concentraram na influência deletéria do Facebook sobre certas crianças. Esta é uma forma de colocar a rede social em seu lugar sem fazer as perguntas políticas que acabamos de listar.

A única pessoa hoje nos EUA que está fazendo a pergunta sobre a influência política dos gigantes digitais é o ex-presidente Donald Trump. Ele acaba de entrar com uma ação judicial contra o Twitter por ter apagado sua conta enquanto ainda era o presidente em exercício dos Estados Unidos. Trump está confiando nas confidências dos senadores democratas que se orgulharam de ter pressionado o Twitter. Isto prova, diz ele, que a censura não é uma decisão comercial, mas uma decisão política; que ela viola a 1ª Emenda da Constituição dos EUA sobre a liberdade de expressão. Seus advogados deixam claro que o Twitter nunca censuraram o discurso violento. Ele hospeda uma conta do governo talibã do Afeganistão.

Fonte: Voltaire Network

Thierry Meyssan

Intelectual francês, presidente e fundador da <em>Rede Voltaire</em> e da conferência <em>Axis for Peace</em>, é autor de diversos artigos e obras sobre política externa, geopolítica e temas correlatos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *