O Rosto e a Morte. O Projeto Planetário que os Governos tentam impor é radicalmente impolítico

O mundo da quarentena perpétua é um em que ninguém mais vê o rosto de ninguém e onde não há mais funerais tradicionais para os mortos pelo vírus. Mas qual é a importância política do rosto, do funeral e a conexão entre o rosto e a morte? E quais podem ser as consequências do apagamento do rosto e da remoção dos aspectos públicos da morte para a política? Essas questões são abordadas pelo renomado filósofo italiano Giorgio Agamben.

Parece que na nova ordem planetária que está tomando forma, duas coisas aparentemente não relacionadas estão destinadas a serem completamente removidas: o rosto e a morte. Tentaremos investigar se eles não estão de alguma forma conectados e qual é o significado de sua remoção.

Que a visão do próprio rosto e do rosto dos outros é uma experiência decisiva para o homem já era conhecida pelos antigos: “O que é chamado de ‘rosto’ – escreve Cícero – não pode existir em nenhum animal, exceto no homem” e os gregos definiram o escravo, que não é dono de si mesmo, como a propósito, literalmente “sem rosto”. É claro que todos os seres vivos se mostram e se comunicam uns com os outros, mas somente o homem faz de seu rosto o lugar de seu reconhecimento e verdade, o homem é o animal que reconhece seu rosto no espelho e é espelhado e se reconhece no rosto do outro. O rosto é, neste sentido, tanto a similitas, a semelhança, quanto a simultas, a união dos homens. Um homem sem rosto está necessariamente sozinho.

É por isso que o rosto é o lugar da política. Se as pessoas tivessem apenas que comunicar informações umas às outras, sempre isto ou aquilo, nunca haveria nenhuma política real, apenas uma troca de mensagens. Mas como os homens têm, antes de tudo, que comunicar sua abertura, seu reconhecimento mútuo em um rosto, o rosto é a própria condição da política, a base de tudo o que os homens dizem e trocam.

Neste sentido, o rosto é a verdadeira cidade dos homens, o elemento político por excelência. É olhando o rosto um do outro que os homens se reconhecem e se apaixonam uns pelos outros, percebendo a semelhança e a diversidade, a distância e a proximidade. Se não há política animal, é porque os animais, que estão sempre ao ar livre, não fazem de sua exposição um problema, eles simplesmente habitam nela sem se importarem. É por isso que eles não estão interessados em espelhos, na imagem enquanto imagem. O homem, por outro lado, quer se reconhecer e ser reconhecido, quer se apropriar de sua própria imagem, procura nela sua própria verdade. Desta forma, ele transforma o ambiente animal em um mundo, no campo de uma dialética política incessante.

Um país que decide renunciar a seu próprio rosto, para cobrir o rosto de seus cidadãos com máscaras em todos os lugares é, então, um país que apagou de si mesmo qualquer dimensão política. Neste espaço vazio, sempre submetido a um controle irrestrito, há agora indivíduos que estão isolados uns dos outros, que perderam o fundamento imediato e sensível de sua comunidade e só podem trocar mensagens com um nome sem rosto. E como o homem é um animal político, o desaparecimento da política também significa a remoção da vida: uma criança que não é mais capaz de ver o rosto de sua mãe quando nasce corre o risco de não poder mais conceber os sentimentos humanos.

Não menos importante do que a relação com o rosto é a relação do homem com os mortos. O homem, o animal que se reconhece em seu próprio rosto, é também o único animal que celebra o culto dos mortos. Não é surpreendente, portanto, que os mortos também tenham um rosto e que o apagamento do rosto ande de mãos dadas com a remoção da morte. Em Roma, os mortos participam do mundo dos vivos através de seu imago, a imagem moldada e pintada em cera que cada família mantinha no átrio de sua casa. O homem livre é, isto é, definido tanto por sua participação na vida política da cidade como por seu ius imaginum, o direito inalienável de preservar o rosto de seus antepassados e de exibi-la publicamente em festivais comunitários. “Depois dos ritos funerários e do enterro”, escreve Políbio, “o imago da pessoa morta era colocado no lugar mais visível da casa em um relicário de madeira, e esta imagem é um rosto de cera feito exatamente à semelhança da pessoa, tanto na forma quanto na cor”.

Estas imagens não eram apenas objeto de uma memória privada, mas eram o sinal tangível da aliança e solidariedade entre os vivos e os mortos, entre passado e presente, que era parte integrante da vida da cidade. É por isso que eles desempenhavam um papel tão importante na vida pública que se poderia dizer que o direito à imagem dos mortos é o laboratório no qual o direito dos vivos é fundado. Isto é tão verdade que aqueles que eram culpados de um crime público grave perdiam seu direito à imagem. E a lenda diz que quando Rômulo fundou Roma, ele fez cavar um poço – chamado mundus, “mundo” – no qual ele e cada um de seus companheiros jogaram um punhado da terra da qual vieram. Este fosso era aberto três vezes ao ano e se dizia que naqueles dias os mani, os mortos, entravam na cidade e participavam da existência dos vivos. O mundo é apenas o limiar através do qual os vivos e os mortos, o passado e o presente se comunicam.

Entende-se então porque um mundo sem rostos só pode ser um mundo sem mortos. Se os vivos perdem seus rostos, os mortos tornam-se meros números, que, tendo sido reduzidos à sua vida biológica pura, devem morrer sozinhos e sem funerais. E se o rosto é o lugar onde, antes de qualquer discurso, nos comunicamos com nossos semelhantes, então mesmo os vivos, privados de sua relação com o rosto, estão, por mais que se esforcem se comunicar com dispositivos digitais, irremediavelmente sozinhos.

O projeto planetário que os governos procuram impor é, portanto, radicalmente impolítico. Pelo contrário, ele visa eliminar qualquer elemento genuinamente político da existência humana, e substituí-lo por uma governabilidade baseada unicamente no controle algorítmico.

O cancelamento do rosto, a remoção dos mortos e o distanciamento social são os dispositivos essenciais desta governabilidade, que, de acordo com as declarações concomitantes dos poderosos, terá que ser mantida mesmo quando o terror sanitário for aliviado. Mas uma sociedade sem rosto, sem passado e sem contato físico é uma sociedade de espectros, e como tal condenada à ruína mais ou menos rápida.

Fonte: Arianna Editrice

Giorgio Agamben

Filósofo italiano de renome internacional, com foco no conceito de estado de exceção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *