As Mulheres Afegãs e as Lágrimas de Crocodilo da Direita e da Esquerda

Escrito por Gonzalo Santiaguez
Fenômeno curioso. Pessoas que nunca haviam se importado com os afegãos em geral, que nunca fizeram um comentário sobre a tragédia da ocupação daquele país, a sua transformação em base militar, a sua transformação em capital mundial da produção de heroína, a disparada nos casos de overdose, os casos de estupros, pedofilia e massacres de civis. Mas bastou a tomada da capital pelo Talibã que, com cinismo e hipocrisia, jornalistas e analistas de direita e esquerda decidissem expor as suas lágrimas pelas “mulheres afegãs”.

A queda do governo fantoche da República Islâmica do Afeganistão com a entrada do Talibã em Cabul em 15 de agosto alcançou, incrivelmente, o que nenhuma democracia existente no Ocidente jamais conseguiu: unir os diferentes setores político-parlamentares da esquerda e da direita em um teatro deplorável de falsa solidariedade.

Nos últimos três dias, testemunhamos o espetáculo mais cínico da geopolítica internacional nos últimos anos. Enquanto o Talibã hasteava a bandeira branca sobre Cabul, todos os setores existentes na arena política estavam, e ainda estão, exercendo uma imoralidade estranha, manipulando, como de costume, os conceitos de identidade mais fáceis de manipular.

Em primeiro lugar, houve uma preocupação súbita e desproporcional com as mulheres por parte dos militantes de direita em todo o mundo. Uma preocupação que é mais oportuna do que sincera, como todos nós imaginamos. Assim, sempre hasteando a bandeira daquelas mulheres que seus “inimigos” de esquerda “não protegem” (e eles também não, mas bem), porque pertencem a um horizonte cultural que para a esquerda “não está aberto à crítica” (segundo a direita), demonstram ser verdadeiramente igualitários, muito mais do que seus adversários, a quem muitas vezes apontam como manipuladores dos sentimentos das massas e populistas, não é irônico? Este tem sido o caso do líder do Partido Popular, Pablo Casado, lembrando estes dias o “inferno sofrido pelas mulheres afegãs”.

Dos setores políticos de esquerda, o espetáculo tem sido ainda mais lamentável. Um conhecido analista do “The Guardian” escreveu um artigo por esses dias com o título “Esqueçam a geopolítica: o custo da saída dos EUA do Afeganistão será pago pelas mulheres”. Não só o cinismo deveria ser óbvio para qualquer um que conseguisse ler o artigo sem náuseas, mas qualquer sociedade sadia aplicaria “damnatio memoriae” a qualquer elemento que tivesse a audácia de tratar uma questão tão sensível com um nível tão alto de manipulação da informação. Nunca houve reclamações da esquerda sobre como os americanos nos últimos 20 anos transformaram o Afeganistão em uma base militar ou como eles estabeleceram um governo fantoche praticamente inexistente; nem nunca ouvimos esses senhores de esquerda preocupados com o fato de Cabul ser a cidade com mais viciados em heroína no mundo após a chegada dos americanos, ou com o problema do ópio que os americanos desencadearam. Agora, porém, é o problema das “mulheres afegãs” que faz com que estes senhores façam brilhar seus teclados a partir de seus apartamentos em capitais ocidentais, agitando as vísceras de todos com a suposta miséria dos outros, miséria cuja existência eles ignoravam até apenas três dias antes.

Assim, uma publicação tem feito as rondas das mídias sociais para cima e para baixo sobre as proibições que o Talibã imporia às mulheres, o que é curioso, dado que esta publicação começou a se espalhar como a praga muito antes mesmo de o Talibã ser capaz de estabelecer seu governo. Entre elas, proibições como “soltar pipa”, às quais não dedicaremos uma única palavra neste artigo, pois acreditamos firmemente que se trata de uma absoluta insanidade.

Na mesma publicação, entre proibições de vestuário e outros assuntos, é mencionada a proibição total de ouvir música. Isto não é sem razão, pois os Talibãs proibiram a música durante seu domínio nos anos 90, na verdade, o Afeganistão tornou-se o único país do mundo sem um hino durante aqueles anos. Embora até agora o Talibã ainda não tenha proibido novamente a música, como afirma esta publicação, acho impressionante que esta publicação só se preocupe com o fato de as mulheres serem proibidas de ouvir música, enquanto que nos anos 90 foi uma proibição que se aplicava a todos os cidadãos afegãos independentemente do sexo. Este me parece apenas um exemplo de muitas das terríveis manipulações emocionais e irracionais dos traços de identidade relacionados ao gênero por parte da esquerda.

Também é mencionada a proibição do trabalho, que cai por terra quando nos últimos dias temos visto muitas das mulheres que têm sido vistas regularmente na mídia afegã cobrindo eventos ou mesmo entrevistando líderes do novo governo.

Finalmente, hoje um dos representantes do Talibã foi questionado em uma entrevista coletiva sobre o papel das mulheres no novo Emirado Islâmico do Afeganistão, ao qual ele respondeu que trabalhariam pela igualdade e cooperação dentro da lei islâmica que governará o país. Isto foi rapidamente seguido por dezenas de acólitos de esquerda que foram rápidos em verbalizar que esta não é uma verdadeira igualdade, mas uma versão totalmente distorcida da verdadeira igualdade. É irônico que sejam as mesmas pessoas que sopram o peito com proclamações anticolonialistas e espalham o discurso da relatividade cultural aos quatro ventos, quando na verdade o que realmente querem dizer quando chega a hora é: “A única igualdade válida é a nossa. A dos ocidentais brancos de esquerda”, o que resume perfeitamente uma abordagem colonialista até a medula.

A esquerda e a direita estão furiosas com os acontecimentos no Afeganistão, isso é claro. Mas nenhuma das razões que eles apresentam para isso são as verdadeiras razões de seu comportamento. A realidade é que sua reação ao que aconteceu em Cabul em 15 de agosto é apenas porque eles viram diante de seus olhos a queda de seus senhores americanos; viram o domínio de seus ideólogos cair sob seus narizes; daqueles que das universidades americanas, britânicas e canadenses desenharam todo o corpo doutrinário da esquerda de nossos dias e isto lhes trouxe imagens de sua queda futura que, seguramente, é o testemunho do Afeganistão: “Sic semper tyrannis”.

Fonte: Geopolitica.ru

Nova Resistência

Organização nacional-revolucionária que, com base na Quarta Teoria Política, busca restaurar a dignidade imperial do povo brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *